29 de maio de 2018

Capítulo 37

NO TELEFONE, NAQUELA NOITE, Chris diz:
— Desembucha. Quem você tirou?
— Eu não vou contar — cometi este erro no passado, falando demais para Chris só para ela fazer o seu caminho para a vitória.
— Vamos! Eu vou te ajudar se você me ajudar. Eu quero o meu desejo!
A força de Chris nesse jogo é o quanto ela quer isso, mas é também sua fraqueza. Você tem que jogar Assassinos de uma forma fria, comedida, não esquentar rápido demais. Digo isto como alguém que observa todas as nuances, mas nunca ganhou pessoalmente, é claro.
— Você pode ter o meu nome. Além disso, eu quero ganhar também.
— Vamos ajudar uma à outra nesta primeira rodada — Chris suspira. — Eu não tirei o seu nome, juro.
— Jure sobre o seu cobertor favorito que você não deixa a sua mãe jogar fora.
— Juro pelo meu cobertor favorito Fredrick e juro duplamente pela minha nova jaqueta de couro que custa mais dinheiro do que o meu maldito carro. Você tirou o meu nome?
— Não.
— Jure sobre sua coleção feia de boinas.
Faço um som indignado.
— Juro por minha coleção de boinas charmosa e alegre! Então quem você tirou?
— Trevor.
— Eu tirei John McClaren.
— Vamos nos juntar para atraí-los para fora — Chris sugere. — Nossa aliança pode durar o tempo desta primeira rodada, depois é cada garota por si.
Hmm. Ela está sendo verdadeira ou é tudo estratégia?
— E se você estiver mentindo só para me atrair?
— Eu jurei sobre Fredrick!
Hesito, em seguida, digo:
— Me manda uma mensagem com uma foto do nome e então eu vou acreditar em você.
— Ótimo! Então me manda uma mensagem com o seu.
— Ótimo. Tchau.
— Espere. Diga-me a verdade. O meu cabelo parece uma merda? Não parece, certo? Foi apenas Gen sendo um troll hediondo. Certo?
Hesito o mais ínfimo das hesitações.
— Certo.

* * *

Chris e eu estamos deitadas em seu carro. Nós estamos em um bairro próximo do meu; é o bairro onde o Trevor passará em busca do atalho para a escola para a prática de trilha. Estamos estacionadas na entrada da casa de alguma pessoa aleatória.
— Diga-me o que você vai desejar se ganhar — ela fala.
Pela maneira como fala, eu sei que ela acha que eu não vou ganhar. Pensei sobre o desejo por toda a noite anterior, quando tentava dormir.
— Há uma exposição de artesanato na Carolina do Norte em junho. Eu pediria a Peter para me levar. Não há como ele me levar de outra forma. Poderíamos pegar a van da mãe dele, aí terá bastante espaço para todas as coisas que eu vou comprar.
— Uma exposição de artesanato? — Chris me lança um olhar como se eu fosse uma barata que voou em seu carro. — Você desperdiçaria um desejo em uma exposição de artesanato?
— Eu estava apenas aquecendo essa ideia — eu minto. — De qualquer forma, se você é tão esperta, o que desejaria se fosse eu?
— Faria com que Peter nunca falasse com Gen novamente. Sou má, certo? Eu sou uma gênia diabólica, não sou?
— Diabólica, sim; gênia, dificilmente.
Chris me dá um empurrão, e eu rio. Nós duas estamos empurrando uma a outra quando Chris para rápido e diz:
— Duas e cinquenta e cinco. É hora de ir.
Chris destrava as portas e sai, escondendo-se atrás de um carvalho no quintal. Minha adrenalina está correndo quando pulo para fora do carro de Chris, pego a bicicleta de Kitty do porta-malas e a empurre por algumas casas. Então eu a deixo no chão e caio sobre ela em uma pilha dramática. Aí puxo a garrafa de sangue falso que comprei para este fim e esguicho um pouco em meus jeans – jeans velhos que estive pensando em dar para a Goodwill. Assim que vejo o carro do Trevor se aproximando, começo a fingir um soluço.
De trás da árvore, Chris sussurra:
— Vá com calma!
Eu imediatamente paro de chorar e começo a gemer. Trevor leva o carro para o meu lado. Ele abaixa a janela.
— Lara Jean? Você está bem?
Eu choramingo.
— Não... acho que posso ter torcido o tornozelo. Realmente dói. Você pode me dar uma carona para casa?
Estou disposta a cia em lágrimas, mas é mais difícil de chorar na hora que eu teria pensado. Tento pensar em coisas tristes – o Titanic, idosos com Alzheimer, Jamie FoxPickle morrendo, mas não consigo me concentrar.
Trevor me examina, desconfiado.
— Por que você está andando de bicicleta neste bairro?
Ah não, eu o estou perdendo! Eu começo a falar rápido, mas não muito rápido.
Não é minha bicicleta; é da minha irmã mais nova. Ela é amiga de Sara Healey. Você conhece, a irmã mais nova de Dan Healey? Eles vivem ali — aponto para a casa. — Eu estava levando para ela, ah meu Deus, Trevor. Você não acredita em mim? Não vai realmente me dar uma carona?
Trevor olha em volta.
— Você jura não é um truque?
Isso!
— Sim! Eu juro que não tenho o seu nome, certo? Por favor, me ajude a levantar. Realmente dói.
— Primeiro me mostre o seu tornozelo.
— Trevor! Não se pode ver uma torção no tornozelo!
Eu choramingo e faço um show ao tentar levantar, e Trevor finalmente desliga o carro e sai. Ele se abaixa e me coloca de pé, tento fazer o meu corpo parecer pesado.
— Seja gentil — digo a ele. — Está vendo? Falei que eu não tinha o seu nome.
Trevor me ergue pelas minhas axilas, e por cima do ombro vejo Chris rastejar atrás dele como um ninja. Ela mergulha para frente, as duas mãos esticadas, e bate com força nas costas dele.
— Peguei você! — ela grita.
Trevor grita e me derruba, e eu por pouco escapo de cair para valer.
— Droga! — ele exclama.
— Você perdeu, otário! — Chris diz alegremente.
Ela e eu batemos as mãos e nos abraçamos.
— Vocês podem não comemorar na minha frente? — ele murmura.
Chris estica a mão.
— Agora me dá, me dá, me dá.
Suspirando, Trevor balança a cabeça e diz:
— Eu não posso acreditar que me aproximei por isso, Lara Jean.
Eu bato levemente nas costas dele.
— Desculpe, Trevor.
— E se eu tiver o seu nome? — ele me pergunta. — O que você faria, então?
Uh. Eu não tinha pensado nisso. Atiro a Chris um olhar acusador.
— Espere um minuto! E se ele tivesse tido o meu nome?
— Esse era um risco que estávamos dispostas a tomar — diz ela suavemente. — Então, Trev, qual era o seu desejo?
— Você não tem que dizer se não quiser — digo a ele.
— Eu ia desejar os ingressos para um jogo de futebol da Universidade da Virgínia. O pai de McClaren tem bilhetes para a temporada! Vá se danar, Chris.
Eu me sinto mal.
— Talvez ele o leve de qualquer maneira. Você deveria pedir...
Ele enfia a mão no bolso, tira a carteira e lhe entrega um pequeno pedaço de papel cartão dobrado. Antes de Chris abrir, eu digo rapidamente:
— Não se esqueça, se for o meu nome, você não pode me pegar agora. Esta aqui é uma zona desmilitarizada.
Chris balança a cabeça, abre o cartão, e então sorri. Eu não posso resistir.
— Sou eu?
Chris enfia no bolso.
— Se for eu, você não pode me pegar aqui! — começo a me afastar dela. — Nós concordamos em ser aliadas nesta primeira rodada, e você não me ajudou com o meu ainda.
— Eu sei, eu sei. Mas não estou com o seu nome.
Eu não estou totalmente convencida. Foi assim que ela me pegou da última vez que jogamos. Ela não é confiável, não neste jogo. Eu deveria ter lembrado disso. É por isso que eu sempre perco; eu não enxergo suficiente longe.
— Lara Jean! Eu acabei de dizer, não tenho o seu nome!
Eu balanço a cabeça.
— Basta entrar no carro, Chris. Vou com a bicicleta de Kitty para casa.
— Você está falando sério?
— Sim. Estou jogando para ganhar desta vez.
Chris dá de ombros.
— Siga o seu caminho. Eu não vou te ajudar com o seu alvo, então, se você não confia em mim.
— Por mim tudo bem — respondo, e passo a perna por cima da bicicleta de Kitty.

11 comentários:

  1. Ou a Lara Jean é muito burra ou ela é muito inteligente por não confiar na Chris!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk exatamente achei que ela podia ter falado o nome errado para ela e não ter exigido nada pq a Cris q não e confiável ela sim

      Excluir
  2. Acho que ela pegou Gen!!

    ResponderExcluir
  3. ela pegou o nome da gen,siim ou claro?

    ResponderExcluir
  4. Eu pensei no mesmo desejo que a Cris sugeriu
    Sou má? Hahaha

    ResponderExcluir
  5. Eu seria desconfiada igual a laranjinha, ate pq sou muito competitiva...

    ResponderExcluir
  6. Não intense o jogo...Alguém me explica?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É tipo um pega-pega/duro ou mole com regras. Cada um sorteia um alvo, e tem que pegá-lo nos próximos dias. Quem for pego, perde - mas tem uns pontos neutros: sua própria casa e a escola não contam. Aquele que ganhar tem seu desejo realizado.

      Excluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!