16 de abril de 2018

Capítulo 64

QUANDO VEJO PETER perto do ônibus, na manhã seguinte, ele está com os amigos do time de lacrosse. Fico tímida e nervosa, mas, quando ele me vê, seu rosto se abre em um sorriso.
— Vem cá, Covey. — Eu me aproximo, e ele coloca minha bolsa no ombro. No meu ouvido, ele diz: — Você vai se sentar comigo, não vai?
Eu assinto.
Quando seguimos para o ônibus, alguém assovia. Tenho a sensação de que as pessoas estão olhando fixamente para nós.
Acho que é só minha imaginação, mas então vejo Genevieve me observando e sussurrando com Emily Nussbaum. Sinto um arrepio na espinha.
— A Genevieve não para de me olhar — sussurro para Peter.
— É porque você é adoravelmente peculiar — diz ele, apoiando as mãos nos meus ombros e me dando um beijo na bochecha, e esqueço Genevieve.
Peter e eu nos sentamos no meio do ônibus, com Gabe e os caras do lacrosse. Aceno para Chris vir ficar com a gente, mas ela já está aconchegada com Charlie Blanchard. Não tive oportunidade de contar a ela sobre a noite de ontem. Quando voltei para o quarto, ela já estava dormindo. De manhã, nós duas dormimos até tarde, e não tive tempo. Vou contar depois. Mas é legal Peter e eu sermos os únicos a saber.
No caminho de volta, compartilho meus biscoitos de chocolate com os garotos e jogamos uma partida animada de Uno, que eu também levei.

* * *

Uma hora depois do começo da viagem, paramos em uma lanchonete para tomar café da manhã. Como um pão de canela, e Peter e eu ficamos de mãos dadas por debaixo da mesa.
Vou ao banheiro, e lá está Genevieve, sozinha, passando brilho labial com um pincelzinho. Entro na cabine para fazer xixi e torço para ela já ter ido embora quando eu saio, mas Gen ainda está lá. Lavo as mãos rapidamente.
— Você sabia que quando éramos crianças eu queria ser você? — comenta ela.
Eu gelo. Genevieve fecha o espelhinho.
— Queria que seu pai fosse meu pai e Margot e Kitty fossem minhas irmãs. Adorava ficar na sua casa. Sempre torcia para você me convidar para ir dormir lá. Eu odiava ficar em casa com meu pai.
— E-eu não sabia — respondo, hesitante. — Eu gostava de ir para a sua casa porque a sua mãe era legal comigo.
— Ela gostava mesmo de você.
Reúno toda minha coragem e pergunto:
— Então por que você parou de ser minha amiga?
Genevieve semicerra os olhos.
— Você não sabe mesmo?
— Não.
— Você beijou o Peter no sétimo ano. Você sabia que eu gostava dele, mas o beijou mesmo assim. — Eu me encolho, e ela continua: — Eu sempre soube que esse seu jeito de boazinha era falso. Não me surpreende você e minha prima serem melhores amigas, agora. Mas pelo menos a Chris assume que é uma piranha. Ela não finge.
Meu corpo todo fica rígido.
— Do que você está falando?
Ela ri, e é arrepiante o quanto parece feliz. É nessa hora que sei que estou ferrada. Eu me preparo para a crueldade que vai sair dos lábios dela, mas mesmo assim não estou pronta para o que vem em seguida.
— Estou falando sobre você e Peter terem transado no ofurô ontem à noite.
Minha mente fica completamente vazia. Por um segundo, tudo fica preto.
Consigo sentir meu corpo oscilar. Alguém traga os sais aromáticos, acho que vou desmaiar.
Minha cabeça gira.
— Quem contou isso para você? — pergunto, engasgada. — Quem disse isso?
Genevieve inclina a cabeça para o lado.
— Todo mundo.
— Mas... mas nós não...
— Desculpe, mas acho isso nojento. Transar em um ofurô, um ofurô público, é simplesmente... — Ela treme. — Só Deus sabe que tipo de coisa está flutuando lá, agora. Famílias usam aquele ofurô, Lara Jean. Pode haver uma família lá agora mesmo.
Lágrimas surgem nos meus olhos.
— Nós só nos beijamos. Não sei por que as pessoas diriam isso.
— Hã, porque Peter está dizendo que vocês fizeram?
Meu corpo todo fica gelado. Não é verdade. Não pode ser verdade.
— Todos os caras acham que ele é um deus porque conseguiu convencer a doce Lara Jean a trepar no ofurô. Na verdade, o único motivo de Peter namorar você era para eu ficar com ciúmes. O ego do Peter não conseguiu aceitar o fato de que o troquei por um cara mais velho. Ele estava usando você. Se conseguiu sexo com isso, melhor ainda. Você sabe que ele sempre vem correndo quando eu chamo. É porque ele me ama. Ele nunca vai amar outra garota tanto quanto me ama. — O que ela vê no meu rosto deve agradá-la, porque ela sorri. — Agora que Blake e eu terminamos... bem, acho que você já entendeu, não é?
Fico muda e entorpecida enquanto ela ajeita o cabelo em frente ao espelho.
— Mas não se preocupe. Agora que todos sabem que você é uma piranha, tenho certeza de que vai ter um monte de caras querendo ficar com você. Por uma noite.
Eu saio correndo. Saio do banheiro feminino e da lanchonete, volto para o ônibus e começo a chorar.

9 comentários:

  1. Genevieve pq vc não vai pro inferno??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achou que não, deve ter sido expulsa por que nem ela deve ter feito algo tão baixo assim com o próprio diabo

      Excluir
    2. Acho que nem lá essa fedida é aceita

      Excluir
  2. Essa garota... Ah se eu tivesse no livro

    ResponderExcluir
  3. Vai pastar sua P*** meu, se a Lara Jean acreditar nisso... MDS!! Ela n pode ser tão burra.. Mas será q ele falou?? Cara sério, se ele tiver falado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ele tiver falado, não vejo transar com mais ninguém pq eu vou cortar o que ele tem entre as pernas

      Excluir
  4. Sério estou brava por ter acreditado no Peter!
    Achei que o Josh estava sendo escroto... Mas não estava :(

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!