29 de janeiro de 2018

Capítulo 68

Chaol Westfall não desconsiderou nenhum de seus passos. Mesmo os que o enviaram correndo para um balde para expulsar o conteúdo do seu estômago durante os primeiros dias no mar.
Mas uma das vantagens de viajar com uma curandeira era que Yrene aliviava facilmente as dores em seu estômago. E depois de duas semanas no mar, esquivando-se de tempestades ferozes que o capitão só chamava de Provocadora de Naufrágios... seu estômago finalmente se acalmou.
Ele encontrou Yrene na balaustrada da proa, olhando para a terra. Ou onde a terra estaria, se eles ousassem navegar perto o suficiente. Eles estavam mantendo-se longe enquanto contornavam a costa do continente, e de acordo com o encontro que tivera com o capitão momentos antes, eles estavam em algum lugar perto do norte de Eyllwe. Perto da fronteira de Charco Lavrado.
Nenhum sinal de Aelin ou seu exército, mas era de se esperar, considerando quanto tempo eles estiveram atrasados em Antica antes de sair.
Mas Chaol afastou isso de sua mente enquanto deslizava os braços em torno da cintura de Yrene e pressionava um beijo na curva de seu pescoço.
Ela nem ficou rígida ao ser tocada por trás. Como se tivesse aprendido a cadência de seus passos. Como se também não desconsiderasse nenhum deles.
Yrene recostou-se nele, seu corpo descansando com um suspiro ao mesmo tempo em que em que colocava as mãos em cima das dele, que descansavam sobre o estômago dela.
Levou um dia inteiro após a cura de Duva antes de ele conseguir caminhar com a bengala – embora rigidamente e de forma desigual. Como aconteceu naqueles primeiros dias de recuperação: suas costas se esforçaram ao ponto de doer, cada passo exigindo toda a sua atenção. Mas ele apertou os dentes, Yrene murmurando encorajamentos quando ele teve que fazer vários movimentos. Um dia depois, a maior parte da dor nas coxas tinha diminuído, embora ele tivesse mantido a bengala; e um dia depois, ele caminhava com um desconforto mínimo.
Mas mesmo agora, depois destas duas semanas no mar com pouco para Yrene curar além de estômagos nauseados e queimaduras de sol, Chaol manteve a bengala em sua cabine e a cadeira guardada abaixo do deque, para quando forem necessárias.
Ele olhou por cima ombro de Yrene, para os dedos entrelaçados. Para os anéis gêmeos agora em suas mãos.
— Observar o horizonte não nos fará is mais rápido — ele murmurou em seu pescoço.
— Nem provocar sua esposa sobre isso.
Chaol sorriu contra sua pele.
— De que outra maneira devo divertir-me durante as longas horas do que com provocações, lady Westfall?
Yrene bufou, como sempre fazia ao título. Mas Chaol nunca ouvira nada mais belo, além dos votos falados no templo de Silba na Torre há duas semanas e meia. A cerimônia tinha sido pequena, mas Hasar insistiu em um banquete que envergonhou todos os outros que tiveram no palácio.
A princesa podia ser muitas coisas, mas certamente sabia dar uma festa.
E como liderar uma armada.
Os deuses o ajudassem quando Hasar e Aedion se encontrassem.
— Para alguém que odeia ser chamado lorde Westfall — divagou Yrene — você certamente parece que gosta de usar o título em mim.
— Você é adequada para ele — ele disse, beijando novamente o pescoço dela.
— Sim, tão adequada que Eretia não para de zombar de mim com sua reverência.
— Eretia é alguém que eu poderia ter deixado de bom grado em Antica.
Yrene riu, mas beliscou seu pulso, saindo do abraço dele.
— Você ficará feliz por ela quando chegarmos a terra.
— Eu certamente espero que sim.
Yrene beliscou-o novamente, mas Chaol pegou sua mão e plantou um beijo em seus dedos.
Esposa – sua esposa. Ele nunca vira o caminho à frente com tanta clareza como naquela tarde três semanas atrás, quando ele a viu sentada no jardim e só... soube.
Ele sabia o que queria, e então foi até o banco, ajoelhou-se diante dela, e simplesmente pediu.
Você se casará comigo, Yrene? Será minha esposa?
Ela jogou os braços em volta do pescoço dele, derrubando-os na fonte. Onde eles tinham permanecido para o aborrecimento dos peixes, beijando-se até que um criado tivesse tossido com força ao passar.
E olhando para ela agora, o ar do mar fazendo os seus cabelos flutuarem, trazendo as sardas no nariz e bochechas... Chaol sorriu.
O sorriso de resposta de Yrene era mais brilhante do que o sol refletindo no mar à sua volta.
Ele trouxe aquele maldito sofá dourado junto, almofadas rasgadas e tudo. Isso lhe rendeu um sortimento de comentários de Hasar quando foi levado para o depósito de carga, mas ele não se importou. Se eles sobrevivessem a esta guerra, ele construiria uma casa para Yrene em torno da maldita coisa. Junto com um estábulo para Farasha, atualmente aterrorizando os pobres soldados encarregados de cuidar de sua baia a bordo do navio.
Um presente de casamento de Hasar, juntamente com o próprio cavalo Muniqi de Yrene.
Ele quase disse à princesa que ela poderia ficar o cavalo de Hellas, mas havia algo a ser dito sobre a perspectiva de levar os soldados ao pé de Morath em cima de um cavalo chamado Borboleta.
Ainda encostada nele, Yrene envolveu uma mão ao redor do medalhão que ela nunca tirava, salvo para tomar banho.
Ele se perguntou se poderia modificá-lo para refletir suas novas iniciais.
Não mais Yrene Towers, agora Yrene Westfall.
Ela sorriu para o medalhão, a prata quase branca no sol do meio-dia.
— Suponho que não eu preciso mais dele.
— Por quê?
— Porque não estou sozinha — disse ela, passando os dedos pelo metal. — E porque encontrei minha coragem.
Ele beijou sua bochecha, mas não disse nada quando ela abriu o medalhão e cuidadosamente removeu o papel amarelado. O vento tentou arrancá-lo de seus dedos, mas Yrene manteve-o apertado, desdobrando o fino bilhete.
Ela observou o texto que lera mil vezes.
— Eu me pergunto se ela voltará para esta guerra. Quem quer que ela seja. Ela falou do império como... — Yrene sacudiu a cabeça, mais para si mesma, e o dobrou novamente. — Talvez ela volte para casa para lutar, para onde quer que tenha embarcado. — Ela lhe ofereceu o papel a ele e voltou a encarar o mar à frente.
Chaol pegou o bilhete de Yrene, o papel de macio como veludo das inúmeras vezes que ela leu e dobrou e manteve no bolso, segurando-o durante todos esses anos.
Ele desdobrou o bilhete e leu as palavras que já sabia que estavam dentro:
Para onde precisar ir – e mais um pouco. O mundo precisa de mais curandeiros.
As ondas se acalmaram. O próprio navio pareceu parar.
Chaol olhou para Yrene, sorrindo serenamente para o mar, depois para o bilhete.
Para a caligrafia que conhecia tão bem quanto a dele.
Yrene ficou imóvel com as lágrimas que ele não conseguiu impedir que escorressem pelo rosto.
— O que está errado?
Ela teria dezesseis, quase dezessete anos então. E se ela esteve em Innish...
Estaria a caminho do Deserto Vermelho, para treinar com os Assassinos Silenciosos. Os ferimentos que Yrene descreveu... O espancamento que Arobynn Hamel lhe aplicou, uma punição por libertar os escravos de Rolfe e destruir a Baía da Caveira.
— Chaol?
Para onde precisar ir – e mais um pouco. O mundo precisa de mais curandeiros.
Ali, na caligrafia dela...
Chaol ergueu os olhos, piscando as lágrimas enquanto olhava o rosto de sua esposa. Todos os lindos traços, aqueles olhos dourados.
Um presente.
Um presente de uma rainha que tinha visto outra mulher no inferno e pensou em estender a mão. Sem nenhum pensamento de conseguir algo em troca. Um momento de bondade, um puxão em um fio...
E mesmo Aelin não podia saber disso ao salvar uma garçonete daqueles mercenários, ensinando-a a se defender, dar-lhe ouro e esse bilhete...
Mesmo Aelin não poderia ter sabido, sonhado ou adivinhado como esse momento de bondade seria respondido.
Não apenas por uma curandeira abençoada pela própria Silba, capaz de limpar os valg do corpo humano.
Mas por trezentas curandeiros que tinham vindo junto.
As trezentas curandeiras da Torre, agora espalhadas pelos mil navios do khagan.
Um favor, Yrene pediu ao homem em troca de salvar sua filha mais querida.
Qualquer coisa, o khagan havia prometido.
Yrene se ajoelhou diante do khagan. Salve meu povo.
Isso foi tudo o que ela pediu. Tudo o que ela implorou.
Salve meu povo.
Então o khagan respondeu.
Com mil navios da armada de Hasar, e os dele. Cheio de soldados de Kashin e a cavalaria Darghan.
E acima deles, atravessando o horizonte muito atrás do navio com a bandeira que Chaol e Yrene agora navegavam... Acima deles voavam mil rukhins liderados por Sartaq e Nesryn, de todos abrigos e ninhos.
Um exército para desafiar Morath, com mais por vir, ainda se reunindo em Antica sob o comando de Kashin. Duas semanas, Chaol dera ao khagan e Kashin, mas com as tempestades de outono, ele não queria arriscar esperar por mais tempo. Então, esse exército inicial... Apenas metade. Apenas metade, e ainda a extensão que navegava e voava atrás dele...
Chaol dobrou o bilhete ao longo de suas linhas bem lidas e colocou-o cuidadosamente dentro do medalhão de Yrene.
— Guarde-o um pouco mais — ele disse suavemente. — Acho que há alguém que vai querer ver isso.
Os olhos de Yrene se encheram de surpresa e curiosidade, mas ela não perguntou nada quando Chaol deslizou os braços ao redor dela mais uma vez e abraçou-a com força.
Cada passo, todos eles, o trouxeram até aqui.
Desde a fortaleza nas montanhas nevadas onde um homem com um rosto tão duro quanto a rocha que os rodeava e o jogou no frio; para aquela mina de sal em Endovier, onde uma assassina com olhos como fogueiras tinha sorrido para ele, inteira apesar de um ano no inferno.
Uma assassina que encontrou sua esposa, ou elas se encontraram, duas mulheres abençoadas por deusas vagando pelas sombras do mundo. E que agora detinham o destino do mundo.
Cada passo. Cada curva na escuridão. Cada momento de desespero, raiva e dor.
Isso o levou até exatamente onde precisava estar.
Onde queria estar.
Um momento de bondade. De uma jovem mulher que acabava com vidas para uma jovem que as salvava.
Aquele fragmento de escuridão dentro dele encolheu ainda mais. Retrocedeu e fraturou em nada além de poeira que foi varrida pelo vento do mar. Passou pelos mil navios navegando orgulhosos e inflexíveis atrás dele. Passou pelas curandeiras dispersas entre soldados e cavalos liderados por Hafiza, que vieram quando Yrene também pediu que salvassem seu povo. Passou pelos ruks subindo pelas nuvens, procurando qualquer ameaça à frente.
Yrene o observava cautelosamente. Ele a beijou uma – duas vezes.
Ele não se arrependia. Ele não olhava para trás.
Não com Yrene em seus braços, ao seu lado. Não com o bilhete que ela carregava, aquela pequena prova... aquela pequena prova de que ele estava exatamente onde deveria estar. Que ele sempre esteve indo para lá. Aqui.
— Será que ouvirei uma explicação para essa reação dramática — Yrene falou finalmente, estalando a língua — ou você só vai me beijar pelo resto do dia?
Chaol retumbou uma risada.
— É uma longa história. — Ele escorregou um braço em torno da cintura dela e olhou para o horizonte. — E você pode querer se sentar primeiro.
— Esse é o meu tipo favorito de história — disse ela, piscando.
Chaol riu novamente, sentindo o som em todas as partes de seu corpo, deixando que soasse claro e brilhante como um sino. Um último e alegre ressoar antes da tempestade da guerra começar.
— Vamos — disse ele a Yrene, acenando com a cabeça para os soldados trabalhando ao lado dos homens de Hasar para manter os navios navegando rapidamente para o norte – para a batalha e o derramamento de sangue. — Eu vou te contar durante o almoço.
Yrene se ergueu na ponta dos pés para beijá-lo antes de seguirem para a sua cabine espaçosa.
— Essa história, é melhor valer a pena — ela falou com um sorriso irônico.
Chaol sorriu de volta para sua esposa, a luz a quem ele seguiu inconscientemente durante toda a sua vida, mesmo quando não conseguiu vê-la.
— Sim — ele respondeu baixinho para Yrene. — Ela vale.

36 comentários:

  1. Finalmente descobriram que era da Aelin! Uhuuuul!

    ResponderExcluir
  2. Ahhh... Que maravilhoso eu amei tudo. Sabia que a Sarah não ia me decepcionar. Mas gente vcs já repararam que a Sarah ama um casamento às escondidas? Bom não vou falar nada pra não dar spoiler de outros livros dela. Não vejo a hora da Irene se encontrar com a sua salvadora. Na verdade não vejo a hora de todos eles se encontrarem.
    E parte de mim quer logo o último livro porque tem tanta coisa foda pra rolar, mas a outra parte não quer porque é o último livro. "É hora de dar tchau." "É hora de dar tchau." E eu não estou pronta para dar tchau.

    ResponderExcluir
  3. Não vejo a hora de ler o próximo livro

    ResponderExcluir
  4. Chorei! Gente, que maravilhoso esse livro. Imagina o último! Todos eles se encontrando, lutando juntos, brigando juntos. Mal posso esperar! Vou ficar depressiva até lá

    ResponderExcluir
  5. Ele quase disse à princesa que ela poderia ficar o cavalo de Hellas, mas havia algo a ser dito sobre a perspectiva de levar os soldados ao pé de Morath em cima de um cavalo chamado Borboleta.
    HAHAHHAHHAHHA imagina a cena

    ResponderExcluir
  6. Que venha o último livro e com ela a guerra final e o desfecho

    ResponderExcluir
  7. Alguém sente saudades do Nox?
    Onde diabos você está Nox? A catástrofe tá chegando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim eu estou. Todo mundo que deve favores a Aelin tá voltando e o Nox até agora nada, mas creio que no ultimo livro ele estará lá.

      Excluir
    2. Ele é de Perranth. Espero que ele apareça. Tô esperando ele voltar desde o primeiro livro kkkkkkk

      Excluir
  8. Achei q o Chaol ia fazer suspense até a Yrene encontrar a Aelin pessoalmente e surtei mto por alguns minutinhos. Até q enfim eles descobriram por q a espera foi mto grande. Eu estou mto surpresa por ninguém ter morrido, porque nesses livros se alguém sobreviver é considerado sorte. Mas estou agoniada pensando tudo q deve estar acontecendo com a corte nesse momento, já q enquanto td isso tá acontecendo o Rowan tá procurando a Aelin (ou ja encontrou, n sabemos já q o último livro acabou com uma diferença de uns dois meses pra esse). Essa autora ainda me mata do coração com tantas reviravoltas, ships e agonias extremas q ela faz a gnt viver. Ansiosa para o próximo.
    Giulia

    ResponderExcluir
  9. "Ele quase disse à princesa que ela poderia ficar o cavalo de Hellas, mas havia algo a ser dito sobre a perspectiva de levar os soldados ao pé de Morath em cima de um cavalo chamado Borboleta."
    Melhor parte do cap kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  10. "— Nem provocar sua esposa sobre isso".

    AAAAAAAAAAAAA NÃO ACREDITO QUE ELES SE CASARAM MESMO *-*
    O que dizer desse livro? Incrível seria pouco. Quando soube que a Sarah iria lançar um livro do Chaol fiquei com raiva, ranço porque odiava esse personagem desde o primeiro momento que li sobre ele, achei que esse livro seria uma merda de tão entediante, iria ler só porque era extremamente necessário. Mas me arrependo de tudo o que falei e julguei, esse livro é maravilhoso, o Chaol ganhou espaço em meu coração, foram tantas emoções, chorei pra krl como sempre heuheu
    Ainda estou chocada, abismada, passada com todas essas revelações, não estou sabendo lidar com tudo isso é a Maeve se mostrou mais fdp que o Erawan, que ódio dessa vadia do capiroto. Mas a questão é: como esperar o lançamento do último livro? Estou surtando porque ainda está muito longe *^* vou cuidar da minha saúde, beber bastante água e evitar sofrer qualquer acidente porque não posso morrer antes de ler o último livro e assistir a última temporada de GOT 😂

    Ah agora que eu lembrei, o lançamento do último livro nos EUA é dia 04/09/18, no mesmo dia do meu aniversário, pra que presente melhor que esse? 😍❤
    É Karina, muito obrigada por esse trabalho incrível que você e seus colaboradores fazem nesse blog, imagino que não seja nada fácil postar livros, então muito obrigada e parabéns <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você me definiu todinhaaaa! eu julguei tantoo tantoo uma historia do Chaol, achei que seria insuportavel e agr to eu aqui apaixonada e querendo reler tudo!

      Excluir
  11. Gente,nunca comentei no blog por vergonha mas preciso falar algo sobre ToD
    Assim como muitos eu fiquei chateada com o Chaol desde o 2/3º livro,mas esse aqui mudou todo o meu pensamento
    Quando a Yrene lutava contra o valg na coluna dele,e ele relembrava tudo o que passou,eu chorei. Chorei muito. Porque não tinha me dado conta do tamanho do peso que ele carregava,vocês perceberam como todas as aquelas mágoas o atormentavam ? A importância de se auto perdoar. Tudo parecia culpa dele,ele tinha a dor da perda em cada uma das pessoas que morreram, ele se sentia indesejado, não digno de qualquer relação com mais pessoas,ele estava em depressão! E por causa de tudo o que ele passou, se tornou meu personagem favorito da VIDA. Eu li ToD em um momento que eu também não conseguia superar algumas coisas, me perdoar por elas e esse livro me ajudou demais,o melhor da serie até agora. Eu sou muito orgulhosa pela evolução e amadurecimento dos personagens,todos eles, porque isso ajuda quem lê. Quem diria que o livro seria muito mais que o triângulo amoroso do início? ToG ensina sobre confiança, perdão, amor, responsabilidade
    Jamais irei me cansar de ler este livro em especial
    Espero que todo mundo capte a mensagem que a Sarah quis deixar aqui <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca tinha pensado por esse lado, mas é realmente verdade. Esse livro do Chaol pode ajudar pessoas que estão passando por isso, gente que pode se identificar por já ter passado por uma situação semelhante. Não que eu vá gostar mais dele, porém enxergarei com novos olhos

      Excluir
  12. Aff queria que a yrene só descobrisse que a Aelin é a mulher q ajudou ela quando elas tivessem face a face, para ser mais emocionante. A gnte nem vai saber como foi.

    ResponderExcluir
  13. Ameei o livro,Karina quando sair o ultimo VC já posta por favor

    ResponderExcluir
  14. Eu sempre amei o Chaol e ficava chateada quando falavam mal dele; eu sabia que ele era importante e que a Sarah não ia deixar o personagem se tornar aquela amargura pra sempre. Que lindo ver ele chamando a Yrene de esposa, amando e sendo Amado!! Como vou aguentar até outubro??

    ResponderExcluir
  15. Primeiramente tenha algo pra confessar só li até a metade do terceiro livro, sim eu acompanhei a publicacao dos outros livros mais não consigo ler mais pq fiquei com medo do Chaol não termina com a aelin, pq quando eu shippo não consigo desapegar do casal posso até gosta da pessoa q eles terminarem e respeita.

    Ele olhou por cima ombro de Yrene, para os dedos entrelaçados. Para os anéis gêmeos agora em suas mãos.
    — Observar o horizonte não nos fará is mais rápido — ele murmurou em seu pescoço.
    — Nem provocar sua esposa sobre isso.
    Chaol sorriu contra sua pele.

    Essa frase acabou com todas as minhas esperanças sei q deve de um motivo pra ele ter escolhido ela(até pq só li até essa passa as lacrimas não deixarao eu continuar,e acho q não conseguiria) só queria desabafar com esse comentário.


    ~MIRELLE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dei uma boa desanimada no 3 livro..mas depois acontecem tantas coisas maravilhosas..vale a pena ler todos principalmente império de tempestades q deixou meu coração pra fora

      Excluir
  16. — Guarde-o um pouco mais — ele disse suavemente. — Acho que há alguém que vai querer ver isso.
    Aaaaaaaa❤️
    Dai eu me lembro que ela tá com a cadela da Maeve😒

    ResponderExcluir
  17. Ai que lindo, eles se casaram! E Chaol tá levando não só um exército comum como era o esperado, mas um exército rukin e um exército de curandeiras. E ainda vem mais depois, então ele realmente conseguiu. E ele agora está feliz e Nesryn tbm!
    Eu tinha pego um ranço terrível do Chaol, estava até desanimada em ler esse livro. Ele realmente teve umas partes ranço, mas ele superou e eu simplesmente amei esse livro! Amei o final. Agora rumo ao último livro e eu só torço pra que ninguém que eu ame morra!

    Flávia

    ResponderExcluir
  18. Vai dar merda aelin não e aelin mais e a lyssandra como vai ser esse encontro com a irene

    ResponderExcluir
  19. Que negócio é esse dela ter mudado de nome? Toda uma geração de curandeiros Towers... E ela bota o nome dele?
    Pelamor

    ResponderExcluir
  20. gente... chorei,ri,amei,chorei de novo,pulei,levei tiro...mas apesar de tudo estou aki,e vou ficar ate o ultimo livro sair. depois eu posso morrer sem problemas. mas aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa... q livro foi esse véi! amei amei amei

    ResponderExcluir
  21. Acredito que saber quem era a pessoa que a ajudou não era importante para a trama desse livro, sem saber Yrene fez o que fez, portanto não me surpreendi quanto ao Chaol revelar a verdade antes delas se encontrarem. Lindo esse livro, espero que meu coração aguente o próximo!!! Que os valar me ajudem!!!

    ResponderExcluir
  22. Definitivamente um exército para estremecer as estrelas !!!!
    As fundações do mundo serão abaladas !!!! 😍❤️😍❤️

    ResponderExcluir
  23. Eu sei que chorei,estou muito ansiosa pelo último, quase tive um treco aqui por ter acabado 😭
    Eu tentei ler o mais devagar possível,mas a história foi me envolvendo e envolvendo...quando me dei conta já estava no último capítulo,não vou mentir,achei que seria um pouco chato sem a Aelin e os outros,mas me surpreendi e muito. Sou apaixonada por todos os livros da saga e só de pensar que o último vai demorar um pouquinho,me deixa ansiosa, curiosa,Mano me faz imaginar o último livro todinho na cabeça kkkkk
    Karina obrigada por sempre estar publicando esses livros maravilhosos,sem a sua ajuda e claro da sua equipe,não sei rsrs, eu não teria a chance de ler tantos livros na qual já li no seu blog,não tenho condições de sempre estar comprando livros e seu blog me ajuda muito. Então lhe agradeço novamente,não só por mim,mas por outras pessoas tbm. Aguardo ansiosamente pelo próximo 😍😍

    ResponderExcluir
  24. Esse povo adora pegar a gente de surpresa com a noticia de que se casaram.
    Agora é esperar o próximo livro, e já estou preparando o coração para as perdas. Afinal isso é uma guerra, e nas guerras, pessoas morrem.

    ResponderExcluir
  25. Acredito que a Sarah deu uma enrolada ...dava pra ter tirado umas 200 páginas e ir colocando talvez os desenrolar das bruxas crochan e o encontro da Manoon com elas talvez...Pra que no último livro já esteja redondo a questão do exército...daí só faltaria rowan os os demais voltarem com Aelin o exército de guerreiros e curandeiros feericos de doranelle e partiu guerra

    ResponderExcluir
  26. Achei q não ia gostar desse livro..pq fiquei meio revoltada com o chaol nos outros livros..mas voltei a gostar dele e me apaixonei pelo livro e novos personagens

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!