20 de novembro de 2017

Capítulo 35

Naquela noite, quando a nave Coração de Ouro já estava a alguns anos-luz da nebulosa da Cabeça de Cavalo, Zaphod descansava debaixo da palmeirinha da ponte de comando, tentando consertar o cérebro com doses maciças de Dinamite Pangaláctica; Ford e Trillian discutiam num canto sobre a vida e questões correlatas; e Arthur, deitado na cama, folheava O Guia do Mochileiro das Galáxias. “Como ia ter que viver na tal da Galáxia, o jeito era aprender alguma coisa sobre ela”, pensou. Encontrou o seguinte verbete:
“A história de todas as grandes civilizações galácticas tende a atravessar três fases distintas e identificáveis, as da sobrevivência, da interrogação e da sofisticação, também conhecidas como as fases do como, do por que e do onde.
Por exemplo, a primeira fase é caracterizada pela pergunta: Como vamos poder comer?
A segunda, pela pergunta: Por que comemos?
E a terceira, pela pergunta: Aonde vamos almoçar?” Neste momento o interfone da nave soou.
— Ô terráqueo! Está com fome, garoto? — Era a voz de Zaphod.
— É, seria legal comer alguma coisa — disse Arthur.
— Então se segure — disse Zaphod — que a gente vai dar uma paradinha no Restaurante do Fim do Universo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)