9 de junho de 2018

Capítulo 2

— DEVO COBRIR A peruca de Maria com purpurina rosa ou dourada?
Coloco um ovo de Páscoa em frente à tela do computador, para Margot poder olhar. Pintei a casca de azul-turquesa pálido e fiz uma decoupagem com um contorno de Maria Antonieta.
— Ponha mais perto — diz Margot, estreitando os olhos para a câmera.
Ela está de pijama, com uma máscara de hidratação grudada no rosto. O cabelo cresceu até um pouco abaixo dos ombros, o que quer dizer que ela provavelmente vai cortar em breve. Tenho a sensação de que Margot sempre vai cortar o cabelo curto agora. Combina com ela.
É noite na Escócia, mas aqui ainda está claro. Cinco horas e quase seis mil quilômetros nos separam. Ela está no alojamento; eu estou sentada à mesa da cozinha, cercada de ovos de Páscoa e tigelas de corante e pedrinhas e adesivos e penas brancas que guardei de quando fiz decorações de Natal alguns anos atrás. Estou com o laptop em cima de uma pilha de livros de culinária. Margot está me fazendo companhia enquanto termino de decorar os ovos.
— Acho que vou contorná-la com pérolas, se isso ajudar na sua decisão — digo.
— Então voto em purpurina rosa — afirma Margot, ajeitando a máscara no rosto. — Rosa vai dar mais destaque.
— Era o que eu estava pensando.
Começo a aplicar glitter com um pincel de sombra velho. Ontem à noite eu passei horas soprando as gemas para fora das cascas. Era para ser uma atividade divertida para Kitty e eu fazermos juntas, como antigamente, mas ela pulou fora quando foi convidada para ir à casa de Madeline Klinger. Um convite de Madeline Klinger é uma ocasião rara e importante, então é claro que eu não podia me ressentir com Kitty por isso.
— Falta pouco para você saber, não é?
— Ainda este mês.
Eu começo a enfileirar as pérolas. Parte de mim queria poder acabar com isso logo, mas a outra parte fica feliz em não saber o resultado, em ter esperança.
— Você vai ser aceita — diz Margot, e parece uma proclamação.
Todo mundo ao meu redor acha que minha entrada na UVA é algo certo. Peter, Kitty, Margot, meu pai. Minha orientadora, a sra. Duvall. Eu nunca ousaria falar em voz alta, com medo de dar azar, mas talvez eu também ache. Eu me dediquei: aumentei minha pontuação no exame de admissão em duzentos pontos. Minhas notas estão quase tão boas quanto as de Margot, e ela foi aceita. Já fiz tudo que deveria fazer, mas vai ser suficiente? A essa altura, só posso esperar e torcer. E torcer e torcer.
Estou colando um lacinho branco com cola quente no topo do ovo quando paro e olho para minha irmã com desconfiança.
— Espere aí. Se eu entrar, você vai tentar me convencer a ir estudar em outro lugar, para eu poder abrir minhas asas e tudo mais?
Margot ri, e a máscara escorrega um pouco no rosto. Ela a ajeita.
— Não. Confio em você para saber o que é melhor. — Ela está falando sério, dá para perceber. Suas palavras tornam tudo verdade. Eu também confio em mim. Confio que, quando a hora chegar, vou saber o que é melhor. E, para mim, a UVA é melhor. Eu sei. — Meu único conselho é para você fazer seus próprios amigos. Peter vai fazer um monte de novos amigos por causa do lacrosse, e os amigos dele não vão ser necessariamente o tipo de amizade que você escolheria. Então, faça seus próprios amigos. Encontre seu grupo. A UVA é grande.
— Pode deixar.
— E não deixe de entrar para a associação oriental. A única coisa que sinto que perdi ao vir estudar em um país diferente é fazer parte de um grupo ásio-americano. É bem importante entrar para a faculdade e encontrar sua identidade racial. Como Tim.
— Que Tim?
— Tim Monahan, da minha turma.
— Ah, esse Tim.
Tim Monahan é coreano, mas foi adotado por uma família da região. Não tem tantos descendentes de orientais na nossa escola, então todo mundo meio que se conhece.
— Ele nunca andava com os orientais na escola, depois foi estudar na Virginia Tech e conheceu um monte de gente coreana, e agora acho que ele é presidente de uma fraternidade oriental.
— Uau!
— Acho ótimo essa coisa de fraternidade não ser comum no Reino Unido. Você não vai entrar para uma irmandade, vai? — E Margot acrescenta rapidamente: — Sem julgamentos!
— Ainda não pensei nisso.
— Mas Peter provavelmente vai entrar em uma fraternidade.
— Ele não comentou nada sobre isso ainda… — Embora ele não tenha mencionado, consigo facilmente visualizar Peter em uma fraternidade.
— Eu ouvi falar que é difícil quando seu namorado está em uma, e você, não. Tem alguma coisa sobre não se misturar, que é mais fácil se você for amiga das garotas da irmandade correspondente. Não sei. A coisa toda me parece meio boba, mas pode valer a pena. Ouvi dizer que garotas de irmandade gostam de artesanato.
Ela arqueia as sobrancelhas para mim.
— Falando nisso. — Eu levanto o ovo para mostrar a ela. — Ta-dá!
Margot chega mais perto da câmera para olhar.
— Você devia entrar no ramo de decoração de ovos! Quero ver os outros.
Eu levanto a caixa. Tenho uma dúzia de ovos decorados, rosa-claro com decoração rendada em rosa néon, azul brilhante e amarelo-limão, lilás com flores de lavanda secas. Fiquei feliz em ter uma desculpa para usar as flores. Comprei um saco meses atrás para fazer um crème brûlée de lavanda, e está ocupando espaço na despensa desde então.
— O que você vai fazer com eles? — quer saber Margot.
— Vou levar para Belleview, para poderem exibir na recepção. Lá sempre está com cara de hospital, uma coisa horrível.
Margot se recosta no travesseiro.
— Como está todo mundo em Belleview?
— Bem. Ando tão ocupada com os formulários das faculdades e com as coisas do último ano que não estou conseguido ir lá com frequência. Agora que não trabalho mais lá oficialmente, é bem mais difícil encontrar tempo. — Eu giro o ovo na mão. — Acho que vou dar este para Stormy. É a cara dela. — Coloco o ovo de Maria Antonieta na caixa para secar, pego um ovo lilás e começo a colar pedrinhas da cor de bala. — Vou tentar visitá-los mais de agora em diante.
— É difícil — concorda Margot. — Quando eu for para casa no recesso de primavera, vamos lá juntas. Quero apresentar Ravi a Stormy.
Ravi é namorado de Margot há seis meses. Os pais dele são da Índia, mas ele nasceu em Londres, então tem um sotaque todo pomposo. Quando eu o conheci pelo Skype, eu falei: “Você fala que nem o príncipe William.” Ele riu e respondeu: “Ótimo.” Ele é dois anos mais velho que Margot, e talvez por ser mais velho, ou talvez por ser inglês, parece sofisticado e não é nem um pouco como Josh. Não de uma forma esnobe, mas definitivamente diferente. Com mais cultura, talvez, por crescer em uma cidade tão grande, ir ao teatro sempre que quer e conhecer dignitários e tal, porque a mãe dele é diplomata. Quando falei isso para Margot, ela riu e disse que é porque eu ainda não o conhecia pessoalmente, e que Ravi é nerd e nem um pouco parecido com o príncipe William. “Não deixe o sotaque enganar você”, disse ela. Margot vai trazer Ravi no recesso de primavera, então acho que vou descobrir logo, logo. O plano é Ravi ficar duas noites na nossa casa e pegar um voo para o Texas para visitar parentes. Margot vai ficar aqui em casa pelo resto da semana.
— Mal posso esperar para conhecê-lo de verdade — digo, e ela abre um sorriso.
— Você vai adorar o Ravi.
Tenho certeza de que vou. Gosto de todo mundo de quem minha irmã gosta, mas o bom mesmo é que, agora que Margot conheceu Peter melhor, ela vê como ele é especial. Quando Ravi estiver aqui, nós quatro vamos poder sair juntos, um verdadeiro encontro duplo.
Minha irmã e eu estamos apaixonadas ao mesmo tempo e temos uma coisa que podemos compartilhar. Isso é maravilhoso!

11 comentários:

  1. Aaii q bom 💜 agr ela n tá mais sobrando 😰 "Ravi Chackrabathi" já gostei dele

    ResponderExcluir
  2. Ainda tinha esperanças da Margot e o JOSH voltarem...Mas pleo visto, ambos tomaram caminhos diferentes e estão felizes. O q realmente importa é isso. :)

    ResponderExcluir
  3. Eu acho que ela entra pra UVA mas vai querer ir para outra, Lj não pode ter opções que ela pira.

    ResponderExcluir
  4. Josh tinha ido pra UVA não era? Aliás, eu tenho que controlar minha mente qnd leio UVA, pq eu realme te pemso em uma uva e começo a rir. Como qnd mMargot disse "a UVA é grande" kkkkk

    Ps: mais alguém sente saudades do John? :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nmrl kkkk
      Eu tbm sinto falta do Josh💔

      Excluir
  5. Sinto falta do Josh ele nem aparece em nada mais eles deviam sei la ser amigos...💔

    ResponderExcluir
  6. Pra falar a verdade prefiro Josh longe mesmo, não acho que seria legal eles ainda serem amigos depois de tudo que aconteceu com eles , todos sabem sobre os acontecimentos com os dois ...
    Que bom que a Laranjinha e o Piter voltaram sempre shippei ❤❤❤❤

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!