8 de maio de 2017

Capítulo 9

Armadilha, claro!
A Rainha dos Ardis
Na Casa das Redes

BRITOMÁRTIS PULOU DO PARAPEITO e aterrissou de joelhos, a saia se abrindo como um redemoinho de redes.
(Ela ama essas entradas dramáticas. Alguém pode avisar que ela não está em um anime?)
A deusa se levantou e pegou sua faca de caça.
— Apolo, se você tem algum apreço pela sua anatomia, fique parado.
Eu ia protestar e dizer que não dava para ficar exatamente parado em uma rede oscilante, mas não tive tempo. Ela passou a faca logo acima da minha virilha. A rede se partiu e me jogou no chão, e felizmente minha anatomia se manteve intacta.
Minha queda não foi graciosa. Ainda bem que Leo e Calipso correram em meu socorro, me ajudando a ficar de pé. Fiquei mais calmo ao ver que, apesar da briga recente, eles ainda conseguiam se unir por questões importantes como meu bem-estar.
Leo levou a mão ao cinto de ferramentas, talvez procurando uma arma. Mas só pegou uma lata de pastilhas de hortelã. Eu duvidava que aquilo fosse nos ajudar.
— Quem é essa moça? — perguntou ele.
— Britomártis — respondi. — A Dama das Redes.
Leo pareceu em dúvida.
— De todas as redes? Tipo vôlei e redes sociais?
— Só redes de caça e pesca — falei. — Ela é uma das minions da minha irmã.
— Minions? — Britomártis franziu o nariz. — Não sou minion de ninguém.
Atrás de nós, Josephine tossiu.
— Hã, desculpe, Apolo. A Dama fez questão de chamar sua atenção com essa performance.
O rosto da deusa se iluminou.
— Bom, eu tinha que ver se ele cairia na minha armadilha. E caiu. Como sempre. Hemiteia, Josephine... nos deixem a sós, por favor.
Nossas anfitriãs se entreolharam, provavelmente se perguntando qual das duas teria que retirar os corpos depois que Britomártis acabasse com a gente. Em seguida, saíram por uma porta nos fundos do salão.
Calipso avaliou a deusa das redes.
— Britomártis, é? Nunca ouvi falar de você. Deve ser uma das menores.
Britomártis abriu um sorriso amarelo.
— Ah, mas eu ouvi falar de você, Calipso. Exilada em Ogígia depois da Guerra dos Titãs. Esperando que um homem qualquer aparecesse por lá, partisse seu coração e a abandonasse. Que destino terrivelmente antiquado. — Ela se virou para Leo. — Esse é seu salvador, é? Meio baixinho e desgrenhado para um herói.
— Ei, moça. — Leo sacudiu a lata de pastilhas de hortelã. — Já explodi deusas mais poderosas do que você.
— E ele não é meu salvador — acrescentou Calipso.
— É! — Leo franziu a testa. — Bem... na verdade eu meio que fui.
— E também não é um herói — refletiu Calipso. — Embora seja mesmo baixinho e desgrenhado.
Uma lufada de fumaça subiu da gola de Leo.
— Enfim — ele falou para Britomártis —, que história é essa de dar ordens a Jo e Emmie como se aqui fosse a sua casa?
Peguei as pastilhas da mão dele antes que Britomártis as transformasse em nitroglicerina.
— Leo, acho que aqui é a casa dela — falei.
A deusa sorriu para mim daquele jeito provocante que eu tanto odiava, o mesmo sorriso que me dava a sensação de ter néctar quente borbulhando no estômago.
— Nossa, Apolo, você deduziu tudo direitinho! Como conseguiu?
Sempre que encontrava Britomártis, eu aumentava um pouco de tamanho, para ficar mais alto do que ela. Mas agora eu não tinha o poder de modificar minha altura quando bem entendesse. Só me restava ficar na ponta dos pés.
— Nero chamou este lugar de Casa das Redes — expliquei. — Eu devia ter percebido que a Estação Intermediária tinha sido ideia sua. Sempre que minha irmã queria inventar uma geringonça elaborada, uma coisa estranha e perigosa, procurava você.
A deusa fez uma reverência e girou a saia de rede.
— Assim você me deixa sem graça. Agora venham, meus amigos! Vamos nos sentar e conversar!
Ela indicou os sofás mais próximos.
Leo se aproximou da mobília com cautela. Mesmo com tantos defeitos, ele não era burro. Calipso estava prestes a afundar em uma poltrona quando Leo segurou o pulso dela.
— Espere.
Do cinto de ferramentas ele tirou um metro dobrável. Então o esticou e cutucou a almofada da poltrona. Uma armadilha de urso se fechou, cortando o enchimento e o tecido como um tubarão feito de espuma.
Calipso encarou Britomártis com uma expressão nada amigável.
— Sério?
— Ops! — disse Britomártis, exultante.
Leo apontou para um dos outros sofás, embora eu não conseguisse ver nada de errado.
— Tem um fio que aciona uma armadilha nas costas daquelas almofadas ali também.
Britomártis riu.
— Você é bom, garoto! Realmente. É uma mina-S modificada ativada por pressão.
— Moça, se aquilo fosse detonado, quicaria quase um metro no ar, explodiria, e os estilhaços matariam todos nós.
— Exatamente! — disse Britomártis, dando pulinhos de alegria. — Leo Valdez, você vai se sair muito bem.
Leo fez uma careta. Tirou cortadores de fio do cinto, andou até o sofá e desativou a mina.
Respirei pela primeira vez em vários segundos.
— Acho que vou me sentar... ali. — Apontei para o outro sofá. — É seguro?
Leo grunhiu.
— É. Parece certinho.
Quando estávamos todos bem acomodados, sem mortos nem feridos, Britomártis se esparramou na poltrona que antes acomodava a armadilha de urso e sorriu.
— Ah, isso não é ótimo?
— Não — nós três dissemos.
Britomártis brincou com o cabelo, possivelmente procurando fios ativadores de minas esquecidos.
— Você me perguntou por que mandei Jo e Emmie saírem. Eu amo muito as duas, mas acho que elas não vão gostar da missão que vou passar para vocês.
— Missão? — Calipso arqueou as sobrancelhas. — Tenho quase certeza de que sou uma divindade mais antiga do que você. Que direito tem de me dar uma missão?
Britomártis abriu um sorriso malicioso.
— Você é uma fofa mesmo, né? Querida, eu já existia quando os gregos antigos moravam em cavernas. Comecei como uma deusa cretense. Quando o resto do meu panteão morreu, Ártemis e eu ficamos amigas. Eu me juntei às Caçadoras dela e aqui estou, milhares de anos depois, ainda tecendo redes e montando armadilhas.
— É — resmunguei. — Quem diria.
A deusa abriu os braços. Havia pesos de chumbo e ganchos de metal pendurados nas mangas bordadas.
— Querido Apolo, você é mesmo um Lester Papadopoulos fofo. Venha aqui.
— Não me provoque — implorei.
— Não estou provocando! Agora que você é um mortal inofensivo, decidi finalmente dar aquele beijo em você.
Eu sabia que ela estava mentindo. Sabia que o vestido dela me prenderia e me machucaria. Reconheci o brilho malicioso nos olhos vermelho-ferrugem.
Ela me enganou muitas vezes ao longo dos milênios.
Eu flertava desavergonhadamente com todas as seguidoras da minha irmã. Mas Britomártis foi a única que retribuiu minhas investidas, apesar de ser uma donzela proibida, como qualquer Caçadora. Sua diversão era me atormentar. Perdi a conta de quantas vezes ela me enganou, dizendo que ia me juntar com outras pessoas. Argh! Ártemis nunca foi conhecida pelo senso de humor, mas seu braço direito, Britomártis, se encarregava disso muito bem. Ela era insuportável. Bonita, mas insuportável.
Admito que a proposta de Britomártis mexeu comigo. Como era fraca a carne mortal! Ainda mais fraca do que minha carne divina!
Balancei a cabeça.
— Você está me enganando. Não quero.
Ela pareceu ofendida.
— Quando foi que enganei você?
— Em Tebas! — gritei. — Você prometeu se encontrar comigo na floresta para um piquenique romântico. Mas fui pisoteado por um javali gigante!
— Foi um mal-entendido.
— E o incidente com Ingrid Bergman?
— Ah, ela queria mesmo conhecer você. Como eu ia saber que tinham cavado uma armadilha e coberto com folhas na porta do trailer dela?
— E o encontro com Rock Hudson?
Britomártis deu de ombros.
— Bom, eu nunca disse que ele estava esperando você no meio daquele campo minado. Você que tirou conclusões precipitadas. Mas vocês dois teriam formado um casal fofo, fala a verdade.
Eu soltei um gemido e puxei meu cabelo encaracolado mortal. Britomártis me conhecia bem demais. Eu adorava a ideia de fazer parte de um casal fofo.
Leo ficou nos encarando como se assistisse a uma partida acalorada de lançamento de fogo grego. (Era superpopular em Bizâncio. Sem comentários.)
— Rock Hudson — disse ele. — Em um campo minado.
Britomártis abriu um sorrisão.
— Apolo estava tão adorável, saltitando entre as margaridas... Aí explodiu.
— Caso você tenha esquecido — murmurei —, eu não sou mais imortal. Então, por favor, nada de armadilhas.
— Eu nem sonharia com isso! — disse a deusa. — Não, o objetivo dessa missão não é matar você. Pode até matar você, mas não foi feita para isso. Só quero meus grifos de volta.
Calipso franziu a testa.
— Seus grifos?
— Sim — respondeu Britomártis. — São híbridos alados de leão e águia com...
— Eu sei o que é um grifo — disse Calipso. — Sei que Jo e Emmie os criavam aqui. Mas por que eles são seus?
Tossi.
— Calipso, os grifos são os animais sagrados da deusa. Ela é a mãe deles.
Britomártis revirou os olhos.
— Só no sentido figurado da coisa. Eu não me sento nos ovos e choco.
— Você me convenceu a fazer isso uma vez — falei. — Por um beijo que não ganhei.
Ela riu.
— Nossa, tinha me esquecido disso! De qualquer modo, o imperador daqui capturou meus bebês, Heloísa e Abelardo. Na verdade, está capturando animais míticos em todo o Meio-Oeste para usar em seus jogos diabólicos. Eles precisam ser libertados.
Leo observou as peças da mina desmontadas no colo.
— A menina. Georgina. Foi por isso que você pediu para Jo e Emmie saírem, não foi? Você está mais preocupada em recuperar seus grifos do que com a filha delas.
Britomártis deu de ombros.
— As prioridades de Jo e Emmie estão invertidas. Elas não aguentariam lidar com isso, mas a verdade é que os grifos são mais importantes do que qualquer coisa. Eu tenho meus motivos. Por ser uma deusa, minhas necessidades vêm em primeiro lugar.
Calipso fungou, indignada.
— Você é tão gananciosa e territorialista quanto os seus bebês.
— Vou fingir que não ouvi isso — disse a deusa. — Prometi a Ártemis que tentaria ajudar vocês três, mas não testem minha paciência. Vocês dariam ótimas salamandrinhas.
Uma mistura de esperança e tristeza surgiu no meu peito. Ártemis, minha amada irmã, não tinha me abandonado, afinal. Zeus podia ter proibido os outros olimpianos de me ajudar, mas pelo menos Ártemis deu um jeito de mandar sua tenente, Britomártis. Claro que a ideia de “ajuda” de Britomártis envolvia nos testar com minas terrestres e armadilhas de urso, mas, àquela altura, eu estava aceitando qualquer coisa.
— E se encontrarmos esses grifos? — perguntei.
— Se trouxerem meus filhos de volta, ensino como se infiltrar no lar do imperador — prometeu Britomártis. — Sendo a deusa das armadilhas, sei tudo sobre entradas secretas!
— E como isso pode ser considerado uma troca justa? — perguntei.
— Porque, meu adorável Lester, você precisa se infiltrar no palácio para salvar Georgina e os outros prisioneiros. Sem eles, a Estação Intermediária está condenada, e suas chances de impedir o Triunvirato também. Além do mais, é no palácio que você vai encontrar o Trono da Memória. Se não conseguir recuperá-lo, sua viagem à Caverna de Trofônio vai matar você. Você nunca vai salvar os outros oráculos. Nunca vai voltar ao Monte Olimpo.
Eu me virei para Leo.
— Então, sou novo nesse lance de missão heroica, mas não era para ter uma recompensa no final? E não só outras missões mortais?
— Pior que não — disse Leo. — É bem assim mesmo.
Ah, que injustiça! Uma deusa menor me forçando, um dos doze olimpianos, a recuperar animais para ela! Prometi silenciosamente que, se um dia recuperasse minha divindade, jamais mandaria um pobre mortal em uma missão. A não ser que fosse realmente importante. E a não ser que eu tivesse certeza de que o mortal estaria à altura do desafio. E que eu estivesse meio sem tempo... ou só com preguiça mesmo. Eu seria bem mais gentil e generoso do que essa deusa das redes.
— O que você quer que a gente faça? — perguntei a Britomártis. — Será que esses grifos não ficam presos no palácio do imperador? Não daria para matar dois coelhos com uma cajadada só?
— Não mesmo — respondeu Britomártis. — Os animais importantes de verdade, os raros e valiosos... O imperador os deixa em um local especial, fora do palácio, onde são tratados com todos os recursos adequados. O zoológico de Indianápolis.
Estremeci. Acho zoológicos locais deprimentes, cheios de animais enjaulados e tristes, crianças histéricas e comida ruim.
— Os grifos vão estar sob vigilância — supus.
— É claro! — Britomártis pareceu um pouco animada demais com a situação. — Por favor, tente libertar os grifos antes de ser ferido ou morto. Além do mais, você precisa ir logo...
— Lá vem o limite de tempo. — Leo olhou para mim com um ar de sabedoria. — Sempre tem limite de tempo.
— Em três dias — continuou Britomártis —, o imperador planeja usar todos os animais e prisioneiros em uma grande comemoração.
— Uma cerimônia de nomeação — relembrei. — Nanette, a blemmyae que quase nos matou, mencionou alguma coisa sobre isso.
— De fato. — Britomártis fez uma careta. — Esse imperador... ele ama dar nome às coisas em homenagem a si mesmo. Na cerimônia, ele planeja rebatizar Indianápolis.
Isso por si só não me pareceu uma tragédia. Indianápolis era um nome meio difícil de amar. No entanto, se esse imperador era quem eu supunha, a ideia de comemoração dele envolveria matar uma penca de gente e animais. Ele não era o tipo de pessoa que você contrataria para organizar a festa de aniversário do seu filho.
— Os blemmyae mencionaram outra coisa — falei. — O imperador queria sacrificar dois prisioneiros especiais. Eu e a garota.
Calipso juntou as mãos em uma armadilha de urso.
— Georgina.
— Exatamente! — Mais uma vez, Britomártis pareceu excessivamente alegre. — A garota está em segurança, por enquanto. Presa e maluca, sim, mas viva. Concentrem-se em libertar meus grifos. Vão para o zoológico assim que amanhecer. O turno da noite estará quase no fim, e os guardas do imperador vão estar cansados e desatentos.
Olhei para os pedaços de mina nas mãos de Leo. Morrer em uma explosão estava começando a me parecer um destino mais agradável do que a missão de Britomártis.
— Pelo menos não vou ter que fazer tudo sozinho — murmurei.
— Na verdade — disse a deusa —, Leo Valdez precisa ficar aqui.
Leo fez uma careta.
— Como é?
— Você já demonstrou sua habilidade com armadilhas! — explicou a deusa. — Emmie e Josephine precisam da sua ajuda. O imperador ainda não conseguiu achar a Estação Intermediária, mas não vai demorar muito. Ele não tolera nenhum tipo de oposição ao seu poder. Ele vai encontrar esse refúgio. E então destruí-lo. Você, Leo Valdez, pode ajudar a melhorar nossas defesas.
— Mas...
— Alegre-se! — Britomártis olhou para Calipso. — Você pode ir com Apolo, minha querida. Dois ex-imortais em uma missão para mim! Nossa, gosto muito dessa ideia.
Calipso empalideceu.
— Mas... Não. Eu não...
— Ela não pode — acrescentei.
A feiticeira assentiu enfaticamente.
— Nós não nos damos bem, então...
— Está decidido, então! — A deusa se levantou da poltrona. — Me encontro com vocês aqui quando estiverem com meus grifos. Não me decepcionem, mortais! — Ela bateu palmas com alegria. — Ah, eu sempre quis dizer isso!
Ela girou e desapareceu em um lampejo como uma isca de pesca engolida pelo mar, sem deixar nada para trás além de alguns anzóis triplos agarrados no tapete.

41 comentários:

  1. Gostei dessa deusa
    Kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filha de Afrodite11 de julho de 2017 19:54

      Concordo. Completamente psicopata. Eu gosto kkkkkkkkkkkk

      Excluir
  2. O Leo já pegou o espirito da coisa

    POR FAVOR, SEM ROMANCE ENTRE CALIPSO E APOLO. PLIS.

    -MrGoat

    ResponderExcluir
  3. britomartis mo legal

    ResponderExcluir
  4. Carlos Daniel Souza10 de maio de 2017 11:44

    Até onde eu sei, Britomártis é uma de Zeus com uma tal de Carme. Então a Calipso é mais velha.

    "mas pelo menos Ártemis deu um jeito de mandar sua tenente, Britomártis"
    A tenente dela não era Thalia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Britomátris é uma deusa de outro panteão que os gregos "adotaram" um panteão mais antigo que os olimpianos, considerando que Calipso é pouco (em termos de deuses) mais velha que os Olimpianos originais, é possivel que Briomátris seja mais velha sim

      Excluir
    2. Também fiquei com dúvida nessa parte. Talvez Ártemis tenha mais de uma tenente, sei lá. A líder das Caçadoras é a Thalia mesmo

      Excluir
    3. Os gregos pegavam deuses de outras mitologias int talvez ela já fosse cultuada bem antes , mas quando foi "anexada" ao panteão grego foi colocada Carmo filha de Zeus igual a 50% dá mitologia

      Excluir
    4. Existem centenas de Caçadoras. Elas costumam se dividir em grupos de oitenta. Cada grupo tem uma tenente. Pelo que eu me lembre, Britomártis é a tenente do grupo principal, o de Ártemis.

      Excluir
    5. Eu acho que Thalia é a tenente caçadora, mortal
      E a Britomartis é tipo, uma tenente divina, o braço direito e imortal de Artemis

      Excluir
    6. Damon Herondale(filho de Zeus)21 de setembro de 2017 11:23

      Acho que Britomartis foi a primeira tenente, daí veio Zöe e agora tem Thalia.

      "Cretense", quer dizer da Ilha de Creta, local de nascimento, infância e juventude de Zeus. Um panteão que o povo de Creta adorava, uh?
      Ainda não sei se dá pra classificar Britomartis como mais velha q Calipso.

      Excluir
  5. — Ei, moça. — Leo sacudiu a lata de pastilhas de hortelã. — Já explodi deusas mais poderosas do que você.



    Você morreu quando fez isso Valdez, controle-se Goku espanhol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Goku espanhol kkkkk
      Leo acabou de ganhar um novo apelido, vou chamar ele assim agora kk

      Excluir
    2. Ótimo. Goku. Sério?

      Excluir
    3. Damon Herondale(filho de Zeus)21 de setembro de 2017 11:27

      Ele enfrentou e venceu Quione

      E P., não, simplesmente não pra isso. Não tem nada a ver Son Goku, o deus dos animes, com esse garoto de reparos magrelo.

      Excluir
  6. Ai, que não invente triângulo amoroso! Apolo e Calipso, nunca! Até Apolo e Leo faria mais sentido pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apolo e Leo seriam o casal mais zueira do universo kkkkkk
      A zueira tá forte

      Excluir
  7. "(Ela ama essas entradas dramáticas. Alguém pode avisar que ela não está em um anime?)"
    Apolo sendo o melhor como sempre :v esse livro está me fazendo ficar cada vez mais apaixonada por ele ♥

    ResponderExcluir
  8. Que doída.
    Amei ela

    ResponderExcluir
  9. Sei não em, mais acho que tem alguns "Assuntos Pendentes" entre apolo e calipso se é que me intnedem...

    Acho que isso explica os grifos na capa do livro, agora so falta as emas de capacete kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que são avestruzes de combate kkkkkk

      Excluir
  10. Não shippo (muito) Caleo, mas se o tio Rick colocar Calipso e Apolo... Vai ficar estranho! E coitado do Leo, só ele não tinha girlfriend, agora que ele tem, não vamos tirá-la dele!

    (Se bem que o Leo podia ficar comigo, mas...)

    ResponderExcluir
  11. Que deusa doida. Continua

    ResponderExcluir
  12. Por fvr, ñ seja talarico, Apolo kkkkk

    Curtindo muito esse livro

    ResponderExcluir
  13. — Calipso, os grifos são os animais sagrados da deusa. Ela é a mãe deles.
    Britomártis revirou os olhos.
    — Só no sentido figurado da coisa. Eu não me sento nos ovos e choco.

    kkkkkkkkkkkkkkkkk morri com essa galinha doida

    -Alguem interessante

    ResponderExcluir
  14. Tio Rick sabe o que é anime, amando ele mais que nunca agora :3
    Apolo e Calipso vão se matar kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc acham?!
      Kkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. COM TODA E ABSOLUTA CERTEZA KKKKKKKKKKKK

      Excluir
  15. Pq será que isso parece tanto com Ares falando com Percy,Annabeth e Grover??? Deixa eu adivinha:Ang missão assassina talvez!! E help não tenha romance entre Apolo e Calipso principalmente pelo fato dela e o Leo brigar sempre para 😂😄😍

    ResponderExcluir
  16. — Só redes de caça e pesca — falei. — Ela é uma das minions da minha irmã.
    — Minions? — Britomártis franziu o nariz. — Não sou minion de ninguém.

    OMG,murri.

    Camila

    ResponderExcluir
  17. (Ela ama essas entradas dramáticas. Alguém pode avisar que ela não está em um anime?)
    Bom...
    Sempre imaginei eles como personagens de anime KkK

    ResponderExcluir
  18. Essa deusa é mais pirada que eu (isso é muito difícil de acontecer)

    ResponderExcluir
  19. por favor caleopo
    nããão por zeusnão fazatriangulo amoroso

    ResponderExcluir
  20. "Ela girou e desapareceu em um lampejo"
    Lembrei da Caipora do Castelo Rá-tim-bum
    kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  21. "— Quem é essa moça? — perguntou ele.
    — Britomártis — respondi. — A Dama das Redes.
    Leo pareceu em dúvida.
    — De todas as redes? Tipo vôlei e redes sociais?
    — Só redes de caça e pesca — falei. — Ela é uma das minions da minha irmã.
    — Minions? — Britomártis franziu o nariz. — Não sou minion de ninguém."

    MELHOR DIÁLOGO DO LIVRO ATÉ AGORA KSKSKSKSKSKSKSKSKS

    ResponderExcluir
  22. Essa deusa e mais retardada e filha da p*** que Juno. E isso é muita coisa. Apolo, chega de egocentrismo. Voce esta conhecendo o lado ruim dos deuses como todos os outros. Supere. E nao morra.

    ~Filha de Atena~

    ResponderExcluir
  23. Se Nico e Will estivessem ai seria mais fácil mas nãoooooo
    vamos levar caleo e apolo
    Leo vai ficar construindo coisas e calipso que n sabe fazer nada vai junto com Apolo que ta todo errado coitado

    ResponderExcluir
  24. "indianópolis é um nome meio dificil de amar"

    realmente tio rick ama esse lugar sem malícia

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)