29 de outubro de 2018

Capítulo 90

CAPÍTULO 90

Manon afundou-se nas pedras das muralhas do castelo e não se moveu por muito, muito tempo.
Ela não ouviu aqueles que falaram com ela, que tocaram seu ombro. Não sentiu o frio.
O sol arqueou e desceu.
Em algum momento, ela deitou-se sobre as pedras, encolhida contra a parede. Quando ela acordou, uma asa a cobria, e o hálito quente soprou em sua cabeça quando Abraxos cochilou.
Ela não tinha palavras. Nada além de um silêncio.
Manon levantou-se, passando pela asa que a protegera.
O amanhecer estava se quebrando.
E onde estava aquela torre de bruxas, onde o exército estivera, só restava a maldita terra.
Morath recuou. Lá para atrás.
A cidade e as muralhas ainda estavam de pé.
Ela despertou Abraxos com uma mão na lateral dele.
Ele não podia voar, ainda não, então eles caminharam juntos.
Abaixo dos degraus da muralha. Para fora dos portões do castelo e para além das ruas da cidade.
Ela não se importava que os outros seguissem. Mais e mais deles.
As ruas estavam cheias de sangue e entulho, tudo dourado pelo sol nascente.
Ela não sentiu o calor daquele sol em seu rosto enquanto caminhavam pelo portão sul e para a planície além. Ela não se importou que alguém tivesse aberto o portão para eles.
Ao seu lado, Abraxos empurrou as pilhas de soldados Valg, abrindo caminho para ela. Para todos aqueles que seguiam em seu rastro.
Era tão quieto. Dentro dela e na planície.
Tão quieto e vazio.
Ainda assim, Manon cruzou o campo de batalha. Não parou até chegar ao centro do raio da explosão. Até que ela ficou em seu coração.
Nem um vestígio da torre. Ou daquelas que estiveram nela, ao redor dela. Até as pedras foram fundidas em nada.
Nem um traço das Treze, ou dos bravos e nobres wyverns.
Manon caiu de joelhos.
As cinzas subiram, esvoaçantes, suaves como a neve, enquanto se agarravam às lágrimas em seu rosto.
Abraxos estava deitado ao lado dela, sua cauda enrolada ao redor dela enquanto ela se curvava sobre os joelhos e chorava.
Atrás dela, se ela olhasse, ela teria visto Glennis. E Bronwen. E Petrah Sangue Azul.
Aedion Ashryver e Lysandra e Ren Allsbrook.
Príncipe Galan e o capitão Rolfe e Ansel de Penhascos dos Arbustos, Ilias e a realeza feérica ao lado deles.
Se ela tivesse olhado, ela teria visto as pequenas flores brancas que eles carregavam. Teria ficado imaginando como e onde os haviam conseguidos estando no coração morto do inverno.
Se ela tivesse olhado, ela teria visto as pessoas se reunirem atrás deles, tantas que iam até os portões da cidade. Teria visto os humanos de pé lado a lado com as Crochans e Dentes de Ferro.
Todos vinheram para honrar as Treze.
Mas Manon não olhou. Mesmo quando os líderes que tinham vindo com ela, caminharam com ela por todo esse caminho, começaram a colocar suas flores sobre a maldita terra ensangüentada. Mesmo quando suas lágrimas corriam, caindo nas cinzas ao lado de suas oferendas em tributo.
Eles não falaram. E nem a fila de pessoas que vieram depois deles. Alguns levavam flores, mas muitos traziam pequenas pedras para colocar no local. Aqueles que não tinham estabelecido quaisquer efeitos pessoais que pudessem oferecer. Até o local da explosão estar coberto, como se um jardim tivesse crescido de um campo de sangue.
Glennis ficou até o final.
E quando estavam sozinhas no campo de batalha silencioso, a bisavó de Manon pôs a mão em seu ombro e disse em voz baixa e distante:
— Seja a ponte, seja a luz. Quando o ferro se derrete, quando as flores nascem nos campos de sangue, que a terra seja testemunha e retorne para casa.
Manon não ouviu as palavras. Não notou quando até mesmo Glennis retornou para a cidade que estava atrás dela.
Por horas, Manon se ajoelhou no campo de batalha, Abraxos ao seu lado. Como se ela pudesse ficar com eles, suas Treze, por mais algum tempo.
E longe, através das montanhas cobertas de neve, em uma planície estéril diante das ruínas de uma cidade outrora grande, uma flor começou a florescer.


8 comentários:

  1. Por que todas tão de uma vez... T_T a autora deixou Manon sozinha agora? 🤧

    ResponderExcluir
  2. Chorei! Chorei junto com a Manon. Tô despedaça com ela. Que livro!

    ResponderExcluir
  3. Ah que o Caldeirão ferva a tia Sarah por isso. Só isso que eu tenho pra dizer. Um desperdício de personagens extraordinárias.

    ResponderExcluir
  4. Nunca pensei que choraria tanto em um livro 😢😢😢😭

    ResponderExcluir
  5. Lindooo!! Triste, mas lindo! Que livro emocionante...

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!