15 de junho de 2018

Juliette

Hoje comecei a gritar.
— EXCERTO DOS DIÁRIOS DE JULIETTE NO HOSPÍCIO

Você estava feliz
Você estava triste
Você estava com medo
Você estava com raiva
quando gritou pela primeira vez?
Você estava lutando por sua vida sua decência sua dignidade sua humanidade
Quando alguém a toca agora, você grita?
Quando alguém sorri para você, você retribui o sorriso?
Ele pediu para você não gritar ele te bateu quando você chorou?
Ele tinha um nariz dois olhos dois lábios duas bochechas duas orelhas duas sobrancelhas?
Era ele um humano parecido com você?
Cor, sua personalidade.
Formas e tamanhos são variedades.
Seu coração é uma anomalia.
Suas ações
são
os
únicos
traços
que você
deixa
para trás.
— EXCERTO DOS DIÁRIOS DE JULIETTE NO HOSPÍCIO

Às vezes acho que as sombras se movimentam.
Às vezes acho que alguém pode estar observando.
Às vezes essa ideia me assusta e às vezes essa ideia me torna tão absurdamente feliz que não consigo parar de chorar. E então às vezes acho que não tenho a menor ideia de quando comecei a perder a sanidade aqui. Nada mais parece real e não sei dizer se estou gritando ou se só grito em minha cabeça.
Não há ninguém para me ouvir aqui.
Para me dizer que não estou morta.
— EXCERTO DOS DIÁRIOS DE JULIETTE NO HOSPÍCIO

Não sei quando começou.
Não sei por que começou.
Não sei nada de nada, exceto pelos gritos.
Minha mãe gritando quando percebeu que não podia mais me tocar. Meu pai gritando quando se deu conta do que eu tinha feito com minha mãe. Meus pais gritando quando me trancavam em um quarto e me diziam que eu devia ser grata. Por me darem comida. Pelo tratamento humanitário dispensado a essa coisa que não tinha como ser filha deles. Pelo metro que usavam para medir a distância necessária para me manter longe.
Eu arruinei a vida deles, é o que me diziam.
Roubei sua felicidade. Destruí a esperança de minha mãe ter outro filho.
Eu não conseguia ver o que tinha feito? é o que me perguntavam. Não conseguia ver que tinha estragado tudo?
Tentei tanto arrumar o que tinha estragado. Tentava ser todos os dias o que eles queriam. Tentava o tempo todo ser melhor, mas nunca realmente soube como.
Só agora sei que os cientistas estão errados.
O mundo é plano.
Sei porque fui jogada da beira do abismo e tento me segurar há dezessete anos. Venho tentando escalar de volta há dezessete anos, mas é quase impossível vencer a gravidade quando ninguém está disposto a lhe dar a mão. Quando ninguém quer correr o risco de tocar em você.
— EXCERTO DOS DIÁRIOS DE JULIETTE NO HOSPÍCIO

Já estou louca?
Será que já aconteceu?
Como vou saber?
— EXCERTO DOS DIÁRIOS DE JULIETTE NO HOSPÍCIO

Há um instante de silêncio puro e perfeito antes de tudo, tudo explodir. Em um primeiro momento, nem me dou conta do que fiz. Não entendo o que acabou de acontecer. Eu não queria matar essas pessoas…
E então, de repente
Sou acometida por isso
A repentina percepção de que acabei de assassinar seiscentas pessoas em uma sala.
Parece impossível. Parece falso. Não ouvi balas. Não houve excesso de força nem violência. Só um grito longo e furioso.
— Parem com isso — gritei. Fechei os olhos com força e gritei, raiva e mágoa e exaustão e uma devastação esmagadora enchendo meus pulmões. O peso das últimas semanas, a dor de todos esses anos, o constrangimento das falsas esperanças criadas em meu coração, a traição, a perda…
Adam. Warner. Castle.
Meus pais, reais e imaginados.
Uma irmã que eu talvez jamais conheça.
As mentiras que compõem minha vida. As ameaças contra os inocentes do Setor 45. A morte certa que me aguarda. A frustração de ter tanto poder, tanto poder, e me sentir tão completamente impotente.
— Por favor — gritei. — Por favor, parem
E agora…
Agora isso.
Meus membros ficaram paralisados de descrença. Meus ouvidos parecem cheios de vento; a mente, desligada do corpo. Eu não poderia ter matado tantas pessoas, penso, não poderia ter simplesmente matado todas essas pessoas, isso é impossível, penso, não é possível não é possível que abri a boca e aconteceu isso
Kenji está tentando me dizer alguma coisa, alguma coisa como temos que sair daqui, temos que ir embora agora
Mas estou entorpecida, estou fraca, incapaz de colocar um pé na frente do outro e alguém está me puxando e me forçando a me mexer e ouço explosões
E de repente minha mente funciona.
Arfo e me viro, procurando Kenji, mas ele não está mais aqui. Com a camisa ensopada de sangue, está sendo arrastado para longe, olhos apenas entreabertos e
Warner está de joelhos, com as mãos para trás, algemadas
Castle está inconsciente no chão, sangue escorrendo livremente de seu peito
Winston continua gritando, mesmo enquanto alguém o arrasta para longe
Brendan está morto
Lily, Ian, Alia, mortos
E ainda estou tentando religar minha mente, tentando vencer o choque que se apossou do meu corpo e minha cabeça está girando, girando, e vejo Nazeera de canto de olho, ela está com a cabeça apoiada nas mãos, e alguém me toca e eu pulo
Eu me viro
— O que está acontecendo? — pergunto a ninguém em particular. — O que está havendo?
— Você fez um trabalho maravilhoso aqui, minha querida. Realmente nos deixou orgulhosos. O Restabelecimento agradece muito os sacrifícios que fez.
— Quem é você? — questiono, enquanto procuro a voz desconhecida.
E então os vejo, um homem e uma mulher ajoelhados diante de mim, e só então me dou conta de que estou deitada no chão, paralisada. Meus braços e pernas estão presos com fios elétricos que pulsam. Tento lutar contra eles, mas não consigo.
Meus poderes foram desligados.
Ergo o rosto na direção dos estranho, meus olhos estão arregalados e aterrorizados.
— Quem são vocês? — insisto, ainda me rebelando contra os fios que me mantêm presa. — O que querem de mim?
— Sou a comandante suprema da Oceania — a mulher se apresenta, sorrindo. — Seu pai e eu viemos aqui para levá-la para casa.

16 comentários:

  1. Vou ter que esperar até ano que vem para saber se a mãe dela ficou orgulhosa de ela ter matado 600 pessoas ou por ter matado o Anderson.

    ResponderExcluir
  2. 😱😱😱😱 chocadaaa!!!!
    Não pode ter acabado assim, logo no melhor da historia?!!
    Vou me corroer de curiosidade..

    ResponderExcluir
  3. Eu li o segundo livro de 'TDA' e sei quanta merda pode dar errada num espaço tão curto de tempo... Mas num tava preparada pra isso! Como assim ela é filha da Comandante Suprema da Oceania?! Que porra é essa?! Todo mundo morto?! As coisa num tão coisando... Acho que buguei!

    ResponderExcluir
  4. Eu sabia que essa comandante da Oceania ia aparecer mas eu ainda não entendo oque aconteceu, numa hora tava um caos noutra gente desconhecida brota do chão e prende ela????

    ResponderExcluir
  5. caramba! agr foi muita coisa ata p mim

    ResponderExcluir
  6. So fico pensando o que vão fazer com o resto do grupo. Não acho que vão matar o Aaron, mas e o kenji, Castle, Adam, James... Eles não podem morrer 💔

    ResponderExcluir
  7. Gente acho que nao li direito o Brendan, Lily, Ian e Alia morreram OMG 😭💔

    ResponderExcluir
  8. Eu já imaginava que ela era filha de um comandante supremo, quem mais psicopata para entregar as filhas como um experimento científico?

    Acho que Nazeera ela amiga dela quando elas eram crianças.

    Mas sério, como assim, ela mata esse mundo de gente e não consegue fazer nada para se defender e impedir que a levem?

    ResponderExcluir
  9. Nossa eu nao tenho nem palavras.

    ResponderExcluir
  10. Mano q p#&&@ é essa?!
    Chocada estou

    ResponderExcluir
  11. mais que merda serio isso nao poderia acontecer

    ResponderExcluir
  12. Eu não acredito que acabou! Acho que vao levar os que tem poderes em fazer testes com eles. Eu ainda não sei, se a irma da juliette continua sendo de estudo, ou se ela ja esta na ativa. E ainda bem, que eles nao sabem que o warner tem poderes, ssnao vão levar ele, talvez também. E mds o kenji nao pode morrer! Ja to pressentindo a juliette presa, e meu ódio pelos pais dela. E os pais dela sabiam que ela ia fazer isso? Como eles sabiam? Pq eles nai tavam la? Ai mds, tantas perguntas. Vou deitar em posição fetal e chorar.

    ResponderExcluir
  13. Affs! O Warner disse que a comandante suprema da Oceania porque é óbvio ela é mãe da Julliette. Tipo acabou já? Não. Diz que não.

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!