16 de setembro de 2018

Capítulo 33

MAGNUS
PAELSIA

Magnus piscou e abriu os olhos, franzindo a testa, confuso com a dor que sentia nos braços. Demorou um pouco para perceber que estava deitado. Seus braços estavam erguidos acima da cabeça, presos e acorrentados ao teto.
Ele estava em uma sala escura iluminada apenas por algumas tochas.
— Ele despertou. Finalmente. Eu estava prestes a mandar buscarem sais aromáticos.
Ele franziu a testa, sem entender, ainda zonzo.
— Olá, meu velho amigo. — A voz era familiar. Dolorosamente familiar.
E então, entendeu tudo muito bem.
— Kurtis — Magnus disse, sentindo gosto de sangue na boca. — Que incrível vê-lo de novo.
— Ah, você diz isso, mas, no meu coração, sei que está mentindo. — O ex-grão-vassalo deu uma volta lenta ao redor de Magnus com um sorriso contido.
— O que você fez com Nerissa e Nic?
— Não se preocupe com eles, amigo. Preocupe-se consigo mesmo.
Magnus tentou entender onde estava observando ao redor. Era difícil, uma vez que um de seus olhos estava inchado e fechado.
— Vi sua adorável esposa mais cedo — Kurtis disse. — Ela não me viu, claro. Por causa de como as coisas ficaram entre nós, acho que Cleo pode estar irritada comigo.
— Não ouse falar o nome dela — Magnus resmungou.
Kurtis parou na frente de Magnus e inclinou a cabeça, ainda com aquele maldito sorriso.
— Cleo. Cleo, Cleo, Cleo… Sabe o que vou fazer com ela? Eu adoraria, de verdade, que você pudesse estar presente para ver.
Ele se inclinou para a frente e sussurrou no ouvido de Magnus uma lista de horrores que faria qualquer pessoa — homem ou mulher — implorar para morrer muito antes do alívio finalmente chegar.
— Juro pela deusa — Magnus disse —, que vou matar você muito antes que encoste um dedo nela.
— Achei que estava chegando perto de fazer isso quando ministrava aulas de arco e flecha à princesa. Sei que você nos observava. Era ciúme no seu olhar? Parece que os boatos de ódio entre vocês estão longe de ser verdade, não é? Mas por que se importa com o destino dela? Ela traiu você por uma chance de se alinhar com a imperatriz.
— Eu não me importaria nem um pouco se ela me traísse para se alinhar com todos os demônios das sombras, mas mato você se olhar para ela de novo.
— Mas, em sua atual situação… — Kurtis olhou para as correntes. — Eu gostaria muito, muito, de vê-lo tentar.
— Quer me torturar? Uma espécie de vingança pelo que fiz com você?
— Isso, quero torturar você. E depois quero matar você bem devagar. — Ele levantou o coto onde antes ficava sua mão. — E o aconselharia a economizar saliva em vez de implorar por sua vida. Vai precisar dela para todos os gritos que vai soltar.
No fundo, o príncipe conhecia a verdade do que via nos olhos de Kurtis.
Não haveria misericórdia ali. Mas Magnus Damora não imploraria pela própria vida.
— Eu seria um aliado vivo melhor do que um inimigo morto — ele disse. — Lembre, você é, no momento, um limeriano no meio de milhares de kraeshianos e de dezenas de milhares de paelsianos.
Kurtis mostrou os dentes em um sorriso sinistro.
— Um problema por vez, meu velho amigo. Diga, quando você voltou ao palácio e me tirou do trono, eu poderia ter jurado que seu braço estava quebrado. Foi sua irmãzinha feiticeira quem o curou?
— Talvez eu tenha alguns truques próprios que você não conhece — Magnus blefou.
— Para ser sincero, espero que tenha. — Kurtis olhou para os dois guardas kraeshianos que estavam atrás dele nas sombras. — Quebrem os dois braços dele, por favor. E acho que a perna direita também.
Os guardas avançaram sem hesitar.
— Kurtis — Magnus disse, alternando o olhar entre o grão-vassalo e os guardas que se aproximavam. — Você acha que vai me matar aqui hoje, e ninguém vai ficar sabendo?
— Hoje? Você acha que vou matar você hoje? Não. Sua morte deve demorar para você sofrer bastante. — Ele meneou a cabeça. — Até logo.
Magnus jurou para si mesmo que não ia implorar. Não pediria.
Mas Kurtis estava certo em relação aos gritos.


Quando Magnus abriu os olhos, viu um pedaço da lua no céu escuro. A consciência era sinal de que estava vivo, mas também trazia uma dor sem fim devido às lesões causadas pelas ordens sádicas de Kurtis.
Onde estava? Do lado de fora, sim. Se via a luz da lua, estava do lado de fora. E ainda estava em Paelsia, já que o ar frio não combinava bem com o frio severo de Limeros, nem com o calor de Auranos.
Percebeu que estava em uma caixa de madeira.
— O que é isso? — ele perguntou.
— Você está acordado — Kurtis disse, e seu rosto odioso apareceu diante de Magnus. — Você dorme pesado. Como um morto, devo dizer.
— Eu… não consigo me mexer.
— Imagino que não. Você está péssimo, meu amigo. Mas é forte. Já vi esse tipo de tortura matar homens e mulheres. Muito bem.
— Você é um lorde e um grão-vassalo, Kurtis. Um limeriano. Também é ridículo, um merda, mas precisa perceber que o que está fazendo é errado. Ainda dá tempo de parar.
— Todos esses elogios, Magnus, estão entrando em minha mente. Nunca gostei de você, mas eu o tolerava por causa do poder de seu pai. Agora esse poder não existe mais, assim como minha mão. Tudo devido a ordens. — Kurtis arregalou os olhos e seu rosto ficou vermelho. — Diga, o boato de que você tem medo de lugares pequenos e fechados é verdadeiro?
— Não, não é.
— Imagino que logo se tornará verdade. — Kurtis sorriu. — Guardarei essa lembrança pelo resto da vida, meu velho amigo. Adeus.
Magnus tentou sentar, mas a dor tomou conta de seu corpo, cegando-o como um raio. E então, veio a luz, a noite, e Kurtis Cirillo desapareceu quando uma tampa de madeira se fechou sobre ele.
Um caixão. Ele tinha sido colocado dentro de um caixão.
Pregos foram martelados. Magnus sentiu que estava sendo levantado por um milésimo de segundo, e então desabou com força, batendo as costas no fundo de madeira.
E então veio o raspar de pás e a batida leve da terra enchendo a cova enquanto Kurtis e seus guardas leais o enterravam vivo, debaixo da terra paelsiana.

8 comentários:

  1. Meu Deus!!! Continuação, por favoooooorrrrr!!!!

    ResponderExcluir
  2. Karina vai ter continuação nao vai!!!! Fala que vai por favor 😢🙎🙏

    ResponderExcluir
  3. AAAHHHH ñ vou suportar viver com esse suspense

    ResponderExcluir
  4. Aaaaaaaaah

    -Julia Lovelace

    ResponderExcluir
  5. Coitado do Magnus, tô chocada com esse final !!

    ResponderExcluir
  6. Essa série sempre me choca, caramba essa autora é incrível!! Mas por favor não mate o Magnus.

    ResponderExcluir
  7. Pelo sangue dos anjos, que maldade.
    Eu mesma mataria o Kurtys.
    Espero que a Cleo não o perdoe, jamais.

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!