4 de novembro de 2017

Divulgação: Heistfhall - O princípio do Caos


Sinopse:
Will não sabia como a situação havia chegado a esse ponto, mas quem poderia saber?
Ser acordado milhares de anos após a morte dos Deuses, após a sua própria queda perante o caos para treinar garotas? Mesmo sabendo que sua sorte nunca poderia ser tão boa, que o destino não permitiria, ele resolveu acreditar, mas antes mesmo que conseguisse fazer qualquer coisa, o caos resolve voltar e trazer com ele a destruição do mundo, mais uma vez.
Will se vê preso entre sair e lutar contra o caos ou ficar, aproveitando sua sorte enquanto ela dura, relembrando as tormentas do passado e todas as suas perdas.
Mal sabe ele que velhos amigos estão voltando, mas desta vez como inimigos, inimigos poderosos.
O destino lhe deu mais uma chance, mas ele decide não se entregar novamente, nem mesmo quando o amor resolve bater em sua porta. A morte dela ainda dói muito e sua culpa é ainda maior.
O grande semideus que virou a maior lenda na mente dos humanos foi esquecido quase que completamente, mas não pelos demônios, estes nunca esquecem.
Mas contrariando a tudo e todos, ele se permite ter um resquício de esperança e resolve seguir em frente, mesmo sabendo que o que o espera no fim é a morte, a morte daqueles que ama e a sua própria.
Lutar contra o caos, carregar o peso do mundo e ao mesmo tempo lidar com as seis mais impossíveis garotas que já conheceu, ao mesmo tempo em que encarra seus melhores amigos, seus irmãos, em batalhas mortais?
Ele pensou que conseguiria, mais uma vez ele pensou que conseguiria, mas aqui está ele, com a visão escurecendo, com um espinho de gelo empalando-o no chão, tirando lentamente suas forças, sua vida, e obrigando-o a ver aquela para quem já estava decidido a entregar seu coração, mais uma vez, morrer diante de seus olhos.

Categorias: ficção, aventura, mitologia, história original
Autor: Igor Benedet


______________________________

Prólogo


As chamas da lareira crepitavam em meio ao silêncio da velha casa de madeira. Nada se mexia, nem mesmo o vento ousava chacoalhar as persianas de madeira, o piso de madeira velha não emitia um único ruído mediante as duas cadeiras que se remexiam.
O próprio mundo prendia o fôlego.
Tão velha era a mulher sentada na primeira cadeira, que podia ser chamada de anciã e tamanho era seu ódio, que seus olhos brilhavam em um verde intenso em um desafio mudo as chamas, que lançavam sombras alongadas por toda a casa.
- Eu avisei a eles. – Disse a velha com uma voz rouca por falta de uso, pois há muito tempo não falava com ninguém, nem mesmo se lembrava de quando fora a última vez, mas sabia que havia sido em sua juventude. – Nós avisamos, mas eles não nos deram ouvidos.
O espectro negro se remexeu desconfortável em sua cadeira, mas o chão ainda assim não emitiu ruídos. Mesmo poderoso como era, até mesmo ele temia aquela anciã. Ele não desviou os olhos da mulher, nem mesmo para as chamas vorazes em seu lado direito.
Ele não podia se dar ao luxo de perder nada, não agora que já estava tão próximo e caso olhasse mesmo que de esguelha para as chamas, tudo estaria perdido.
Mesmo não tendo uma alma, um espírito ou mesmo um corpo real, as chamas eram perigosas, quase tanto quanto a mulher em sua frente. Seu calor era ilusório e o fato de querer tanto se aproximar era ainda mais perturbador.
- Eu disse que ele iria cair. – Continuou a anciã encarrando o espectro, mas ele não a olhava nos olhos, era perigoso de mais. – Nós avisamos que ele destruiria tudo, mas os Deuses não quiseram ouvir. Nem mesmo quando ele nasceu do caos, nem mesmo quando ele atraiu aquele maldito lobo para si.
O espectro lutava contra a vontade de olhar para os olhos da anciã, mas forçou seus olhos a ficarem na linha da boca dela e embora às vezes subissem para o nariz, nunca passavam disso.
O frio era tão grande a própria escuridão que formava seu corpo estava congelando, seu hálito fantasma mal pairava no ar antes de se transformar em uma chuva de gelo.

- O grande Willian. – Disse a mulher com amargura. – Essa foi à aposta dos Deuses. Uma criança destinada a destruí-los, uma semente do caos plantada no seio do Olimpo.
A mulher sorriu e seu hálito fétido parecia ácido ao sair de sua boca e congelar no ar. O chiado que fez parecia o de mil demônios sibilando juntos, mas foram as próximas palavras que causaram medo no espectro, medo e hesitação.
- Nós previmos a destruição. – Disse a anciã levantando-se. As juntas de seus ossos estalavam com o frio, mas esse era todo o barulho do local. – Quando ele escolher o amor no lugar dos Deuses, quando escolher viver neste mundo, a luz vai sucumbir à escuridão e o caos vai voltar.
O espectro prendeu a respiração esperando as próximas palavras que custaram a vir, mas tão poderosas eram que mal foram proferidas.
A queda da luz começou quando ele nasceu– Disse a anciã com um sorriso sombrio. – A chama do Olimpo queima tão fria quanto o próprio Limbo. Não há mais salvação.
- Eu sou Destino. – Disse a anciã. Sua voz saiu como um desafio ao gelo que os rodeava e esquentou quase que imperceptivelmente o ambiente, as chamas brilharam poderosas, mas logo em seguida o frio voltou ainda mais forte e aterrador, como se este fosse um último suspiro dos mortos. – Nada pode lutar contra mim, nem mesmo os Deuses conseguiram. Eu também sou Héstia, a senhora do fogo Olimpiano.
Mais uma vez o espectro prendeu a respiração, mas dessa vez até mesmo o fogo parou de crepitar em antecipação.
- Como protetora da chama da vida e do destino imutável. – Disse ela com um sorriso ainda mais sombrio. – Declaro que os Deuses morreram, que o mundo será tomado pelo caos e que ele já está aqui. Sempre esteve aqui.
- Lennus é e sempre foi. – Disse a anciã. – Willian é e sempre foi... O princípio do caos.
O espectro saiu rapidamente da casa, pois a risada estridente da velha tornou as chamas negras, e sua energia maligna tomou conta da casa enquanto o sibilar demoníaco tomava conta do grande abismo.
A casa queimou em chamas negras e a risada maligna acompanhou o espectro com uma promessa que o fez rir também, juntando a sua risada ao crepitar das chamas negras, que transformavam o abismo em um inferno ainda pior.


Capitulo I - Lamhael


O Castelo de Lennus á muito foi esquecido e tornou-se apenas mais uma lenda na vida dos humanos de Asvengard, mas nem todos se esqueceram dos tempos antigos e ainda acreditam que todas as lendas têm um fundo de verdade, pois sabem que muitas ainda caminham sobre a terra e são responsáveis por manter viva a crença nos antigos Deuses. 
            Por muitos anos o silêncio reinou no castelo de Lamhael, mas hoje estava sendo rasgado pelo som de passos que insistiam em ecoar pela sala do trono e marcar o mármore coberto de poeira. O castelo que há mais de três mil anos fora tão majestoso e cheio de luz, hoje se perde em meio às ruinas das guerras do caos que devastaram o mundo e extinguiram a luz, causando a segunda queda dos Deuses e destruindo a esperança dos humanos. 
Ellain Trefhalls andou a passos lentos examinando o antigo salão dos Deuses e imaginando como seria se ainda estivesse inteiro. A sala do trono era oval e tão grande que parecia ter sido feita para abrigar gigantes, pontilhada com colunas em toda sua circunferência que sustentavam o teto abobadado de onde pendiam partes de uma velha claraboia de cristal, e logo abaixo da claraboia, em meio à poeira, podia-se ver partes de um grande círculo mágico.
Quando Ellain finalmente se viu diante do trono da Luz, sua empolgação começou a crescer. 
- Brian nós encontramos, realmente encontramos. – Falei empolgada. 
- Sim El, eu sinto uma grande quantidade de magia pairando no ar. – Disse Brian avaliando o local. 
Olhei a sala por mais alguns segundos e rezei para todos os Deuses que um dia existiram pedindo que dessa vez eu estivesse certa. 
- De acordo com a lenda ele vai estar no ultimo nível do castelo selado em uma tumba por sua própria magia. - Falei pensando em todas as provações que teríamos que enfrentar para chegar lá. 
- O problema é chegar até lá. – Disse Brian como se lesse minha mente. - O chão é feito de mármore sólido fortificado com magia natural, nem mesmo nós dois juntos conseguiríamos fazer um aranhão se quer. 
 Brian procurava por qualquer indício de uma passagem secreta, mas não havia nada, nem mesmo no trono da luz, que nos indicasse como chegar aos níveis inferiores.  
Brian começou a procurar nas colunas, mas nossa exploração ia de mal a pior, pois as únicas coisas que podíamos ver eram as colunas, o trono a poeira e... 
- O Círculo Mágico! - Falamos em uníssono.  
Comecei a correr e quando cheguei ao círculo, Brian já estava limpando a poeira que o encobria usando magia de ar.  
- Aurae. - Recitou ele criando poderosas rajadas de vento e limpando toda a extensão do círculo em segundos. 
            O círculo ocupava a parte central da sala do trono e impressionava com mais de quarenta metros em toda a sua extensão. Formado por seis círculos sobrepostos seguindo em ordem decrescente, tinha treze esferas, sendo duas para cada círculo, posicionadas de modo que formassem um padrão estranho de foices interligadas, com runas talhadas em todos os lugares de modo que convergissem no centro. 
As runas estavam fora de ordem e se conseguíssemos coloca-las nos lugares certos talvez o círculo fosse ativado. Olhei para Brian e ele me encarrou de volta. Ele havia percebido a mesma coisa e assentindo, começou a usar decodificação mágica. 
- Decodificação magica não funciona El. Vamos ter que usar energia pura para mover as runas. – Disse ele analisando o chão. - Mas como é que vamos ativar o círculo se nem sabemos o seu significado.  
Brian tentou de novo e falhou novamente. Comecei a olhar o todo e não apenas as runas, aqueles seis círculos tinham alguma coisa de familiar. Repassei em minha mente todos aqueles livros que li sobre Lamhael, mas não consegui lembrar onde já tinha visto aquela imagem. Seis círculos decrescentes com duas esferas em cada círculo. 
- Os seis círculos Lumi! – Gritei. – O círculo representa os seis caminhos da luz.  
Brian me olhou com espanto e começou a estudar as esferas. Cada tinha uma runa gravada no centro, representando assim os doze Deuses antigos, e eu conhecia aquelas runas, todas eram mencionadas nas lendas, então se cada Deus fosse colocado em seu lugar o círculo voltaria a girar.  
Começamos a infundir energia no círculo para girar as esferas e quando a última foi para o seu lugar no topo do círculo, as runas se alinharam e ele foi ativado, cada círculo girando para lados contrários e se abrindo em uma grande escada circular. 
Descemos as escadas com tanta presa que fiquei surpresa por não termos caído e quebrado o pescoço. A escada dava acesso a outro salão que parecia um templo, com estátuas de doze metros de altura sentadas e alinhadas formando um U. Olhei para todas as estátuas com rostos imponentes e senti uma onda de felicidade me invadir. Agora eu tinha certeza que estávamos no lugar certo. 
- O Salão dos Deuses, é perfeito. – Falei maravilhada. 
- El, olha isso aqui -- Apontou Brian que estava aos pés da estátua de Zeus. 
- O Raio de Zeus. – falei me abaixando para olhar uma pequena escultura partida ao meio.  
Olhando em volta das outras estatuas encontrei outros símbolos, que como o primeiro estavam quebrados, mas decidimos leva-los conosco, então os coloquei em minha bolsa afinal, eles não estariam em um lugar como esse apenas como decoração. Com esse pensamento alimentando nossa esperança, caminhamos até o centro do salão e descemos por mais uma escada circular até o terceiro e último nível. 
            O terceiro nível era uma sala pequena se comparada às outras, mas sem sombra de dúvidas era a mais impressionante. No centro da sala havia um altar com uma tumba, feita do que parecia ser diamante, com doze pedestais ao seu redor formando um U.  
Aproximei-me da tumba onde estava selado um garoto. Deveria ter no máximo dezesseis anos e estava completamente nu. 
- El a quantidade de magia que vem desse garoto e colossal. - Disse Brian. - Me impressiona o fato de o castelo ainda não ter ido pelos ares. 
            A onda de felicidade que me atingiu foi tamanha que parecia que meu peito ia explodir. 
- Eu sabia, é Lennus o Deus da luz. – Falei apontando para a tumba. 
Brian estava parado em frente ao altar usando magia de rastreamento para descobrir o material do selo. 
- È feito de magia pura sem indicio Elemental. – Disse ele. 
- Então é impossível quebrar o cristal sem destruir o que está dentro. – Falei encarando-o. 
Brian levantou uma sobrancelha. 
- Com essa quantidade de energia nós não conseguiríamos nem aranhar o cristal. – Devolveu ele. 
Droga, como é que se quebra um selo divino? 
 Brian olha os pedestais e começa de novo o rastreamento. 
- Pedra, mármore para ser mais preciso. – Ele piscou duas vezes e o brilho da magia em seus olhos sumiu. 
Comecei a usar magia de rastreamento também, mas a única coisa para encontrar era pedra e mais pedra. Depois de mais de uma hora procurando uma solução, eu já estava ficando nervosa. 
- Tem que ter um jeito, alguma coisa que a gente não viu, qualquer coisa para quebrar o selo. – Resmunguei. 
Brian deu pulo e me encarrou chocado. 
- Quantos símbolos nós temos?  - Ele me encarrou animado. 
- Doze. – Falei encarando-o. - Um para cada Deus, por quê?           
Tirei os símbolos da minha bolsa e os coloquei no chão. 
 - São doze pedestais EL, um para cada símbolo. – Disse Brian com um sorriso. 
Como sou burra, esqueci completamente dos símbolos, agora só falta colocar todos em ordem e finalmente quebraríamos o... 
- Eles estão quebrados. - Falou Brian examinando o relâmpago. - Só pode ser brincadeira todo esse trabalho para nada. 
Agora sim me desesperei, tantos anos de pesquisa para no fim ser derrotada por um maldito pedaço de pedra. 
- Ahhhh. - Berrei chutando o primeiro pedestal que explodiu diante da fúria da minha sapatilha. Eu já estava a ponto de gritar de novo quando Brian começou a rir. 
- O que foi? Se for começar a rir de mim eu cancelo a sua invocação. – Gritei fuzilando-o com o olhar. 
Olhei irritada para ele que se sentou e se contorceu de tanto rir. Deve ter limpado metade do salão até que conseguiu falar. 
- Olha a base do pedestal. – Disse ele entre as risadas. 
Só podia ser brincadeira. Havia três frases escritas em meio aos entulhos. “Se a chave está quebrada nada mais á para se fazer a não ser quebrar a porta. 
Devo ter feito uma cara estranha por que a onda de risadas recomeçou. Mas pensando bem, já que está tudo em ruínas um buraco aqui outro ali não faria muita diferença não é mesmo? 
- Essa sua sapatilha deve ser magica, nem os cavalos da escola conseguiriam quebrar uma coluna de mármore com tanta eficácia. – Disse Brian secando os olhos. 
- Acho que quando voltarmos para a escola vou quebrar outra coluna com um chute. - Levantei uma sobrancelha e lancei a ele um olhar inocente.  
Comecei a chutar as outras até que Brian se levantou e veio me ajudar. Quando Brian quebrou a última, todos os pedaços de mármore se juntaram formando círculos de pedregulhos no lugar dos pedestais. 
Brian limpou a outra metade da tumba. Comecei a colocar cada símbolo de poder em seus pedestais, partindo do meio e organizando cada um por ordem de importância.  
Quando o último foi posto em seu lugar a rocha partida começou a brilhar os símbolos de poder ganharam vida novamente. A magia liberada por eles era tamanha que chegava a ser visível e se espalhava em ondas pela tumba. Todos os símbolos começaram a girar e subiram no ar formando um círculo magico dourado. A luz que fluía deles era tão intensa que tive que me virar de costas e cobrir os olhos. 
O cristal que agora estava as minhas costas explodiu em uma supernova tão luminosa que mesmo com os olhos fechados a luz ainda irritava minha retina. 
__________________________________

Deixe sua opinião nos comentários!

Contato: drakarismcd9@gmail.com

11 comentários:

  1. karina como lê o segundo capitulo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem no watpad o livro completo.

      Excluir
  2. Respostas
    1. ah não ja tinha outro, carinha triste

      Excluir
  3. Gostei realmente quero ler o livro completo qndo vc ira postar please

    ResponderExcluir
  4. quando ira postar esse livro completo?

    ResponderExcluir
  5. Gente, esta é uma divulgação, não postarei mais capítulos. Para ler o restante, entrem em contato com o autor através do e-mail ali em cima!

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito, não vejo a hora de ter o livro. Parabéns ao autor pelo trabalho

    ResponderExcluir
  7. Bacana, vou ler toda a história

    ResponderExcluir
  8. Para quem quiser o livro completo https://www.wattpad.com/user/user45608206

    ResponderExcluir
  9. Muito bacana este capítulo, vou adquirir o livro o autor está de parabéns...

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)