5 de abril de 2019

Capítulo 22

Stefan segurou Elena perto dele, correu os dedos pelo cabelo sedoso dela e sentiu seu coração batendo contra o peito dele. Quando seus lábios se encontraram, ele podia sentir o medo e cansaço dela, assim como sua admiração por seus novos Poderes. Elena estava sentindo sua própria mistura de amor e medo, e seu deleite com a nova proteção que Elena tinha. Ela estava lhe enviando um fluxo constante de amor e tranquilidade, que ele retribuiu igualmente.
Era sempre uma maravilha para ele, a maneira como o mundo parava, por mais que as coisas estivessem ruins, quando Elena estava em seus braços. Esta garota humana era sua luz e sua pedra de salvação, a uma coisa em que ele podia confiar.
— Durma bem, meu amor — disse ele, relutantemente soltando-a. Elena o beijou mais uma vez antes de entrar em seu dormitório e fechar a porta. Stefan odiava vê-la ir; ele não conseguia apagar a imagem de Klaus cortando sua garganta. Ainda assim, Bonnie e Meredith estariam lá. Elena sempre foi forte e independente e agora ela tinha Poder próprio. Ele estaria apenas alguns andares acima se ela precisasse dele.
Stefan subiu os dois lances de escada entre o quarto de Elena e o seu e abriu a porta. Seu quarto estava escuro e silencioso e ele pensou que, embora não dormisse, poderia se deitar e deixar o mundo girar sem ele por algumas horas.
Quando ele fechou a porta atrás de si, captou um flash de branco na varanda.
Katherine. Seu coração batendo lentamente pareceu parar por um momento. Ela estava inclinada graciosamente na grade da sacada, parecendo enganosamente jovem e delicada em um longo vestido branco. Ela devia ter voado e esperado por ele do lado de fora.
Seu primeiro pensamento foi trancar a porta para a varanda, para mantê-la fora. O segundo foi se armar com uma estaca e atacá-la. Mas ela poderia facilmente já ter entrado: ele não estava vivo; não havia nenhuma barreira que impedisse um vampiro de entrar em seu quarto. Não havia sentido atacá-la quando ela o veria chegando, seus olhos firmes nos dele através do vidro da porta da sacada.
— Katherine — disse ele, saindo para a varanda, mantendo a voz neutra. — O que você quer?
— Querido Stefan — disse ela ironicamente. — Isso é jeito de cumprimentar seu primeiro amor? — Ela sorriu para ele. Ele não sabia como pôde ter pensado que ela e Elena eram parecidas. Suas feições eram semelhantes, certamente, mas as de Elena eram mais firmes, os cabelos mais dourados, os olhos mais azuis. Katherine parecia uma criança abandonada e frágil no estilo de sua época, Elena mais musculosa e forte. E o amor e calor que ele via nos olhos de Elena não eram nada parecidos com a malícia que Katherine tinha.
— Klaus mandou você? — perguntou ele, ignorando o comentário dela.
— Onde está Damon? — perguntou Katherine, jogando o mesmo jogo. Ela inclinou a cabeça animadamente. — Vocês dois estavam se dando tão bem da última vez que te vi. Problemas no paraíso já? — Stefan não respondeu e seu sorriso cresceu. — Damon deveria ter aceitado minha oferta. Ele teria sido mais feliz comigo.
Stefan deu de ombros, recusando-se a deixar Katherine ver que tocara num ponto delicado.
— Damon não te ama mais, Katherine. — Disse ele, acrescentando vingativamente: — Você não era o que ele queria.
— Ah, sim, Elena — disse Katherine. Ela chegou mais perto de Stefan e deslizou os dedos ao longo de seu braço, olhando para ele através dos cílios.
— Deixe-a em paz — Stefan retrucou.
— Eu não estou mais brava com Elena — disse ela suavemente. — Tive muito tempo para pensar. Depois que ela me matou.
— Realmente — Stefan disse secamente, afastando-se dos toques demorados de Katherine. — Então estar morta lhe deu tempo para superar seu ciúme de Elena?
Vendo que ele não estava respondendo a seus flertes pseudoinocentes, Katherine se endireitou, endurecendo o rosto.
— Você ficaria surpreso com o quanto se aprende, estando morto — disse ela. — Eu vi tudo. E eu vejo o que está acontecendo com Elena e Damon. Na verdade — ela sorriu, seus longos caninos pontiagudos brilhando ao luar —, parece que Elena e eu temos mais em comum do que eu jamais soube.
Stefan ignorou a dor que sentia ao pensar em Elena e Damon juntos. Confiava em Elena agora, e não ia cair nos joguinhos de Katherine.
— Se você machucá-la, ou qualquer pessoa inocente aqui, encontrarei uma maneira de matá-la — disse ele. — E desta vez, você vai ficar morta.
Katherine riu, um som suave como um sino, que por um momento o levou de volta aos jardins do palácio de seu pai, muitas vidas atrás.
— Pobre Stefan — ela disse. — Tão leal, tão amoroso. Eu senti falta da sua paixão, sabe. — Ela estendeu a mão fria e passou suavemente no rosto dele. — É bom vê-lo novamente. — Recuando, ela se transformou, sua forma delicada ondulando no vestido branco até que uma coruja da neve abriu as asas no corrimão e subiu rapidamente  na noite.


Bonnie olhou pela janela do dormitório de Zander. Tinha sido uma longa noite, mas agora o amanhecer estava nascendo, rosa e dourado, sobre o pátio. Ela tinha chegado uma hora antes, assim que Zander ligou para dizer que precisava dela. Quando Bonnie chegou, Zander tomou-a nos braços e abraçou-a com os olhos bem fechados, como se estivesse bloqueando todo o resto, só por um momento.
Agora, o resto do bando tinha ido embora e Shay e Zander estavam debruçados na mesa dele atrás de Bonnie, esboçando planos de batalha em pedaços de papel.
— Tristan não está tão forte como deveria — Shay estava dizendo. — Se nós o flanquearmos com Enrique e Jared, eles podem compensar seu pé esquerdo fraco.
Zander soltou um som baixo e pensativo.
— Tristan distendeu um tendão no início do ano, mas eu pensei que ele estava quase curado. Vou me exercitar com ele e ver se ele pode voltar à velocidade.
— Até lá, precisamos ter certeza que ele está coberto — disse Shay. — Marcus é forte, mas tem uma tendência a hesitar. O que devemos fazer sobre isso?
Antes da última noite, Bonnie ainda não tinha entendido bem o que significava Zander ser o Alfa. A Alcateia tinha lamentado por Chad naquela noite, primeiro como lobos e depois, com a ida da lua, como pessoas. Houve uivos e, mais tarde, discursos e lágrimas, lembrando-se de seu amigo. E por toda parte, Zander assumiu o comando, guiando os amigos e apoiando-os em sua dor.
Agora a noite terminava, e ele e Shay estavam planejando as melhores maneiras de manter seu bando seguro no futuro. Eles estavam sempre focados no bem do seu bando.
Bonnie agora entendia exatamente por que o Alto Conselho dos Lobos tinha escolhido uma fêmea Alfa para Zander quando eles eram mais jovens, não apenas como uma companheira, mas como parceira.
Bonnie se virou quando Zander levantou.
— Ok — disse ele, esfregando os olhos. — Vamos encerrar a noite. Vamos juntar os caras esta tarde, ver como eles estão indo.
— Eu vou voltar e te ligar em algumas horas quando acordar — disse Shay, ficando de pé. Eles se abraçaram e ela se agarrou a ele por um minuto. Separando-se de Zander, ela deu um aceno duro para Bonnie. — Até mais tarde, Bonnie — disse friamente.
Quando a porta se fechou atrás de Shay, Zander estendeu os braços para Bonnie.
— Ei — disse ele, e deu a ela um longo e lento sorriso.
Mesmo com a dor em seus olhos, o sorriso foi devastador, e Bonnie avançou, entrelaçando os braços ao redor dele.
Mas mesmo quando ela o abraçou, não parecia muito certo. Zander deve ter percebido uma rigidez nela porque se afastou, seus grandes olhos azuis procurando os dela.
— O que foi? — perguntou ele suavemente. — Você está bem? Sei que as coisas estão realmente difíceis agora.
Os olhos de Bonnie arderam, e ela teve que soltar uma mão de Zander para enxugá-los. Era o jeito de Zander: o amigo estava morto, ele tinha passado a noite confortando e protegendo sua Alcateia, e agora estava preocupado sobre como Bonnie estava?
— Eu estou bem — disse ela. — Só cansada.
Zander pegou a mão dela.
— Ei — disse ele. — Sério, o que foi? Me diga.
Bonnie suspirou.
— Eu te amo, Zander — disse ela lentamente, e parou.
Os olhos de Zander se estreitaram e ele franziu a testa.
— Por que parece que há um “mas” no final? — perguntou ele.
— Eu te amo, mas não tenho certeza se sou boa para você — disse Bonnie tristemente. — Eu vejo você e Shay juntos... cuidando um do outro, lutando lado a lado, protegendo o bando juntos, e eu não posso fazer isso. Talvez o Alto Conselho dos Lobos esteja certo sobre o que você precisa.
— O Alto Conselho dos Lobos... Bonnie, o que eles têm a ver com isso? Eles não decidem o que eu quero — disse Zander, elevando a voz.
— Eu não posso ser assim para você, Zander — disse Bonnie. — Eu não sei. Talvez nós dois precisemos de algum tempo para descobrir o que o futuro nos reserva. O que é melhor para nós. Mesmo que seja... — Sua voz falhou, e ela engoliu em seco antes de continuar. — Mesmo que seja não estarmos juntos. — Ela estava olhando para as mãos apertadas, torcendo-as, incapaz de olhar Zander nos olhos. — Eu te amo — disse ela desesperadamente. — Mas talvez isso não seja tudo o que importa.
— Bonnie — disse Zander razoavelmente, colocando-se entre ela e a porta. — Isso é ridículo. Podemos descobrir isso tudo juntos.
— Espero que sim — disse Bonnie. — Mas, por ora, eu sei que não sou o que você precisa ao seu lado. — Ela estava tentando parecer razoável, mas ouviu a voz falhando enquanto falava.
Zander resmungou uma negação e estendeu a mão para Bonnie novamente, mas ela se esquivou. Tinha que sair do quarto antes que perdesse a coragem. Tinha certeza de que esta era a coisa certa, a melhor coisa — Zander tinha responsabilidades, ele precisava de alguém que pudesse compreendê-las e ser uma verdadeira parceira para ele — mas se não saísse agora, iria desabar no chão e envolver os braços ao redor das pernas, suplicando-lhe para não deixá-la ir.
— Bonnie — disse Zander enquanto ela passava por ele. — Fique. — Ela continuou se movendo em direção à porta sem responder. Após um momento de silêncio, ela ouviu Zander se sentar pesadamente na cama.
Bonnie tentou não olhar para trás, mas não pôde deixar de olhar de relance para Zander quando fechou a porta atrás dela. Ele estava debruçado, miserável, como se estivesse se protegendo de um golpe. Talvez ela estivesse fazendo a coisa certa, ou talvez apenas arruinasse a melhor coisa que já tinha lhe acontecido.
Ela simplesmente não sabia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para comentar, por favor utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!