22 de outubro de 2018

Capítulo 34

VOCÊ RECEBEU UMA MENSAGEM DE: RUBY.
Ruby: Louvado seja o Senhor, pois ele é capaz de fazer milagres! Amo meu filho, ele é perfeito, um grande gênio!
Rosie: Ei, parece que alguém andou largando os livros.
Ruby: Bem, você concordaria comigo se, como eu, tivesse acabado de testemunhar a reencarnação de Fred Astaire. Não só estou dolorida por dançar como nunca dancei antes, mas estou chocada até a raiz dos cabelos! Assim que a música começou a tocar, a magia aconteceu! Olhe, Ricardo não pegou leve com Gary, mesmo sabendo que hoje era o seu primeiro dia. Ele disse: “Rubeee, eza é uma turma avanzada, Gary vai der que dendar agompanhar os oudros.” E, meu Deus, Gary acompanhou tanto que eu quase desmaiei. Ricardo tocou até mesmo “1, 2, 3 Maria”, de Azuquita, e você sabe, Rosie... É rápida, tão rápida que eu e você caímos no chão arfando na metade da música, vendo passarinhos e estrelas rodando ao redor das nossas cabeças como nos desenhos animados. O jeito como Gary se movia era incrível. Ele dançava com tanta graça, girando e rodopiando pela pista de dança como se fosse um... sistema solar. Ricardo disse que Gary tem potencial para ser um astro, e que ele e eu formávamos uma bela dupla. Teddy não ficou tão impressionado quando eu lhe contei a novidade. Bem, era tanta animação quando cheguei em casa que simplesmente coloquei tudo para fora, mas não percebi que os amigos caminhoneiros de Teddy estavam na sala de TV e eles também não se impressionaram nem um pouco. Teddy até ficou com o rosto mais vermelho do que o comum e começou a falar sem parar sobre todos os dançarinos homens serem gays e que eu não devia influenciar Gary a gostar de garotos. Eu disse que estava tentando ajudá-lo a sair um pouco do seu mundo introspectivo, e não ajudá-lo a “sair do armário”. Mas os rapazes não entendem. Eles acham que tudo bem amassar latas de cerveja na cabeça, peidar (e depois cheirar o ar e morrer de rir), gritar com os jogadores de futebol na TV (como se eles mesmos fossem capazes de fazer melhor se estivessem no campo), tecer comentários sobre todas as mulheres gordas na TV (como se eles não tivessem aquelas barrigas de chope e não tivessem parado de cuidar de si mesmos há dez anos), me chamar a cada dez minutos para trazer mais latas de cerveja (aquelas baratas, do tipo que você compra uma dúzia por cinquenta centavos) e depois ter a audácia de me dar um sermão sobre o que faz alguém ser um homem de verdade, aqueles desgraçados preguiçosos e egoístas...
Rosie: Ei, ei, Ruby, acho que perdemos um pouco o fio da meada da conversa. Como o pobre Gary se sentiu quando Teddy e companhia começaram a tirar sarro dele?
Ruby: Bem, o coitado ficou tão envergonhado que saiu da sala bufando de raiva, subiu as escadas pisando com força e bateu a porta do quarto.
Rosie: Não acredito. Pobre Gary. Espero que Teddy tenha pedido desculpas.
Ruby: Ficou louca? É claro que não pediu. A reação de Gary só serviu para mostrar o quanto ele estava “ficando gay” por se comportar como uma “mulherzinha”. Mas eu logo encontrei consolo em seis cupcakes com cobertura cor-de-rosa. Bem, é hora de Fred Astaire e Ginger Rogers saírem da frente, porque Ruby e Gary Minnelli estão chegando!
Rosie: Minnelli?
Ruby: Tudo bem, eu mudei meu nome para algo que tem um toque mais artístico. Ricardo disse que pode nos treinar para participarmos de competições. Podemos até mesmo viajar pelo mundo se formos bons o bastante. Para alguém que considera caminhar até o outro lado do jardim uma aventura, poder viajar é um verdadeiro sonho. Isso se nós formos bons o bastante, é claro.
Rosie: Ruby, essa é uma notícia maravilhosa. O que Miss Behave vai dizer quando souber que foi substituída?
Ruby: Estou preocupada com isso. Você sabe que ela morre de ciúmes quando eu olho para outros homens, mas, não importa o que ela pense, vou levar Gary comigo por todas as etapas até chegarmos ao Campeonato Mundial de Salsa em Miami. Você sabe que é preciso olhar para além das quatro paredes do saguão da escola St. Patrick. Ver as possibilidades, inalar o sucesso e provar as recompensas.
Rosie: Andou assistindo ao programa da Oprah de novo?
Ruby: Sim, e aquela parte “Lembre-se do seu espírito” mexe comigo toda vez que eu vejo. Talvez Gary e eu possamos estar no programa algum dia, falando sobre como viemos do nada e nos transformamos em milionários dançando salsa, apenas porque acreditamos.
Rosie: Não venha falar sobre me lembrar do meu espírito. Tudo que eu consigo pensar é na vodca que bebi ontem à noite.
Ruby: Não é desse tipo de alegria que estou falando, sua boba... E aí, recebeu alguma notícia sobre emprego?
Rosie: Bem, sim. Recebi uma oferta de emprego pelo correio ontem.
Ruby: Que maravilha! Bem, já era hora. Era aquela que você queria ou aquela que você não queria?
Rosie: Você me conhece há tantos anos e ainda precisa perguntar? Bem, na verdade, não foi nenhuma delas, é o emprego que eu não queria, não queria, não queria de jeito nenhum, e que só aceitaria se fosse o último emprego disponível em Dublin, se eu estivesse sendo colocada para fora da casa dos meus pais com a roupa do corpo e se Katie e eu estivéssemos tão desesperadas para conseguir comida que tivéssemos que começar a lamber selos.

PREZADOS SR. E SRA. DUNNE,
A casa de leilões Hyland & Moore recebeu o seu pedido, e nós ficaríamos muito honrados em atuar em seu nome para a venda da sua casa. Obrigado por escolherem a Hyland & Moore para representá-los.
Sinceramente,
Thomas Hyland

VOCÊ RECEBEU UMA MENSAGEM DE: ROSIE.
Rosie: Oi, sou eu.
Rosie: Oooooiiiiiii!!!
Rosie: Eu sei que você está aí. Estou vendo que você está online.
Alex: Quem está falando?
Rosie: Haha, você é muito engraçado. O que é isso? O Dia Nacional de Torrar a Paciência de Rosie? Azar o seu, porque vou abrir o meu coração e compartilhar a história triste da minha vidinha miserável, quer você goste ou não. Tá bom, lá vai. Recebi uma oferta de emprego. Mas eu a recusei porque não imaginei que estava desesperada a ponto de ter que aceitá-la. E descobri que eu estava errada. De repente, meus pais me disseram que iam colocar a casa à venda no dia seguinte, e, antes que o meu cérebro conseguisse processar o que eles disseram, as pessoas começaram a entrar e sair da nossa casa, bisbilhotando o meu quarto, reclamando dos ambientes interiores, rindo do papel de parede, empinando o nariz para os carpetes, falando sobre quais paredes irão derrubar, quais os armários que irão arrancar e quais dos meus bichinhos fofinhos de pelúcia elas gostariam de queimar em uma fogueira no quintal enquanto dançam ao redor dela gritando, com a cara pintada com listras feitas com sangue de animal (bem, elas não disseram exatamente isso). Então um casal diz que quer pagar o preço que os meus pais pediram, sem pechinchar, depois de verem a casa uma única vez! Meus pais pensaram na oferta por cerca de vinte segundos e disseram que sim!
Alex: Não!
Rosie: Sim! Parece que a mulher está grávida de oito meses e eles estão morando em um apartamento muito pequeno e precisam se mudar logo, antes que o neném nasça e precise tomar banho na pia e brincar na sacada.
Alex: Não!
Rosie: Sim! Meus pais pediram milhões de desculpas, mas eu não os culpo porque a vida é deles, afinal de contas, e, com toda a sinceridade, eles já deviam ter parado de se preocupar comigo no momento em que saí de casa pela primeira vez. Assim, em questão de dias, eles venderam a casa, tudo foi encaixotado e eles compraram outra casa a preço de banana em Connemara. A mobília vai ser leiloada amanhã (com exceção de algumas peças que eu consegui salvar) e o resto das coisas será levado para a nova casa (que fica a algumas horas de distância daqui) também amanhã. Meus pais já compraram as passagens para embarcar num cruzeiro de dois meses e vão partir na segunda-feira.
Alex: Não!
Rosie: Sim! Isso significa que eu tive que ligar para as pessoas que me ofereceram o emprego que eu já havia recusado — e de uma maneira não muito educada, diga-se de passagem. Tive que pedir milhões de desculpas e tentar convencê-los de que de fato queria o emprego. Eles ficaram muito irritados e disseram que não precisariam de mim até agosto. Por isso, hoje Katie passou o dia com Brian enquanto eu saí para ver se conseguia encontrar uma casa em caráter emergencial.
Alex: Não!
Rosie: Sim! Todos os lugares que tinham preços de algum modo aceitáveis eram absolutamente asquerosos. Os apartamentos eram muito caros, muito pequenos ou muito distantes do meu trabalho e da escola de Katie. Assim, meus pais estavam discutindo os meus problemas pessoais (como costumam fazer) com o casalzinho tão feliz que dá nojo que está prestes a embarcar em uma linda vida em família enquanto desfigura por completo a casa onde passei a infância. E, como meus pais entenderam bem rápido a questão de “mudar-se em alguns dias”, eles sugeriram que eu me mudasse para o apartamento do qual o casal saiu e que decidiu alugar.
Alex: Não!
Rosie: Sim! Mas o detalhe é que eles já alugaram o apartamento para um grupo de estudantes por algumas semanas, então eu terei que esperar até que eles saiam de lá. E, como todos esses estudantes são homens, não tenho dúvidas de que o lugar vai estar sujo e fedido quando eles saírem.
Alex: Não!
Rosie: Sim! Então, com quem eu vou ficar enquanto espero, já estou até ouvindo você perguntar. Bem, vejamos. Meus pais se mudaram para Connemara, como você já sabe. Kev mora no alojamento do Two Lakes Hotel em Kilkenny, Steph mora na França, Ruby tem somente dois quartos no apartamento e eu não posso ficar lá com Katie, e você está em Boston, o que dificulta um pouco ir e voltar do trabalho todo dia. Por isso, quem é o único outro ser humano em Dublin que eu conheço agora (e nem pense em falar em Qual-é-mesmo-o-nome-dele)? Ninguém mais do que Brian Chorão.
Alex: Não!
Rosie: Sim! Receio que seja assim. Estou mandando estas mensagens do quartinho de despejo do apartamento que Brian Chorão alugou, no qual terei que ficar por algumas semanas. Será que as coisas podem ficar piores para mim? E essa nem é a pior parte. Eu ainda nem lhe contei quem é a minha nova chefe. Ninguém mais, ninguém menos do que a srta. Casey Narigão Bafo de Onça.
Alex: Não!
Rosie: Sim! Agora eu sou a secretária da mulher que nós dois mais odiávamos quando éramos mais novos, aquela que transformou a vida da minha filha num inferno e que agora é a diretora da Escola Primária St. Patrick e minha chefe. Por que diabos a srta. Casey Narigão Bafo de Onça me contratou é algo que está além da minha compreensão, mas foi o que ela fez. E, até que eu consiga encontrar outro emprego em um hotel, não vou reclamar nem fazer perguntas. Talvez ela só queira fazer com que a minha vida adulta continue a ser um inferno, e continuará fazendo isso até eu ficar idosa. E, por falar em gente idosa, ela já era velha quando eu tinha 5 anos, pelo amor de Deus, e ainda é velha. Essa mulher tem sete vidas. E então, o que você acha disso tudo? Quer que eu mande algum recado para a sua professora favorita?
Rosie: Oi, Alex?
Rosie: Alex?
Alex: Bem... Desculpe, na verdade Alex não está online.
Rosie: Haha. Bem, então como é que o nome dele está aparecendo online na minha tela e eu estou digitando essas coisas para ele?
Alex: Você não está digitando para ele. Eu estou usando o computador que ele tem em casa para entrar na internet. Acho que o nome dele ficou online automaticamente no seu sistema. Eu nunca uso este programinha, mas é bem divertido. Desculpe, eu não sabia que você queria falar com ele.
Rosie: O quê? Você acha que eu fico falando sobre a minha vida particular para qualquer estranho no computador? Quem está aí?
Alex: Bethany.
Rosie: Bethany?
Alex: Bethany Williams. Lembra de mim?
Rosie: O que você está fazendo no computador da casa do Alex?
Alex: Ah, desculpe, tudo começa a fazer sentido agora. Alex não te contou, não é mesmo? Achei que vocês dois contassem tudo um para o outro. Fique tranquila, vou passar todos os seus recadinhos para ele. Foram muito divertidos. Boa sorte com o novo trabalho, Rosie. Vou deixar que Alex explique tudo para você. Ah, por falar nisso, Alex está trabalhando com o meu pai agora. Está ganhando muito dinheiro e tendo bastante sucesso. Talvez, se você estiver mesmo precisando tanto assim, ele possa te emprestar algum.
Rosie fez logoff.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!