20 de janeiro de 2018

Capítulo 10. O sangue banha o Taquari

O Centurião afastou-se furioso da casita.
— Aquellos asinos! Llevaran ei hombre errado!
— E agora, Centurião?
— No sê. Como ellos no perceberan que ei muchacho no estava muerto?
Como ensacaran ei muchacho en lugar dei otro? Acá hay algo que no entiendo...
— E agora, Centurião? — repetiu o bandido, que não conseguia dizer outra coisa.
— Ahora ei Ente acabará con nosotros se algo acontecer con ei muchacho. Se aquellos dos asinos no volveren con ei tal Crânio, no sê... no sê....
— E o que faremos com este cadáver?
— Vamos a seguir ei plán. Usted y usted! — ordenou o Centurião para o baixinho com a faca e para o palerma perguntador. — Carreguem con ei cadáver dei piloto para el hotelzito. No se olviden de Ia droga. Tenemos cumpadres dentro de Ia policia, pero ellos precisam de Ia coca como prova, para que façam una investigación como nosotros queremos que façam!
— Mas os outros levaram a voadeira. Como vamos até a vila sem um barco a motor?
— A los remos, preguiçosos! A los remos!

* * *

O palerma remava com afinco, mas o baixinho parecia muito disposto.
— Você não vai remar direito, baixinho?
— Sou muito melhor com uma faca do que com um remo nas mãos...
O palerma engoliu em seco, e acabou remando dos dois lados, para que a chalana não andasse em círculos. Era melhor não reclamar da preguiça do baixinho.
— Assim não vamos chegar nunca a São Francisco...
— É que os outros levaram a voadeira e...
— Eu sei que os outros idiotas levaram a voadeira com o cadáver errado, idiota! E nós é que temos de nos acabar aqui, pendurados nestes remos!
O palerma ficou calado. Mas sua vontade era perguntar quem estava mesmo se acabando em cima dos remos...
— E tudo isso pra quê? Para levar um morto idiota até sua caminha...
— São as ordens do Centurião...
— O Centurião! O Centurião! Estou cheio de ser mandado por aquele desdentado! Um dia ainda vou mostrar a ele o fio da minha faca...
Ficaram um momento em silêncio. O baixinho olhou para o corpo inerte de Bezerra, jogado no fundo da canoa.
— Sabe o que mais? Acho que a gente devia era deixar as piranhas fazerem o serviço pra gente...
— Como assim? Piranha sabe remar?
— Mas você é mesmo cretino! Estou falando de jogar este cadáver na água e dar um pouco de comida fresca para as pobres piranhas. Elas devem estar famintas a esta hora do dia!
— Não podemos fazer isso. O Centurião disse que...
— Para o inferno com o Centurião. Vamos até a margem conversar melhor.
O palerma deu duas remadas de um lado só e deixou que a correnteza levasse a chalana até embicá-la de proa na margem.
— Vamos descer — convidou o baixinho. — Eu trouxe uma garrafa com uma pinga das boas. Assim a gente descansa um pouco.
Os dois desembarcaram e amarraram a chalana em um toco. O baixinho desarrolhou a garrafa e bebeu no gargalo, fartamente. Passou a garrafa para o companheiro e voltou para o barco. Agarrou o corpo de Bezerra pelas roupas e jogou-o no rio.
O palerma tentou uma reação, pálido diante daquele ato de insubordinação que jamais lhe passaria pela cabeça. Mas deparou com a carranca do baixinho, que já tinha desembainhado a faca.
— Beba. Beba e descanse, idiota. Deixe que eu pense nas coisas. Se o Centurião quer que esse cadáver chegue à vila, que venha recolher os ossos que as piranhas tiverem enjeitado...
O palerma percebeu o brilho de prata da faca ao sol e entornou o mais que podia a garrafa, sem saber o que pensar. O baixinho veio até ele e os dois se sentaram, para beber, abrigados na sombra. Nenhum dos dois se preocupou mais com o “cadáver” de Bezerra. Nenhum deles percebeu que, ao cair na água, o morto voltara à vida.
Bezerra foi levado alguns metros pela correnteza, até enredar-se em um galho da margem, antes mesmo que a surpresa o levasse a debater-se. Agarrou-se no galho, sacudiu a cabeça e procurou pensar. Lembrava-se da casita, de Crânio e da figura macabra do Centurião, ao lado do bandido que lhe espetava as veias. Agora estava dentro de um rio. Custou a entender que estava livre. Livre! Era isso que Crânio tinha prometido. Que ele escaparia. E tinha cumprido a promessa. Sorriu ao perceber que estava vestido com a jaqueta do amigo. Só não pôde entender por quê.
A menos de trinta metros, o piloto viu os dois bandidos, recostados nas árvores, bebendo e conversando preguiçosamente. Viu também a chalana, mal amarrada na margem. Nadou silenciosamente, lutando contra a tonteira que ainda restava da última aplicação de heroína. Meteu-se entre a margem e o barco e esticou o braço, dando um leve puxão na corda. A chalana soltou-se e começou a ser levada lentamente pela correnteza. Bezerra agarrou-se na borda e deixou-se levar também.
— Ei! O que está havendo?
O baixinho correu para a margem. Lá ia a chalana, distanciando-se deles, e tendo o “cadáver” agarrado à borda!
— Pela Santa Virgem do Pantanal! — persignou-se o palerma. — O morto ressuscitou!
— Pois não vai ficar ressuscitado por muito tempo! — decidiu o baixinho, sacando sua pistola.
O primeiro tiro furou o casco da chalana, logo abaixo da linha d'água. O bandido tinha boa pontaria. O segundo tiro acertou em cheio as costas de Bezerra, como um soco.

* * *

A capivara bebia tranquilamente, sem perceber que, a alguns metros, uma sucuri saía da água, arrastando-se oculta pelo mato rasteiro. Quando a vítima ergueu a cabeça, alerta para o perigo, era tarde demais. A sucuri já vinha em meio ao bote. O berro quase humano da capivara chegou até a chalana.
Bezerra agarrava-se com ambas as mãos, procurando desesperadamente alçar o corpo para dentro da canoa. Quase fez com que ela virasse. Não sentia dor, mas o frio da água misturava-se com o calor do sangue que lhe escorria pelas costas. Não sabia onde fora atingido. Talvez em um rim. Tentou descansar um minuto no fundo do barco, mas a água que entrava pelo buraco da bala, abaixo da linha d'água, subia e obrigava-o a uma providência urgente.
O piloto tateou no meio palmo d'água que já invadira a chalana e localizou o buraco. Não podia afundar. Agora não! Talvez não sobrevivesse, mas era preciso continuar vivo e lúcido até ser encontrado por alguém. A vida de Crânio dependia disso. Muitas vidas no Pantanal dependiam disso. Sem outra alternativa, meteu o dedo no buraco de bala, tapando a entrada de água.
Um turbilhão no rio despertou-o para a tragédia. O seu ferimento fizera uma trilha de sangue na água, atraindo as mais terríveis feras da água doce. Piranhas!
Não foi exatamente dor o que sentiu. Foi como um beliscão no dedo. E, na mesma hora, Bezerra percebeu que seu dedo não estava mais ali. Apertou os dentes e apertou com força o que lhe restava do toco arrolhando o buraco, o sangue continuava a correr, mas a água não haveria de entrar. Enlouquecidas pelo sangue que tingia o Taquari, as piranhas turbilhonavam sob a chalana, mordendo desesperadamente a madeira do barco, exigindo mais sangue, ansiando por dilacerar a carne que teimava em se esconder dentro daquela canoa...

* * *

O arranhar da chalana por baixo parecia já distante, como o sussurro de uma canção de ninar. Bezerra lutou contra o sono, que ele sabia muito bem não ser sono, mas o desfalecimento que se aproximava e que o faria soltar o toco de dedo do buraco de bala. Procurava manter a cabeça levantada. Se desmaiasse, havia dentro da canoa água suficiente para afogá-lo.
Aos poucos, as piranhas conseguiam roer a madeira do casco em volta do buraco. Aos poucos, conseguiam abocanhar mais algum pedaço da mão de Bezerra. Ele tinha de resistir. Tinha de lutar contra a morte!
Um ruído de motor chegou a seus ouvidos como um coro de anjos. Talvez fosse uma lancha. Talvez ele fosse encontrado. Talvez houvesse ainda uma esperança… Mas o motor roncava acima de sua cabeça. Inferno! Era apenas um avião!
O sol queimava suas costas molhadas e ofuscou-lhe a vista quando girou a cabeça para olhar o avião.
Naquele momento, lutando para se manter consciente, Bezerra lembrou-se perfeitamente dos slides que só havia descrito sob hipnose. Naquele momento, percebeu claramente que as fotos do professor Elias revelavam muito mais do que Crânio pensara ter observado ao descobrir o aeroporto clandestino.
O avião passou voando baixo, por sobre o Taquari, por sobre o piloto moribundo, refletindo o sol com seus brilhos róseos e dourados. Se ele ainda tivesse forças, teria sacudido o Pantanal com uma gargalhada.
— É isso! Descobri! Avião brilhando ao sol... sol amarelo... sol vermelho… Descobri! Meu Deus! Eu tenho de viver... tenho de viver... Só mais um pouco, só mais um pouco, meu Deus...

* * *

O pescador insistia com o policial:
— Eu tenho boa memória. Muito boa memória mesmo. Encontrei o homem, o pobre homem, ensanguentado e com a mão estraçalhada, quase desmaiado. Estava naquela chalana, cercado de piranhas. Não sei como conseguiu!
— Repita — insistiu o policial. O que ele disse?
— Ele falou muito claro mesmo. E eu escutei direitinho, como estou escutando o senhor. Não sou homem de ouvir e esquecer, nem sou homem de dizer o que não ouviu. Também ninguém pode me acusar de aumentar o que alguém disse,  nem de diminuir o que...
— Chega de história, homem! — cortou o policial. — O delegado quer que você repita o que ouviu, palavra por palavra. O que disse o pobre coitado?
— Ele falou bem assim: “Crânio... encontrem... o Ente... Formigas-paradas… Mike Sierrabrava... é o Ente... Mike Sierrabrava... eu descobri... é ouro... é ouro puro… Crânio... pelo amor de Deus...”
— E depois?
— Depois nada. O coitado morreu nos meus braços!

2 comentários:

Se você não tem conta no Google e quiser comentar, utilize a opção Nome/URL e preencha seu nome/apelido/nick; o URL pode deixar em branco.

Boa leitura, E SEM SPOILER!