22 de outubro de 2018

Capítulo 26

QUERIDO ALEX,
Fiquei tão feliz quando afinal bati a porta e deixei esse dia horrível pra trás! “É só um emprego”, disse o Greg. Bom, se um emprego não é algo tão importante assim, então por que ele se recusa e bate tanto o pé pra largar o emprego dele? É que pra mim não se trata apenas de um emprego. Tudo bem, eles me ofereceram uma promoção, mas com isso me deram também confiança e alguma autoconfiança. Fizeram com que eu acreditasse que meu empenho foi recompensado e que eu fui vista como uma profissional competente e inteligente.
Mas desta vez nem tive a chance de estragar as coisas. Tomaram a decisão por mim. Katie não vai abandonar o Toby e eu não detesto o Greg o suficiente para me mandar pra Cork por minha própria conta e risco. Mas estou prestes a fazer isso. Deus do céu, aquele homem faz o meu sangue ferver! Tudo parece tão simples pra ele!
Na opinião do Greg, ele tem um ótimo emprego aqui que paga muito bem e eu tenho um trabalho que me paga razoavelmente. Então por que diabos ele gostaria de se mudar para uma cidade onde a esposa dele vai ter um emprego excelente e ganhar mais? Ah, claro, esqueci, não há bancos lá em Cork, então não há a menor possibilidade de ele encontrar um trabalho ou ser transferido. Lá as pessoas guardam dinheiro debaixo do colchão e dentro de caixas de sapato.
Além disso, as coisas são muito mais baratas lá do que aqui (como moradia, por exemplo). A Katie poderia começar o sexto ano num colégio excelente, então não se sentiria como se tivesse sido arrancada da escola no meio do caminho. Poderia ser tudo tão perfeito...
Por outro lado, posso dizer com toda a honestidade que a amizade de Katie com Toby é provavelmente a coisa mais importante pra ela. Toby lhe oferece muito apoio em tudo, faz com que a Katie se sinta feliz e mantém a inocência dos olhinhos dela. As crianças precisam de amigos para ajudá-las a crescer, a descobrir coisas sobre si mesmas e sobre a vida. Também precisam desses amigos para se manter em equilíbrio, e, pela rápida fuga da Katie, agora sei que, para ela, ficar sem o Toby nesse estágio de sua vida a levaria à loucura.
Você tem ideia de que os dois, usando o cartão de crédito do Greg, chegaram a reservar o voo pela internet para chegarem até você? Estavam no aeroporto, na fila do check-in, quando os policiais os encontraram! Posso até imaginar a cena: uma garotinha com o cabelo preto e pele branca, sem nenhuma bagagem, a não ser uma mochila felpuda em formato de ursinho, nas costas. Ao seu lado, um garotinho com o cabelo loiro e desgrenhado, segurando as passagens e os passaportes. Um casal miniatura em lua de mel. Um dia vou me lembrar dessa ocasião e dar risada. Depois que eu me recuperar do choque, do sentimento de pavor, da amargura e do ressentimento. Talvez na minha próxima vida.
Então é isso, não posso aceitar o trabalho dos meus sonhos porque a minha família não vai se mudar comigo. Grande coisa. Como se eu não me desdobrasse por eles. Como se eu não tivesse de me organizar pra que a minha vida gire em torno deles. Como se eu não chegasse do trabalho cansada e ainda assim colocasse o jantar na mesa pra eles e como se eu não desempenhasse o papel da esposa maravilhosamente compreensiva quando poderia estar fazendo um milhão de outras coisas. Como se eu não defendesse a minha filha na escola e tivesse de brigar com os professores toda hora para que deixem de chamá-la de filha do demônio. Como se eu não tivesse de suportar a mãe do Greg todo jantar de domingo e tivesse de ouvi-la reclamar sobre o quanto a comida está ruim, sobre o meu cabelo, sobre a maneira como eu me visto, sobre a forma como eduquei a Katie e depois ficar sentada por horas e horas ouvindo-a falar dos seus sabonetes favoritos. Como se não fosse sempre eu quem tem de faltar ao trabalho para ficar com a Katie quando ela está doente ou abandonar qualquer plano que eu tenha feito para ajudar alguém.
Como se eu não fizesse nada disso.
Mas quem se importa? Como agradecimento, ganho torrada queimada e chá com leite no café da manhã, uma vez por ano, no Dia das Mães. E isso deveria compensar, não é? Greg sempre me diz que vivo à procura de um arco-íris. Talvez agora tenha chegado o momento de eu parar de procurar.
Beijo,
Rosie

De: Alex
Para: Rosie
Assunto: Rosie Dunne!
Detesto ver você perdendo outra oportunidade. Não há nada que possa fazer pra convencer o Qual-é-mesmo-o-nome-dele?

De: Rosie
Para: Alex
Assunto: Família
Obrigada, Alex, mas não. Não posso forçar a minha família a se mudar se ela não quer. Eles são importantes pra mim.
Preciso respeitar as vontades do Greg. Não acho que me sentiria muito feliz se tivesse de me afastar do meu trabalho e dos meus amigos se ele tivesse de mudar por causa do trabalho.
Não posso levar a vida fingindo que estou sozinha no mundo. Mas imagine só o quanto tudo seria mais fácil! Enfim, é só mais uma oportunidade perdida.
Então chega de falar de mim. Como é que estão indo as palestras aí? Já descobriu quem é o tal sr. Cirurgião Fantástico?
Obrigada pelo apoio de sempre.

De: Katie
Para: Toby
Assunto: De castigo!
Não consigo acreditar que a gente está de castigo! E logo nas férias de verão! E os nossos pais nem vão ficar loucos com isso! E nem chegamos a lugar nenhum — estávamos a menos de uma hora de casa! Não cei pra que deixar a gente trancado em casa por duas semanas. Bem que eu te disse que a gente deveria ter pegado um trem pra França ou alguma coisa assim. Nos filmes, o primeiro lugar onde a polícia vai procurar as pessoas é o aeroporto. Foi aí que a gente errou. Estive pensando nisso e acho que a gente deveria ter ido para o terminal de ônibus e comprado uma passagem para Rosslare. Da próxima vez é isso que a gente vai fazer.
O que você acha que o Alex teria feito se a gente tivesse aparecido na porta dele? A mamãe disse que ele nem está em casa, que está fora participando de umas palestras, ou alguma coisa assim, mas acho que é tudo mentira dela pra tentar provar que o nosso plano não teria funcionado. Não acho que ele ia ficar bravo com a gente. O Alex é legal. Mas acho que ele ia ligar para a mamãe e ela mandaria milhões de carros da polícia e helicópteros de resgate pra buscar a gente.
Tadinha da mamãe. Que bom que a gente não vai mudar, mas fico triste por ela. Ela estava tão empolgada com aquele trabalho e agora voltou a ficar grudada naquele balcão em que trabalhava há anos. Eu me sinto meio culpada. Cei que ela teria me arrastado de qualquer jeito se o Greg dissesse que tudo bem, mas ainda assim me sinto mal por ela. Ela fica andando de um lado pro outro pela casa, parecendo muito triste mesmo e suspirando como se estivesse aborrecida e sem saber o que fazer. Igual a gente fica no domingo. Ela levanta do sofá e vai pro outro canto da casa para se sentar numa cadeira. Aí ela levanta de novo e muda de cômodo mais uma vez, fica olhando pela janela por anos e anos, suspira três milhões de vezes, vai pra outro lugar da casa e inspira, expira, inspira, expira, inspira, expira... Fico tonta só de olhar pra ela. Às vezes começo a seguir a mamãe, já que não posso nem sair de casa pra ver o mundo lá fora e não tenho nada melhor pra fazer.
Ontem comecei a seguir a mamãe de novo e ela começou a andar mais e mais rápido. No final, eu estava perseguindo ela pela casa inteira e foi muito engraçado. Ela abriu a porta da frente e saiu de roupão mesmo, e começou a me provocar porque eu não posso sair (por causa do castigo e tal...). Mas eu saí mesmo assim, e aí nós duas saímos correndo pelo quarteirão, ela de roupão amarelo e eu com o meu pijama azul com desenho de coração rosa! Todo mundo ficou olhando pra gente, mas foi engraçado. Corremos até aquela loja da Birdie que tem na esquina e a mamãe perguntou se eu queria sorvete de morango, que foi a parte mais legal do meu dia. A Birdie nem ficou muito impressionada quando viu a gente, ainda mais vendo que a mamãe não estava usando nada por baixo do roupão, mas a Birdie mostrou as pernas pro sr. Fanning que estava lá pra comprar o jornal da manhã. Parecia que ele ia sofrer um ataque do coração. Então, pelo menos fui lá fora um pouquinho.
Logo que a gente voltou pra casa, a mamãe continuou a andar pela casa como se estivesse num museu ou algo parecido. Greg disse que ela está com fogo no rabo. A mamãe disse que adoraria enfiar uma vara no dele. Aí ele não falou muito pelo resto do dia.
Toby, você acha que a gente teria conseguido pegar o avião se tivesse chegado ao começo da fila no aeroporto? Não tenho certeza se eu ia conseguir deixar a mamãe pra trás, mas acho que ela não acreditaria se eu dissesse isso pra ela agora. Provavelmente ela ia pensar que só estou fazendo isso pra tentar sair do castigo, embora isso não seja má ideia. Tá legal, vou fazer isso!
Responde o meu e-mail antes que eu morra de tédio!

De: Alex
Para: Rosie
Assunto: Compromissos familiares
Você e os seus “compromissos” familiares. Só não quero que você seja a única pessoa a ter de seguir as regras, só isso.
As palestras estão ótimas. Você não vai acreditar quem é o cirurgião. É um queridinho seu.
Reginald Williams.

De: Rosie
Para: Alex
Assunto: Reginald Williams
Passa um balde que eu quero vomitar. Você quer dizer o pai da Bethany Piranha? Vieram do passado para nos assombrar!!!??

De: Alex
Para: Rosie
Assunto: Re: Reginald Williams
Tudo bem, Rosie, respire fundo aí. Ele não é tão ruim assim. É um homem muito inteligente.

De: Rosie
Para: Alex
Assunto: Re: Re: Reginald Williams
E o que ele faz agora? Hipnotismo? Conseguiu manipular a sua mente? Então é por isso que ele anda aparecendo em todos os jornais por aqui. Eu me recuso a ler, em protesto contra a existência dele e da família dele. Ah, meu Deus, Reginald Williams! E aí, acha que tem alguma chance de ser um dos “poucos escolhidos” para trabalhar com ele, já que quase virou seu genro? Nada como um pouquinho de nepotismo para manter o mundo um lugar justo e igualitário.

De: Alex
Para: Rosie
Assunto: Nepotismo!
Acho que as chances de isso acontecer são mínimas. Penso que selei o meu destino quando descartei a filha única e predileta dele!

De: Rosie
Para: Alex
Assunto: Bethany Piranha
Bom, não sei quanto a selar o seu destino. Mas acho que pode ter sido a melhor decisão que você tomou. Pense nisso. Faz mais ou menos dez anos que não vejo a Bethany Piranha! O que será que ela anda fazendo? Deve estar morando numa mansão em alguma montanha, contando diamantes e disparando risadas demoníacas...

De: Rosie
Para: Stephanie
Assunto: Melhores amigos ficam com você para sempre
Minha querida e sábia irmã Stephanie, você estava certa! Quando eu tinha 17 anos, você me disse que namoradas vêm e vão, mas que grandes amigos ficam pra sempre. Hoje me peguei falando isso: “O que será que a Bethany Piranha anda fazendo?”... Exatamente a mesma pergunta que eu jamais gostaria que o Alex fizesse em relação a mim. Naquela época não acreditei muito em você, mas agora tenho certeza!! Obrigada, Steph. Melhores amigos ficam mesmo com você para sempre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!