20 de fevereiro de 2018

Capítulo 56

Um grito parte o ar.
Os pachegos capturaram alguma coisa.
As crianças choram,
A escuridão, profunda demais,
As barrigas delas, vazias,
Os uivos dos pachegod, perto demais.
Shhhhh, sussurro.
Conte a eles uma história, suplica Jafir.
Conte a eles uma história de Antes.
Mas Antes nunca foi o meu tempo para que eu o conhecesse.
Busco na memória pelas palavras da Ama.
A esperança. O fim da jornada.
E, desesperadamente, acrescento minhas próprias palavras a elas.
Reúnam-se aqui perto, crianças,
E contarei a vocês uma história de Antes.
Antes que o mundo fosse marrom e infértil,
Quando ainda era uma joia azul rodopiante,
E torres cintilantes tocavam as estrelas.
Os abutres ao meu redor fazem troça.
Mas não Jafir.
Ele sente tanta fome por uma história quanto as crianças.
— As palavras perdidas de Morrighan —



RAFE

— Ela está enfurnada em uma pequena cabana não longe da cidadela, com três mulheres e Kaden. Uma menina nômade também — disse Tavish.
— Você desobedeceu às ordens.
Jeb abriu um largo sorriso.
— Você sabia que faríamos isso.
— E está feliz por termos feito — acrescentou Orrin.
— Para que é aquilo? — perguntou-me Jeb, assentindo em direção ao controlador e as três Valsprey engaiolados.
— Para o caso de as coisas não irem bem para nós. Um presente de despedida do general Draeger. O homem insistiu nisso. Não quer que a gente suma na borda do continente de novo sem uma palavra.
Tavish analisou os detalhes da nossa companhia com um olho cheio de suspeitas e virou-se para o capitão Azia, talvez imaginando que conseguiria obter mais informações dele.
— Como foi que você conseguiu tantos cavalos com equipamentos morrigheses?
Sven pigarreou, antecipando-se em responder no lugar de Azia. Eu sabia que a pergunta criara um gosto amargo na língua dele tanto quanto na minha.
— É uma longa história — foi a resposta dele.
— Explico mais tarde — respondi a Tavish. — Volte cavalgando e diga ao restante do pessoal que está na hora de se dividirem, seguindo para as estradas leste e ao norte que dão para a cidade. E diga para que fiquem em grupos de não mais do que três ou quatro. Não podemos descer na cidade todos de uma vez.
Nós éramos fazendeiros, mercadores, comerciantes, e não um batalhão de uma centena de soldados armados. Pelo menos era isso que queríamos que eles pensassem.

7 comentários:

  1. Rafe casa comigo!!! Nunca te pedi nada

    ResponderExcluir
  2. Rafe larga tudo por causaber de Lia, que amor. RA fé se você não ficar com a Lia fica comigo, mas eu torso para vocês dois.
    Tean lia e rafe

    ResponderExcluir
  3. Estou realmente feliz que ele esteja lá pela Lia! Mas odeio a ideia dele ter aceitado,a proposta do General e se aceitou sei que foi por um bom motivo, que tem que ter como escapar dessa situação!?Estou feliz que ele esteja lá quero ver a cara da Lia quando ver ele e os meninos que aprendeu a gostar e ter como amigos! DM

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!