29 de outubro de 2018

Capítulo 27

Lobo e feérico caíram no tapete, rugindo e rasgando.
Fenrys se lançou para a garganta de Cairn, seu enorme corpo prendendo o macho, mas Cairn colocou os pés entre eles e chutou.
Aelin levantou-se cambaleante, desejando forças para suas pernas quando se ajoelhou ao lado da cômoda. Fenrys acertou a lateral da mesa de metal, mas estava imediatamente em movimento, jogando seu corpo contra Cairn.
Um assobio baixo soou próximo, e Aelin se atreveu a desviar o olhar para encontrar o atiçador à sua direita. Ela torceu os pés na direção dele. Colocou o centro das correntes que prendiam seus tornozelos no topo da ponta incandescente.
Lentamente, os elos do centro aqueceram.
Lobo e feérico se enfrentaram em um emaranhado de garras, punhos e dentes, depois se separaram.
Quebrar o juramento de sangue, isso o mataria. Estes eram seus últimos suspiros, seus últimos batimentos cardíacos.
— Eu vou arrancar a pele de seus ossos — Cairn ofegou.
Fenrys respirava pesadamente, sangue escorrendo por entre os dentes enquanto colocava uma pata atrás da outra, circulando. Seu olhar não se afastou do de Cairn enquanto se moviam, avaliando um ao outro pelo golpe mortal.
Os elos no centro da corrente começaram a brilhar. No alto, o céu se tornou cinza.
Fenrys e Cairn circularam novamente, passo a passo.
Atrasando-o, desgastando-o. Cairn conhecia o custo de quebrar o juramento de sangue. Sabia que só tinha que esperar até que Fenrys estivesse morto.
Fenrys também sabia disso. Ele atacou, estalando os dentes para a garganta de Cairn enquanto suas patas rasgavam as canelas do macho.
Aelin agarrou o atiçador, plantou os calcanhares no chão e ergueu a haste para cima. Esticou-se contra os elos aquecidos da corrente, e empurrou com força os pés para baixo, os braços curvados.
Cairn e Fenrys rolaram, e Aelin cerrou os dentes, berrando.
A corrente entre as pernas dela estalou.
Era tudo de que ela precisava.
Ela ficou de pé, mas parou.
Fenrys, preso por Cairn, encontrou seu olhar. Um rosnado veio em aviso e comando. Corra.
Cairn virou a cabeça para ela. Na direção da corrente solta entre os tornozelos.
— Você...
Mas Fenrys subiu, suas mandíbulas apertando em torno do ombro de Cairn.
Cairn gritou, arqueando, agarrando as costas de Fenrys. Fenrys a encarou novamente, rasgando o ombro de Cairn ao mesmo tempo em que o macho os empurrava para a borda da mesa. Martelou a espinha de Fenrys no metal com força suficiente para que o osso rachasse.
Corra.
Aelin não hesitou. Ela correu para as abas da tenda. E para a manhã além.


Oitocentos metros até o centro do acampamento. Até a tenda.
Os soldados responderam como Rowan antecipou, e ele os matou de acordo.
Aves de rapina mergulharam em sua direção, atacando com vento e gelo de cima.
Ele quebrou sua magia com uma onda própria, fazendo-os dispersarem.
Um grupo de guerreiros atacou por trás de uma fileira de tendas. Alguns o viram e correram de volta pelo caminho que tinham vindo. Todos soldados que ele treinou. E alguns que não. No entanto, muitos ficaram para lutar.
Rowan rasgou seus escudos, arrancou o ar de seus pulmões. Alguns encontraram seu machado entrando em seus pescoços.
Perto. Tão perto daquela tenda. Ele faria o sinal para Lorcan e Gavriel em um momento. Quando estivesse perto o suficiente para precisar que chamassem a atenção para a saída.
Outro grupo de soldados correu para ele, e Rowan virou a longa adaga. Seu poder explodiu as flechas disparadas, depois detonou os arqueiros.
Transformando-os em fiapos ensanguentados.

Um comentário:

  1. Coitado do fanrys queria muito que ele não morresse... Chegar a essa altura do campeonato pra morrer... Tô rezando pra esse jogo virar

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!