16 de fevereiro de 2018

Capítulo 27

RAFE

Agora eu entendi por que Sven preferia servir como soldado que amar. Era mais fácil de entender e muito menos propenso a matá-lo.
Fiquei perplexo quando vi que ela ia até a mesa onde vários dos bárbaros jogavam cartas. Então vi Malich na mesa, e aquilo voltou a mim. Prefiro, a qualquer momento, um bom jogo de cartas à costura. Meus irmãos são astutos, beirando os golpistas quando se trata de cartas – o melhor tipo de professores que se pode ter.
Na noite passada tudo o que pude fazer foi ficar lá, parado, e não torcer o pescoço dela, mas foi mais difícil ainda não ter uma espada em minha mão para protegê-la de Malich.
Sim, Lia, você foi e ainda é um desafio. Mas que se danasse se eu não tinha sentido uma onda de admiração por ela também, mesmo enquanto o suor escorria pelo meu pescoço e eu silenciosamente a amaldiçoava. Isso não era o que eu chamaria de ficar na dela. Ela dava ouvidos a alguém?
Joguei meu cinto em cima do baú. Este quarto estava me dando nos nervos. O cheiro, a mobília, o tapete floral. Ele era adequado para algum tolo pomposo da corte. Abri uma persiana para deixar algum ar da noite entrar.
Era o nosso sétimo dia aqui, e ainda não havia nenhum sinal de Sven, Tavish, Orrin ou Jeb. Tempo demais. Eu estava começando a temer o pior. E se eu tivesse conduzido meus amigos para a morte? Eu tinha feito uma promessa a Lia de nos tirar disso. E se eu não conseguisse?
Não a derrube com você... Se o Komizar ou Conselho captarem a pista mais fraca...
Eu já havia tentado com todo o poder dentro de mim não olhar para ela. A única vez que havíamos nos falado em dias foi quando trocamos palavras ríspidas no Saguão do Sanctum com tantos ouvidos escutando para dizer qualquer coisa remotamente útil para qualquer um de nós. Eu sabia que ela estava ficando impaciente com a minha indiferença persistente a ela, mas não era só Kaden que mantinha uma vigilância estreita. Os Rahtans também.
Senti que eles queriam pegar um ou ambos de nós em uma mentira. Sua desconfiança estava alta. E então havia Calantha. Muitas vezes a vi de pé nas sombras do salão antes de todos se sentaram para comer, examinando Lia, em seguida, voltando-se para me assistir. Havia poucas mulheres aqui no Sanctum, e nenhuma parecia ter qualquer posição ou poder, exceto ela. Eu não tinha certeza de que poder era ou o quanto ela tinha, porque ela estava sempre atenta com minhas perguntas, e ninguém mais compartilharia nada sobre ela, não importasse quão ocasional eu mantivesse minhas perguntas.
Isso não a impediu de tentar arrancar informações de mim, embora ela tivesse tentado fazer com que parecesse brincadeira inofensiva. Ela me perguntou a idade do príncipe e, em seguida, perguntou minha própria idade. O príncipe tem dezenove anos, eu dissera a ela, aderindo à verdade no caso de ela já saber previamente disso, e então falei a ela que eu tinha vinte e cinco, para que isso não a levasse a reflexões sobre termos a mesma idade. Na verdade, eu não qualquer emissário pessoal. Eu era um soldado e não tinha necessidade de mensageiros ou agentes para negociar por mim, então todas as minhas respostas em relação a um emissário foram retiradas de um lugar de ganância – a motivação que o Komizar entenderia se Calantha repassasse as nossas conversas para ele.
Joguei água no rosto, lavando o suor e o sal da minha pele, tentando apagar a imagem de Lia saindo com Kaden para o quarto dele.
Mais três dias. É o que Sven sempre me disse. Quando você pensar que está no fim de sua corda, dê mais três dias. E depois mais três. Às vezes, você descobrirá que a corda é mais longa do que você pensava.
Sven tentava me ensinar paciência naquela época. Eu era um cadete de primeiro ano e sempre era preterido em exercícios de campo. Nenhum capitão queria correr o risco de ferir o único filho do rei. Três dias se transformaram em seis, se então em nove. Por fim foi Sven, quem perdeu a paciência e me jogou na tenda de um capitão, dizendo que não queria ver o meu rosto de novo até que eu tivesse algumas contusões.
E às vezes você descobrirá que a corda é mais curta do que você pensava.

2 comentários:

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!