20 de novembro de 2017

Capítulo 19

— Esse robô vai conosco? — perguntou Ford, olhando com repulsa para Marvin, que estava em pé, os ombros caídos para a frente, desconjuntado, debaixo de uma palmeirinha.
Zaphod desviou a vista das telas-espelhos, que mostravam uma visão panorâmica da paisagem desértica na qual a nave Coração de Ouro acabava de aterrissar.
— Ah, o Androide Paranoide — disse ele. — É, vamos levá-lo.
— Mas o que a gente vai fazer com um robô maníaco-depressivo? — Você acha que o seu problema é sério? — exclamou Marvin, como se estivesse se dirigindo ao novo morador de uma sepultura. — E eu? O que faço se eu sou um robô maníaco-depressivo? Não, nem tente responder; eu sou 50 mil vezes mais inteligente que você e nem eu sei a resposta. Só ao tentar me colocar no seu nível intelectual, fico com dor de cabeça. Trillian veio correndo de sua cabine.
— Meus ratinhos brancos fugiram! — exclamou ela.
Nos dois rostos de Zaphod, expressões de profunda preocupação e consternação nem sequer fingiram aparecer.
— Danem-se os seus ratinhos brancos. Trillian olhou-o com raiva e saiu de novo.
É possível que a frase de Trillian tivesse despertado mais atenção se todos soubessem que os seres humanos eram apenas a terceira forma de vida mais inteligente do planeta Terra, e não (como era geralmente considerado pela maioria dos observadores independentes) a segunda.
— Boa tarde, meninos.
A voz era estranhamente familiar, porém curiosamente diferente. Tinha um quê de maternal. Ela manifestou-se pela primeira vez quando os tripulantes aproximaram-se da câmara de descompressão pela qual passariam para sair da espaçonave.
 Eles se entreolharam surpresos.
— É o computador — explicou Zaphod. — Descobri que ele tinha uma segunda personalidade, para ser usada em casos de emergência, e eu achei que talvez fosse melhor que a outra.
— Esta é a primeira vez que vocês vão sair neste planeta desconhecido —prosseguiu a nova voz de Eddie. — Por isso eu quero todos bem agasalhadinhos, e nada de botar a mãozinha em criaturinhas feias de olhos esbugalhados, ouviram?
Zaphod tamborilava a escotilha com impaciência.
— Me desculpem — disse ele. — Acho que estaríamos melhor com uma régua de cálculo.
— Muito bem1. — gritou o computador. — Quem foi que disse isso?
— Quer abrir a escotilha de saída, por favor, computador? — disse Zaphod, tentando não perder a calma.
— Só quando a pessoa que disse aquilo se identificar — falou o computador, fechando algumas sinapses.
— Ah, meu Deus — murmurou Ford, encostando-se num anteparo e começando a contar até dez. Preocupava-o muito a possibilidade de que um dia as formas de vida inteligentes não soubessem mais fazer isso. Contar era a única maneira que restava aos seres humanos para provar sua independência em relação aos computadores.
— Vamos — disse Eddie, sério.
— Computador... — foi dizendo Zaphod.
— Estou esperando — interrompeu Eddie. — Se precisar, espero o dia inteiro...
— Computador — disse Zaphod, que havia tentado pensar num raciocínio sutil que convencesse o computador, mas resolveu desistir de continuar lutando com as mesmas armas que ele —, se não abrir essa escotilha agora, eu vou agora mesmo até o seu banco de dados e vou reprogramar você com um porrete desse tamanho, ouviu?
Eddie, chocado, parou para pensar.
Ford continuava contando discretamente. Isso é a coisa mais agressiva que se pode fazer com um computador. É como se aproximar de um ser humano e dizer: Sangue... sangue... sangue.
Afinal, Eddie disse, em voz baixa:
— Pelo visto, todos nós vamos ter que nos esforçar para desenvolvermos um bom relacionamento.
E a escotilha se abriu.
Um vento gélido surpreendeu-os; encolheram-se de frio e desceram a rampa até a poeira morta de Magrathea.
— Aposto que tudo isso vai acabar em lágrimas — gritou Eddie quando eles já se afastavam, e fechou a escotilha.
Alguns minutos depois, ele abriu e fechou a escotilha obedecendo a uma ordem que o pegou completamente de surpresa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)