9 de outubro de 2017

Quarenta e três - Tenho um grand finale

TENTEI DESESPERADAMENTE PENSAR nos meus melhores insultos: Você é um meinfretr. É burro. É feio.
Pois é… meu melhor não era grande coisa, principalmente vindo de um cara que estava literalmente encolhendo ao ser massacrado por Loki.
Torcendo para conseguir inspiração, olhei para os meus amigos de novo. Sam estava com uma expressão austera e determinada, como se de alguma forma ainda acreditasse em mim. Alex Fierro parecia furiosa e desafiadora, como se de alguma forma acreditasse que, se eu fizesse besteira, ela ainda poderia me matar. Blitz tinha desenvolvido um tique nervoso no olho, como se estivesse me vendo destruir um belo trabalho de costura. Hearthstone estava triste e cansado, observando meu rosto como se procurasse uma runa perdida. T.J., Mallory e Mestiço estavam tensos, observando os gigantes ao nosso redor, provavelmente tentando elaborar um plano B no qual o B significava o Burro do Magnus.
Por fim, meu olhar encontrou o de Sigyn, de pé discretamente atrás do marido, as mãos entrelaçadas, os estranhos olhos vermelhos fixos em mim como se ela estivesse esperando.
Mas o que estava esperando? Sigyn ficou ao lado do marido quando todo mundo o abandonou. Durante séculos, cuidou de Loki, impedindo da melhor maneira possível que o veneno da cobra caísse no rosto dele, apesar de ter sido traída, maltratada e ignorada. Mesmo agora, Loki mal lhe dava atenção. Sigyn era leal além da conta. Mas, na caverna de Loki, durante a cerimônia de casamento do gigante Thrym, eu tive quase certeza de que ela distraiu o marido em um momento crítico para impedir que ele me matasse e matasse meus amigos.
Por que ela desafiaria o marido assim? O que queria? Era quase como se estivesse trabalhando por debaixo dos panos para miná-lo, como se quisesse atrasar o Ragnarök e ver o marido de volta à caverna, preso às pedras e sofrendo.
Talvez Loki estivesse certo. Talvez ele não pudesse confiar em ninguém, nem mesmo na esposa.
Em seguida, pensei no que Percy Jackson me disse no convés do USS Constitution: que minha maior força não estava em meu treinamento, mas sim na minha equipe.
Um vitupério deveria minar a confiança do adversário, insultá-lo até não sobrar nada. Mas eu era um curandeiro. Não diminuía as pessoas, eu fazia com que elas se sentissem bem. Não podia jogar pelas regras de Loki e esperar vencer. Tinha que jogar pelas minhas regras.
Respirei fundo.
— Quero falar sobre Mallory Keen.
O sorriso de Loki vacilou.
— Quem é essa e por que deveria me importar?
— Que bom que você perguntou. — Eu projetei a voz com o máximo de volume e confiança que meus pulmõezinhos permitiam. — Mallory Keen sacrificou a vida para corrigir o próprio erro e salvou várias criancinhas da morte! Agora, é a lutadora mais corajosa e a melhor xingadora de Valhala. Ela mantém o andar dezenove unido mesmo quando queremos matar uns aos outros! Algum de vocês pode alegar ter o mesmo nível de camaradagem?
Os gigantes se remexeram com inquietação. Os draugrs se olharam como quem diz: Sempre quis matar esse cara, mas ele já está morto.
— Mallory abriu as portas da caverna de Suttung só com duas facas! — continuei. — Derrotou os nove escravos de Baugi sem nada além da lábia e de uma pedra! E quando descobriu que era filha de Frigga, conseguiu se segurar e não atacou a deusa!
— Ooh… — Os gigantes assentiram com apreciação.
Loki balançou as mãos, descartando minhas palavras.
— Acho que você não entendeu como funciona um vitupério, garotinho. Essas coisas não são nem insultos
— Vou contar agora sobre Mestiço Gunderson! — gritei mais alto do que ele. — Um grande berserker, a glória de Fläm! Ele conquistou reinos com Ivar, o Sem-Ossos. Matou sozinho o gigante Baugi, salvando sua cidade natal e dando orgulho à sua mãe! Guiou nosso barco com firmeza e precisão pelos nove mundos, o machado provocando mais danos do que a maioria dos batalhões. E fez tudo isso sem camisa!
— E ele fica muito bem assim — murmurou outro gigante, cutucando o abdome do berserker.
Mestiço deu um tapa na mão dele.
— E os feitos de Thomas Jefferson Jr.! — gritei. — São dignos de qualquer salão viking! Ele partiu para cima do inimigo, sob uma chuva de balas, para encontrar sua nêmese, Jeffrey Toussaint, cara a cara. Morreu enfrentando um desafio impossível, como um valoroso filho de Tyr! Ele é o coração e a alma da nossa equipe, uma força motivadora que nunca falha. Derrotou o gigante Hrungnir com seu Springfield 1861 de confiança e carrega o estilhaço do coração do gigante acima do olho como medalha de honra. E também pode acender fósforos!
— Hum… — Os gigantes assentiram, sem dúvida pensando em como isso seria útil para acender os cachimbos nos ventos frios de Niflheim.
— E Blitzen, filho de Freya! — Eu sorri para meu amigo anão, cujos olhos estavam ficando úmidos. — Ele superou Eitri Júnior nas forjas de Nídavellir. É um dos estilistas mais arrojados dos nove mundos. Ele costurou a bolsa de boliche mágica de Miúdo! Enfrentou o dragão Alderman de mãos vazias e forçou o monstro a recuar. Suas gravatas de aço inoxidável patenteadas e seus Expande-Patos são o pesadelo dos gigantes!
Vários gigantes choramingaram em concordância apavorada.
— Pare com isso! — disparou Loki com rispidez. — Isso é ridículo! O que é toda essa… essa positividade? Magnus Chase, seu cabelo continua horrível e suas roupas…
— Hearthstone! — Era imaginação minha ou eu estava ficando mais alto de novo? Parecia que agora podia encarar os olhos do meu oponente sem inclinar a cabeça. — O maior mago de runas dos nove mundos! Sua bravura é lendária! Ele está disposto a sacrificar qualquer coisa pelos amigos. Superou os mais terríveis desafios: a morte do irmão, o desprezo da família…
Minha voz falhou de emoção, mas Loki não falou no instante de silêncio. A plateia ficou me olhando com expectativa, alguns com lágrimas nos olhos.
— O pai dele virou um dragão — continuei. — Mas Hearthstone o enfrentou, enfrentou seus piores pesadelos e saiu vitorioso, quebrando uma maldição, destruindo o ódio com compaixão. Sem ele, nós não estaríamos aqui. Ele é o mais poderoso e mais amado elfo que conheço. Ele é meu irmão.
Hearthstone colocou a mão sobre o coração. O rosto dele estava tão cor-de-rosa quanto o lenço que Alex lhe dera.
O capitão Hrym fungou. Parecia que ele queria dar um abraço em Hearthstone, mas estava com medo de a atitude não pegar muito bem na frente da tripulação.
— Samirah al-Abbas — falei. — Filha de Loki, mas muito melhor que o pai!
Loki riu.
— Como é que é? Essa garota nem…
— Valquíria escolhida a dedo por Odin para executar as missões mais importantes! — As palavras estavam saindo com facilidade. Eu sentia um ritmo nelas, uma cadência incontrolável, uma certeza. Talvez fosse por causa do hidromel de Kvásir. Ou talvez fosse porque eu estava falando as coisas mais verdadeiras que conhecia. — Vocês sentiram a lança de luz dela queimar suas tropas no combate! Sua persistência é de aço. Sua fé, resoluta. Ela superou o domínio do pai! Salvou nosso navio dos temíveis vatnavaettir! Voou mais rápido do que o grande Baugi em sua forma de águia, levando o hidromel de Kvásir para nossa tripulação! E fez tudo isso durante o jejum do ramadã!
Vários gigantes arquejaram. Alguns colocaram a mão na garganta ao perceber o quanto estavam com sede.
— Samirah — resmungou Loki —, vire lagarto e vá embora, minha querida.
Sam franziu a testa para ele.
— Não, pai. Não vou fazer isso. Por que não vai você?
— Oooh! — Alguns gigantes até aplaudiram.
Eu com certeza estava mais alto agora. Ou, esperem… Loki estava ficando mais baixo.
Mas ainda não era o suficiente. Eu me virei para Alex.
— Vou contar sobre Alex Fierro!
— Deixando o melhor para o final, é? — perguntou Alex, em tom de desafio.
— Ela é nossa arma secreta! O terror de Jórvík! A criadora de Pottery Barn, o guerreiro de cerâmica!
— Eu comprei uns jogos americanos lindos nessa loja — murmurou um dos gigantes para o colega ao lado.
— Na mansão dos Chase, ele decapitou um lobo com apenas um fio, depois bebeu suco de goiaba no chifre dos meus ancestrais!
— Ele? — perguntou um gigante.
— Deixa pra lá — disse outro.
— Ela uma vez decapitou Grimwolf, o lindwyrm mais velho! — continuei. — Derrotou a bruxaria de Utgard-Loki em um torneio de boliche dos horrores! Ganhou a confiança e a afeição da deusa Sif! Ela me manteve vivo pelo mar congelado de Niflheim, e quando me beijou debaixo daquele cobertor ontem… — Encarei os olhos bicolores de Alex. — Bom, foi a melhor coisa que já aconteceu comigo.
Eu me virei para encarar Loki. Meu rosto estava quente. Talvez eu tivesse falado um pouco mais do que deveria, mas não podia deixar que isso atrapalhasse meu ânimo.
— Loki, você perguntou quem eu sou. Eu sou parte dessa equipe. Sou Magnus Chase do andar dezenove do Hotel Valhala. Sou filho de Frey, filho de Natalie, amigo de Mallory, de Mestiço, de T.J., de Blitzen, de Hearthstone, de Samirah e de Alex. Essa é minha família! Essa é minha othala. Eu sei que eles sempre vão me apoiar, e é por isso que estou aqui de pé, triunfante, no seu navio, cercado pela minha família, e você… mesmo em meio a milhares, você… ainda… está… sozinho.
Loki sibilou. Recuou de cara feia até um muro feito de draugrs.
— Eu não estou sozinho! Sigyn! Querida esposa!
Sigyn tinha sumido. Em algum momento durante o vitupério, ela devia ter se misturado com a plateia. Esse ato silencioso falou mais alto do que séculos de abuso.
— Alex! Samirah! — Loki tentou dar um sorriso confiante. — Venham, minhas queridas. Vocês sabem que eu amo vocês! Não sejam difíceis. Matem seus amigos por mim e tudo será perdoado.
Alex ajeitou a capa de pelo verde por cima do colete.
— Foi mal, mãe. Mas não vai rolar.
Loki foi até Samirah, que o fez parar com a ponta da lança. O trapaceiro estava com menos de um metro de altura agora. Ele tentou mudar de forma. Pelo surgiu na testa dele. Escamas de peixe apareceram nas costas das mãos. Nada pareceu durar.
— Você não pode se esconder de si mesmo, Loki. Independentemente da forma que assumir, ainda é você: sozinho, desprezado, amargo, sem fé. Seus insultos são vazios e desesperados. Você não tem a menor chance contra nós, porque você não tem um nós. Você é Loki e está sempre sozinho.
— Eu odeio vocês! — gritou o deus, com cuspe voando da boca. Escorria ácido de todos os poros, chiando ao bater no convés. — Nenhum é digno da minha companhia e muito menos da minha liderança!
Conforme Loki foi encolhendo, seu rosto repleto de cicatrizes ondulou, se contorcendo de raiva. Ácido fumegava em poças em volta dele. Eu me perguntei se era todo o veneno que a víbora de Skadi pingou nele ao longo dos séculos ou se era apenas parte da própria essência de Loki. Talvez Sigyn tivesse tentado proteger Loki da cobra porque sabia que o marido já era cheio de veneno. Ele mal conseguia impedir que sua forma humana se liquefizesse na substância.
— Você acha que seu discurso de amigos felizes significa alguma coisa? — rosnou ele. — Está na hora de um abraço de grupo agora? Vocês me deixam com nojo!
— Você vai ter que falar mais alto. É difícil ouvir você aí embaixo.
Loki andou de um lado para outro e resmungou, com poucos centímetros de altura agora, pisando em poças do próprio veneno.
— Eu vou matar você lentamente! Vou mandar Hel torturar o espírito de todo mundo que você ama! Vou…
— Fugir? — perguntou Samirah, bloqueando Loki com a ponta da lança quando ele correu para a esquerda.
Ele disparou para a direita, mas Alex esticou a bota rosa de esqui para impedi-lo.
— Não mesmo, mãe — disse Alex. — Eu gosto de você aí embaixo. E agora, Mallory Keen tem um lindo presente de despedida para você.
Mallory se aproximou dando pulinhos e pegou a noz.
— Não! — gritou Loki. — Não, vocês não ousariam! Eu nunca…
Mallory jogou a noz para cima do deus em miniatura. A casca se abriu e puxou Loki com um barulho horrível de sucção, depois se fechou de novo. A noz sacudiu e tremeu no convés. Uma vozinha gritava obscenidades lá dentro, mas a casca permaneceu fechada.
Os gigantes franziram a testa para a noz.
O capitão Hrym pigarreou.
— Ora, isso foi interessante. — Ele se virou para mim. — Parabéns, Magnus Chase! Você venceu esse vitupério de forma justa. Estou impressionado! Espero que aceite minhas desculpas, pois vou ter que matar todos vocês agora.


8 comentários:

  1. "A plateia ficou me olhando com expectativa, alguns com lágrimas nos olhos." Eu entre elas "-"

    ResponderExcluir
  2. "Ela me manteve vivo pelo mar congelado de Niflheim, e quando me beijou debaixo daquele cobertor ontem… — Encarei os olhos bicolores de Alex. — Bom, foi a melhor coisa que já aconteceu comigo"

    Aaaawwwwnnnnn♡♡♡♡♡♡♡♡

    ResponderExcluir
  3. MAGNUS CHASE!
    SIM VC FALOU DEMAIS AGORA ALEX VAI TE MATAR E EU VOU RIR HAHAHA 😢

    ResponderExcluir
  4. Bardos cantarão sobre esse acontecimento Chase, garantirei isso

    ResponderExcluir
  5. Damon Herondale(filho de Zeus)16 de outubro de 2017 00:56

    Pareceu que ele tava falando só da amizade, mas ele tbm estava desmentindo tudo que Loki disse sobre ele. Mandou bem garoto! Realmente! Sua lábia compensa o fato de vc ser fraquinho!

    ResponderExcluir
  6. MELHOR CAPITULO DE TODOS!!!!

    ResponderExcluir
  7. Melhor capítulo até agora... Exceto pelo do beijo, claro.😏😏😏 Magnus conseguindo ganhar Loki no próprio jogo, quem diria?🤤🤤🤤

    E o público, cara... Toda vez que eu lia o OOOOOOHHHHH imaginava alguém gritando TURN DOWN FOR WHAT! 😎😎😎

    Ass.: Mutta Chase Herondale

    PS.: Karina, será que n poderia disponibilizar as opções de avaliação do capítulo pra celular tb? Eu ficaria MT grata, pq eu queria MT poder votar em "amei" e "morri de rir" (umas mil vezes!🤣🤣🤣). — Obrigada por postar esses livros aqui. Eu estava LOUCA para ler mas não tenho dinheiro para comprar o livro ainda. 😁😁😁

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não dá, a versão de celular é automática do Blogger...

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)