25 de janeiro de 2018

Capítulo 23. Um número tatuado no braço

— Cadáver de Hitler coisa nenhuma! Apenas um boneco de palha! Uma cabeça de cera! Esse louco Anjo da morte criou uma farsa para manter vivo seu doido projeto de provocar outra guerra mundial!
Na sala de espera do hospital, aguardando para uma visita a Ferenc Gábor, Andrade não conseguia parar de falar naquela aventura tresloucada ao Doutor Pacheco e aos seus queridos meninos. Como uma homenagem especial àqueles adolescentes fantásticos e àquele dedicado policial, o Doutor Pacheco até tinha tirado os óculos escuros.
O gordo detetive continuava:
— E o molequinho da África do Sul era outra fraude! Hitler jamais teve filhos, netos ou bisnetos! Tudo não passou de uma farsa louca. Como é fácil fazer as pessoas acreditarem em qualquer coisa!
Miguel balançou a cabeça:
— Só que, na verdade, Andrade, na verdade verdadeira, no que realmente aconteceu, ninguém vai acreditar!
Os meninos tinham razão. Não adiantava contar tudo o que tinha acontecido naquela noite. Se a imprensa publicasse aquela história, ninguém acreditaria. Além disso, não havia nenhuma prova material nem contra o Anjo da morte nem contra a Organização. Mais uma vez, os seus queridos meninos ficariam na sombra, como se não tivessem tido nada com o esclarecimento daquele caso!
O gordo detetive olhava orgulhoso para Calú e Chumbinho. Como dois garotos podiam ter feito aquilo tudo? Como Chumbinho podia ter feito aquele discurso? O que teria acontecido se aqueles cinco meninos não tivessem se metido naquele caso?
Todos gostariam de poder anunciar para o mundo que um dos maiores criminosos nazistas havia sido capturado. Mas não havia como provar coisa alguma. Para todos os efeitos, aquele velho tinha a identidade de um judeu chamado Ferenc Gábor e era apenas o benemérito diretor do Lar da Juventude Brasileira: uma instituição legal, “filantrópica”, inatacável. O Anjo da morte não poderia ser julgado criminoso por recolher jovens abandonados pelas ruas e dar-lhes alimento e um teto.
Foi possível comunicar-se com a polícia de todos os países da América Latina de modo que os conspiradores que viriam ao Brasil fossem localizados. Mas também nada havia que pudesse ser usado contra eles. Nem mesmo contra os líderes do crime organizado que constavam da cadernetinha do Anjo da morte. Que crime tinham eles cometido? Ninguém pode ser julgado pela intenção de reunir-se no Brasil com o chefe de uma instituição filantrópica. A Organização continuaria impune. Talvez a lição tivesse servido, e eles não tentassem mais uma loucura como aquela. Talvez...
O Anjo da morte seria levado a julgamento apenas pelo assassinato de Solomon Friedman. Sua letra trêmula no impresso amarelo seria prova suficiente para condená-lo. Seria também julgado pelo atentado contra Ferenc Gábor, uma vez que a arma dos dois crimes era a mesma. Fora isso, nada mais podia ser alegado contra ele. Os milhares de seres humanos que assassinara e os milhares de crianças que o canalha havia mandado embalsamar continuariam esquecidos.
— E os jovens do Lar da Juventude Brasileira, Andrade? — perguntou Miguel. — O que vai ser feito com eles?
O detetive não conseguiu responder. O que ele poderia dizer? Que aqueles jovens agora seriam recolhidos pela sociedade e a eles seria dado um lar, alimento, saúde, educação, afeto? E quanto de tudo isso eles tinham recebido até agora? E quanto de tudo isso recebia a maior parte da infância e da juventude brasileira?
Andrade não respondeu. Só sentiu vergonha. Uma imensa vergonha.
— O Anjo da morte estava conseguindo convencer pessoas com sua loucura do mesmo modo como Hitler conseguiu convencer o povo alemão, décadas atrás — comentou o Doutor Pacheco. — Eu nunca poderei entender isso tudo! Como é que um louco como Adolf Hitler pôde dominar as consciências de uma gente civilizada como o povo alemão?
Andrade falou alto, como se discutisse futebol:
— Louco? Louco nada! Um louco pode cometer uma violência, uma barbaridade em seus acessos de loucura. Mas não vive em acessos o tempo todo. Hitler não era louco. Acusá-lo de louco seria uma forma de desculpá-lo. Ele era mau!
— Ele era o Mal.... — ajuntou Magrí.
— Assim como Kurt Kraut. O nazismo aconteceu porque um grande demônio deu a outros demônios a oportunidade de fazer tudo o que suas mentes sórdidas imaginavam. Eles mentiram e enganaram o povo alemão. Por causa deles, foi jogada uma nódoa sobre a História da Alemanha. Uma nódoa que o povo alemão não merece...
— Um assassino que embalsamava cabeças de crianças! — lamentou o Doutor Pacheco. — Eu posso não acreditar em Deus, porque hoje não há ninguém bom o suficiente para comprová-lo. Mas eu acredito no diabo, porque existe este maldito Kurt Kraut para provar a existência do Mal absoluto sobre a Terra. Porque existiu e existe o nazismo, para provar a força do demônio!
Andrade sorriu. Para ele, a prova material da bondade de Deus era a existência de um certo grupo de cinco adolescentes...
Magrí enlaçou carinhosamente o braço de Calú. A interpretação de Hitler a que ela havia assistido tinha sido demais! Aquele rapazinho era um ator tão bom que ela pediria um autógrafo a ele. Só que ela não precisava de um autógrafo de Calú. A menina tinha Calú inteirinho para ela!
Miguel remexeu-se na cadeira, incomodado com o agarramento dos dois. Crânio quase mordeu a gaitinha.
Naquele momento, apareceu um funcionário do hospital avisando que Ferenc Gábor já tinha voltado para o apartamento, depois de um último exame.
— Vamos subir, pessoal — convidou o Doutor Pacheco.
— O pobre velho vai ficar muito contente ao saber que enjaulamos a fera que tanto o fez sofrer! 
O velho Ferenc Gábor estava deitado e recebeu os visitantes com um sorriso. Já estava corado e, não fossem as bandagens que lhe enfaixavam toda a volta do abdômen e que apareciam sob a camisolinha que todos os pacientes tinham de usar naquele hospital, ninguém diria que o velho sofrerá um atentado há apenas dois dias.
Miguel olhou para o velho. Um companheiro de Solomon Friedman que não chegara a tempo de rever o amigo.
Em seu antebraço esquerdo, o rapaz viu a tatuagem que marcava seres humanos antes de levá-los ao matadouro. Lá estava o número, terminado por 4445.
“Este número não dá pra rir”, pensou o rapaz, lembrando-se da narrativa de Calú. “Não dá pra fazer quá-quá-quá-quá...”
O líder dos Karas estava pálido como uma folha de papel ao perguntar para o seu amigo detetive:
— Andrade, eu tenho uma pergunta muito importante. Preste atenção. Lembra-se da manhã seguinte ao assassinato de Solomon Friedman quando você veio nos buscar no Colégio Elite?
— Claro que lembro, Miguel. Por que isso agora?
— Lembra-se que havia um jornal no fusquinha? Você tinha comprado jornal naquela manhã?
— Não...
— Então... aquele jornal era do dia anterior?
O Doutor Pacheco pigarreou:
— Um momento, Miguel. Acho que não podemos nos demorar muito para não perturbar o descanso do senhor Gábor — e voltou-se para Calú. — Você, Calú, que fala francês, poderia explicar para o senhor Gábor que o caso já foi resolvido e...
A interrupção de Miguel caiu sobre todos naquele quarto como uma descarga elétrica:
— Não, Doutor Pacheco. Este caso não está resolvido!
— Vamos, Miguel! O que você está dizendo? Não podemos acusar Kurt Kraut de ser o Anjo da morte, mas ele vai passar o tempo que lhe resta para viver atrás das grades, pelo assassinato de Solomon Friedman. Acho que é o suficiente para...
— O Anjo da morte não assassinou Solomon Friedman, Doutor Pacheco!
— Como?!
Miguel suspirou. A revelação da verdade pareceu-lhe cruel demais. Na cama, sem entender o que estava sendo dito a sua volta, o velho Ferenc Gábor mostrou-se um pouco aflito:
— Qu 'est ce qu 'ily a? Qu 'est ce qu 'il dit?
Miguel olhou cada um dos presentes nos olhos e continuou a falar, fitando por fim o velho deitado na cama do hospital.
— Este senhor não chegou depois do assassinato de Solomon Friedman. Aquele jornal que encontramos no fusquinha de Andrade era do dia anterior. Isto quer dizer que este senhor chegou a São Paulo na manhã do dia em que Solomon Friedman foi assassinado!
Andrade sorriu incomodado. Não gostava de ver o seu querido Miguel passar vergonha:
— Ora, Miguel! E daí? O que muda este caso o fato de o senhor Ferenc Gábor ter chegado antes ou...
— O Anjo da morte fazia-se passar por Ferenc Gábor. Mas Ferenc Gábor não existe mais. Ele morreu em 1944, num velho armazém na União Soviética!
Andrade estava pasmo. Tentou abrir a boca e dizer que aquilo era um absurdo, que Ferenc Gábor estava ali, na frente deles, deitado na cama, mas resolveu calar-se. O rapazinho estava seguro demais, tenso demais. E o gordo detetive sabia que não era bom contrariar Miguel nessas ocasiões.
— Lembra-se, Andrade? O assassino foi convidado para a estreia do Rei Lear pelo próprio Solomon Friedman. Você acha que o velho Sol convidaria Kurt Kraut para sua estreia? É claro que não! Mas ele convidaria um companheiro de campo de concentração que chegara naquele mesmo dia a São Paulo, não convidaria?
— Você quer dizer que aquele convite foi oferecido por Solomon Friedman ao senhor Ferenc Gábor? A este senhor?
Miguel cortou bruscamente:
— A este senhor sim, mas este senhor não é Ferenc Gábor!
Forçou-se a sorrir ao falar em francês com o velho:
— Bonjour, Monsieur Davi Segai!
Naquele instante, o velho adquiriu um aspecto mais condizente com alguém que tinha sido ferido à bala. Empalideceu, quis falar, mas parou, com a boca aberta, no meio da primeira palavra.
— Davi Segai? — espantou-se o Doutor Pacheco.
— Que negócio é esse?
Miguel pegou o braço nu do velho e o levantou:
— Vejam! 4445! Lembram-se da sequência da numeração dos três amigos que Solomon Friedman contou a Calú?
Compreendendo aonde Miguel queria chegar, Calú repetiu, em voz alta:
— Ele disse: “Aí está, Calú: quá-quá-quá-quá! Parece uma gargalhada, não é? Ah-ah-ah-ah! Quá-quá-quá-quá!
Ferenc Gábor foi o primeiro a receber este 'enfeite'. Depois foi a minha vez e, por fim, a vez de Davi Segai. Gábor tinha de ser o primeiro! Era o primeiro em tudo, o mais valente, o mais ousado, o menos acomodado dos homens...”
— Ferenc Gábor foi o primeiro! — continuou Miguel.
— O número de Solomon Friedman terminava por 4444! Assim, o número de Ferenc Gábor, o “primeiro em tudo”, deveria terminar por 4443. Logo, o de Davi Segai terminaria por 4445!
O velho não resistia ao rapaz, que mantinha seu braço estendido. Ali estava tatuado claramente: 4445. O número de Davi Segai!
— A exposição! — lembrou Magrí. — A exposição que veio ao Brasil é de “desenhos feitos dentro do campo de Sobibor”! Solomon Friedman contou a Calú que os desenhos se perderam na fuga. Ficaram completamente estragados depois do mergulho nos tonéis de sujeira e no rio Bug!
— É isso! — reforçou Crânio. — Solomon Friedman foi informado pelos russos de que o nome do sobrevivente Ferenc Gábor estava anotado duas vezes no registro de ocorrências daquela noite. Kurt Kraut e Davi Segai declararam-se como Ferenc Gábor, cada um por sua vez, quando recobraram a consciência. Dois Ferenc Gábor! Mas dois falsos Ferenc Gábor!
O sangue subiu às faces de Calú e ele praticamente se jogou na direção do velho, agarrando-lhe o braço:
— Por quê? Por que o senhor tomou o lugar de Ferenc Gábor? O senhor vestia a farda de Kurt Kraut naquela noite! Qual foi o outro corpo encontrado com a farda? O rosto e o braço esquerdo queimados, não é? Para que ninguém pudesse reconhecer o cadáver, não é? Por quê? De quem era aquele cadáver? Solomon Friedman, o Anjo da morte e o senhor sobreviveram à explosão da granada russa. Só poderia ser de Ferenc Gábor, não é? Por quê? Por que o senhor matou Ferenc Gábor e vestiu-lhe a farda de Kurt Kraut? Por que se fez passar por Ferenc Gábor por todos estes anos? Por quê?
Muito nervoso, o rapazinho fazia as perguntas em português. O velho, na cama, não entendia as palavras, mas compreendia os nomes de Kurt Kraut, de Solomon Friedman, de Ferenc Gábor e de Davi Segai, gritados por Calú.
O velho baixou a cabeça e começou a chorar.
O Doutor Pacheco não compreendia nada. Ele não tinha ouvido o relato de Solomon Friedman que Calú contara aos outros e, além de tudo, não conhecia aqueles garotos.
Calú não pôde traduzir a acusação para o francês, tão nervoso se encontrava.
Esse papel coube a Magrí.
O velho não resistiu às acusações. Estava frágil e chorava como uma criança enquanto confessava tudo.
Magrí traduziu a confissão:
— Este homem era um gênio da pintura, frustrado por não ser reconhecido e admirado — Magrí misturava seus próprios comentários à tradução das palavras do velho.
— Naquela noite, depois da explosão da granada russa, só Ferenc Gábor morreu. Este homem, Davi Segai, nada sofreu, mas pensou que todos os outros estivessem mortos. Aí, então, imaginou seu plano maluco: resolveu “morrer” aos olhos do mundo, para que seu valor artístico pudesse ser, enfim, reconhecido. Vestiu a farda do Anjo da morte no cadáver do amigo Gábor e jogou-o sobre o fogareiro, de modo a queimar-lhe o rosto e o braço tatuado. Queimou também as pastas com os documentos dos três prisioneiros.
Ninguém saberia o que acontecera, e ele poderia fazer-se passar por Ferenc Gábor o resto da vida. Assim ele fez. Passou estas décadas “cuidando” da obra de Davi Segai. E enriquecendo com ela. Apesar disso, foi ficando cada vez mais neurótico, pois era obrigado a pintar somente os pesadelos que mantinha na memória porque, para todos os efeitos, aqueles quadros tinham sido todos pintados antes da suposta morte de Davi Segai. Assim, ele só podia pintar o passado. Por isso ele misturou em suas telas a loucura do nazismo, o povo judeu massacrado e as suas próprias neuroses, por viver esse tempo todo ouvindo elogios ao gênio de Davi Segai como se fosse outra pessoa!
Davi Segai falava sem parar e sem olhar para ninguém.
Magrí continuou traduzindo e introduzindo as outras informações que eles tinham para que o Doutor Pacheco pudesse entender melhor o que estava acontecendo:
— Solomon Friedman deve ter exultado de felicidade ao ler nos jornais que chegaria ao Brasil seu saudoso companheiro Ferenc Gábor. Foi ao hotel à procura do amigo e, não o encontrando, deixou um ingresso para a noite de estreia do Rei Lear e uma carta, com todo o seu carinho.
Este homem, ao encontrar o ingresso e a carta, enlouqueceu de vez. Ele não sabia da existência de Solomon, de uma testemunha que poderia desmascarar sua fraude. Ele pensava que todos que pudessem reconhecê-lo estivessem mortos. Assim, decidiu que Solomon Friedman não poderia continuar vivo. Pouco antes de a peça começar, ele resolveu cometer o crime. Ao sair da poltrona, pediu licença àquela mulher, com seu sotaque alemão. Era o sotaque de Davi Segai, não o de Kurt Kraut. Foi até os camarins e esbarrou em você, Calú...
— Por isso o velho Sol morreu com um sorriso! — comentou Crânio. — Ele deve ter reconhecido seu velho amigo Davi Segai pelo reflexo no espelho do camarim, um segundo antes de receber um tiro na nuca!
O Doutor Pacheco estava de boca aberta:
— Mas e a tentativa de assassinato contra ele, na galeria de arte?
— Ele ficou apavorado ao receber nossa visita, Doutor Pacheco. Foi para o escritório, alegando cansaço, e deu um tiro em si mesmo, de raspão, segurando a pequena pistola com um lenço, para não deixar impressões digitais. Lembram-se do lenço com que ele procurava estancar o sangramento? Deixou a janela aberta e jogou a pistola perto dela, para que a polícia pensasse que o assassino havia deixado a arma cair enquanto fugia. Como era a mesma pistola com que ele matara Solomon Friedman, o plano parecia perfeito!
— Este canalha matou o próprio amigo, apenas e somente para não ser reconhecido! — espantou-se o Doutor Pacheco, deixando-se cair numa poltrona que havia no quarto do hospital. — Incrível! Se não fosse por suas revelações, Calú, nós jamais conseguiríamos desmascarar este assassino.
Abriu os braços, concluindo:
— Muito bem: temos o suficiente para conseguir uma condenação. Pena é que teremos de pôr aquele maldito Kurt Kraut em liberdade!
Calú pulou:
— Como?! Libertar o Anjo da morte?
— Sim, Calú. Jamais poderemos provar que aquele velho é Kurt Kraut, o Anjo da morte. Oficialmente, sua vida como carrasco nazista acabou naquela noite, em 1944, na União Soviética. O único modo que tínhamos de puni-lo, indiretamente, por seus milhares de crimes, era condená-lo, como Ferenc Gábor, pelo assassinato de Solomon Friedman...
Todos, no quarto do hospital, olhavam para Calú. O rapazinho tremia, totalmente dividido por dentro. Cravou seu olhar no chão e falou, com um fio de voz:
— Doutor Pacheco, eu não vou testemunhar contra este homem.
Ninguém falou nada. Mas, pela cabeça de todos, passou o dilema de Calú: que assassino eles queriam prender?
Davi Segai, que matara o amigo Solomon Friedman? Ou Kurt Kraut, que assassinara milhares de inocentes, homens, velhos, mulheres, e mandara embalsamar dezoito mil cabecinhas de crianças? Quem merecia ir para a cadeia?
Davi Segai, que ficara famoso porque fora considerado morto, porque sofrerá num campo de concentração, porque defendera a memória de todas as vítimas com a sua pintura?
O que fazer? Inocentar um maldito carrasco, uma prova da existência do demônio? Ou levar à cadeia um gênio que todos pensavam morto? E que poderia ainda, acobertado pelo disfarce da morte, produzir mais algumas daquelas maravilhosas telas que chocavam o mundo e que mantinham viva a lembrança dos horrores do nazismo, que nunca, nunca deveriam ser esquecidos, sob pena de se repetirem?
A decisão era difícil. Do ponto de vista estrito da justiça, era até imoral. Mas todos compreenderam o enorme sacrifício de Calú, que deixaria livre o covarde assassino do seu querido professor de teatro para que a Humanidade pudesse punir o Anjo da morte, embora tardiamente, embora não com uma pena proporcional aos seus crimes hediondos...
O Doutor Pacheco falou lentamente, dirigindo-se a Magrí:
— Por favor, diga a esse desgraçado que desapareça deste país. Diga a ele que vá para onde quiser e tente viver com o crime que ele cometeu em sua consciência.
Todos choravam ao sair do hospital.
Anoitecia no Colégio Elite.
O pátio estava deserto quando Magrí saiu, depois de passar a tarde na biblioteca, recuperando as matérias que perdera por causa daqueles dias de aventura.
No fundo do pátio, a menina viu uma silhueta encostada no muro, de cabeça baixa.
A silhueta era Calú.
Lentamente, Magrí aproximou-se do amigo.
Calú ergueu os olhos ao perceber a presença da menina. Mas não a fitou. Seus olhos perderam-se longe, sob sobrancelhas apertadas, como se encarasse sua própria consciência.
— Solomon Friedman... — Calú pronunciava lentamente o nome do velho amigo, como se avaliasse o peso de cada sílaba. — Em muitas línguas, “Friedman” significa “homem livre”... O velho Sol lutou a vida inteira para conquistar a liberdade, para tornar-se um homem livre. E foi aqui, no Brasil, que ele conseguiu construir sua liberdade...
Magrí ouviu com ternura a declaração de admiração e saudade que Calú sentia pelo velho Sol. E reforçou:
— E, em troca, com sua arte, esse grande homem ajudou-nos a consolidar a nossa própria liberdade... Nós nunca o esqueceremos, querido...
O rapaz voltou os olhos para sua querida amiga:
— Magrí... Será que eu fiz a escolha certa, Magrí?
As mãos espalmadas da menina apoiaram-se docemente sobre o peito do rapaz. Ele a abraçou e sentiu-se envolvido pelo calor e pelo perfume do corpinho da amiga.
— Calú, meu querido!
Ela queria falar, queria consolar o amigo, queria elogiar-lhe a valentia, a inteligência. Gostaria de mostrar-lhe que ele escolhera o único caminho justo.
Mas, com o corpo colado ao corpo forte de Calú, Magrí só pôde levantar o rosto. Sua mãozinha apoiou-se na nuca do rapaz e trouxe seu rosto delicadamente em sua direção.
Calú sentiu a deliciosa pressão dos lábios de Magrí esmagando-se contra os seus.
E, por um momento, pensou que um beijo como aquele, daquela menina adorada, compensava tudo. Todos os riscos que tinha enfrentado para livrar a Humanidade da sombra sinistra do Anjo da morte...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários de volta!
Passamos algumas horas sem essa opção, mas estamos à ativa novamente :)

Boa leitura! E SEM SPOILER!