4 de abril de 2017

Fanfic: Bigamia



Sinopse:
Rebecca Sampaio, uma aspirante atriz de teatro, mãe de uma menina recém-nascida, que se perdeu no mar. Anos depois, ela foi declarada legalmente morta e seu esposo Kevin, um escritor e roteirista, se casou novamente. Ele e sua nova esposa, Isadora estão a procura de uma casa no Ibirapuera enquanto Rebecca, que ficou perdida na ilha deserta por cinco anos, é resgatada após ter sofrido um acidente na praia e é levada para o pronto socorro sem que Kevin saiba. No entanto, durante o seu tratamento no hospital, ela fica sabendo por sua mãe que Kevin casou-se novamente com uma mulher que, segundo ela, é inescrupulosa e tomou seu lugar não deixando mais a avó de jeito nenhum ver a neta. É quando Rebecca, com a ajuda de Bill e Michael, dois amigos que trabalham com Kevin, decide se infiltrar na casa como babá para reaver o marido, a filha e seus bens materiais. Ao chegar em casa, a filha Melissa, que na época era uma recém-nascida, não a reconhece. No entanto, ela e Isadora passam a gostar dela e a aceitam como babá. Elegante, educada e dedicada, ela é simplesmente perfeita. No entanto, Rebecca adota uma nova identidade e finge ser uma mulher chamada Ruth Walker. Kevin, perturbado pelo retorno da ex-esposa, faz um grande esforço para esconder a verdade de Isadora e se desvencilhar das investidas amorosas da babá que, desconfiado, resolve investigar o retorno da mulher envolvendo diversas pessoas nisso, ciente de que na verdade sua família está nas mãos de uma mulher perigosa e obcecada em se vingar de Isadora por ela ter roubado seu lugar.

Categorias: Romance policial, suspense, thriller, história original
Autor: Maycow Andrade
______________________________________


    Capítulo 1
     A casa de vidro

I

Isadora e Kevin Sampaio haviam assinado há cinco dias atrás o contrato de aluguel de um condomínio de quatro cômodos num lugar simples no centro do bairro do Brooklin em São Paulo quando receberam um telefonema de uma mulher chamada Bárbara Assunção, avisando que ficara disponível, em uma das hipotecas centrais da cidade, uma casa de cinco cômodos. Embora o lugar onde estavam fosse novo, um pouco espaçoso e com uma área grande de lazer, as casas do centro eram melhores por causa do pé-direito alto, das salas imensas e do esmerado acabamento arquitetônico muito bem projetado. Isadora e Kevin estavam na lista um pouco antes de se casarem, mas a demora fora tanta que tinham desistido.
Sem desligar o telefone, Kevin deu a notícia a Isadora que lamentou:
— Opa! Acho que temos um problema.
— Ah, essa não. Por favor, não comece – respondeu Kevin pondo o gancho do telefone para baixo. – Já alugamos está casa. Não precisamos de mais uma.
Isadora interrompeu, puxando-o pelo braço.
  — Será que não podemos dar um jeito? Poderíamos ir só para ver.
— Espere um minuto, Sra. Assunção. – Kevin encostou o fone no peito, perguntando: – Estávamos na fila há quase um mês. Acho mesmo que ela vai acreditar nesta história de que ainda estamos à procura de uma casa?
— Eu sei. Mas podíamos dar pelo menos uma olhada.
— Ora, meu bem, vai ser perca de tempo.
— É só uma visita, Kevin. Vamos ao menos dar uma olhada. Diga logo que queremos vê-la, antes que ela desligue e passe para o outro candidato.
— Isadora, por favor, procure entender: já que assinamos o contrato e pagamos a entrada, não vejo saída. Quebra de contrato gera multa.
— Pelo amor de Deus, Kevin, fale logo antes que ela desligue. – Gemendo e fingindo estar aflita, Isadora agarrou o fone e tentou leva-lo à boca de Kevin, que rindo, se deu por vencido.
— Sra. Assunção, perdoe-nos pela demora, mas apesar de termos comprado um apartamento, ainda estamos muito interessados na sua casa. Mas em todo caso, nosso objetivo seria mudar-se para o Ibirapuera, pois adoramos o bairro. Será que poderíamos dar uma olhada?
A Sra. Assunção passou as instruções: deveriam ir à residência entre três e três e meia da tarde, procurar pelo Senhor Guilherme Assunção ou o vizinho da casa ao lado dizendo que tinham sido enviados por ela para ver a casa de Nº 24. Deu seu número para que depois telefonassem.
— Viu? Simples assim.
— Precisamos pensar bem, Isadora. Precisamos conhecer bem a vizinhança e as escolas que tem próximas dali. O problema não é o dinheiro, mas a educação das crianças.
— Não creio que o bairro seja fajuto. Além do mais, prefiro mil vezes uma casa pequena no centro a um apartamento inteiro neste lugar. Mas fico feliz que tenha pensado no nosso pequeno Marcel. – disse a mulher, referindo-se ao seu recém-nascido, filho.
— Não se esqueça de Melissa! Engraçado você dizer isso, ainda ontem você o adorava.
— Adorava, não. Suportava. Este prédio não poderia ser adorado nem pelo arquiteto que o projetou. Quando eu engravidar novamente, daremos um jeito. Mas agora que conseguimos a casa, estou preocupada em encontrar uma babá e inclusive já divulguei o anuncio no Estadão. Vai ser bom para Melissa e Marcel. Mas aposto que em breve encontraremos uma.
— Veremos – duvidou Kevin, preparando-se para fazer a barba e examinando-se demoradamente no espelho com seus olhos grandes e castanhos – Céus! Tem um fio maior que o outro!
— Cuidado, não puxe! – Advertiu Isadora, colocando um vestido marrom e sapatos escuros enquanto Kevin passava o barbeador elétrico no rosto.
Estavam no apartamento onde um amigo de Kevin morava quando solteiro. Era um quarto-e-sala (um pouco apertado, mas formidável para um solteiro) decorado com cartazes de São Paulo e Nova York, cujo mobiliário se resumia a um armário e um sofá-cama. Completavam o espaço um minúsculo banheiro e um kitchenette embutida, que mais parecia uma pia. A sala, pelo menos, era aconchegante. Não era um apartamento pobre, mas precisava de algumas reformas. E além do mais, o Brooklin era é um bairro nobre de São Paulo e Kevin, por esse lado, não entendia a insatisfação de Isadora.

Era sábado, 1 de novembro de 1997. Véspera de finados.

_____________________________________

Deixe sua opinião nos comentários!

Contato: maycow.hp@hotmail.com

3 comentários:

  1. Livros sempre nos fazem viajar pela imaginação. O Chão que ela Pisa, de Salman Rushdie, também envolve amor, traição, música, triângulo amoroso, enfim, uma história muito bonita de se ler.

    ResponderExcluir
  2. Onde posso ver o resto??? Parece legal quero ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manda e-mail pra ele, aí o Maycow te diz o que fazer :)

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)