22 de outubro de 2018

Capítulo 21


De: Rosie
Para: Alex
Assunto: Carta?
Alex, coloquei a cozinha de pernas pro ar pra procurar a sua carta, não deixei nem um centímetro sequer sem ser revirado, e o Greg e a Katie juram que não colocaram um dedinho sobre a carta, então não sei mais onde ela pode estar. Tem certeza de que a deixou aqui? Corremos tanto pra te levar até o aeroporto naquela manhã que talvez você tenha esquecido. Verifiquei o quarto vazio no qual você dormiu. Tudo que encontrei foi uma camiseta que você esqueceu, mas agora ela é minha e não vai tê-la de volta!
Mas e aí, o que tinha na carta? Você não me ligou ontem depois que cheguei em casa. Está realmente conseguindo me manter no maior suspense, Alex!

De: Alex
Para: Rosie
Assunto: Re: Carta?
Como vão as coisas com o Greg? Você está feliz?

De: Rosie
Para: Alex
Assunto: Greg
Uau, que mudança de assunto! E que pergunta direta!
Tudo bem, sei que você deve estar sentindo que eu e ele estamos atravessando uma fase ruim e está preocupado com isso. E também sei que você não o suporta de jeito nenhum, o que é muito difícil pra mim porque eu realmente amaria que você visse o Greg como eu o vejo.
No fundo, no fundo, debaixo de todas aquelas camadas de estupidez, há um homem bom de verdade. Ele extravasa uns pensamentos egoístas, diz coisas erradas nas horas erradas, mas entre quatro paredes é um grande amigo. Entendo que ele tenha tendência a certas idiotices, mas ainda assim consigo amá-lo por isso. Pode ser que ele não seja a pessoa com quem você se sinta à vontade para se sentar próximo durante um jantar, mas para mim ele é uma pessoa com quem me sinto à vontade para dividir a vida.
Sei que é difícil para as pessoas entenderem o jeito dele. Tudo o que você vê é uma paranoia de superproteção, mas só Deus sabe o quanto isso me faz sentir segura e desejada. E a estupidez dele me diverte! Temos um longo caminho a ser percorrido pra nos tornarmos um casal perfeito. Com certeza não vivemos o casamento dos contos de fadas, ele não me cobre de pétalas de rosa nem me leva pra passear em Paris nos fins de semana, mas ele nota quando corto o cabelo. Quando me arrumo pra sair à noite, ele me elogia. Quando choro, ele enxuga as minhas lágrimas. Quando me sinto sozinha, ele me faz sentir amada. E quem é que precisa de Paris quando se tem um abraço?
Em algum momento, ao longo desse caminho e sem que eu mesma tenha me dado conta, eu cresci, Alex. Pelo menos uma vez, não vou aceitar o conselho de ninguém próximo a mim sobre o que devo ou não fazer. Não posso sair correndo para os braços dos meus pais e não posso comparar o meu casamento ao casamento de ninguém. Todos nós seguimos as próprias regras. Aceitar o Greg de volta foi a decisão que tomei e eu não teria feito isso se não sentisse que ele — e, o mais importante de tudo, eu — aprendeu alguma lição. Sei que o que aconteceu jamais acontecerá de novo e acredito, acredito muito mesmo nisso, porque, se eu não estivesse tão segura em relação ao nosso futuro, não haveria como seguir adiante com o Greg.
Sinto que era isso que havia na sua carta, Alex, mas não se preocupe comigo. Estou bem.
Obrigada, obrigada, muito obrigada por cuidar tanto de mim assim. Não se encontram mais amigos como você.

De: Alex
Para: Rosie
Assunto: Re: Greg
Isso foi tudo que eu sempre quis. Que você seja feliz.

QUERIDA STEPHANIE,
E aí, como vai a nova mamãe? Espero que esteja lidando bem com a situação. Sei que é uma mudança grande — mas maravilhosa do mesmo jeito. Você está conseguindo dormir pelo menos um pouco? Espero que sim. Sempre soube que seria uma mãe maravilhosa: você sempre soube como cuidar da sua irmãzinha aqui (e do bebê dela!)
E por falar nisso, muito obrigada por todos os detalhes sanguinolentos sobre o nascimento do bebê. Você é ainda mais maravilhosa do que sempre pensei! E não, não quero que o Pierre me mande a gravação dessa experiência “mágica”. Eu me lembro muito bem de tudo o que acontece... Lembra que costumavam passar esses vídeos na escola, pra pôr medo na gente em relação a fazer sexo? Bom, tá na cara que nenhuma das duas ficou assim tão assustada. Se queriam mesmo nos segurar, bastava ter mostrado como se troca fralda, o que faria todo mundo sair correndo para algum convento.
Todos vocês parecem muito felizes na foto — uma família perfeita. Ainda existe esse tipo de coisa? Porque, se ainda existe, minha família e eu não entramos na fila quando estavam entregando os títulos.
Realmente não tenho muita certeza se fiz a coisa certa aceitando o Greg de volta. É tão difícil saber que decisão tomar. Por Deus, Stephanie, sempre fui a primeira pessoa a sair proclamando por aí que, se algum dia o meu marido fosse infiel, nunca, jamais, de forma nenhuma eu o aceitaria de volta. Sempre disse que esse seria o tipo de coisa que eu jamais perdoaria (bem, isso e fazer aborto). Então, o que é isso que estou fazendo, aceitando ele de volta?
O que é que estou fazendo, permitindo que ele durma ao meu lado na cama? Por que é que estou preparando o jantar pra ele e o chamo quando a comida está na mesa? Não foi isso que eu disse que faria. Preciso reunir todas as minhas forças pra me controlar e não esticar o braço e meter a mão na cara dele toda vez que ele sorri pra mim.
Pensei que mandar ele embora de casa fosse a coisa mais fácil do mundo, mas parte do motivo de tê-lo aceitado de volta foi que não consegui encarar o fato de ter de enfrentar tudo sozinha de novo. Fiquei pensando em mim e na Katie sozinhas uma vez mais e não suportei a ideia. Agora começo a questionar a minha decisão. Será que devo ficar com ele e aprender a amá-lo de novo, ou devo aprender a viver por minha conta, ser independente? Só acho que não consigo encarar outro apartamento apertado e outro salário indecente com o qual Katie e eu tenhamos de sobreviver.
Se eu pelo menos conseguisse perdoá-lo... Se toda vez que ele fala comigo eu pudesse apagar a imagem daqueles lábios beijando outra pessoa... Minha pele se contrai com o toque dele, e sinto tanto ódio que fico sem reação. Pra mim, é difícil tentar cicatrizar as minhas feridas com o mesmo homem que as provocou.
E que droga! Ele é extremamente dedicado a tudo. É o sr. Entusiasmo quando se trata de buscarmos ajuda com um terapeuta, e dedica uma parte do dia a conversar comigo (conversa de verdade!). Ele se parece com um daqueles guias de “Como agradar a sua esposa depois de ter transado com outra mulher”. Pra começar, agende um horário com um terapeuta, certifique-se de ter feito um escarcéu em relação a isso, mostre que cancelou compromissos importantes para comparecer, depois prepare o jantar todos os dias, encha a lavadora de louça, pergunte a sua mulher um milhão de vezes ao dia se ela está bem e se há alguma coisa que possa fazer para ajudá-la, faça as compras da semana, lembre-se de incluir pequenos presentes pra ela, como o seu bolo de chocolate favorito ou um livro que você sabe que ela gostaria de ler, reserve algumas horas do dia para sentar com a sua esposa e fazer um resumo do seu dia para depois discutir os detalhes da relação. Faça isso quinhentas vezes por dia, acrescente água e mexa.
E a questão é que o Greg com quem me casei nunca faria todas essas coisas. Ele jamais se preocuparia em repor o papel higiênico do banheiro; ele nunca tiraria todo o resto de comida do prato antes de colocá-lo no lava-louça. Tudo mudou. Até mesmo as pequenas coisas do dia a dia, que tornam a vida tão agradável, mudaram.
Se pudesse encontrar em mim a força necessária para deixá-lo, eu o faria, mas estou presa nesse limbo evasivo. Só quero tomar a decisão certa e tem de ser agora. Daqui a quarenta anos, não quero ser uma velha amarga, ainda disparando comentários depreciativos sobre o Greg e sobre o que ele fez. Para fazer esse casamento funcionar, preciso, antes de tudo, saber se posso fazer isso, e, caso não consiga esquecer, se consigo pelo menos perdoar. Preciso saber se aquela sementinha de amor que sinto por ele vai crescer de novo e vai voltar a ser o que era. A única coisa que me deixa mais forte é saber que ele nunca mais vai voltar a fazer isso comigo. Tivemos muitas noites longas de lágrimas e de brigas de ambas as partes pra querer passar por tudo isso outra vez.
Se o Alex morasse aqui neste país eu saberia o que fazer. Tudo que preciso é de apoio. Ele é o anjinho que senta sobre o meu ombro e sussurra no meu ouvido: “Você vai conseguir!”.
Que engraçado. Tenho 30 anos agora e ainda me sinto como uma garotinha. Continuo olhando ao meu redor pra verificar o que as outras pessoas estão fazendo e me certificar de que não sou completamente diferente delas; continuo olhando ao meu redor, à procura de ajuda, esperando por uma cutucada de leve ou por um conselho ao pé do ouvido. Mas parece que não consigo atrair a atenção de ninguém. Ninguém à minha volta parece estar olhando ao seu redor e se perguntando o que deve fazer. Por que é que eu me sinto a única pessoa que está perdida, preocupada com as escolhas que fez e com as direções que tomou? Para onde quer que eu olhe, vejo as pessoas seguindo a vida adiante. Talvez eu deva fazer apenas o mesmo.
Beijo,
Rosie

QUERIDA ROSIE,
Por favor, pare de se torturar com perguntas cujas respostas você desconhece. Está passando por uma fase muito difícil agora, mas está seguindo adiante outra vez, como sempre faz. Cada queda te faz mais e mais forte.
Não posso te dizer pra ficar com o Greg ou não — só você pode tomar essa decisão —, mas tudo o que posso dizer é que, se ainda resta algum tipo de amor, você deve tentar. Tudo aquilo que é pequeno cresce quando nós o alimentamos, Rosie. E com o amor acontece exatamente o mesmo. Mas, se isso te deixa infeliz, então desista e vá encontrar algo que traga a felicidade que você merece.
Apenas ouça o que o seu coração diz e aja de acordo com a sua voz interior. Ela vai te levar ao caminho certo. Desculpe se não tenho grandes palavras de sabedoria pra te oferecer agora, Rosie, mas pelo menos você sabe que não está sozinha; as outras pessoas nem sempre têm as respostas para as próprias perguntas. Às vezes nos sentimos tão confusos e perdidos quanto você está agora.
Cuide-se.
Com carinho,
Stephanie

De: Rosie
Para: Stephanie
Assunto: Coração silencioso
Meu coração não está me dizendo nada, minha voz interior me diz pra ir pra cama, me aninhar feito uma bola e chorar.

Lembretes para mim mesma:
Sob nenhuma circunstância se apaixone de novo.
Sob nenhuma circunstância confie em outro ser humano.
Compre lenços de papel especial com bálsamo de calêndula para não ser confundida com a mãe do Rudolph, a Rena do Nariz Vermelho.
Coma.
Saia da cama
E, pelo amor de Deus, pare de chorar.

De: Mãe
Para: Stephanie
Assunto: Está funcionando?
Acho que acabo de descobrir esse negócio de e-mail. Bom, só queria saber se os nossos planos pro aniversário de 60 anos do seu pai continuam de pé. Ele acha que vai ser só uma reuniãozinha com umas bebidas com o Jack e a Pauline, então não responda este e-mail por aqui porque pode ser que ele leia também. Ligue para o meu celular. Vou adorar que você venha. Vai ser bom nos reunirmos de novo e acho que será ótimo pra Rosie. Estou preocupada com ela, anda muito chateada com o Greg e emagreceu muito. Seu pai está prestes a meter a mão na cara do Greg, o que não vai ser bom pra ninguém, muito menos para o coração do seu pai. Kevin também não está falando com o Greg, o que não torna as coisas nem um pouco mais fáceis para a pobre da Rosie. De qualquer forma, quanto mais família ao redor dela, melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!