3 de junho de 2017

Capítulo 53 - Grevas e braçais



U
ma única vela estava acesa no interior da tenda de lã cinzenta, uma pobre substituta para o brilho do sol.
Roran estava com os braços estendidos enquanto Katrina atava os lados do gibão acolchoado que havia feito para ele. Quando terminou, ela puxou a borda do gibão, alisando os vincos. — Pronto. Está muito apertado? Ele balançou a cabeça. -Não. Ela retirou as grevas do catre que compartilhavam e se ajoelhou diante dele em meio à luz tremeluzente da vela. Roran observou quando ela afivelou as grevas na parte de baixo de suas pernas. Pegou com a mão a curva da panturrilha enquanto prendia a segunda peça da armadura, sua pele quente contra a dele através do tecido das calças. Levantando-se, ela voltou-se para o catre novamente e pegou os braçais. Roran estendeu os braços na sua direção e a mirou nos olhos, no exato instante em que ela mirava os seus. Com movimentos lentos e pensados, ela apertou os braçais nos antebraços dele, e então deslizou suas mãos da parte interna do cotovelo até o pulso, onde ele juntou as mãos dela com a suas. Ela sorriu e livrou-se do delicado aperto. Perto do catre, ela pegou a camisa. Ficou na ponta dos pés, colocou a cota de malha sobre a cabeça de Roran e ficou segurando enquanto ele ajustava os braços nas mangas. A malha brilhou como gelo quando ela a soltou, descaindo sobre os ombros e se desfraldando de tal modo que a bainha ficou nivelada com os joelhos. Sobre a cabeça de Roran, Katrina colocou a boina de couro, amarrando-a firmemente com um nó sob o queixo. Ria segurou o rosto do marido entre as mãos por um momento e então o beijou uma vez nos lábios e pegou o elmo, que cuidadosamente deslizou por sobre a boina.
Roran deslizou seu braço em volta da cintura larga da mulher,
interrompendo seu movimento de volta para o catre. — Ouça-me — pediu ele. — Estarei bem. — E tentou transmitir todo o seu amor por ela no tom de sua voz e na força de seu olhar. — Não fique aqui sentada, sozinha, o tempo todo. Prometa-me isso. Vá se encontrar com Elain, ela pode estar precisando de sua ajuda. Está doente, e sua criança está quase nascendo. Katrina ergueu o queixo, seus olhos brilhando com lágrimas que ele sabia que ela não choraria até que ele tivesse partido. — Você precisava marchar na linha de frente? — sussurrou ela. — Alguém precisa, e pode muito bem ser eu. Quem você mandaria em meu lugar? — Qualquer pessoa... qualquer urna mesmo. — Katrina baixou os olhos e ficou em silêncio algum tempo, então, removeu um lenço vermelho de seu corpete e disse: — Aqui, leve essa lembrança minha, de modo que o mundo todo possa saber o quanto eu me orgulho de você. — E ela amarrou o lenço no cinto da espada do marido. Roran a beijou duas vezes e a soltou. Ela pegou seu escudo e sua lança no catre. Ele a beijou uma terceira vez enquanto pegava as armas de sua mão, e então encaixou o braço na correia do escudo. — Se alguma acontecer comigo... — começou ele a dizer. Katrina colocou um dedo sobre os lábios dele. — Shh. Não fale sobre isso, senão acontece. — Muito bem. — Ele a abraçou uma última vez. — Fique em segurança. — Você também. Embora odiasse deixá-la, Roran ergueu seu escudo e saiu às pressas da tenda na tênue luminosidade do amanhecer. Homens, anões e Urgals atravessavam o acampamento como uma enxurrada para oeste, na direção do local onde os Varden estavam reunidos.
Roran encheu os pulmões com o ar frio da manhã e então seguiu em frente, ciente de que seu grupo de guerreiros estaria esperando por ele. Assim que chegou ao campo, procurou a divisão de Jörmundur e, após se apresentar
a ele, seguiu para a dianteira do grupo, onde escolheu ficar ao lado de Yarbog. O Urgal olhou para ele e rosnou: — Um bom dia para uma batalha. — Um bom dia. Uma cometa soou na vanguarda dos Varden assim que o sol rompeu no horizonte. Roran ergueu a lança e começou a correr, como todos os outros à sua volta, uivando a plenos pulmões à medida que flechas choviam sobre eles e pedras zuniam sobre suas cabeças, voando em todas as direções. À sua frente, avultava um muro de pedra de vinte e quatro metros de altura.
O sítio a Feinster havia começado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)