26 de novembro de 2018

Capítulo 17

A bela general

MUITO TEMPO ATRÁS, em um deserto sempre em guerra, havia um grande general que queria um herdeiro. Finalmente, depois de muitos anos de preces, sua amada esposa engravidou. Mas, quando deu à luz, era uma menina.
O general deixou a decepção de lado, amando de imediato a filha, que era uma garota forte e saudável. Alguns anos depois a esposa do general teve um menino, e os dois comemoraram. Mas logo perceberam que ele não era tão forte quanto a irmã. Vivia doente e chorava com frequência, às vezes baixo demais para ser ouvido.
Os anos se passaram e a filha se manteve forte, além de muito bonita, enquanto o filho enfrentava dificuldades. Alguns dias, quando o garoto tinha força o suficiente para sair de casa, a irmã sentava ao seu lado e lia para ele. Uma vez, ao ver como era frágil, outro garoto começou a zombar dele e arremessar pedras em sua direção, tentando incitá-lo a revidar.
Foi a irmã quem levantou e revidou no lugar dele.
Quando o general separou a briga, descobriu muito surpreso que sua filha estava apenas com os punhos sujos de sangue, enquanto o garoto tinha sangue no rosto.
Naquele momento, ele viu sua filha como ela realmente era: a herdeira por quem rezara, que ia defender sua família e seu país quando ele próprio estivesse velho e fraco demais. E assim, em segredo, ele a ensinou a manejar todo tipo de arma e a vencer uma batalha. E até uma guerra, caso fosse necessário. Mas ele não sabia o que o futuro reservava para ela.
Então, num dia quente, caminhando pelo mercado em Izman, a filha do general conheceu o príncipe rebelde. Ela finalmente encontrou a guerra que estava destinada a lutar. E também se tornou a general de um grande governante.
A bela general defendeu várias e várias vezes aqueles que não podiam se defender sozinhos, e outros se juntaram a ela. Venceu todas as lutas, uma após a outra, como seu pai havia ensinado.
Até o dia em que perdeu.
Ela foi punida por ousar querer um mundo melhor. Foi enviada para as profundezas da escuridão, escondida, onde uma boa morte não teria como encontrá-la. Onde não poderia lutar, já que seus carcereiros não eram homens de carne e osso, mas criaturas mágicas de metal.
Dessa vez, não conseguiu encontrar um jeito de escapar, embora sua mente fosse ágil e afiada. Pela primeira vez a filha do general foi forçada a observar em vez de levantar e lutar.
Ela viu, várias e várias vezes, homens e mulheres queimando diante dos seus olhos.
E então as criaturas profanas de metal viraram seus olhos para a jovem princesa, a irmão demdji do príncipe rebelde, com seu estranho cabelo roxo. As costas da bela general doíam por curvar-se quando não queria. Seus olhos doíam por desviarem dos homens e mulheres que eram queimados. Sua garganta doía de tanto ficar em silêncio.
Então a general soltou a língua, abriu os olhos e endireitou as costas. Ela levantou para caminhar para a morte no lugar da jovem princesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!