16 de fevereiro de 2018

Capítulo 35

RAFE

Calantha e Ulrix arrastaram-me até os estábulos. Eu deveria fazer uma nova cavalgada por sua cidade miserável, sendo a única vantagem o fato de que eu poderia buscar outra saída dali, embora estivesse parecendo cada vez mais certo que não havia qualquer saída.
Os cavaleiros vendanos cavalgavam com rapidez, e os dias perdidos ardiam em chamas na minha cabeça. Eu repassei todas as estratégias militares com as quais Sven já havia me treinado, mas nenhuma delas havia incluído Lia e os riscos que ela correria.
Esses pensamentos estavam me consumindo, então eu não o reconheci a princípio. Ele jogava fezes secas dentro de um cesto perto dos estábulos. Suas roupas estavam sujas e rasgadas. Quando acompanhei Calantha e Ulrix até dentro do estábulo, meus olhos haviam passado por ele, focando-se, em vez dele, no meu cavalo na primeira baia. Um dos chievdars o havia clamado como sendo seu. Ele estava sendo bem cuidado e arrumado, mas me aguilhoava o fato de que agora ele serviria a Venda.
Calantha e Ulrix estavam me levando para fora sob as ordens do Komizar. Eu o vi saindo com Lia enquanto chegávamos no pátio dos estábulos.
— Ela vai ficar bem — disse Calantha. Desviei o olhar, dizendo que estava apenas curioso em relação ao propósito dessas cavalgadas pela cidade. — Uma espécie de campanha — disse-me ela, de modo vago. — O Komizar deseja partilhar nossa recém-chegada nobreza com outros.
— Sou apenas um baixo emissário. Não um nobre.
— Não — disse ela. — Você será qualquer coisa que o Komizar deseja que você seja. E hoje você é o grande Lorde Emissário do Príncipe de Dalbreck.
— Para uma nação que despreza a realeza, ele parece bastante ansioso por ostentá-la.
— Há muitas maneiras de se alimentar as pessoas.
Enquanto conduzíamos nossos cavalos do estábulo, o coletor de fezes carregava uma carga em um carrinho na frente da porta, tropeçando e espalhando-a para o lado. Ulrix xingou-o por bloquear nosso caminho.
— Fikatande idaro! Bogeve enar johz vi daka!
O coletor de fezes arrastou-se pelo chão, tentando colocar as fezes o mais rápido possível no carrinho. Ele parou e ergueu o olhar, acovardando-se, soltando pedidos de desculpas em vendano. Apertei os olhos quando o vi, achando que eu tinha que estar enganado.
Era Jeb. Ele estava imundo, com os cabelos sujos e emaranhados, e ele fedia. Jeb. Um coletor de fezes.
Foram necessários todos os pedacinhos da minha força de vontade para que eu não esticasse as mãos e o abraçasse. Eles haviam conseguido... Ao menos Jeb havia conseguido. Olhei ao redor do pátio do estábulo, na esperança de ver os outros. Jeb balançou a cabeça com vigor como se estivesse pedindo desculpas por ser desajeitado. Por um breve momento, ele mirou seu olhar contemplativo em mim, balançando a cabeça novamente.
Os outros não estavam aqui. Ainda. Ou será que ele queria dizer que não viriam?
— Traga um pouco disso para o meu quarto quando você tiver acabado. Na Torre ao Norte do Sanctum — falei.
Calantha trocou algumas palavras rápidas com Jeb.
— Mi ena urat seh lienda?
Jeb balançou a cabeça em negativa e gesticulou com os dedos.
— Nay. Mias e tayn.
— O tolo não entende a sua língua — rosnou Ulrix. — E seu quarto fica aquecido por último, Emissário. Quando o Conselho estiver belo e quentinho, então talvez você tenha um pouco para si.
Jeb assentiu, jogando as últimas fezes dentro do carrinho.
Torre do norte. O tolo entendeu perfeitamente, e agora ele sabia onde me encontrar. Ele levou o carrinho de mão para fora do nosso caminho, e Ulrix passou empurrando por nós, já sem paciência.
— Encontrarei vocês lá.
— Onde fica lá? — perguntei a Calantha.
Ela soltou um suspiro, como se estivesse entediada. Para alguém tão jovem, ela estava enfastiada além dos seus anos. Por mais que eu tentasse arrancar informações dela sobre sua posição no Sanctum, ela era uma muralha gélida quando se tratava de detalhes sobre si mesma.
— Nós estamos indo até o quadrante Stonegate, com uma rápida parada no Campo dos Cadáveres — disse ela. — O Komizar achou que você poderia achar isso distrativo.

* * *

Fazia quase quatro anos que eu era um soldado de campo. Eu tinha visto muita coisa. Homens esfaqueados, mutilados, com seus crânios rachados e abertos. Eu tinha visto homens dilacerados por animais, parcialmente comidos. No Cam Lanteux e no campo de batalha, não havia considerações delicadas em relação a como um homem morria. Eu havia aprendido a esperar qualquer coisa. Mas a bílis ergueu-se na minha garganta quando chegamos no topo do Campo dos Cadáveres, e controlei o aperto no meu peito enquanto começava a desviar o olhar.
Ulrix deu um empurrão no meu ombro.
— É melhor dar uma boa olhada. O Komizar vai lhe perguntar o que você acha disso. — Virei-me de volta. Olhei, mantendo o olhar firme e endurecido. Três cabeças em estacas. Moscas zuniam em línguas inchadas. Larvas agitavam-se em soquetes de olhos. Um corvo puxava, com teimosia, algo sinuoso de uma bochecha, como se fosse um verme. No entanto, mesmo em meio à putrefação, eu podia dizer que eram meninos. Eles foram, um dia, meninos.
— O Assassino cuidou destes três. Traidores, eles eram. — Ulrix deu de ombros e voltou a descer pelo outeiro.
Virei-me para Calantha.
— Kaden fez isso?
— Supervisionar execuções é o dever dele como Mantenedor. Colocá-las nas estacas, bem, isso é feito pelos soldados. Eles vão ficar ali até que a última carne caia de seus ossos — foi a resposta dela. — Essas são as ordens do Komizar.
Olhei para ela, cujo único e pálido olho reluzia, com uma fraqueza em seus ombros, que estavam geralmente rígidos com cinismo.
— Você não aprova isso — falei.
Ela deu de ombros.
— O que eu penso não importa.
Estiquei a mão e toquei o braço dela antes que ela pudesse se virar e ir embora. Ela encolheu-se, como se achasse que eu fosse atacá-la, e recuei.
— Quem é você, Calantha?
Calantha balançou a cabeça, e seus modos entediados estavam de volta.
— Sou ninguém há muito tempo.

8 comentários:

  1. Quem é você calantha ? Me digaaaaaa

    ResponderExcluir
  2. Só acho que no passado ela teve algum relacionamento com o Komizar

    ResponderExcluir
  3. acho que ela é irmã do Komizar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas a Lia disse que tinha visto algum tipo de sentimento no olhar dela quando ele olhou pro Komizar... Podem me chamar de louco psicopata o quanto quiserem, mas o que o Komizar fez estava certo, faria o mesmo eu mesma sem hesitar! 😒🌡

      Excluir
  4. Esses trechos deixam muito dificil a leitura de quem tem mente fértil e por isso consegue imaginar oa minimos detalhes, blehh que nojo!!!

    ResponderExcluir
  5. OMG acho que sei quem ela é

    ResponderExcluir
  6. Será que a calantha é um dos "homens sem rosto" seguidores do Deus de muitas faces de GOT...? Estou encontrando muitas referências nesse livro kkkkk

    ResponderExcluir
  7. Por um momento eu pensei q eram as cabeças dos amigos do Rafe nas estacas. Deu um aperto no coração só de pensar.

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!