5 de julho de 2018

Capítulo 22

— Estou muito brava com você — disse Piper, a voz muito próxima.
Greenmantle estava deitado em cima do carro alugado, os braços cruzados sobre o peito e os joelhos bem juntos, pensando sobre posições de enterro medievais.
— Eu sei — ele respondeu, abrindo os olhos. O céu acima estava escandalosamente azul. — E agora?
— O pessoal da coleta de sangue esteve aqui hoje e você não estava. Eu lhe disse para estar aqui.
— Eu estava aqui.
Ele havia passado a primeira hora após chegar em casa deitado de barriga para baixo. Uma pequena porcentagem dos corpos medievais era enterrada assim; historiadores achavam que se tratava de túmulos de suicidas e bruxas, embora, na realidade, historiadores fossem Adivinhos McPalpiteiros, ele mesmo o maior de todos.
— Você não atendeu quando eu liguei!
— Não muda o fato de que eu estava aqui.
— Eu devia vir te procurar no carro? E por que você está aqui?
— Estou tendo um bloqueio criativo — disse Greenmantle.
— Sobre o quê?
Ele rolou de lado para encará-la. Piper estava ao lado do carro, usando um vestido que dava a impressão de que levaria um número cansativo de passos para tirar. Ela também estava segurando um pequeno animal com uma coleira de pedras. Ele não tinha pelos, exceto um longo tufo sedoso que crescia da cabeça, da mesma tonalidade de loiro que Piper usava.
— O que é isso? — perguntou Greenmantle, suspeitando profundamente de que era a manifestação física do seu mau humor.
— Otho.
Ele se sentou, e o carro de aluguel suspirou com um ruído.
— Isso é um gato? Um roedor? Que espécie, me diga?
— O Otho é um cão de crista chinês.
— Cão de crista o quê?
— Não seja um imbecil.
Uma vez que Greenmantle tinha seres humanos para o bajular e o seguir por toda parte com fidelidade inquestionável, nunca sentira necessidade de ter um cão, mas, quando era mais jovem, às vezes imaginara adquirir um canino com rabo e patas franjados. Do tipo que caçava patos, não importava qual tipo fosse. Em vez disso, Otho parecia ser a presa dos patos.
— Ele vai ficar maior? Ou ter pelos? De onde ele veio?
— Eu encomendei.
— Pela internet?
Piper revirou os olhos com a inocência do marido.
— Por que você está tendo um bloqueio criativo de novo?
— Eu preciso encontrar a namorada médium do sr. Cinzento, mas ninguém sabe onde ela está. Ela desapareceu bem quando ele me sacaneou. — Greenmantle escorregou para fora do carro. Cuidadosamente. Ele estava duro do seu enterro imaginário. — Como eu vou destruir o que ele precisa quando essa coisa já desapareceu? Eles registraram o desaparecimento dela e tudo mais. Eu roubei o registro, que diz que aparentemente ela falou para a família que estava “debaixo da terra”.
Greenmantle não havia roubado o registro. Ele havia pagado alguém para roubá-lo. Mas a história soava melhor com ele como o herói.
— Debaixo da terra? Médium? Isso é relevante para os meus interesses.
— Por quê?
— Enquanto você estava na rua desperdiçando seu tempo, eu fiz coisas — ela disse. — Vem comigo.
Ela o levou através da garagem, por uma porta que Greenmantle desconhecia que existia, e até a casa em si. Os degraus emergiram no corredor junto ao quarto. Ela perguntou:
— Você não leu nenhum dos relatórios do sr. Cinzento?
Ele a encarou para mostrar que não tinha compreendido a pergunta.
Piper disse, lentamente, como se Greenmantle fosse um idiota:
— Quando ele esteve aqui procurando aquele negócio idiota para você. Você leu o que ele escreveu? Sobre rastrear a tal coisa?
— Ah, esses relatórios. É claro que não.
— Então por que pediu que ele enviasse? Tinha um milhão deles.
— Eu só queria que ele se sentisse ocupado e observado. Nada como um trabalho burocrático para fazer um homem se sentir oprimido. Por quê?
Piper abriu a porta de um armário para revelar uma coleção de pacotes marcados com carimbos de correio trazendo o nome dela. Presumivelmente Otho havia chegado em um deles.
— Eu os leio na banheira. Depois leio aqueles outros relatórios dos outros bandidos que mal sabem escrever que você contratou. E depois leio as notícias.
Greenmantle não gostava da ideia de sua mulher lendo as cartas do Homem Cinzento pelada. Ele abriu uma caixa e espiou dentro.
— O que é isso?
— Joelheiras — ela disse e as colocou para demonstrar. Piper estava irritantemente deleitada consigo mesma. — Aquele homem horrível falou sobre essas linhas de energia mediúnicas debaixo da terra que estavam interferindo na busca, porque eram muito fortes. Daí eu pensei: Quanto mais forte, melhor. E quis ver o que existe de tão forte, porque estou absolutamente entediada. E não pode ser tão difícil encontrar essas linhas. Então encomendei essas coisas.
— Joelheiras?
— Não quero quebrar uma patela enquanto rastejo debaixo da terra. Não lhe parece, Colin, que a panaca mediúnica maluca do Homem Cinzento pode estar no mesmo lugar que essas linhas mediúnicas malucas? Sorte sua que eu comprei joelheiras para você também.
Greenmantle estava muito impressionado com a engenhosidade dela. E não deveria, realmente, pois Piper era uma criatura muito engenhosa. A questão era apenas que ela normalmente não usava seus poderes para o bem e, quando o fazia, normalmente não eram dirigidos para ele. É que ele não achava que ela realmente gostasse dele.
Como ela parecia tão deliciosamente satisfeita consigo mesma, Greenmantle não teve coragem de dizer que preferia pagar outra pessoa para se embrenhar debaixo da terra e procurar a namorada do Homem Cinzento. E o vestido, no fim das contas, tinha um zíper escondido e saiu com a maior facilidade. Piper ficou com as joelheiras.
Quando acabou, Greenmantle percebeu que havia esquecido que o cão estava ali, o que parecia algo vagamente repugnante.
— Então você vai dar uma de espeleóloga? — ele disse.
— Não sei o que isso significa.
— Mulher das cavernas. No sentido mais básico da língua, você vai ser uma mulher das cavernas.
— Tanto faz. Você vai comigo.

6 comentários:

  1. Tenho mais medo da Piper do que do Greenmantle

    ResponderExcluir
  2. que casal mais esquisito!!! kkkk

    ResponderExcluir
  3. Toda vez que leio o nome dessa mulher, lembro da Piper McLean de os heróis do Olimpo.

    ResponderExcluir
  4. Esse casal como vilões é aterrorizante e engraçadinho ao mesmo tempo. Haha

    j.

    ResponderExcluir
  5. É engraçado como a Piper é totalmente irritante com ele, mas ele nunca se irrita com a coisa certa.

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!