24 de fevereiro de 2018

Capítulo 30

Querida Lou,
Não fui totalmente sincero na última vez que nos encontramos. Por isso, lhe escrevo esta carta. Não porque acho que isso vai mudar alguma coisa, mas porque a enganei uma vez e é importante para mim que você saiba que nunca mais vou enganá-la ou iludi-la.
Eu e Katie não estamos juntos. Não estávamos na última vez que vi você. Não quero falar muito sobre isso, porém logo ficou claro que somos pessoas muito diferentes e que eu havia cometido um tremendo erro. Para ser honesto, acho que eu sabia disso desde o início. Ela pediu transferência e, embora não tenham gostado muito da ideia no escritório central, parece que vão atender ao pedido.
Fiquei me sentindo um idiota, e com razão. Não há um dia em que eu não deseje ter lhe escrito algumas linhas, como você pediu, ou que tivesse lhe mandado um cartão-postal engraçado. Eu deveria ter abraçado você com mais força e lhe dito o que sentia na hora em que sentia. Deveria ter me esforçado um pouco mais em vez de me entregar a um show de autopiedade, pensando em todas as pessoas que tinham me deixado.
Como eu disse, não escrevi esta carta para fazê-la mudar de ideia. Sei que você seguiu em frente. Só quero lhe pedir desculpas e lhe dizer que vou carregar para sempre o arrependimento pelo que aconteceu, e que espero sinceramente que você esteja feliz (é um pouco difícil dizer isso de luto).
Cuide-se, Louisa.
Com amor, sempre,
Sam

* * *

Eu me senti exultante. E um pouco enjoada. Depois engoli um enorme soluço de uma emoção que não identifiquei. Então, amassei a carta em uma bola e, com um urro, a joguei com força no lixo.
Mandei uma foto de Dean Martin para Margot e escrevi uma cartinha para ela atualizando-a sobre o bem-estar dele, só para aplacar meu nervosismo. Andei para cima e para baixo no apartamento vazio e soltei alguns palavrões. Peguei xerez do armário de bebidas empoeirado de Margot e tomei o copo todo em três goles, apesar de ainda ser de manhã. Então, peguei a carta no lixo, abri o notebook, me sentei no chão do hall de entrada, de costas para a porta da frente, para usar o WiFi dos Gopnik, e mandei um e-mail para Sam.

Que palhaçada é essa? Por que me mandou essa carta agora? Depois de todo esse tempo?

A resposta chegou em poucos minutos, como se Sam estivesse sentado diante do computador, esperando pelo meu e-mail.

Entendo a sua raiva. Eu provavelmente também ficaria furioso. Mas Lily disse que você estava pensando em se casar, que estava procurando apartamento em Little Italy, e isso me fez pensar que, se eu não falasse com você agora, depois seria tarde demais.

Encarei a tela e franzi o cenho. Então, reli duas vezes o que ele havia escrito. E digitei de volta:

Lily lhe disse isso?

Sam confirmou:

Disse. E falou também que você acha tudo isso um pouco precipitado, que não quer que ele ache que você vai se casar só para conseguir o green card. Mas que o modo como ele a pediu em casamento fez com que fosse impossível dizer não.

Esperei alguns minutos, então escrevi a resposta com todo o cuidado do mundo:

Sam, o que Lily lhe contou sobre o pedido de casamento?

Ele respondeu depressa:

Que Josh se ajoelhou na sua frente no topo do Empire State. E que ele até contratou uma cantora de ópera. Lou, não fique chateada com Lily. Sei que eu não deveria ter obrigado ela a me contar. Sei que não é da minha conta. Mas só perguntei a ela como você estava um dia desses. Quis saber o que estava acontecendo na sua vida. Aí ela me pegou de surpresa com toda essa história. Eu disse a mim mesmo que deveria simplesmente ficar feliz por você. Mas então não parei de pensar: e se eu tivesse sido o cara? E se eu tivesse… sei lá… aproveitado a oportunidade?

Fechei os olhos.

Então, você me escreveu porque Lily lhe disse que eu estava prestes a me casar?

Sam respondeu:

Não. Eu queria mesmo escrever para você. Desde que a vi em Stortfold. Só não sabia o que dizer.
Mas então me dei conta de que depois que você estivesse casada — ainda mais se fosse se casar tão depressa — seria impossível eu dizer alguma coisa. O que talvez seja antiquado da minha parte.
Olha, eu só queria que você soubesse que sinto muito, Lou. É isso. Lamento se é inapropriado.

Levei um tempo para responder.

Ok. Bem, obrigada por me contar.

Fechei o notebook, me recostei na porta e fiquei ali, de olhos fechados, por um bom tempo.

* * *

Decidi não pensar sobre aquilo. Eu era muito boa em não pensar nas coisas. Resolvi pendências domésticas, levei Dean Martin para passear e fui de metrô ao East Village no calor sufocante para conversar sobre metragem, divisórias, escritura de aluguel e seguro com as meninas. Não pensei em Sam. Não pensei em Sam quando passei com o cachorro pelos caminhões de lixo fedidos e onipresentes, ou quando desviei de vans da Fedex que buzinavam, ou quando torci o tornozelo nos paralelepípedos do SoHo, ou quando arrastei malas de roupas pelas catracas do metrô. Repeti mentalmente as palavras de Margot e fiz o que amava, que agora crescia da sementinha de uma ideia para uma bolha enorme cheia de oxigênio dentro de mim, empurrando todo o resto para o lado.
Não pensei em Sam.

* * *

A carta seguinte de Sam chegou três dias depois. Dessa vez, reconheci a letra dele, rabiscada em um envelope que Ashok enfiara por debaixo da porta do apartamento de Margot.

Eu andei pensando sobre a nossa troca de e-mails e só queria lhe contar mais algumas coisas. (Você não disse que eu não podia, por isso espero que não rasgue esta carta.)
Lou, eu nunca soube que você queria se casar. E agora me sinto um idiota por não ter lhe perguntado. Eu não percebi que você é o tipo de garota que no fundo quer grandes gestos românticos. Lily me falou tanto sobre o que Josh faz por você — as rosas que manda toda semana, os jantares elegantes e coisas assim — que fico aqui pensando… Eu fui mesmo tão lerdo? Como fiquei parado esperando que tudo se resolvesse se nem sequer tentei?
Lou, eu entendi mesmo tudo tão errado? Só preciso saber se o tempo todo em que estivemos juntos você esperou que eu fizesse um grande gesto, se eu não a compreendi. Se foi esse o caso, mais uma vez me desculpe.
É meio estranho ter que refletir tanto sobre si mesmo, ainda mais quando se é um cara não muito chegado à introspecção como eu. Gosto de fazer coisas, não de refletir sobre elas. Mas acho que preciso aprender uma lição aqui e estou lhe pedindo para ser generosa o bastante para me responder.

Peguei um dos blocos desbotados de Margot, com o endereço do apartamento no topo. Risquei o nome dela e escrevi:

Sam, eu nunca quis nada grandioso de você. Nada.
Louisa

Desci a escada correndo, entreguei a carta a Ashok, para que a colocasse no correio, e subi correndo de novo o mais depressa possível, fingindo não tê-lo ouvido perguntar se estava tudo bem.

* * *

A carta seguinte chegou em poucos dias. Foi enviada pelo serviço de entrega expressa, que deve ter custado uma fortuna a Sam.

Mas você queria, sim. Queria que eu escrevesse. E eu não fiz isso. Estava sempre cansado demais ou, para ser honesto, ficava constrangido. Não era como se eu estivesse realmente falando com você, parecia só tagarelice com o papel. Para mim, soava falso.
Então, quanto mais eu não escrevia para você e mais você se adaptava a sua vida aí e mudava, eu tinha a sensação de… ora, que diabo eu tenho para contar a ela, afinal? Ela vai a esses bailes elegantes, frequenta clubes, anda de limusine para todo lado e está vivendo o melhor momento da vida, enquanto eu ando para cima e para baixo em uma ambulância, no leste de Londres, resgatando bêbados e aposentados solitários que caíram da cama.
Muito bem, vou lhe dizer outra coisa agora, Lou. E, se você nunca mais quiser saber de mim, vou entender. Mas, agora que estamos nos falando de novo, preciso dizer: eu não estou feliz por você. Acho que você não deve se casar com esse cara.
Sei que ele é inteligente e bonito, que contrata quartetos de cordas para tocar enquanto vocês jantam no terraço dele, mas tem algo aí em que não acredito. Não acho que ele seja o homem certo para você.
Ah, droga. Isso na verdade nem é sobre você. Eu é que estou enlouquecendo. Odeio imaginar você com ele. O simples pensamento desse cara a envolvendo com os braços me dá vontade de sair socando tudo. Não durmo mais direito porque me transformei nesse ciumento idiota que precisa se obrigar a pensar em outra coisa.
E você sabe como sou — eu durmo em qualquer lugar.
Você provavelmente está lendo isto agora e pensando: “Ótimo, bem feito, seu panaca.” E você tem todo o direito.
Só não seja precipitada, ok? Tenha certeza de que esse cara é mesmo tudo o que você merece. Ou, sei lá, simplesmente não se case com ele.
Bjs, Sam

Levei alguns dias para responder daquela vez. Carreguei a carta para todo canto comigo e dava uma olhada nela nos momentos de calma no Vintage Clothes Emporium e quando parava para tomar um café em uma lanchonete que permitia a entrada de cães perto de Columbus Circle. Relia a carta quando ia de noite para a minha cama já afundada e pensava nela enquanto estava na banheira cor de salmão de Margot.
Então finalmente respondi:

Querido Sam,
Eu e Josh não estamos mais juntos. Usando uma frase sua, nós percebemos que somos pessoas muito diferentes uma da outra.
Lou
P.S.: Para sua informação, um violinista pairando sobre mim enquanto tento comer me dá arrepios.

7 comentários:

  1. Fico feliz por Sam ter meio que se arrependido, mas ao mesmo tempo sinto um pouco de pena de Josh porque não era culpa dele que ele era parecido com Will... embora desde o início eu tenha achado o relacionamento entre ele e Lou muito rápido, precipitado e suspeito.

    ResponderExcluir
  2. eu tbm,maseu queria tanto q ela ficasse com ele,no começo achei q ele era tao bom,por ter notado ela e td mais,mas depois ele começou a parecer demais com o patrick q eu fiquei com raiva,achei q ele seria um "will traynor" mas me decepcionei

    ResponderExcluir
  3. Ficando feliz a cada pagina
    #Low&Sam

    Eríneas Graças

    ResponderExcluir
  4. sempre soube que ia ser assim, ninguém pode ser outro Will na vida da Lou, por isso é melhor que ela tenha o seu Sam ao invés de um Will americano...

    ResponderExcluir
  5. A questão realmente é que ele queria muda-la, e quando vc muda por alguém vc sempre se arrepende!E quem Ama não quer muda-la,ponto final!
    Amo o Sam,mas...ele só correu atrás dela quando pensou que ela estava para casar,isso me decepcionou bastante!
    Mas achei fofo a atitude de Lily,menina levada 😉😂😂😍

    ResponderExcluir
  6. Espero que sam e lou fiquem juntos. Sinceramente eu sabia que o Josh era foga de palha. Lou estava reproduzindo o will nele

    ResponderExcluir
  7. Essa Lily inventa cada coisa kkkkk ri muito nesse capítulo.... Torcendo para Lou voltar para o Sam.... Ele não é um babaca e agora ele percebeu o que perdeu....

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!