16 de abril de 2018

Capítulo 30

MARGOT E EU estamos ao telefone; é sábado à tarde aqui e sábado à noite lá.
— Já arrumou um estágio para o recesso? — pergunta ela.
— Ainda não...
Margot solta um suspiro.
— Achei que você ia tentar alguma coisa em Montpelier. Sei que precisam de ajuda com os arquivos. Quer que eu ligue para Donna, para você?
Margot fez estágio em Montpelier por dois verões e adorou. Estava lá durante uma escavação importante em que encontraram um pedaço do prato de porcelana de Dolley Madison, e parecia que na verdade tinham encontrado diamantes ou um osso de dinossauro. Todo mundo adora Margot, por lá. Quando ela saiu, deram a ela uma placa por todo o trabalho árduo. Papai a pendurou na sala.
— Montpelier é muito longe — digo.
— Que tal ser voluntária no hospital? — sugere ela. — Você poderia pegar carona com papai nos dias em que tiver que ir.
— Você sabe que não gosto de hospitais.
— A biblioteca, então! Você gosta da biblioteca.
— Já preenchi uma ficha — minto.
— De verdade?
— Estava pensando nisso.
— Eu não deveria ter que pressionar você para querer coisas. Você deveria querer por si mesma. Precisa ter iniciativa. Nem sempre vou estar ao seu lado para segurar sua mão.
— Eu sei.
— Você percebe o quanto este ano é importante, Lara Jean? Este ano é tudo: ele define se você vai entrar para a faculdade que quer ou não. Você não terá uma segunda chance.
Consigo sentir lágrimas de pânico surgindo. Se ela me fizer mais uma pergunta, vai passar do limite, e eu vou chorar.
— Alô?
— Ainda estou aqui.
Minha voz sai baixinha, e sei que Margot sabe que estou quase chorando. Ela faz uma pausa.
— Olha, ainda dá tempo, tá? Só não quero que você espere demais e que todas as vagas boas acabem indo para outras pessoas. Só estou preocupada com você. Mas está tudo bem. Você ainda está bem.
— Tá.
Até essa palavrinha sai com um esforço.
— Como estão as coisas?
Comecei a conversa desejando conseguir contar a ela sobre Peter e tudo que está acontecendo comigo, mas agora só estou aliviada por haver tantos quilômetros entre nós e ela não saber no que estou metida.
— Está tudo bem — asseguro.
— Como está o Josh? Tem falado com ele?
— Não — respondo.
E não tenho mesmo. Ando tão ocupada com Peter que nem tive oportunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários de volta!
Passamos algumas horas sem essa opção, mas estamos à ativa novamente :)

Boa leitura! E SEM SPOILER!