16 de abril de 2018

Capítulo 7

NO DIA SEGUINTE, levamos Margot ao aeroporto. Do lado de fora, colocamos as malas dela no carrinho de bagagens. Kitty tenta subir nele e dançar, mas nosso pai a tira de lá na mesma hora. Margot insiste em ir sozinha, como disse que faria.
— Margot, pelo menos me deixe despachar suas malas — insiste papai, tentando manobrar o carrinho de bagagens ao redor dela. — Quero ver você passar pela segurança.
— Vou ficar bem — repete ela. — Já viajei de avião sozinha. Sei despachar uma mala. — Ela fica na ponta dos pés e abraça nosso pai. — Prometo ligar assim que chegar lá.
— Ligue todos os dias — sussurro.
O nó na minha garganta está ficando maior, e algumas lágrimas já escapam dos meus olhos. Eu tinha esperança de não chorar, porque sabia que Margot não choraria, e é solitário chorar sozinha, mas não consigo evitar.
— Não ouse nos esquecer — ameaça Kitty.
Isso faz Margot sorrir.
— Eu nunca conseguiria.
Ela abraça cada um de nós mais uma vez. Eu fico por último, como já imaginava.
— Tome conta do papai e de Kitty. Você está no comando agora.
Não quero soltá-la, então aperto com mais força; ainda estou esperando e torcendo por um sinal, uma indicação de que ela vai sentir nossa falta tanto quanto nós vamos sentir a dela. Então ela dá uma gargalhada, e eu a solto.
— Tchau, Gogo — digo, secando os olhos com a barra da blusa.
Todos ficamos olhando quando ela sai empurrando o carrinho com a bagagem até o balcão do check-in. Estou chorando muito, secando as lágrimas com as costas da mão. Papai abraça Kitty e a mim.
— Vamos esperar até ela passar pela segurança — diz ele.
Quando termina o check-in, Margot se vira e olha para nós pelas portas de vidro. Levanta uma das mãos e acena, depois segue para a fila da segurança. Nós a observamos, pensando que talvez se vire mais uma vez, mas ela não faz isso. Ela já parece tão longe de nós. A Margot que só tira nota dez, independente até o fim.
Quando for minha vez de ir embora, duvido que consiga ser tão forte quanto Margot. Mas, pensando bem, quem é?
Choro durante todo o caminho para casa. Kitty diz que sou mais bebezona do que ela, mas se estica do banco de trás, segura minha mão e a aperta, e sei que ela também está triste.
Apesar de Margot não ser uma pessoa barulhenta, a casa parece silenciosa demais. Vazia, de alguma forma. Como vai ser quando eu for para a faculdade, daqui a dois anos? O que papai e Kitty vão fazer?
Odeio pensar nos dois voltando para casa e dando de cara com um lugar vazio e escuro, sem mim e sem Margot. Talvez eu não vá para longe; talvez até continue morando em casa, ao menos no primeiro semestre. Acho que seria a coisa certa a fazer.

15 comentários:

  1. A Margot parece um robô, ela n demonstra as emoções.. Pelo menos n perto dos outro né... 😢
    Fiquei imaginando quando a Lara Jean for pra faculdade, a casa vai desmoronar czt, como eles vão sobreviver?? 😂😂

    ResponderExcluir
  2. Acho q a Margot fica assim pq desde q a mãe morreu ela deixou de ser quem realmente é foi nescesanesc ela fazer o papel de mãe e isso é bem difidi

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é realmente ótimo! Não consigo parar de ler.
    Eu vim em busca de ideias para os meus livros e, esse livro me pegou de surpresa, é realmente espetacular!

    ResponderExcluir
  4. Queria ser como a Margot, quase dez anos qe sai da casa dos meus pais e ainda choro na despedida hahaha

    ResponderExcluir
  5. Parece que a Margot não se importa com as irmãs e o pai, que não vai sentir saudades. Isso me deixa furiosa no lugar da Lara Jean.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenta pensar que ela sacriricou TODA a juventude,e os bons momentos que vem com ela, pra cuidar do pai e das irmãs. É muito injusto dizer que ela não se importa

      Excluir
  6. Margot é oq eu sempre quis ser.. ela é a minha personagem favorita ate agr

    ResponderExcluir
  7. Quero Logo O Peter nessa história . 😍

    ResponderExcluir
  8. Quem Ta Com Sdd Do Peter Morezinho???💛

    ResponderExcluir
  9. SÓ acho q falar do Peter é spoilrr
    Q q eu tô fazendo lendo un romance? Caçando papo pras meninas q eu gosto, q gostam de ler tbm óbvio

    ResponderExcluir
  10. Não consigo julgar a Margot, a garota foi a primeira pessoa a ver sua mãe morta. O comportamento frívolo dela é devido a tentar ser forte para suas irmãs. Sem mencionar sobre a juventude perdida que passou, deixando de ser apenas filha pra cuidadora. Concordo também em ter terminado seu namoro antes da viagem. Me ponho em seu lugar em um ambiente distante, cheio de novas experiências compromissada. Relativamente para mim não funciona!

    ResponderExcluir

Para comentar, por favor utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!