20 de novembro de 2017

Capítulo 1

A casa ficava numa pequena colina bem nos limites de uma vila, isolada. Dela se tinha uma ampla vista das fazendas do oeste da Inglaterra. Não era, de modo algum, uma casa excepcional, tinha cerca de 30 anos, era achatada, quadrada, feita de tijolos, com quatro janelas na frente, cujo tamanho e proporções pareciam ter sido calculados mais ou menos exatamente para desagradar a vista.
A única pessoa para quem a casa tinha algo de especial era Arthur Dent, e assim mesmo só porque ele morava nela. Já morava lá há uns três anos, desde que resolvera sair de Londres porque a cidade o deixava nervoso e irritado. Também tinha cerca de 30 anos; era alto, moreno e quase nunca estava em paz consigo mesmo. O que mais o preocupava era o fato de que as pessoas viviam lhe perguntando por que ele parecia estar tão preocupado. Trabalhava na estação de rádio local, e sempre dizia aos amigos que era um trabalho bem mais interessante do que eles imaginavam. E era, mesmo — a maioria de seus amigos trabalhava em publicidade.
Na noite de quarta-feira tinha caído uma chuva forte, e a estrada estava enlameada e molhada, mas na manhã de quinta um sol intenso e quente brilhou sobre a casa de Arthur Dent pelo que seria a última vez.
Arthur ainda não havia conseguido enfiar na cabeça que o conselho municipal queria derrubá-la e construir um desvio no lugar dela.
Às oito horas da manhã de quinta-feira, Arthur não estava se sentindo muito bem. Acordou com os olhos turvos, levantou-se, andou pelo quarto sem enxergar direito, abriu uma janela, viu um trator, encontrou os chinelos e foi até o banheiro.
Pasta na escova de dentes. Assim. Escovar.
Espelho móvel virado para o teto. Arthur ajustou-o. Por um momento, o espelho refletiu um segundo trator pela janela do banheiro. Arthur reajustou-o, e o espelho passou a refletir o rosto barbado de Arthur Dent. Ele fez a barba, lavou o rosto, enxugou-o e foi até a cozinha em busca de alguma coisa agradável para pôr na boca.
Chaleira, tomada, geladeira, leite, café. Bocejo.
A palavra trator vagou por sua mente, procurando algo com o que se associar.
O trator que estava do outro lado da janela da cozinha era dos grandes.
Arthur olhou para ele.
“Amarelo”, pensou, e voltou ao quarto para se vestir. Ao passar pelo banheiro, parou para tomar um copo d'água, e depois outro. Começou a desconfiar que estava de ressaca. Por que a ressaca? Teria bebido na véspera? Imaginava que sim. Olhou de relance para o espelho móvel. “Amarelo”, pensou, e foi para o quarto.
Ficou parado, pensando. “O bar”, pensou. “Ah, meu Deus, o bar.” Tinha uma vaga lembrança de ter ficado irritado com algo que parecia importante. Falara com as pessoas a respeito, e na verdade começava a achar que tinha falado demais: a imagem mais nítida em sua memória era a dos rostos entediados das pessoas a seu redor. Tinha algo a ver com um desvio a ser construído, e ele acabara de descobrir isso. A obra estava planejada há meses, só que ninguém sabia de nada. Ridículo. Arthur tomou um gole d'água. “A coisa ia se resolver; ninguém queria aquele desvio, o conselho estava completamente sem razão. A coisa ia se resolver”, pensou ele.
Mas que ressaca terrível. Olhou-se no espelho do armário. Pôs a língua para fora. “Amarelo”, pensou. A palavra amarelo vagou por sua mente, procurando algo com o que se associar.
Quinze segundos depois, Arthur estava fora da casa, deitado no chão, na frente de um trator grande e amarelo que avançava por cima de seu jardim.
O Sr. L. Prosser era, como dizem, apenas humano. Em outras palavras, era uma forma de vida bípede baseada em carbono e descendente de primatas. Para ser mais específico, ele tinha 40 anos, era gordo e desleixado e trabalhava no conselho municipal. Curiosamente, embora ele desconhecesse este fato, era também descendente direto, pela linhagem masculina, de Gengis Khan, embora a sucessão de gerações e a mestiçagem houvessem misturado de tal modo sua carga genética que ele não possuía nenhuma característica mongol, e os únicos vestígios daquele majestoso ancestral que restavam no Sr. L. Prosser eram uma barriga pronunciada e uma predileção por chapeuzinhos de pele.
Ele não era em absoluto um grande guerreiro: na verdade, era um homem nervoso e preocupado. Naquele dia estava particularmente nervoso e preocupado porque tivera um problema sério com seu trabalho, que consistia em retirar a casa de Arthur Dent do caminho antes do final da tarde.
— Desista, Sr. Dent, o senhor sabe que é uma causa perdida. O senhor não vai conseguir ficar deitado na frente do trator o resto da vida. — Tentou assumir um olhar feroz, mas seus olhos não eram capazes disso.
Deitado na lama, Arthur respondeu:
— Está bem. Vamos ver quem é mais chato.
— Infelizmente, o senhor vai ter que aceitar — disse o Sr. Prosser, rodando seu chapéu de pele no alto da cabeça. — Esse desvio tem que ser construído e vai ser construído!
— Primeira vez que ouço falar nisso. Por que é que tem que ser construído?
O Sr. Prosser sacudiu o dedo para Arthur por algum tempo, depois parou e retirou o dedo.
— Como assim, “por que deve ser construído”? Ora! — exclamou ele. — É um desvio. É necessário construir desvios.
Os desvios são vias que permitem que as pessoas se desloquem bem depressa do ponto A ao ponto B ao mesmo tempo que outras pessoas se deslocam bem depressa do ponto B ao ponto A. As pessoas que moram no ponto C, que fica entre os dois outros, muitas vezes ficam imaginando o que tem de tão interessante no ponto A para que tanta gente do ponto B queira muito ir para lá, e o que tem de tão interessante no ponto B para que tanta gente do ponto A queira muito ir para lá. Ficam pensando como seria bom se as pessoas resolvessem de uma vez por todas onde é que elas querem ficar.
O Sr. Prosser queria ficar no ponto D. Este ponto não ficava em nenhum lugar específico, era apenas um ponto qualquer bem longe dos pontos A, B e C. O Sr. Prosser teria uma bela casinha de campo no ponto D, com machados pregados em cima da porta, e se divertiria muito no ponto E, o bar mais próximo do ponto D. Sua mulher, naturalmente, queria uma roseira trepadeira, mas ele queria machados. Ele não sabia por quê. Só sabia que gostava de machados. O Sr. Prosser sentiu seu rosto ficar vermelho ante aos sorrisos irônicos dos operadores do trator.
Apoiou o peso do corpo numa das pernas, depois na outra, mas sentiu-se igualmente desconfortável com as duas. Era óbvio que alguém havia sido terrivelmente incompetente, e ele pedia a Deus que não fosse ele.
— O senhor teve um longo prazo a seu dispor para fazer quaisquer sugestões ou reclamações, como o senhor sabe — disse o Sr. Prosser.
— Um longo prazo? — exclamou Arthur. — Longo prazo? Eu só soube dessa história quando chegou um operário na minha casa ontem. Perguntei a ele se tinha vindo para lavar as janelas e ele respondeu que não, vinha para demolir a casa. É claro que não me disse isso logo. Claro que não. Primeiro lavou umas duas janelas e me cobrou cinco pratas. Depois é que me contou.
Mas, Sr. Dent, o projeto estava à sua disposição na Secretaria de Obras há nove meses.
Pois é. Assim que eu soube fui lá me informar, ontem à tarde. Vocês não se esforçaram muito para divulgar o projeto, não é verdade? Quer dizer, não chegaram a comunicar às pessoas nem nada.
— Mas o projeto estava em exposição...
Em exposição? Tive que descer ao porão para encontrar o projeto. É no porão que os projetos ficam em exposição. Com uma lanterna. Ah, provavelmente estava faltando luz. Faltavam as escadas, também. Mas, afinal, o senhor encontrou o projeto, não foi?
— Encontrei, sim — disse Arthur. — Estava em exibição no fundo de um arquivo trancado, jogado num banheiro fora de uso, cuja porta tinha a placa: Cuidado com o leopardo.
Uma nuvem passou no céu. Projetou uma sombra sobre Arthur Dent, deitado na lama fria, apoiado no cotovelo. Projetou uma sombra sobre a casa de Arthur Dent. O Sr. Prosser olhou-a, de cara feia.
— Não chega a ser uma casa particularmente bonita.
— Perdão, mas por acaso gosto dela.
— O senhor vai gostar do desvio.
— Ah, cale a boca. Cale a boca e vá embora, você e a porcaria do seu desvio. Você sabe muito bem que está completamente sem razão.
A boca do Sr. Prosser abriu-se e fechou-se umas duas vezes, enquanto por uns momentos seu cérebro foi invadido por visões inexplicáveis, porém terrivelmente atraentes: via a casa de Arthur Dent sendo consumida pelas chamas, enquanto o próprio Arthur corria aos gritos do incêndio, com pelo menos três lanças bem compridas enfiadas em suas costas. Visões como essas frequentemente perturbavam o Sr. Prosser e o deixavam nervoso. Gaguejou por uns instantes e depois recuperou a calma.
— Sr. Dent.
— Sim? O que é?
— Gostaria de ressaltar alguns fatos para o senhor. O senhor sabe que danos esse trator sofreria se eu deixasse ele passar por cima do senhor?
— O quê?
— Absolutamente zero — disse o Sr. Prosser, afastando-se rapidamente, nervoso, sem entender por que seu cérebro estava cheio de cavaleiros cabeludos que gritavam com ele.
Por uma curiosa coincidência, “absolutamente zero” era o quanto o descendente dos primatas Arthur Dent suspeitava que um de seus amigos mais íntimos não descendia dos primatas, sendo, na verdade, de um pequeno planeta perto de Betelgeuse, e não de Guildford, como costumava dizer. Tal suspeita jamais passara pela cabeça de Arthur Dent.
Esse seu amigo havia chegado ao planeta Terra há uns 15 anos terráqueos e se esforçara ao máximo no sentido de se integrar na sociedade terráquea — com certo sucesso, deve-se reconhecer. Assim, por exemplo, ele passara esses 15 anos fingindo ser um ator desempregado, o que era perfeitamente plausível.
Porém cometera um erro gritante, por ter sido um pouco displicente em suas pesquisas preparatórias. As informações de que ele dispunha o levaram a escolher o nome “Ford Prefect”, achando que era um nome bem comum, que passaria despercebido.
Não era alto a ponto de chamar atenção, e suas feições eram atraentes, mas não a ponto de chamar a atenção. Seus cabelos eram avermelhados e crespos e ele os penteava para trás. Sua pele parecia ter sido puxada a partir do nariz. Havia algo de ligeiramente estranho nele, mas era algo muito sutil, difícil de identificar. Talvez os olhos dele piscassem menos que o normal, de modo que quem ficasse conversando com ele algum tempo acabava com os olhos cheios d'água de aflição. Talvez o sorriso dele fosse um pouco largo demais e desse a sensação desagradável de que estava prestes a morder o pescoço de seu interlocutor.
Para a maioria dos amigos que fizera na Terra era um sujeito excêntrico, porém inofensivo: um beberrão com alguns hábitos meio estranhos. Por exemplo, ele costumava entrar de penetra em festas na universidade, tomar um porre colossal e depois começava a gozar qualquer astrofísico que encontrasse, até que o expulsassem da festa.
Às vezes ele ficava desligado, olhando distraído para o céu, como se estivesse hipnotizado, até que alguém lhe perguntava o que ele estava fazendo. Então, por um instante, Ford ficava assustado, com um ar culpado, mas logo relaxava e sorria.
— Ah, estou só procurando discos voadores — brincava, e todo mundo ria e lhe perguntava que tipo de discos voadores ele estava procurando.
— Dos verdes! — ele respondia com um sorriso irônico, depois ria às gargalhadas por alguns instantes e daí corria até o bar mais próximo e pagava uma enorme rodada de bebidas.
Essas noites normalmente terminavam mal. Ford tomava uísque até ficar totalmente bêbado, se encolhia num canto com uma garota qualquer e dizia a ela, com voz pastosa, que na verdade a cor dos discos voadores não tinha muita importância.
Depois, cambaleando meio torto pelas ruas, de madrugada, com frequência perguntava aos policiais que passavam como se ia para Betelgeuse.
Os policiais normalmente diziam algo assim:
— O senhor não acha que é hora de ir para casa?
— É o que eu estou tentando fazer, meu chapa, estou tentando — era o que Ford sempre respondia nessas ocasiões.
Na verdade, o que ele realmente procurava quando ficava olhando para o céu era qualquer tipo de discos voadores. Ele falava em discos voadores verdes porque o verde era a cor tradicional do uniforme dos astronautas mercantes de Betelgeuse.
Ford Prefect já havia perdido as esperanças de que aparecesse um disco voador porque 15 anos é muito tempo para ficar preso em qualquer lugar, principalmente num lugar tão absurdamente chato quanto a Terra.
Ford queria que chegasse logo um disco voador porque sabia fazer sinal para discos voadores descerem e porque queria pegar carona num deles. Ele sabia ver as Maravilhas do Universo por menos de 30 dólares altairianos por dia.
Na verdade, Ford Prefect era pesquisador de campo desse fabuloso livro chamado O Guia do Mochileiro das Galáxias.
Os seres humanos se adaptam a tudo com muita facilidade. Assim, quando chegou a hora do almoço, nos arredores da casa de Arthur já havia se estabelecido uma rotina. O papel de Arthur era o de ficar se espojando na lama, pedindo de vez em quando que chamassem seu advogado, sua mãe ou lhe trouxessem um bom livro. O Sr. Prosser ficou com o papel de tentar novas táticas de persuasão com Arthur de vez em quando, usando o papo do Para o Bem de Todos, o da Marcha Inevitável do Progresso, o de Sabe que Uma Vez Derrubaram Minha Casa Também mas Continuei com Minha Vida Normalmente, bem como diversos outros tipos de propostas e ameaças. O papel dos operadores dos tratores, por sua vez, era o de ficar sentado, tomando café e examinando a legislação trabalhista para ver se havia um jeito de ganhar um extra com aquela situação.
A Terra seguia lentamente em sua órbita cotidiana.
O sol estava começando a secar a lama em que Arthur estava deitado. Uma sombra passou por ele novamente.
— Oi, Arthur — disse a sombra.
Arthur olhou para cima com uma careta por causa do sol, e surpreendeu-se ao ver Ford Prefect em pé a seu lado.
— Ford! Tudo bem com você?
— Tudo bem — disse Ford. — Escute, você está ocupado?
— Se estou ocupado? — exclamou Arthur. — Bem, tenho apenas que ficar deitado na frente desses tratores todos senão eles derrubam minha casa, mas afora isso... bem, nada de especial. Por quê?
Em Betelgeuse não existe sarcasmo, por isso Ford muitas vezes não o percebia, a menos que estivesse prestando muita atenção.
— Ótimo — disse ele. — Onde a gente pode conversar?
— O quê? — exclamou Arthur Dent.
Por alguns segundos, Ford pareceu ignorá-lo, e ficou olhando fixamente para o céu, como um coelho que está querendo ser atropelado por um carro. Então, de repente, acocorou-se ao lado de Arthur.
— Precisamos conversar — disse, num tom de urgência.
— Tudo bem — disse Arthur. — Pode falar.
— E beber. Temos que conversar e beber, é uma questão de vida ou morte. Agora. Vamos ao bar lá na vila.
Olhou para o céu de novo, nervoso, como se esperasse algo.
— Escute, será que você não entende? — gritou Arthur, apontando para Prosser. — Esse homem quer demolir a minha casa!
Ford olhou para o homem, confuso.
— Ele pode fazer isso sem você, não é?
— Mas eu não quero que ele faça isso! Ah. Escute, o que é que você tem, Ford?
— Nada. Nada de mais. Escute... eu tenho que lhe dizer a coisa mais importante que você já ouviu. Tenho que lhe dizer isso agora e tem que ser lá no bar Horse and Groom.
— Mas por quê?
— Porque você vai precisar beber algo bem forte.
Ford olhou para Arthur, e este constatou, atônito, que estava começando a se deixar convencer. Não percebeu, é claro, que foi por causa de um velho jogo de botequim que Ford aprendera nos portos hiperespaciais que serviam as regiões de mineração de madranita no sistema estelar de Beta de Órion.
O jogo era vagamente parecido com a queda-de-braço dos terráqueos e funcionava assim:
Os dois adversários sentavam-se a uma mesa, um de cara para o outro, cada um com um copo à sua frente.
Entre os dois colocava-se uma garrafa de Aguardente Janx (imortalizada naquela velha canção dos mineiros de Órion: 'Ah, não me dê mais dessa Aguardente Janx/ Não, não me dê mais um gole de Aguardente Janx/ Senão minha cabeça vai partir, minha língua vai mentir, meus olhos vão ferver e sou capaz de morrer/ Vai, me dá um golinho de Aguardente Janx”).
Então, cada lutador tentava concentrar sua força de vontade sobre a garrafa para incliná-la e verter aguardente no copo do adversário, que então era obrigado a bebê-la. Então, enchia-se a garrafa de novo, começava uma nova rodada, e assim por diante.
Quem começava perdendo normalmente acabava perdendo, porque um dos efeitos da Aguardente Janx é deprimir o poder telepsíquico. Assim que se consumia uma quantidade previamente estabelecida, o perdedor era obrigado a pagar uma prenda, que costumava ser obscenamente biológica.
Ford Prefect normalmente jogava para perder.
Ford olhou para Arthur, que estava começando a pensar que talvez quisesse mesmo ir até o Horse and Groom.
— Mas e a minha casa...? — perguntou, em tom de queixa. Ford olhou para o Sr. Prosser e de repente lhe ocorreu uma ideia maliciosa.
— Ele quer demolir a sua casa?
— É, ele quer construir...
— E não pode porque você está deitado na frente do trator dele?
— É, e...
— Aposto que podemos chegar a um acordo — disse Ford. — Com licença! — gritou ele para o Sr. Prosser.
O Sr. Prosser (que estava discutindo com o porta-voz dos operadores dos tratores se a presença de Arthur Dent constituía ou não um fator de insalubridade mental no local de trabalho e quanto eles deveriam receber neste caso) olhou em volta. Ficou surpreso e ligeiramente alarmado quando viu que Arthur estava acompanhado.
— Sim? Que foi? — perguntou. — O Sr. Dent já voltou ao normal?
— Será que podemos supor, para fins de discussão — perguntou Ford —, que ainda não?
— E daí? — suspirou o Sr. Prosser.
— E podemos também supor — prosseguiu Ford — que ele vai ficar aí o dia inteiro? Todo?
— E então?
— Então todos os seus ajudantes vão ficar parados aí sem fazer nada o dia
— Talvez, talvez...
— Bem, se o senhor já se resignou a não fazer nada, o senhor na verdade

não precisa que ele fique deitado aqui o tempo todo, não é?
— O quê?
— O senhor, na verdade — repetiu Ford, paciente —, não precisa que ele fique aqui.
O Sr. Prosser pensou um pouco.
— Bem, é, não exatamente... Precisar, não preciso, não... — disse Prosser, preocupado, por achar que ele, ou Ford, estava dizendo um absurdo.
— Então o senhor podia perfeitamente fazer de conta que ele ainda está aqui, enquanto eu e ele damos um pulinho no bar, só por meia hora. O que o senhor acha?
O Sr. Prosser achava aquilo perfeitamente insano.
— Acho perfeitamente razoável... — disse, com um tom de voz tranquilizador, sem saber quem ele estava tentando tranquilizar.
— E, se depois o senhor quiser dar uma escapulida para tomar um chope — disse Ford —, a gente retribui o favor.
— Muito obrigado — disse o Sr. Prosser, que não sabia mais como conduzir a situação —, muito obrigado, é muita bondade sua... — Franziu o cenho, depois sorriu, depois tentou fazer as duas coisas ao mesmo tempo, não conseguiu, agarrou seu chapéu de pele e rodou-o no alto da cabeça nervosamente. Só podia achar que havia ganhado a parada.
— Então — prosseguiu Ford Prefect —, se o senhor tiver a bondade de vir até aqui e se deitar...
— O quê? — exclamou o Sr. Prosser.
— Ah, desculpe — disse Ford —, acho que não soube me exprimir muito bem. Alguém tem que ficar deitado na frente dos tratores, não é? Senão eles vão demolir a casa do Sr. Dent.
— O quê? — repetiu o Sr. Prosser.
— É muito simples — disse Ford. — Meu cliente, o Sr. Dent, declara que está disposto a não mais ficar deitado aqui na lama com uma única condição: que o senhor o substitua em seu posto.
— Que história é essa? — disse Arthur, mas Ford cutucou-o com o pé para que se calasse.
— O senhor quer — disse Prosser, tentando captar essa nova ideia — que eu me deite aí...
— É.
— Na lama.
— É, como disse, na lama.
Assim que o Sr. Prosser se deu conta de que na verdade era ele o perdedor, foi como se lhe retirassem um fardo dos ombros: essa situação era mais familiar para ele. Suspirou.
E em troca disso o senhor vai com o Sr. Dent até o bar?
— Isso — disse Ford —, isso mesmo.
O Sr. Prosser deu uns passos nervosos à frente e parou.
— Promete? — disse ele
— Prometo — disse Ford. Virou-se para Arthur — Vamos, levante-se e deixe o homem se deitar.
Arthur pôs-se de pé, achando que tudo aquilo era um sonho.
Ford fez sinal para o Sr. Prosser, que se sentou na lama, triste e desajeitado. Tinha a impressão de que toda a sua vida era uma espécie de sonho, e às vezes se perguntava de quem era aquele sonho, e se o dono do sonho estaria se divertindo. A lama envolveu suas nádegas e penetrou em seus sapatos.
Ford olhou para ele, muito sério.
— Nada de bancar o espertinho e derrubar a casa do Sr. Dent enquanto ele não estiver aqui, certo?
— Nem pensar — rosnou o Sr. Prosser. — Jamais passou pela minha cabeça — prosseguiu, deitando-se — sequer a possibilidade de fazer tal coisa.
Viu o representante do sindicato dos operadores de tratores se aproximar, deixou a cabeça afundar na lama e fechou os olhos. Estava tentando encontrar argumentos para provar que ele próprio não passara a representar um fator de insalubridade mental. Estava longe de estar convencido disso, sua cabeça estava cheia de barulhos, cavalos, fumaça e cheiro de sangue. Isso sempre acontecia quando ele se sentia infeliz ou enganado, e jamais entendera por quê. Numa dimensão superior, da qual nada sabemos, o poderoso Khan urrava de ódio, mas o Sr. Prosser limitava-se a tremer um pouco e a resmungar. Começou a sentir que lhe brotavam lágrimas por trás das pálpebras. Quiproquós burocráticos, homens zangados deitados na lama, estranhos indecifráveis       impondo-lhe  humilhações  inexplicáveis e um exército não identificado de cavaleiros rindo dele em sua mente
— Que dia! Que dia! Ford Prefect sabia que não tinha a menor importância se a casa de Arthur fosse ou não derrubada, agora.
Arthur continuava muito preocupado.
— Mas será que a gente pode confiar nele? — perguntou.
— Eu, por mim, confiaria nele até o fim do mundo.
— Ah — disse Arthur. — E quanto falta para isso?
— Cerca de 12 minutos — disse Ford. — Vamos, preciso beber alguma coisa.

4 comentários:

  1. Kkkk o livro mais engraçado do mundo

    ResponderExcluir
  2. Essa recisão está meio precária, achei mais de 10 erros óbvios somente neste primeiro capítulo.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal esse livro

    ResponderExcluir
  4. Muito bom parabéns aos dois minutos depois de Deus a minha ethernet de criadas pliblequi com a minha cara não foi eu eu to fazendo minha casa eu vou passar aí na sua você tá fazendo com esse guri posso saber o meu roteador pode falou

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)