20 de fevereiro de 2018

Capítulo 60

Só um pouco mais adiante, Lia.
Aguente.
Aguente por mim.
Senti o cheiro de um rio, tive o vislumbre dos pinheiros curvados de uma floresta, vi respirações congeladas espiralando-se no ar acima de mim e ouvi a constante e determinada batida de botas esmagando a neve.
Senti lábios cálidos roçando nos meus.
Só um pouco mais adiante.
Por mim.
Meus olhos se abriram, eu não estava morta ainda. O mundo coberto pela neve, a brancura cegante e o cheiro de pinheiro desapareceram. Em vez disso, eu estava em uma sala preta e sem janelas, mas ainda sentia os braços que me seguravam, os dedos que haviam colocado para trás mechas dos meus cabelos, o peito que fora como uma parede quente contra o frio, e eu a voz que não me deixaria desistir.
Mantenha os olhos em mim. O fogo azul que exigira que eu ficasse.
Tentei focar, procurar no negrume. A cela estava asfixiante, o ar era tão velho quanto as próprias paredes. Eu sentia o cheiro de terra e coisas podres. Puxei a mão para junto da minha barriga, fazendo pressão bem forte nela para estancar o sangramento, mas a força enviou uma onda pungente de dor pelo meu corpo.
Suguei o ar, forçando os meus pulmões a respirarem.
Eu não conseguia aceitar que isso estivesse acabado.
Que não haveria qualquer mensagem enviada para salvar os meus irmãos.
Que os traidores não seriam expostos.
Que o Komizar vencera.
Ver Malich morto de repente pareceu uma vitória pequena. A satisfação foi escorrendo para longe de mim, como o sangue dele no chão. Sua morte apenas me proveu uma conclusão: ela não trazia de volta o que fora tomado.
O caminho até aqui tinha sido um borrão, e eu não sabia ao certo onde estava, mas não era na cidadela. Talvez fosse um dos anexos? Por que eles se arriscariam a me arrastar aqui para fora, a céu aberto, quando a prisão da cidadela estava apenas a uns poucos passos de distância? Eu não achava que eles haviam me levado até tão longe quanto o Acampamento Piers, mas não poderia afirmar isso com certeza.
Tentei me levantar e fazer uma busca na sala por alguma coisa para ser usada como arma, mas minha perna machucada cedeu sob o meu corpo e meu rosto bateu com tudo no chão de terra. Fiquei ali deitada, como um animal ferido. Nós ao menos nos entendemos? Contive lágrimas cheias de raiva. Não! Empurrei o chão com a mão boa, tentando me levantar. Eu tinha pensado que a situação não poderia piorar, mas estava errada. Ouvi passadas, gritos abafados e apertei os olhos contra a repentina luz brilhante quando a porta se abriu. Mais prisioneiros foram jogados ali dentro, a porta foi fechada com tudo e a sala foi mergulhada mais uma vez na escuridão.

5 comentários:

  1. É bom o Rafe aparecer logo

    ResponderExcluir
  2. Era isso que o Rafe não queria, sua burra! Agora aguenta até ele chegar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é! Ele pediu os 20km pra ela pq ele a caregou por 20km falando assim com ela *-*

      Ai gente, como pode ter alguém que tenha pensado que o Kaden era melhor pra Lia u.u

      Excluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!