2 de janeiro de 2018

Prólogo

SHERLOCK HOLMES ENXUGOU a testa com a manga da blusa. Ele olhou para a manga quando a baixou. Ela estava escura e úmida de suor. O sol estava alto no céu, quase o cegante, e o calor era como um pesado martelo descendo sobre sua cabeça, mesmo através do lenço que ele havia enrolado em torno dela. Em questão de segundos sua testa estava novamente ensopada com sua transpiração. Gotas quentes desciam por suas bochechas, e do seu pescoço para seu colarinho, que estava molhado.
O Canal de Suez abrangia o horizonte à esquerda de Sherlock até sua direita – um grande sulco na areia, um canal fluvial feito por homens, tão largo que poderia ter sido feito por um golpe de espada desferido pelos deuses. Água azul brilhante o preenchia de uma margem à outra. Juncos e arbustos verdes se alinhavam em suas margens. Era tão largo que Sherlock não conseguiria lançar uma pedra até a outra margem, e tão profundo que navios poderiam ser afundados ali e outros navios passariam por cima de seus destroços.
É claro, isso se ele impedisse a sabotagem que estava prestes a ocorrer: senão haveria tantos destroços no canal que eles se ergueriam acima da superfície da água, e o canal ficaria intransponível por muitos anos. O problema era que ele realmente não sabia como faria isso.
— Sherlock — uma voz falou. — Eu sinto muito que as coisas tenham corrido assim.
Ele se virou. Rufus Stone estava parado a alguns passos de distância. A brisa soprava o cabelo preto do seu rosto. O sol refletiu em seu solitário dente de ouro. Sua expressão era... arrependida. Até mesmo triste. E ele estava segurando uma espada.
Sherlock sentiu sua força, sua confiança, escorrendo para longe. “Como havia chegado a esse ponto?” ele se perguntou. Como ele fora parar no incapacitante calor de um país estrangeiro, prestes a lutar com um de seus melhores amigos? Ele ergueu sua própria espada para se preparar para a luta que começaria...

3 comentários:

  1. Meu Jesus, o q é isto q eu estou lendo na tela do meu celular?

    ResponderExcluir
  2. Mds. Logo o Rufus
    Não sou o Sherlock mas o Rufus deve estar envolvido numa trama muito grande e o Sherlock por coincidência acabou chegando nele

    ResponderExcluir
  3. kkkkkk.... Esse livro será louco.

    ResponderExcluir

Comentários de volta!
Passamos algumas horas sem essa opção, mas estamos à ativa novamente :)

Boa leitura! E SEM SPOILER!