9 de junho de 2018

Capítulo 13

— ACHO QUE O baile é bem parecido com a véspera de Ano-Novo — comenta Lucas.
Ele, Chris e eu estamos na enfermaria, porque a enfermeira saiu para almoçar e não se incomoda se ficarmos no sofá dela. Como estamos perto do final do último ano, todos são generosos.
— A véspera de Ano-Novo não tem nada a ver com o baile — diz Chris com desprezo, cutucando as unhas.
— Você quer me deixar terminar? — Lucas suspira e recomeça: — Como eu estava dizendo, o baile é sobrecarregado com o peso de todas as expectativas que depositamos nele. Uma noite perfeita que todo adolescente americano deve ter no ensino médio. Nós passamos tanto tempo e gastamos tanto dinheiro e nos sentimos obrigados… não, nos sentimos merecedores de uma noite épica. Nada pode resistir a toda essa pressão.
Acho que minha noite perfeita durante o ensino médio vai acabar sendo um momento qualquer, que não foi planejado nem esperado, só aconteceu. Acho que já tive umas doze noites perfeitas com Peter, então não preciso que o baile seja épico. Quando imagino a noite do meu baile, vejo Peter de smoking, sendo educado com meu pai, colocando um corsage, um buquê de punho, em Kitty. Nós todos tirando uma foto perto da lareira. Faço uma anotação mental para pedir que Peter compre um corsage pequeno para ela também.
— Isso quer dizer que você não vai? — pergunto a Lucas.
Ele suspira de novo.
— Não sei. Não tem ninguém aqui com quem eu queira ir.
— Se eu não fosse com Peter, ia convidar você — comento. E olho de Lucas para Chris. — Ei, por que vocês não vão juntos?
— Eu não vou ao baile — retruca Chris. — Acho que vou para alguma boate em Washington com o pessoal do Applebee’s.
— Chris, você não pode faltar ao baile. Pode ir para boates com seus amigos do Applebee’s a qualquer hora. Nós só temos um baile do último ano.
Meu aniversário é no dia seguinte ao baile, e estou um pouco chateada porque Chris parece ter esquecido. Se ela for para boates em Washington, é provável que passe todo o fim de semana fora, então nem vou vê-la no dia do meu aniversário.
— O baile vai ser chato. Sem querer ofender. Tenho certeza de que você vai se divertir, Lara Jean. Você vai com o rei do baile. E qual é o nome daquela garota que é sua amiga agora? Tammy?
— Pammy. Mas não vai ser divertido sem você lá.
Ela passa o braço pelo meu ombro.
— Aahh.
— Nós sempre dissemos que iríamos ao baile juntas e depois veríamos o sol nascer no parquinho do ensino fundamental!
— Você pode ver o sol nascer com Kavinsky.
— Não é a mesma coisa!
— Calma — diz Chris. — Você provavelmente vai perder sua virgindade nessa noite mesmo, então eu vou ser a última coisa em que você vai estar pensando.
— Eu não estava planejando fazer sexo na noite do baile! — sussurro. Olho para Lucas, que está me observando com os olhos arregalados.
— Lara Jean… você e Kavinsky ainda não transaram?
Eu olho para ver se ninguém no corredor está ouvindo.
— Não, mas não conte para ninguém, por favor. Não que eu tenha vergonha nem nada. Só não quero que todo mundo fique sabendo da minha vida.
— Eu entendo, claro, mas, nossa — diz ele, ainda parecendo chocado. — Que… nossa.
— Por que é tão “nossa”? — pergunto a ele, e consigo sentir as bochechas quentes.
— Ele é tão… gostoso.
Eu dou uma gargalhada.
— É verdade.
— Fazer sexo na noite do baile é tão comum por um motivo — argumenta Chris. — Eu sei, é tradição, mas também é porque todo mundo está arrumado, a gente pode ficar fora a noite toda… A maioria das pessoas nunca mais vai ficar tão bonita e arrumada quanto na noite do baile, o que é muito triste. Todas aquelas meninas meio maria vai com as outras fazendo as unhas e escova no cabelo. Tão sem graça.
— Você não faz escova no cabelo? — pergunta Lucas.
Chris revira os olhos.
— Claro.
— Então por que você está criticando as outras pessoas por… — digo.
— Olhe, não é essa a questão. A questão é… — Ela franze a testa. — Espere, do que a gente estava falando?
— Escova, manicure, garotas tipo maria vai com as outras — resume Lucas.
— Antes disso.
— Sexo? — sugiro.
— Isso! A questão é que perder a virgindade na noite do baile é um clichê, mas clichês existem por um motivo. Tem um lado prático na história. Você pode ficar fora a noite toda, está linda etc. Faz sentido.
— Eu não vou fazer sexo pela primeira vez porque é conveniente e meu cabelo vai estar bonito, Chris.
— Tudo bem.
Não tenho certeza, mas imagino que minha primeira vez vai ser quando eu estiver na faculdade, no meu quarto, como uma adulta. É difícil imaginar isso acontecendo agora, enquanto ainda moro com meu pai, enquanto eu continuo sendo a Lara Jean, irmã e filha. Na faculdade, vou ser só Lara Jean.

5 comentários:

  1. Uuuuhh... já tô vendo esse baile dando B.O ...KKKKKK

    ResponderExcluir
  2. jurava q eles ja tinham feito la na casa da arvore (segundo livro, ultimo capitulo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também jurava que já tinha rolado,pois deu super a entender.Mas admiro o respeito que o Peter tem pela Lara Jean,por esperar o tempo dela.

      Excluir
    2. Acredito que quando ela é Peter tiverem a primeira vez ela vai nos deixar saber...

      Excluir
  3. Aff a Lara Jean ta sendo muito infantil, já encontrou alguém que goste dela de verdade, alguém para ter relações, e fica fazendo c* doce, sei que ela quer que seja especial, mais se seu namorado é especial pra vc obvio que o resto tbm vai ser, mais respeito o fato do Peter esperar por ela

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!