25 de julho de 2017

Capítulo um

— JÁ PENSOU SOBRE FORMIGAS alguma vez? — Amyus Crowe perguntou.
Sherlock balançou a cabeça.
— Além do fato de que atacam sanduíches de geleia em piqueniques, não posso dizer que prestei muita atenção nelas.
Os dois estavam na região rural de Surrey. O calor do sol pesava nas costas de Sherlock como um tijolo. O cheiro forte de flores e de feno recém-colhido pairava no ar.
Uma abelha passou zunindo perto de sua orelha, e ele se encolheu. Com relação às formigas ainda se sentia meio ambivalente, mas abelhas o assustavam.
Crowe riu.
— Qual é o problema dos ingleses com sanduíches de geleia? — perguntou entre uma gargalhada e outra. — Juro, a Inglaterra tem um paladar infantil que não se vê em nenhum outro país. Pudins, sanduíches de geleia, feitos com pão sem casca, é claro, e vegetais tão cozidos que mais parecem purê de sabores variados. Comida que não exige dentes.
Sherlock se sentiu um pouco irritado.
— E o que há de tão maravilhoso na comida americana? — perguntou, mudando de posição na pedra em que estava sentado.
Diante dele o terreno se inclinava gradativamente, descendo até um rio distante.
— Filés — Crowe respondeu com simplicidade. Ele estava apoiado no muro que terminava na altura de seu peito. Seu queixo quadrado descansava sobre os braços dobrados, e o chapéu de aba larga protegia os olhos do sol. Ele usava seu habitual terno de linho branco. — Grandes filés grelhados na brasa. Grelhados direito, com a parte de fora crocante, e não mole como a dos filés franceses, que parecem ter sido passados rapidamente sobre uma vela acesa. E nada de bifes nadando em um molho cremoso e alcoólico, como também apreciam os franceses. Não é preciso ter o cérebro de um arcebispo para cozinhar e servir um filé adequadamente, então, por que ninguém fora dos Estados Unidos consegue preparar esse prato direito? — Ele suspirou, e sua natureza normalmente alegre deu lugar a uma inesperada tristeza.
— Sente saudades da América? — Sherlock perguntou.
— Estou longe de casa há mais tempo do que deveria, e sei que Virginia também sente saudades do nosso país.
Sherlock imaginou a filha de Crowe, Virginia, montada em sua égua Sandia, com os cabelos cor de cobre soltos dançando em suas costas como uma chama.
— Quando vai voltar? — ele perguntou, esperando que não fosse em breve.
Havia se habituado à presença de Crowe e Virginia. Gostava de tê-los por perto desde que viera morar na casa dos tios.
— Quando meu trabalho por aqui acabar. — Um sorriso largo iluminou o rosto enrugado, marcado pelo tempo, anunciando mais uma mudança de disposição. — E quando tiver certeza de que cumpri o que prometi a seu irmão, ensinando a você tudo o que sei. Agora vamos falar sobre formigas.
Sherlock suspirou, resignado com mais uma das aulas improvisadas de Crowe. O americano grandalhão era capaz de pegar qualquer coisa ao redor, fosse na área rural, na cidade ou na casa de alguém, e usar como ponto de partida para uma questão, um debate ou um problema lógico. Isso estava começando a irritar Sherlock.
Crowe esticou o corpo e olhou em volta e para trás.
— Acho que vi algumas delas por aqui — disse, caminhando até um pequeno monte de terra seca sobre a grama.
Sherlock não se deixava enganar pela aparente casualidade. Ele provavelmente vira as formigas quando estavam subindo a encosta e arquivara a informação para usá-la na próxima sessão de treinamento.
Sherlock pulou do assento improvisado e caminhou até onde Crowe estava parado.
— Um formigueiro — disse com pouco entusiasmo.
Pequenos seres escuros vagavam a esmo em torno do monte de terra.
— Sim, de fato. O sinal externo de que há uma rede complexa de pequenos túneis subterrâneos, canais que as criaturinhas escavaram pacientemente. Em algum lugar abaixo da superfície há milhares de pequeninos ovos brancos, todos postos por uma formiga rainha que passa a vida no subterrâneo, sem nunca ver a luz do sol.
Crowe se abaixou e fez um gesto convidando Sherlock a imitá-lo.
— Veja como as formigas se movem — ele falou. — O que acha disso?
Sherlock observou-as por um momento. Não havia duas formigas seguindo na mesma direção, e todas pareciam mudar de rumo sem aviso prévio, sem motivo aparente.
— Elas se movem aleatoriamente — ele disse. — Ou estão reagindo a algo que não conseguimos ver.
— A primeira explicação é a mais provável — respondeu Crowe. — O nome disso é “andar do bêbado”, e é uma ótima maneira de percorrer a área de forma rápida, se você estiver procurando alguma coisa. Muitas pessoas, quando vasculham um lugar, andam em linha reta, cruzando o terreno em diagonais, ou dividem o território em uma espécie de grade e analisam cada quadrado por vez. Em geral, essas técnicas resultam em sucesso, mas as chances de encontrar o que se está procurando rapidamente são bem maiores quando se adota esse caminhar aleatório. O nome é “andar do bêbado” — acrescentou — porque é muito parecido com o jeito de caminhar de um homem que bebeu uísque demais: cada perna indo para um lado e a cabeça se movendo em outra direção, completamente diferente. — Ele tirou alguma coisa do bolso do paletó. — Mas voltemos às formigas: quando encontram algo que interessa, veja o que fazem.
Ele mostrou a Sherlock o que tinha na mão. Era um pote de cerâmica com um papel encerado preso ao gargalo por um barbante.
— Mel — Crowe explicou antes que Sherlock pudesse perguntar. — Comprei no mercado. — Ele retirou o barbante e o papel encerado. — Peço desculpas se isso traz lembranças ruins.
— Não se preocupe — Sherlock disse, ajoelhando-se ao lado do americano. — Devo perguntar por que anda por aí com um pote de mel no bolso?
— Nunca se sabe o que pode vir a ser útil — respondeu Crowe sorrindo. — Ou talvez eu tenha planejado tudo isso com antecedência. Você escolhe.
Sherlock apenas balançou a cabeça e sorriu.
— Mel é em grande parte feito de açúcar, além de mais um monte de outras coisas. Formigas adoram açúcar — Crowe continuou. — Elas o levam de volta ao ninho para alimentar a rainha e os filhotes que saem dos ovos.
Crowe mergulhou o dedo no mel, que Sherlock notou estar fluido por conta do calor da manhã ensolarada, e deixou cair uma gota brilhante e farta, que ficou pousada na grama por alguns momentos, antes de escorrer para a terra e se espalhar em fios brilhantes.
— Vamos ver o que as formigas vão fazer.
Sherlock viu as criaturinhas continuarem em sua perambulação aleatória; algumas escalavam a grama e desciam pelo outro lado, outras caminhavam na terra, vencendo obstáculos que pareciam gigantescos comparados a seu tamanho. Depois de um tempo, uma delas atravessou um fio de mel e parou na metade do caminho. Por um momento, Sherlock pensou que ela havia ficado presa, mas a formiga caminhou pelo mel, foi até a ponta e voltou, depois abaixou a cabeça como se bebesse a substância dourada.
— Ela está recolhendo tudo que consegue carregar — Crowe explicou, em tom casual. — E agora vai voltar para o ninho.
De fato, a formiga parecia estar refazendo os próprios passos, mas, em vez de seguir diretamente para o ninho, ela continuava andando para a frente e para trás, para um lado e para o outro. Foram necessários alguns minutos, e Sherlock quase perdeu a formiga de vista algumas vezes quando ela atravessou a trilha traçada por outros grupos, mas, no final, o inseto alcançou o monte de terra seca e desapareceu por um buraco na lateral.
— E agora? — Sherlock perguntou.
— Olhe para o mel — Crowe orientou.
Dez, talvez quinze formigas já haviam descoberto a pequena poça dourada, e todas pegavam amostras. Outras iam se unindo ao grupo. Enquanto mais formigas chegavam à poça, as que já haviam bebido do mel se afastavam, seguindo na direção do ninho.
— O que você percebe? — perguntou Crowe.
Sherlock inclinou a cabeça para enxergar melhor.
— As formigas parecem estar demorando cada vez menos para voltar ao ninho — ele disse, sem muita certeza.
Depois de um tempo, havia duas linhas paralelas de formigas, uma seguindo na direção do ninho, outra caminhando para o mel. O perambular aleatório tinha dado lugar a um movimento cheio de propósito.
— Muito bem — aprovou Crowe. — Agora vamos fazer uma pequena experiência.
Ele enfiou a mão no bolso e pegou um pedaço de papel mais ou menos do tamanho da palma da mão. Crowe se abaixou e pôs o papel no chão, na metade do caminho entre o ninho e o mel. As formigas passavam por cima do papel a caminho do formigueiro como se nem tivessem notado sua presença.
— Como elas se comunicam? — Sherlock perguntou. — Como as formigas que encontraram o mel informam às outras onde ele está?
— Elas não se comunicam — Crowe respondeu. — O fato de algumas formigas estarem voltando com mel é um sinal de que há comida lá fora, mas elas não podem conversar, não podem ler a mente umas das outras e não podem apontar com suas perninhas. O que acontece na realidade é algo muito mais astuto. Deixe-me mostrar o que é.
Crowe abaixou-se e girou o pedaço de papel em um ângulo de noventa graus. As formigas que já estavam sobre ele desceram pela outra margem e pareciam perdidas, vagando sem direção. Mas Sherlock observava, fascinado, que as que ainda subiam no papel, na metade do caminho, repentinamente viravam e tomavam o rumo anterior até chegarem à beirada, então desciam e começavam a perambular de novo.
— Estão seguindo um caminho — Sherlock comentou, surpreso. — Uma trilha que elas conseguem ver, mas nós não. De alguma maneira que não compreendo, as primeiras formigas traçaram esse caminho e as outras o seguiram, e quando você virou o papel elas continuaram, sem saber que agora ele levava a outro local.
— É isso mesmo — Crowe disse em tom de aprovação. — Deve ser algum tipo de substância química. Quando a formiga está transportando comida, ela deixa um rastro químico. Imagine um pedaço de pano impregnado com alguma coisa que tenha um cheiro forte, como anis, preso às patas dela, e as outras formigas, como cachorros, seguindo esse cheiro. Por causa do “andar do bêbado”, a primeira formiga vai perambular por toda a área antes de encontrar o formigueiro. À medida que mais e mais formigas encontrarem o mel, algumas vão seguir por caminhos mais longos até o formigueiro, enquanto outras vão escolher trilhas mais curtas. Com a chegada de mais formigas, os caminhos mais curtos serão reforçados pela química por funcionarem melhor e porque as formigas podem voltar mais depressa, e consequentemente os caminhos mais longos, os que dão mais voltas, desaparecem, por não serem funcionais. Depois de um tempo, o que se percebe é uma rota quase direta. E é possível provar essa teoria com o experimento do pedaço de papel. As formigas continuam seguindo a linha reta, embora ela agora as leve para longe do ninho, não para ele. Depois de um tempo, elas se corrigem.
— Incrível — Sherlock respondeu fascinado. — Nunca imaginei. Não é... inteligência... porque é instintivo e elas não se comunicam, mas parece inteligência.
— Às vezes — Crowe comentou —, um grupo é menos inteligente que um indivíduo. Veja o caso das pessoas: sozinhas podem ser espertas, mas em uma multidão é comum ocorrer tumulto, especialmente se acontecer algum incidente que as incite. Outras vezes, um grupo exibe comportamento mais astuto que um indivíduo sozinho, como vimos aqui com as formigas, ou como em uma colmeia.
Ele se levantou, limpando a grama e a terra de sua calça de linho.
— O instinto me diz — continuou falando — que é quase hora do almoço. Acha que seus tios poriam mais um prato à mesa para um americano faminto?
— Certamente que sim — Sherlock respondeu. — Mas não tenho tanta certeza se a governanta, a Sra. Eglantine, vai ser da mesma opinião.
— Eu cuido dela. Tenho uma reserva de charme infinita para situações de emergência.
Eles voltaram andando pelo campo e por entre árvores, com Crowe apontando moitas de cogumelos comestíveis pelo caminho, reforçando as lições que dera a Sherlock semanas antes. A essa altura o garoto estava certo de sua capacidade de sobreviver na natureza comendo o que encontrasse, sem se envenenar.
Em meia hora eles se aproximavam da mansão Holmes; a casa ampla e imponente erguia-se no meio de um terreno de muitos acres. Sherlock já conseguia ver a janela de seu quarto no alto da casa: um quarto pequeno e de formato irregular sob o telhado inclinado. Não era confortável, e ele nunca ficava ansioso para ir para a cama à noite.
Havia uma carruagem na frente da porta principal; o condutor brincava, descuidado, com seu chicote, enquanto o cavalo ruminava o feno que estava em uma cevadeira presa por uma correia à sua cabeça.
— Visitantes? — perguntou Crowe.
— Tio Sherrinford e tia Anna não mencionaram convidados para o almoço — respondeu Sherlock, pensando em quem poderia ter vindo na carruagem.
— Bem, vamos descobrir em alguns minutos — Crowe falou. — É um desperdício de energia mental especular sobre uma questão cuja resposta será dada em seguida.
Os dois subiram a escada que dava para a entrada principal. Sherlock correu para a porta, que estava entreaberta, enquanto Crowe o seguiu com menos pressa.
O saguão não era muito claro, e era possível ver partículas de poeira atravessando os raios de sol que entravam pelas janelas altas. As pinturas a óleo que enfeitavam as paredes estavam praticamente invisíveis na escuridão. O calor de verão era uma presença quase física.
— Vou avisar que você está aqui — Sherlock disse a Crowe.
— Não é necessário — Crowe resmungou. — Alguém já sabe. — Ele olhava para as sombras sob a escada.
Um indivíduo saía da penumbra de vestido preto, como o cabelo, e de pele muito pálida.
— Sr. Crowe — disse a governanta. — Creio que não o esperávamos.
— As pessoas estão sempre enaltecendo a hospitalidade dos Holmes — ele respondeu com simpatia. — E as refeições que servem aos viajantes de passagem. Além do mais, eu não poderia perder a oportunidade de revê-la, Sra. Eglantine.
A mulher conteve um resmungo mal-humorado. Os lábios se comprimiram sob o nariz fino e longo.
— Tenho certeza de que muitas mulheres sucumbem ao seu charme colonial, Sr. Crowe — ela respondeu. — Porém, eu não sou uma delas.
— O Sr. Crowe vai almoçar conosco — Sherlock falou com firmeza, apesar de sentir o coração abalado quando o olhar penetrante da Sra. Eglantine encontrou o dele.
— Essa decisão cabe a seus tios — respondeu a governanta —, não a você.
— Então, eu direi a eles — Sherlock retrucou —, não você. — Olhou então para Crowe. — Espere aqui enquanto vou falar com meus tios.
Quando o jovem voltou, a Sra. Eglantine havia desaparecido nas sombras.
— Há algo de estranho nessa mulher — murmurou Crowe. — Ela não se comporta como uma criada. Às vezes a Sra. Eglantine age como se fosse um membro da família. Como se estivesse no comando.
— Não sei por que meus tios continuam aceitando isso. Eu não permitiria.
Ele atravessou o saguão até o salão e olhou o cômodo. Lá dentro havia criadas se movendo em torno do bufê que ficava no fundo da sala, servindo pratos de carne fria, peixe, queijo, arroz, vegetais em conserva e pães que seriam consumidos pela família em mais um almoço rotineiro na mansão Holmes, mas não havia nem sinal de seus tios. Sherlock voltava ao saguão quando parou por um momento e bateu na porta da biblioteca.
— Sim? — disse uma voz do outro lado; uma voz que estava acostumada aos sermões e discursos que seu dono passava boa parte da vida escrevendo: o tio de Sherlock, Sherrinford Holmes. — Entre!
Sherlock abriu a porta.
— O Sr. Crowe está aqui — disse ao ver o tio sentado atrás da mesa. O homem vestia um terno preto de corte antiquado, e sua impressionante barba bíblica cobria o peito e se amontoava no mata-borrão diante dele. — Estava pensando se ele não poderia almoçar conosco.
— Eu não perderia uma oportunidade de conversar com o Sr. Crowe — respondeu Sherrinford Holmes, mas a atenção de Sherlock foi atraída pelo homem parado ao lado das janelas abertas, recortado contra a luz em sua elegante casaca sobre a camisa de colarinho alto.
— Mycroft!
O irmão de Sherlock assentiu com ar grave, mas havia em seus olhos um brilho que a atitude sóbria não conseguia disfarçar.
— Sherlock — ele falou. — Você parece estar muito bem. O ar do campo o favoreceu, é evidente.
— Quando chegou?
— Há uma hora. Vim de Waterloo e peguei uma carruagem na estação.
— Quanto tempo vai ficar?
Ele encolheu os ombros; um movimento sutil para um homem tão grande.
— Não vou nem passar a noite, mas queria me informar sobre seu progresso. E esperava encontrar o Sr. Crowe também. É bom saber que ele está aqui.
— Seu irmão e eu vamos terminar nossa conversa — disse Sherrinford —, e iremos encontrá-lo na sala de jantar.
Claramente Sherlock estava sendo dispensado, então saiu e fechou a porta. Sabia que estava sorrindo. Mycroft voltara! De repente, o dia parecia ainda mais ensolarado que antes.
— Eu ouvi a voz de seu irmão? — Amyus Crowe perguntou do outro lado do saguão.
— É a carruagem dele lá fora. Ele disse que queria conversar com você.
Crowe assentiu de forma séria.
— Pergunto-me o porquê... — disse.
— Tio Sherrinford disse que você pode ficar para o almoço. Ele avisou que vai nos encontrar na sala de jantar.
— É um bom plano — Crowe falou em voz alta, mas havia uma ruga em sua testa que desmentia a tranquilidade das palavras.
Sherlock o levou à sala de estar. A Sra. Eglantine já estava lá, em pé junto à parede entre duas grandes janelas, cercada pelas sombras. Sherlock não a vira passar pelo saguão. Por um momento o rapaz pensou se a governanta poderia ser um fantasma, se seria capaz de atravessar paredes, mas a ideia era estúpida. Fantasmas não existiam.
Ignorando a Sra. Eglantine, ele se aproximou do bufê, pegou um prato e começou a se servir de fatias de carne e pedaços de salmão. Crowe o seguiu e fez o mesmo, começando pelo outro lado do bufê, no sentido oposto.
A cabeça de Sherlock ainda girava depois do repentino reaparecimento do irmão mais velho. Mycroft morava e trabalhava em Londres, a capital do Império. Era funcionário público, trabalhava para o governo e, embora sempre tentasse diminuir a importância de sua posição, dizendo-se apenas um humilde escriturário, havia algum tempo que Sherlock acreditava que Mycroft era muito mais importante do que revelava. Quando Sherlock estava em casa – isto é, com a mãe e o pai, antes de ser mandado para a casa dos tios – Mycroft às vezes chegava de Londres para passar algum tempo com a família, e o garoto notava que, todos os dias, um homem chegava em uma carruagem com uma caixa vermelha. Ele só entregava a caixa pessoalmente a Mycroft que, em troca, dava-lhe um envelope com, Sherlock imaginava, cartas e documentos escritos com base no conteúdo da caixa do dia anterior. Qualquer que fosse o assunto, o governo precisava manter contato com ele diariamente.
Com a boca cheia de comida, Sherlock ouviu a porta da biblioteca se abrir. Momentos depois, Sherrinford Holmes entrou na sala de jantar.
— Ah, broma theon — proclamou em grego, olhando para o bufê. — Depois, virando-se na direção de Sherlock, continuou: — Pode usar a biblioteca, meu psykhes iatreion, para conversar com seu irmão. — E, para Crowe, falou: — E Mycroft solicitou especificamente que você se juntasse aos dois.
Sherlock deixou o prato sobre a mesa e se dirigiu no mesmo instante à biblioteca. Crowe o seguiu; suas pernas longas percorriam a distância rapidamente, apesar da aparente lerdeza do andar manco.
Mycroft continuava na mesma posição ao lado das janelas francesas. Ele sorriu para Sherlock, depois se aproximou para afagar seus cabelos. O sorriso sumiu quando olhou para Crowe, mas ainda assim ele apertou a mão do americano.
— Vamos começar do início — ele disse. — Depois de uma exaustiva investigação policial, não encontramos nenhum rastro do barão Maupertuis. Achamos que ele saiu do país e foi se esconder na França. A boa notícia é que não houve registro de mortes de soldados britânicos ou qualquer outra pessoa por picadas de abelha.
— O resultado do plano de Maupertuis é discutível — resumiu Crowe. — Desconfio que ele seja mentalmente instável. Mas foi melhor não corrermos riscos.
— Sim, e o governo agradece — disse Mycroft.
— Mycroft... e nosso pai? — Sherlock perguntou sem rodeios.
— O navio deve estar se aproximando da Índia neste momento. Suponho que ele desembarque com seu regimento dentro de uma semana, mas o mais provável é que não tenhamos nenhuma notícia, dele ou de qualquer outro que o acompanha, por um ou dois meses, considerando a dificuldade e a demora da comunicação com um país tão distante. Se eu souber de alguma coisa, você será informado imediatamente.
— E... mamãe?
— Ela está com a saúde fraca, como você sabe. No momento se encontra estável, mas precisa repousar. O médico que cuida dela me disse que mamãe dorme dezesseis, dezessete horas por dia. — Mycroft suspirou. — Ela precisa de tempo, Sherlock. Tempo e absolutamente nenhuma sobrecarga mental ou física.
— Entendo — respondeu Sherlock, parando por um instante para desfazer o nó na garganta. — Então, devo continuar aqui, na mansão Holmes, até o fim das férias escolares?
— Não tenho muita certeza se a Escola Deepdene está lhe trazendo muitos benefícios.
— Meu latim melhorou — Sherlock respondeu depressa, e se arrependeu em seguida; deveria estar concordando com o irmão, em vez de discutir.
— Sem dúvida — Mycroft respondeu secamente —, mas há outras coisas que um menino deve aprender além de latim.
— Grego? — Sherlock arriscou.
Mycroft sorriu, apesar da habitual seriedade.
— Vejo que seu senso de humor sobrevive ao período de hospedagem nesta casa. Não; apesar da óbvia importância do latim e do grego no mundo cada vez mais complexo onde vivemos, creio que você responderia melhor a um método de ensino mais pessoal e individualizado. Estou pensando em tirá-lo do colégio e providenciar para que tenha suas aulas aqui, na mansão Holmes.
— Não vou voltar para a escola?
Sherlock tentou identificar em si mesmo algum sinal de contrariedade, mas não havia nada. Não tinha amigos no colégio, e até as melhores lembranças de lá eram de tédio, e não de felicidade. Não havia nada para ele em Deepdene.
— Precisamos começar a pensar em seu futuro acadêmico — Mycroft continuou. — Cambridge, é claro, ou Oxford. Acho que terá melhores chances se concentrarmos seus estudos de uma forma que Deepdene não pode fazer. — Ele sorriu mais uma vez. — Você é um garoto muito singular, e precisa ser tratado dessa maneira. Não estou prometendo nada, mas no fim das férias você será informado sobre os arranjos que serão feitos para continuar sua educação.
— É muita presunção perguntar se terei algum papel no aprendizado do jovem Sherlock? — Amyus Crowe manifestou-se.
— Terá — Mycroft respondeu com ar sério —, você o manteve na linha muito bem até agora.
— Ele é um Holmes — Crowe lembrou. — Pode ser orientado, mas não forçado. Você era igual.
— Sim — Mycroft disse simplesmente. — Eu realmente era, não? — Antes que Sherlock pudesse confirmar a súbita constatação de que Crowe também havia sido tutor de Mycroft, seu irmão continuou: — Pode nos dar licença agora, Sherlock? Gostaria de ter uma conversa privada com o Sr. Crowe. Temos assuntos a discutir.
— Eu vou... ver você de novo antes de ir embora?
— É claro que sim. Não partirei antes do anoitecer. Vai poder me mostrar a casa, se quiser.
— Podemos caminhar no jardim — Sherlock sugeriu.
Mycroft se arrepiou.
— Acho que não. Não estou adequadamente vestido para um passeio ao ar livre.
— É só o jardim da casa! — Sherlock protestou. — Não vamos à floresta!
— Se não houver um teto sobre minha cabeça nem tábuas sob meus pés, não faz diferença. Jardim ou floresta, para mim dá no mesmo. E agora, Sr. Crowe... aos negócios.
Relutante, Sherlock saiu da biblioteca e fechou a porta. A julgar pelas vozes na sala de jantar, sua tia também estava almoçando. Não se sentia disposto a suportar o falatório constante, por isso saiu para caminhar por alguns instantes. Sherlock andava com as mãos nos bolsos, contornando a casa e chutando uma ou outra pedra que encontrava pelo caminho. O sol incidia quase diretamente em sua cabeça, e ele sentia que uma fina camada de suor se formava na testa e entre as espátulas.
As janelas da biblioteca estavam bem na frente dele. E estavam abertas.
Era possível ouvir vozes lá dentro.
Uma parte de sua consciência lhe dizia que aquela era uma conversa particular da qual havia sido excluído de maneira clara e direta, mas outra parte, muito mais sedutora, tinha certeza de que Mycroft e Amyus Crowe falavam sobre ele.
Sherlock aproximou-se, caminhando ao longo da varanda que acompanhava toda a lateral da casa.
— E eles têm certeza? — Crowe perguntava.
— Você já trabalhou para a Pinkerton — Mycroft respondeu. — Eles têm fontes de informação bem precisas, mesmo aqui, tão distante dos Estados Unidos da América.
— Mas para ele ter vindo até aqui...
— Suponho que a América tenha se tornado perigosa demais.
— O país é grande — Crowe argumentou.
— Mas em grande parte nada civilizado — retorquiu Mycroft.
Crowe não estava convencido.
— Era de se esperar que ele atravessasse a fronteira do México.
— Mas, aparentemente, não foi o que fez. — A voz de Mycroft soava firme. — Veja desta maneira: você foi enviado à Inglaterra para rastrear simpatizantes do Sul na Guerra Civil, homens cujas cabeças estão a prêmio. Que melhor motivo poderia haver para vir para cá se não a presença deles aqui?
— É lógico — admitiu Crowe. — Desconfia de uma conspiração?
Mycroft hesitou por um momento.
— Conspiração é uma palavra forte demais, por enquanto. Suspeito que todos eles tenham vindo para cá por este ser um país civilizado de mesmo idioma, e pela segurança. Mas, com o tempo, vai surgir uma conspiração. Muitos homens perigosos sem nada para fazer além de conversar... Temos que cortar o mal pela raiz.
Sherlock sentia a cabeça girar. Do que eles estavam falando? Começara a ouvir a conversa tarde demais para conseguir compreendê-la.
— Ah, Sherlock — seu irmão falou de dentro da biblioteca —, é melhor juntar-se a nós, já que está ouvindo tudo.

Um comentário:

  1. — Ah, Sherlock — seu irmão falou de dentro da biblioteca —, é melhor juntar-se a nós, já que está ouvindo tudo.
    Miccroft melhor pessoa kkkkk

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)