20 de janeiro de 2018

Capítulo 3. O inferno começa no paraíso

A visão do cerrado mato-grossense e a sucessão monótona das grandes áreas desmaiadas não conseguiam desviar-lhe a atenção. Crânio olhava sem nenhum interesse pela vigia, enquanto o avião perdia altitude, preparando-se para o pouso em Campo Grande. Seu objetivo era encontrar uma resposta, por pequena que fosse, para aliviar o peso que lhe trazia a lembrança do professor Elias. Do pobre professor massacrado.
O alto-falante do avião avisou que o rapazinho estava sendo esperado no aeroporto, no balcão da companhia aérea.

* * *

Para alguém como tia Matilde, que vivera tantos anos nos Estados Unidos, o domínio da língua portuguesa continuava perfeito. Crânio releu o bilhete que recebera no balcão e guardou-o carinhosamente no bolso da jaqueta. Tia Matilde se atrasaria e ele deveria esperar ali mesmo, no saguão do aeroporto. Esperar... O gênio dos Karas aproximou-se das portas envidraçadas que dava acesso às pistas. Do outro lado dos vidros, um empregado puxava um carrinho de bagagens sobre o qual havia uma jaula, desembarcada no mesmo avião em que Crânio viajara. Dentro, a sombra de um cão negro.
A surpresa de uma sirene desviou a curiosidade de Crânio. Um grupo de funcionários corria para a pista. Uma ambulância e um carro de bombeiros lideravam a corrida, a toda velocidade.
No saguão, uma mocinha, ao lado de Crânio, olhava na mesma direção. Parecia uma índia. Bem jovem, morena, de cabelos lisos e negros, carregando um bebê envolto em uma manta colorida, apesar do calor. Crânio sorriu para a mocinha. Ela não respondeu ao cumprimento.
O empregado que trouxera o carrinho abriu a jaula. O cão negro, preso por uma coleira, foi entregue a um homem de bigode. Nesse momento, os olhares do jovem gênio dos Karas, da mocinha índia e do homem de bigode voltaram-se para um só ponto. Na cabeceira da pista, um C-47, velho bimotor cargueiro da 2ª Guerra, aproximava-se para pouso. Mesmo daquela distância, Crânio notou que uma das hélices estava imóvel. A tragédia parecia estar próxima, mas ainda assim o rapaz não pôde deixar de sorrir: o enorme avião estava pintado de rosa-choque!
Perseguido pela ambulância e pelo carro de bombeiros, o avião rosa-choque tocou a pista e ricocheteou pesadamente, como uma bola cheia de água. Os freios começaram a detê-lo, mas o outro motor, ainda em funcionamento, fez o avião girar, arremetendo perigosamente contra a ambulância, que também fez meia-volta. Por um momento, aquilo pareceu uma perseguição de comédia. A ambulância e o C-47 pareciam querer evitar a colisão, mas quase sempre desviavam para o mesmo lado. Pelo jeito, o piloto deveria ser um motorista de fim de semana.
A ambulância jogou-se sobre os canteiros gramados e o avião passou pesadamente, guinchando os pneus. Quase no fim do asfalto, guinou violentamente, agora com a velocidade sob controle.
Quando o avião imobilizou-se, o grupo de funcionários já estava a postos, encostando a escadinha de desembarque. Desviando a atenção do rapaz, que estava curioso para ver quem desceria do avião rosa-choque, a porta envidraçada foi aberta e o homem de bigode, com o cão negro seguro pela coleira, entrou no saguão. O gênio dos Karas afastou-se para dar passagem aos dois. O cão olhou para o lado do garoto e rosnou. Agarrada pelo homem de bigode, a correia esticou-se ao máximo e o latido furioso ecoou como um som dos infernos. Crânio recuou, surpreso, e sentiu o corpo da mocinha índia que se protegia atrás dele.
Dava para ler um brilho estranho no olhar do homem de bigode. Antes que acontecesse, o rapaz percebeu que a correia ia ser solta. Por quê? O cão negro, num salto, investiu contra ele. Crânio desviou-se e girou no ar a maletinha que trazia, atingindo o animal em cheio. O cão rolou de lado, recompôs-se e saltou novamente. Não queria nada com Crânio. Era a mocinha índia que o animal queria. Mas, a essa altura, o rapaz já agarrara a correia. Susteve o primeiro tranco do salto do cão em direção à mocinha, puxou-o e conseguiu prender a correia na maçaneta da porta.
Com o coração aos pulos, tonto pela luta, pelas vozes excitadas e pelo latido histérico que o envolviam, Crânio voltou-se para a mocinha.
— Você está bem?
O homem de bigode aproximava-se. A mocinha, olhos arregalados de medo, deu dois passos em direção ao rapaz e, inesperadamente, jogou o bebê em seu colo.
— O quê...?
Sem uma palavra, a mocinha abriu passagem por entre o grupo de curiosos que já os cercava, e desapareceu. O homem de bigode empurrou o rapaz e enfiou-se por entre as pessoas, perseguindo a fugitiva.
— Pega! Não deixa fugir!
Sem entender nada, Crânio olhou para o bebê. Ele não acordara com todo aquele barulho.
O rapaz abriu delicadamente a manta e viu uma carinha de olhos fechados, azulada. Quase que com medo tocou o rostinho do bebê. Apesar de todo o calor do centro-oeste, o bebê estava gelado.
— Meu Deus! O bebê está...
— Pega esse rapaz aí! É um deles!
Era a voz do homem de bigode que, de revólver em punho, avançou em direção ao garoto. Instintivamente, Crânio recuou, como que protegendo o bebê.
— Ei, espere um pouco!
A mão armada ergueu-se e socou a cabeça do rapaz com a coronha do revólver. Uma bola de fogo espalhou-se por dentro de sua cabeça. Agarrando o bebê, Crânio escorregou suavemente para o chão. Tentou arregalar os olhos, tentou entender, mas sentiu-se entorpecido, enfraquecido, sentiu-se morrer.

* * *

Não chegou a perder completamente os sentidos. Mas tudo, à sua volta, passava-se como um pesadelo, superpovoado de vultos disformes, com o burburinho de vozes misturadas, com a sensação de mãos que o apalpavam, que o revistavam. A cabeça doía e parecia crescer por dentro, parecia querer explodir.
— Abram caminho... é o Senador...
Um vulto maior que todos os outros debruçou-se sobre o garoto. Os homens que o revistavam afastaram-se um pouco, respeitosamente. Mãos enormes ergueram-lhe suavemente a cabeça, sustendo-o pela nuca.
O homem de bigode estava de volta e ajoelhou-se também, ao lado de Crânio.
— Ele está limpo, tenente — adiantou-se uma voz. — Não encontramos nada. Só se a coisa estiver com a garota, mas ela fugiu.
Os latidos do cão negro continuavam, agora numa histeria monótona. O tenente de bigode falou, excitado:
— O cão ainda está latindo. A coisa ainda está por aqui.
— Não pode estar, tenente. Desculpe, mas não há nada com o garoto, nem na maleta. Deve estar com a mocinha. Ela jogou o bebê no colo desse aí e fugiu. Talvez ainda seja possível pegá-la...
Em meio a uma névoa vermelha, que lhe prejudicava a visão, Crânio viu o tenente de bigode tomar o bebê de seus braços, levantar-se e aproximar-se do cão. Os latidos aumentaram, furiosos.
A voz firme, de barítono, do grandalhão a quem chamavam Senador, fez-se ouvir pela primeira vez:
— Há algum médico por aí? Precisamos de um médico!
O tenente afastou a manta e olhou o bebê. Sua expressão foi de nojo.
— Alguém chamou um médico? — ofereceu-se alguém. — Eu sou médico!
A voz do tenente comandou, agressivamente:
— O senhor é médico? Examine este bebê.
— Examine o rapaz primeiro, doutor.
Ninguém se opôs à voz grossa doSenador.
O médico ajoelhou-se ao lado do garoto. Crânio não conseguia articular palavra. Mal sentia as mãos que o examinavam. A pequena surpresa de uma agulhada no braço fez com que ele abrisse um pouco os olhos. Viu depois o médico levantar-se e examinar o pacotinho que estava nos braços do tenente. A dor aumentava. Aos poucos, uma espécie de entorpecimento crescia também, como um alívio. Antes que a névoa vermelha escurecesse por completo, conseguiu ouvir a voz do médico:
— Barbaridade! Como alguém pôde fazer uma coisa destas?
As vozes, os latidos e toda a excitação desapareceram repentinamente dos sentidos de Crânio, como se alguém tivesse desligado um rádio.

4 comentários:

  1. Ele nem chegou e já tava totalmente envolvido no rolo!

    ResponderExcluir
  2. Que viagem
    Oque que aconteceu?
    to entendendo tudo




    ResponderExcluir
  3. Eita, esse é mais azarado que eu!

    ResponderExcluir

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!