9 de junho de 2018

Capítulo 15

É A PRIMEIRA noite em que estamos todos juntos para jantar depois do noivado, e papai está na cozinha preparando salada. Nós, as garotas, estamos na sala conversando. Kitty está fazendo dever de casa, a sra. Rothschild, tomando uma taça de vinho branco. Tudo está muito agradável, o momento perfeito para eu tocar no assunto do casamento. Passei a semana anterior trabalhando em um mood board para papai e a sra. Rothschild: tem imagens do filme Orgulho e Preconceito, uma parede de rosas como fundo para a área das fotos, imagens de As Virgens Suicidas e arranjos de flores em garrafas de vinho, uma referência aos vinhedos de Charlottesville.
Quando mostro para a sra. Rothschild no meu laptop, ela parece um pouco assustada. Apoia a taça de vinho na mesa e olha a tela com mais atenção.
— Está lindo, Lara Jean. Muito mesmo. Você dedicou muito tempo a isso!
Tanto tempo, na verdade, que perdi o jogo de lacrosse de Peter desta semana e uma noite de filmes na casa de Pammy. Mas isso aqui é importante. Claro que não falo nada em voz alta, só dou um sorriso singelo.
— Era mais ou menos isso o que vocês estavam pensando?
— Bem… para ser sincera, acho que estávamos pensando em só casar no cartório. Vender a minha casa e descobrir como todas as minhas tralhas vão caber aqui já é dor de cabeça suficiente.
Papai chega com uma saladeira de madeira nas mãos. Secamente, diz:
— Então você está dizendo que se casar comigo é uma dor de cabeça?
Ela revira os olhos.
— Você sabe o que estou dizendo, Dan! Você também não tem tempo de planejar uma grande festa de casamento. — Ela toma um gole de vinho e se vira para mim. — Seu pai e eu já fomos casados, então nenhum de nós tem vontade de fazer um alvoroço. Acho que vou até usar um vestido que já tenho.
— É claro que a gente devia fazer um alvoroço. Você sabe quantos anos papai demorou para encontrar alguém que comesse a comida dele e visse os documentários com ele? — Eu balanço a cabeça. — Sra. Rothschild, você é um milagre. Isso nós temos que comemorar. — Grito para meu pai, que voltou a desaparecer na cozinha. — Ouviu isso, pai? A sra. Rothschild quer ir ao cartório. Por favor, faça ela desistir dessa ideia.
— Você pode parar de me chamar de sra. Rothschild? Agora que vou ser sua madrasta má, você devia pelo menos me chamar de Trina. Ou Tri. Como preferir.
— Que tal Madrasta? — sugiro, toda inocente. — Acho bom.
Ela dá um tapa em mim.
— Garota! Vou bater em você.
Rindo, eu me afasto dela.
— Vamos voltar a falar do casamento. Não sei se é um assunto delicado ou não, mas você guardou as fotos do seu primeiro casamento? Quero ver qual era seu estilo de noiva.
A sra. Rothschild faz uma careta.
— Acho que joguei tudo fora. Talvez tenha uma foto no meio de algum álbum. Ainda bem que me casei antes de as redes sociais virarem moda. Dá para imaginar se separar e ter que apagar todas as fotos do casamento?
— Não dá azar falar sobre divórcio quando você está planejando seu casamento?
Ela ri.
— Ah, então já estamos ferrados. — Eu devo parecer assustada, porque ela diz: — Estou brincando! Vou procurar uma foto do casamento se você quiser, mas, sinceramente, não sinto muito orgulho. Maquiagem com olhos esfumados era moda na época, e eu exagerei um pouco. Além do mais, fiz aquela coisa do começo dos anos 2000 com o lápis de boca chocolate e o batom com um efeito cintilante.
Eu tento manter o rosto neutro.
— Tá, tudo bem. E o vestido?
— De um ombro só, modelo sereia. Deixou minha bunda incrível.
— Entendo.
— Pare de me julgar!
Papai apoia a mão no ombro da sra. Rothschild.
— E se a gente fizesse aqui em casa?
— No quintal? — Ela pensa. — Acho que pode ser legal. Um churrasco com a família e alguns amigos?
— Papai não tem amigos — comenta Kitty do outro lado da sala, com o livro de matemática no colo.
Papai franze a testa para ela.
— Eu tenho amigos, sim. Tem o dr. Kang, do hospital, e tem Marjorie e tia D. Mas, er, sim, eu convidaria poucas pessoas.
— E a vovó — diz Kitty, e papai e a sra. Rothschild parecem nervosos com a menção à vovó. A mãe do papai não é a pessoa mais simpática do mundo.
— Não se esqueçam da nossa outra avó — falo.
A vovó Nana e a sra. Rothschild se conheceram no Dia de Ação de Graças e, embora papai não a tenha apresentado abertamente como sua namorada, vovó é esperta e não deixa passar nada. Ela interrogou a sra. Rothschild, querendo saber se ela tinha filhos, quanto tempo estava divorciada, se tinha dívidas. A sra. Rothschild se saiu bem, e quando acompanhei vovó até o carro para me despedir, ela disse que a sra. Rothschild “não era de se jogar fora”. Disse que ela usava roupas jovens demais para sua idade, mas também que tinha muita energia e uma certa vivacidade.
— Eu já tive uma grande festa de casamento — diz a sra. Rothschild. — Agora, eu também gostaria de convidar poucas pessoas. Alguns amigos da faculdade, Shelly do trabalho. Minha irmã Jeanie, meus amigos da aula de SoulCycle.
— Podemos ser suas madrinhas? — pergunta Kitty, e a sra. Rothschild ri.
— Kitty! Você não pode pedir isso. — Mas me viro para a sra. Rothschild, esperando para ver o que ela vai dizer.
— Claro — diz ela. — Lara Jean, você aceitaria?
— Seria uma honra.
— Então vocês três e minha amiga Kristen, porque ela vai me matar se eu não a chamar.
Eu bato palmas.
— Agora que isso está resolvido, vamos voltar ao vestido. Acho que o fato de a cerimônia ser realizada no quintal deve influenciar seu vestido.
— Desde que tenha mangas, para que meus braços flácidos não fiquem balançando — diz ela.
— Sra. Roth… quer dizer, Trina, você não tem braços flácidos — falo. Ela está muito em forma de tanto fazer Pilates e ir às aulas de SoulCycle.
Os olhos de Kitty se iluminam.
— O que são braços flácidos? Parece meio nojento.
— Venha aqui que eu mostro.
Kitty obedece, e a sra. Rothschild levanta os braços e os estica; mas no último segundo pega Kitty e faz cócegas nela. As duas estão morrendo de rir.
Sem fôlego, a sra. Rothschild diz:
— Nojento? Vou ensinar você a não chamar sua futura madrasta má de nojenta!
Acho que nunca vi papai tão feliz.

* * *

Naquela noite, no nosso banheiro, Kitty escova os dentes enquanto eu passo um esfoliante novo que comprei em um site de beleza coreano. É de cascas de noz e mirtilo.
— Potes de vidro e toalhas xadrez… mas usados de uma forma elegante — reflito.
— Potes de vidro estão batidos — diz Kitty. — Olhe no Pinterest. Está todo mundo usando.
As palavras dela têm um quê de verdade.
— Bom, eu vou usar uma coroa de flores. Nem ligo se você disser que está batido.
— Você não pode usar coroa de flores — diz ela secamente.
— Por quê?
Ela cospe a pasta de dentes.
— Você está velha demais. Isso é para daminhas.
— Não, você não está visualizando o que quero dizer. Eu não estava pensando em uma flor como mosquitinho. Estava imaginando rosas pequenas cor-de-rosa e pêssego, com muitas folhas. De um verde meio pálido, sabe?
Ela balança a cabeça, determinada.
— Nós não somos fadas da floresta. É afetado demais. Sei que Gogo vai concordar comigo.
Tenho a sensação horrível de que vai mesmo. Decido deixar essa discussão de lado por enquanto. Não vai ser vencida hoje.
— Quanto aos vestidos, eu estava pensando em usarmos algo vintage. Não off-white, mas de um branco como se tivesse sido manchado de chá. Meio estilo camisola. Bem etéreo. Não de fada, mais para um ser celestial.
— Eu vou de smoking.
Eu quase engasgo.
— O quê?
— Smoking. Com tênis All Star combinando.
— Só por cima do meu cadáver!
Kitty dá de ombros.
— Kitty, esse casamento não é black-tie. Smoking não vai combinar com esse tipo de festa de casamento, em um quintal! Nós três temos que ir iguais! As garotas Song!
— Eu já falei para Tri e para papai, e os dois adoraram a ideia de eu ir de smoking, então esquece. — Ela está com aquela expressão obstinada que faz quando bate o pé. Como um touro.
— Então, no mínimo, você devia usar um terno de anarruga. Vai estar muito quente para um smoking, e anarruga deixa a pele respirar.
Sinto que fiz uma concessão e ela também devia fazer, mas, não.
— Não é você quem decide tudo, Lara Jean. Não é o seu casamento.
— Eu sei!
— Não se esqueça disso.
Eu estico a mão para sacudi-la, mas ela sai correndo antes que eu possa fazer isso. Por cima do ombro, grita:
— Cuide da sua vida!

17 comentários:

  1. Respostas
    1. Deve ser algo diferente lá kkk afinal de contas ela é uma garotinha gosta de arrasar kkkkk

      Excluir
  2. Mandy Nerd K-Otaku24 de junho de 2018 13:37

    Desculpa,mas das 3 irmãs song,a Kitty é a que eu menos gosto... ela é muito mimada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é cabulosissima isso sim kkkk acho q na verdade ela simplesmenta gosta de fazer as coisas de seu jeito sem se preocupar com os outros, o que é uma qualidade e tanto S2

      Excluir
    2. tu acha isso qualidade? A MEU SÓ CALABOCAAAAAA

      Excluir
  3. Smoking?Aah eu te amo tanto Kitty!

    ResponderExcluir
  4. amoo a personalidade da Kitty me lembra muito a minha irmã, e sem falar q apesar da pouquíssima idade ela é muito madura e uma personalidade forte marcante ....e sem falar nos penteados! haha

    ResponderExcluir
  5. Cara , só eu que tenho ranço da Kitty , que menina teimosa e mimada

    ResponderExcluir
  6. E eu achando que era só eu q ñ gostava dela, ela fala o q pensa e eu adimiro quem têm isso mas ela é muito mimada

    ResponderExcluir
  7. Amo a Kitty!!!
    Ela tem personalidade... fala oq pensa, faz as coisas sem se importar com a opinião dos outros.
    É divertida, muito esperta e bastante madura pra sua idade.
    Lara Jean tem sorte de tê-la como irmã. ❤
    A.D.R

    ResponderExcluir
  8. A Kitty é mimada, mais acho que quem escolhe as flores e vestidos do casamento é a noiva e não as madrinhas, a Lara Jean e as outras meninas tem que se contentar com o gosto da noiva e pararem de querer resolver as coisas sozinhas

    ResponderExcluir
  9. Amo a Kitty mais até do que Lara Jean ❤️❤️❤️❤️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tou mt igual kitty tem um personalidade incrível

      Excluir
  10. Eu acho a Kitty insuportável desde o primeiro livro.

    ResponderExcluir
  11. Realmente, Kitty e muito mimada, tem persolidade forte? Certo, ela tem, às vezes isso e bom, mas ela tbm fala e faz coisas sem pensar, tipo na vez em que ela falou que a Lara Jean não merecia Peter, sendo que quem estava agindo feito babaca era Péter, fiquei morrendo de raiva da Kitty por falar aquilo, mas consórcio com Kitty que Para Jean está muito fissurasa, o casamento não é dela, ela tem que deixar a Trina escolher o que quer!!!

    ResponderExcluir
  12. Tô achando a Kitty tão chata nesse livro tá me irritando profundamente credo

    ResponderExcluir
  13. Kitty é a menina mais chata desse livro, pronto falei.

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!