31 de março de 2018

Capítulo 14

JAFIR

Liam estava morto.
Fergus o matou.
Quando cheguei de volta ao acampamento, Fergus amarrava o corpo de Liam nas costas do cavalo dele para despejá-lo em algum lugar. Havia apenas um sussurro cuidadoso entre alguns. Mesmo Steffan se manteve quieto.
Reeve me chamou de lado e me contou o que aconteceu.
Um bebê estivera berrando por toda a tarde, e Liam estava por ali, dizendo a mãe para fazer a criança ficar quieta. Quando Fergus entrou no acampamento, Liam estava atrás de uma briga. Ele decidiu provocar Fergus, e eles discutiram, mas desta vez Liam não deixava pra lá. Ele queria que os parentes do norte saíssem e o clã ficasse. Caso contrário, ele iria embora com sua parte dos grãos. Fergus advertiu que se ele tocasse em uma bolsa de suprimentos, ele o mataria, dizendo que a comida era para todos do clã, e não apenas para um. Liam o ignorou e ergueu uma bolsa em seu ombro, levando-a em direção ao cavalo.
— Fergus foi fiel à sua palavra. Ele tinha que ser. Liam traiu o clã. Ele teve que morrer. — Reeve sussurrou, sem dizer exatamente como Fergus o matara.
Os parentes do norte olharam para o espetáculo com medo e respeito. Laurida se manteve nas sombras, seu olhar fixo em Fergus, as linhas nos olhos fundos com a tristeza.
Olhei para ele, meu pai, amarrando o corpo de Liam. Determinado. Bravo. Seu silêncio dizia mais do que qualquer outra coisa. Liam era seu irmão.
A noite foi especialmente longa, o silêncio crescendo como uma cerca espinhosa entre nós, e depois que a última das crianças foi colocada na cama e Fergus retornou com o cavalo vazio, fui para meu próprio colchão.
Steffan me deu um encontrão ao passar como que por acidente.
— Onde esteve o dia todo, Jafir? Caçando?
Olhei para ele, surpreso com a pergunta. Ele nunca falou sobre minhas caçadas, já que eu era o mais habilidoso.
— Como todos os dias — respondi. — Você não viu as raízes e a comida que eu trouxe?
Ele assentiu. E então sorriu.
— É eu vi. Muito bem, irmãozinho. — Ele deu um tapinha nas minhas costas e se afastou.
Saí cedo no dia seguinte, colocando armadilhas extras ao longo do caminho, tropeçando descuidadamente e tendo que recolocá-las. Não conseguia me concentrar. Meu foco fora estilhaçado, saltando da minha última imagem de Liam, com os braços pendendo do cavalo de Fergus, para as palavras de Reeve, Liam traiu o clã, ele teve que morrer, e depois a imagem das mães que tentavam acalmar seus filhos no acampamento esta manhã, com medo de atrair outra briga. Como os animais selvagens que viviam além das montanhas seriam piores do que isso?
Depois do último conjunto de armadilhas, forcei meu cavalo mais rápido para chegar a Morrighan, bloqueando o mundo, como se o vento passando rapidamente pudesse afastar o que estava atrás de mim.

3 comentários:

  1. Sou leitor fiel da página to curtindo a leitura,Mas tem alguns erros de português,Não estou criticando apenas informando

    ResponderExcluir
  2. Acho que o Steffan sabe sobre a Morrighan.

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!