7 de dezembro de 2017

Capítulo 2

Como toda nave vogon, esta parecia mais uma matéria amorfa coagulada do que fruto de um projeto. Os desagradáveis caroços amarelos e as protuberâncias que se estendiam em ângulos repugnantes sobre ela teriam desfigurado a aparência da maioria das espaçonaves, mas neste caso isso era tristemente impossível. Coisas mais feias já foram vistas pelos céus, mas não por testemunhas confiáveis.
Na verdade, para ver algo bem mais feio que uma nave vogon, você teria que ir lá dentro e olhar para um vogon. Se você for esperto, porém, isso é precisamente o que você vai evitar, porque um vogon comum não vai pensar duas vezes antes de lhe fazer alto tão terrivelmente hediondo que você vai desejar nunca ter nascido — ou (se você for uma pessoa mais esclarecida) que o vogon nunca tivesse nascido.
Na verdade, um vogon comum provavelmente não ia pensar nem uma única vez. São criaturas burras, de pensamento curto, cérebros de lesma, e pensar não é exatamente algo para que tenham aptidão especial. Uma análise anatômica de um vogon revela que seu cérebro era originalmente um fígado dispéptico deformado, fora de lugar. A coisa mais simpática que se pode dizer a respeito deles, portanto, é que sabem do que gostam, o que geralmente envolve ferir pessoas e, sempre que possível, zangar-se muito.
Uma coisa de que não gostam é deixar um trabalho por terminar — este vogon, em particular, e — por diversas razões — este trabalho em particular.
Este vogon era o Capitão Prostetnic Vogon Jeltz, do Conselho de Planejamento do Hiperespaço Galáctico, e tinha sido ele o responsável pela demolição do assim chamado “planeta” Terra.
Suspendeu seu corpo monumentalmente vil de sua cadeirinha desajeitada e observou a tela do monitor em que a espaçonave Coração de Ouro estava constantemente focalizada.
Pouco lhe importava que a Coração de Ouro, que era movida a improbabilidade infinita, fosse a mais bela e revolucionária nave já construída. Estética e tecnologia eram livros fechados para ele e, se fosse o caso, livros queimados e enterrados também.
Importava-lhe ainda menos que Zaphod Beeblebrox estivesse a bordo. Zaphod Beeblebrox era agora o ex-Presidente da Galáxia, e embora todas as forças policiais da Galáxia estivessem nesse momento na perseguição tanto dele quanto da nave que ele tinha roubado, o vogon não estava interessado.
Seu problema era outro.
Diz-se que os vogons não estão acima de um pouco de suborno e corrupção da mesma forma que o mar não está acima das nuvens, o que era certamente verdadeiro no caso dele. Quando ouvia expressões como “integridade” ou “retidão moral”, corria para o dicionário, e quando ouvia o tilintar de dinheiro fácil em grande quantidade corria para o livro de regras e o jogava no lixo.
Ao esforçar-se tão implacavelmente pela destruição da Terra e do que havia nela, estava agindo um pouco acima e além de seu dever profissional. Havia inclusive alguma dúvida sobre se a tal via expressa ia ser mesmo construída, mas fizeram vista grossa para esse assunto.
Grunhiu um grunhido repelente de satisfação.
— Computador — grasnou —, ponha-me em contato com meu terapeuta cerebral.
Dentro de poucos segundos o rosto de Gag Halfrunt apareceu na tela, com o sorriso de um homem que sabia estar a dez anos-luz de distância da cara do vogon que estava vendo. Misturando no sorriso havia também um toque de ironia. Embora o vogon persistisse em chamá-lo de “meu terapeuta cerebral” não havia cérebro bastante para ser tratado, e na verdade era Halfrunt que tinha contratado o vogon. Estava lhe pagando uma incrível soma de dinheiro para fazer um serviço bem sujo. Como um dos mais proeminentes e bem-sucedidos psiquiatras da Galáxia, ele e um grupo de colegas estavam totalmente preparados e dispostos a gastar uma incrível soma de dinheiro quando todo o futuro da psiquiatria parecia estar em jogo.
— Bem — disse ele —, olá, meu Prostetnic, Capitão dos Vogons, como estamos nos sentindo hoje?
O capitão vogon lhe contou que nas últimas poucas horas tinha exterminado quase metade de sua tripulação num exercício disciplinar.
O sorriso de Halfrunt permaneceu inalterado por um instante.
— Bem — disse ele —, creio que este é um comportamento perfeitamente normal para um vogon, sabe? O hábito natural e saudável de canalizar os instintos agressivos através de atos de violência sem sentido.
— Isso — resmungou o vogon — é o que você sempre diz.
— Outra vez bem — disse Halfrunt —, creio que este é um comportamento perfeitamente normal para um psiquiatra. Bom. Estamos ambos claramente muito bem ajustados em nossas atitudes mentais hoje. Agora conte-me, quais as notícias da missão?
— Localizamos a espaçonave.
— Maravilhoso — disse Halfrunt —, maravilhoso! E os ocupantes?
— O terráqueo está lá.
— Excelente! E...?
— Uma fêmea do mesmo planeta. São os últimos.
— Bom, muito bom — Halfrunt estava radiante. — Quem mais?
— O tal Prefect.
— Ê?
— E Zaphod Beeblebrox.
Por um instante o sorriso de Halfrunt se alterou.
— Ah, sim — disse ele —, eu esperava por isso. É realmente uma pena.
— Um amigo pessoal? — inquiriu o vogon, que tinha ouvido essa expressão em algum lugar e resolveu experimentá-la.
— Ah, não — disse Halfrunt —, em minha profissão, sabe, não fazemos amigos pessoais.
— Ah — grunhiu o vogon —, neutralidade profissional.
— Não — disse Halfrunt alegremente —, é só que a gente não tem jeito para essas coisas.
Fez uma pausa. Continuava sorrindo, mas franziu um pouco as sobrancelhas.
— Mas Beeblebrox, sabe, é um dos meus clientes mais lucrativos. Ele tem problemas de personalidade que ultrapassam os sonhos de qualquer analista.
Entreteve-se um pouco com essa ideia antes de abandoná-la relutantemente.
— De qualquer forma — disse —, você está preparado para sua tarefa?
— Estou.
— Muito bem. Destrua a nave imediatamente.
— E Beeblebrox?
— Bom — disse Halfrunt com vivacidade—, Zaphod é só um cara, sabe?
Ele sumiu da tela.
O capitão vogon apertou um botão de comunicação que o colocava em contato com o que restava de sua tripulação.
— Atacar — disse.
Nesse exato instante Zaphod Beeblebrox estava em sua cabine xingando muito alto. Duas horas antes ele tinha dito que iam dar uma passada para comer qualquer coisa no Restaurante do Fim do Universo, quando teve um desentendimento caloroso com o computador da nave e foi explodindo para sua cabine gritando que ia calcular os fatores de improbabilidade na ponta do lápis.
O motor a improbabilidade da Coração de Ouro a tornava a nave mais poderosa e imprevisível que jamais existira. Não havia nada que ela não pudesse fazer, contanto que se soubesse o quanto exatamente era improvável acontecer a coisa que se queria que ela fizesse.
Ele a tinha roubado quando, como Presidente, estava incumbido de inaugurá-la. Não sabia exatamente por que a tinha roubado, exceto que gostava dela.
Não sabia por que se tornara Presidente da Galáxia, exceto que era uma coisa divertida de ser.
O que ele sabia era que havia motivos melhores do que esses, mas que estavam enterrados na obscura seção trancafiada de seus dois cérebros. Ele gostaria que a obscura seção trancafiada de seus dois cérebros desaparecesse porque ela vinha momentaneamente à tona e colocava pensamentos estranhos nas seções iluminadas e divertidas de sua mente e tentava desviá-lo daquilo que ele considerava como sendo a ocupação principal de sua vida, que era esbaldar-se magnificamente.
Nesse momento ele não estava se esbaldando magnificamente. Já não tinha mais paciência nem lápis e estava com muita fome.
— Porra estelar! — exclamou.
Nesse mesmo exato instante, Ford Prefect estava suspenso no ar. Não que algo estivesse errado com o campo gravitacional artificial da nave, mas porque ele estava saltando da escada que levava às cabines individuais da nave. Era um pulo considerável, e ele chegou ao chão de maneira desajeitada, tropeçou, recobrou o equilíbrio, correu pelo corredor chutando para o espaço alguns robôs miniatura, derrapou quando virou no canto, entrando de supetão na cabine de Zaphod, e explicou o que tinha em mente.
— Vogons — disse ele.
Pouco antes disso Arthur Dent tinha saído de sua cabine para pegar um chá. Não era uma busca que ele empreendesse com otimismo, porque ele sabia que a única fonte de bebidas quentes em toda a nave era uma máquina ignorante produzida pela Companhia Cibernética de Sírius. Chamava-se Sintetizadora Nutrimática de bebidas, e ele já tinha tido contato com ela antes.
Dizia-se capaz de produzir a mais ampla variedade de bebidas, adaptadas individualmente ao paladar e ao metabolismo de quem quer que se aventurasse a utilizar-se dela. Quando posta para funcionar, no entanto, invariavelmente produzia uma xícara de plástico cheia de um líquido quase, mas não totalmente, inteiramente diferente do chá.
Tentou entrar em acordo com a máquina.
— Chá — disse ele.
— Sirva-se e aproveite — retrucou a máquina, servindo-lhe uma xícara do líquido insípido.
Ele a lançou longe.
— Sirva-se e aproveite — repetiu a máquina, produzindo mais uma xícara.
“Sirva-se e aproveite” era o lema da imensamente bem-sucedida divisão de reclamações da Companhia Cibernética de Sírius, que cobre atualmente as massas continentais de três planetas de tamanho médio e é a única parte da companhia que tem mostrado lucros consistentes nos últimos anos.
Esse lema está escrito — ou melhor, estava — em letras luminosas de dois quilômetros de altura, perto do porto espacial do Departamento de Reclamações de Eadrax. Infelizmente o peso delas era tal que pouco depois de serem erigidas o chão abaixo delas cedeu, de forma que as letras afundaram na metade do seu comprimento, atravessando os escritórios de vários jovens executivos de reclamações — agora falecidos.
A metade saliente que ficou das letras agora parece dizer — na língua local — “Vá lamber sabão”, e não está mais iluminada, a não ser em ocasiões especiais.
Arthur jogou fora a sexta xícara do líquido.
— Escuta, máquina — disse ele —, você diz que pode sintetizar qualquer bebida no universo, então por que fica me dando sempre essa coisa imbebível?
— Processamento de informação de paladar e nutrição — balbuciou a máquina. — Sirva-se e aproveite.
— O gosto é nojento.
— Se você gostou de experimentar essa bebida — prosseguiu a máquina — por que não compartilha esse prazer com os amigos?
— Porque — disse Arthur, mordaz — quero que continuem meus amigos. Tente entender o que eu estou tentando dizer. Essa bebida...
— Essa bebida — disse docemente a máquina — foi confeccionada individualmente para satisfazer suas necessidades pessoais de sabor e nutrição.
— Ah — disse Arthur — quer dizer que eu sou um masoquista de dieta?
— Sirva-se e aproveite.
— Ah, cala a boca.
— Está satisfeito?
Arthur decidiu desistir.
— Estou — respondeu.
Aí ele resolveu que não ia desistir não, de jeito nenhum.
— Não — disse ele. — Olha, é muito simples, muito mesmo... tudo o que eu quero... é uma xícara de chá. Você vai fazer isso para mim. Fique quieta e escute.
Ele se sentou. Falou à Nutrimática sobre a índia, falou sobre a China, falou sobre o Ceilão. Falou de folhas estendidas secando ao sol. Falou de bules de prata. Falou dos gramados nas tardes de domingo. Falou de como se coloca o leite antes do chá para não talhar. Falou até (brevemente) sobre a história da Companhia das Índias Orientais.
— Então é isso? — disse a Nutrimática quando ele terminou de falar.
— É — disse Arthur —, é isso que eu quero.
— Você quer o sabor de folhas secas fervidas em água?
— Bom, é. Com leite.
— Esguichado de uma vaca?
— De certo modo, é uma maneira de dizer, eu acho...
— Vou precisar de uma mãozinha para isso — disse a máquina sucintamente.
Aquele balbucio animado tinha desaparecido de seu tom de voz, e ela falava de trabalho agora.
— No que eu puder ajudar... — disse Arthur.
— Você já fez o bastante — informou-lhe a Nutrimática.
Ela convocou o computador da espaçonave.
— Oi, gente! — disse o computador da espaçonave. A Nutrimática explicou ao computador da espaçonave a respeito do chá. O computador hesitou e então juntou seus circuitos lógicos aos da Nutrimática e juntos penetraram num silêncio severo.
Arthur ficou observando, à espera de alguma coisa por alguns instantes, mas nada mais aconteceu.
Deu uma pancada na máquina, e nada.
A uma certa altura desistiu e subiu à ponte de comando.
Nas imensidões vazias do espaço, a nave Coração de Ouro flutuava estacionária. A seu redor ardiam os bilhões de pontinhos luminosos da Galáxia. Em sua direção arrastava-se a horrenda massa amarela da nave vogon.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)