8 de fevereiro de 2017

Capítulo 9

Maddie estava nervosa ao enfrentar Cassandra e Horace. Halt e Gilan a tinham deixado quando chegaram à porta dos aposentos reais.
— Isso é entre vocês e seus pais — Halt disse a ela. — Falaremos com você depois.
Agora ela estava em silêncio, esperando que eles dissessem alguma coisa. Normalmente, ela refletiu melancolicamente, estavam todos prontos para conversar – listar sua longa série de crimes. Mas agora eles pareciam relutantes em começar. Um olhar incerto passou entre eles, como se cada um estivesse esperando que o outro começasse. A tensão estava ficando demais para ela suportar. Ela decidiu pegar o touro pelos chifres. Se ela estava prestes a receber uma má notícia – e ela assumiu que sim – era melhor acabar com isso o mais rápido possível.
— Halt disse que vocês tinham algo para me dizer — ela falou.
Houve outro daqueles olhares rápidos entre eles, então seu pai limpou a garganta.
— Ah... ah – hum... bem, sua mãe e eu queremos falar com você. Sobre o seu futuro.
O coração de Maddie se afundou até suas botas. Se essa ia ser uma conversa oficial sobre o seu futuro, ela sabia o que poderia acarretar. Mais restrições. Mais regras. Menos liberdade. Haveria longas dissertações sobre o seu dever como a segunda na linha de sucessão ao trono depois de sua mãe. Haveria instruções sobre o que ela podia e não podia fazer. E seria mais do que o anterior – por agora. Seu futuro não era um assunto que queria discutir com seus pais. Mas era óbvio que ela não tinha escolha. Ela esperou e dessa vez Cassandra falou.
— Maddie, não podemos ter você correndo selvagemente, fazendo o que quer e assumindo os riscos do jeito que você tem feito.
A boca de Maddie ficou em uma linha fina. Ela percebeu que havia finalmente empurrado seus pais longe demais e agora eles não iriam recuar. Era tarde demais para fazer o tipo de discurso – totalmente falso – de desculpas que a tinha livrado de problemas no passado. Ela recorrido a esse passo muitas vezes, e agora a paciência deles estava no fim.
— Você precisa de ordem e disciplina em sua vida. Você precisa de um senso de propósito — esse era o seu pai.
Seus ombros caíram em desespero. Ordem, disciplina e propósito, pensou. Poderia ficar pior do que isso?
Ela pensou freneticamente. Não havia nada que pudesse fazer para evitar isto? Não havia um subterfúgio que ela poderia tentar? Ela tinha que tentar.
— Mamãe, pai, eu sei que venho me comportando terrivelmente e posso ver como eu lhes chateei. Mas eu...
Sua mãe a deteve com um gesto impaciente.
— É tarde demais para isso, Maddie. Nós lhe demos uma chance atrás da outra e você continuou a fazer o que queria e desrespeitar a nossa autoridade. Bem, a nossa paciência está finalmente chegando ao fim. Nossas mentes estão feitas.
E isso foi tudo, Maddie pensou. Conhecia a mãe suficientemente bem para saber que Cassandra tinha uma vontade de ferro e não seria dissuadida de um caminho, uma vez que ela tivesse escolhido. Maddie respirou fundo e esperou pelo pior.
— Nós decidimos — Horace falou — mandar você para Will como uma aprendiza.
O coração de Maddie pulou. Ela manteve os olhos baixos, não querendo que eles vissem a súbita luz de prazer que ela sabia que era muito óbvia. Esperou alguns segundos até que ela estivesse sob controle, então olhou para eles, de repente com medo de que ela tivesse confundido o que Horace havia dito.
— Will? — Ela perguntou timidamente. — Você quer dizer o Tio Will?
Will era seu padrinho. Ele tinha sido o seu responsável e sua nomeação e jurara atuar no lugar dos seus pais, se alguma vez fosse necessário. Ela amava Will. Quando era criança, ela o visitava frequentemente em Redmont, permanecendo em sua pequena cabana quente, ia a caças e acampamentos na floresta com ele. Will era divertido. Will tinha um senso de humor pernicioso que combinava com ela própria.
Claro, ela pensou, ele esteve bastante sério desde a morte de Alyss. Ela o tinha visto uma ou duas vezes desde então, e ele fora cruel e sem humor. Mas isso era de se esperar. Ele superaria isso em breve. Ela percebeu que sua mãe estava respondendo à pergunta que ela havia feito.
— Sim. Will. Seu padrinho. Vamos pedir-lhe para levá-la como uma aprendiza e treiná-la como uma Arqueira.
— Mas... Eu sou uma menina — Maddie falou, insegura.
Sua mãe olhou para ela secamente.
— Às vezes eu me pergunto se você é — disse ela.
Maddie acenou o sarcasmo de lado.
— Eu quero dizer... não há arqueiros mulheres. Nunca houve... ou houve?
Ela franziu o cenho, tentando pensar se já tinha ouvido falar de tal coisa. Em seguida, ela balançou a cabeça. Tinha certeza de que nunca houvera uma Arqueira antes.
— Você será a primeira — confirmou o pai.
— E eu vou viver com o Tio Will? Em Redmont? — ela perguntou.
Ambos assentiram, e ela não pôde evitar o sorriso enorme se espalhando por todo o seu rosto.
O Castelo Redmont era muito menos abafado e formal do que Araluen. Barão Arald e sua esposa, Sandra, eram anfitriões geniais e sempre a trataram com carinho. Não só isso, ela pensou, ela era superior a todos em Redmont – mesmo o Barão Arald. Não haveria ninguém lá que pudesse dizer a ela como se comportar ou o que fazer. Esta era uma notícia maravilhosa!
— Eu não pensaria tão fácil no Tio Will se eu fosse você — disse Horace, em tom de advertência. — Você será a sua aprendiza, você sabe.
— Sim. Sim — ela disse, emocionada, sua mente correndo.
Ela podia ver um futuro de festas, bailes, piqueniques e caça no Castelo Redmont, com ela no centro das coisas, ordenando que as pessoas fizessem a sua vontade, sem receber ordens de seus pais.
Claro, ela teria que ter cuidado para não exagerar. Se chegasse a notícia até eles de que ela está se divertindo muito, eles estariam sujeitos a cancelar toda a ideia.
— A vida como aprendiza não será fácil — disse a mãe, olhando-a com cuidado.
Maddie rapidamente se recompôs e olhou para ela devidamente castigada.
— Eu sei. Mas farei o meu melhor.
Interiormente, ela estava exultante. Will a amava. Ele a adorava. Ela podia torcê-lo ao redor de seu dedo mindinho. Ela sempre foi capaz fazê-lo. Por que as coisas seriam diferentes agora?
— Então... você está disposta a aproveitar isso? — Cassandra perguntou, e Maddie baixou os olhos, balançando a cabeça de forma submissa.
— Farei o meu melhor — disse ela. — Quero que vocês tenham orgulho de mim.


Gilan e Halt cavalgavam até a pequena cabana abaixo das árvores do castelo Redmont. Quando eles se aproximaram da cabana, puderam ver uma onda de fumaça de madeira da chaminé. Puxão, em seu estábulo atrás da cabana, relinchou uma saudação a Blaze e Abelard. Eles responderam.
— Bem, pelo menos ele está em casa — disse Gilan.
Enquanto ele falava, a porta da cabana se abriu e Will saiu para a pequena varanda. Ele acenou para seus dois velhos amigos.
— Halt. Gilan — disse ele.
O coração de Halt se afundou um pouco com o tom desprovido de emoção de Will. Anteriormente, a sua chegada teria sido uma ocasião de cumprimentos felizes, piadas e insultos alegres. Agora ele simplesmente se inclinou contra um poste na varanda, assistindo enquanto eles desmontavam.
Halt deu um passo na direção dos dois degraus que levam até a varanda, então parou.
— Podemos entrar? — ele perguntou incisivamente.
De alguma forma, a falta de cerimônia merecia algum tipo de censura.
— Claro.
Will ficou de lado e fez sinal para eles entrarem na cabana.
Halt tirou a capa e olhou ao redor do espaço familiar. Ele franziu a testa ligeiramente. Havia pratos sujos na bancada da cozinha e duas das cadeiras estavam afastadas da mesa de pinho, viradas em ângulos aleatórios. A lareira estava cheia de cinzas mortas e precisava de uma boa limpeza. A capa de Will estava jogada descuidadamente sobre as costas de uma das poltronas que ladeavam a lareira. Olhando através da porta aberta para o quarto de Will, anteriormente o seu próprio quarto, Halt podia ver que a cama estava desfeita.
Will notou a direção de seu olhar e moveu-se para fechar a porta do quarto.
— Ainda não tive tempo para a limpeza hoje — ele murmurou.
Halt levantou uma sobrancelha.
— Ou ontem, aparentemente.
Pelo menos, pensou, seu antigo aprendiz teve a graça de parecer um pouco envergonhado.
— Sentem-se — Will convidou, voltando-se para a pequena alcova na cozinha. — Vou fazer um café.
Halt e Gilan trocaram um olhar enquanto se sentavam nas poltronas ao lado do fogo. Gilan balançou a cabeça tristemente. Obviamente, Halt pensou, suas mentes estavam funcionando em pensamentos semelhantes.
Will atiçou o fogo na cozinha, em seguida, abriu a porta da fornalha e jogou alguns pequenos gravetos para aumentar as chamas corretamente. Ele balançou a chaleira. Houve um som de salpicos.
— Vou pegar um pouco de água — ele falou, e dirigiu-se para a porta.
A bomba ficava no pátio exterior. Mais uma vez os amigos trocaram um olhar. A primeira coisa na rotina normal seria buscar água fresca pela manhã.
— Ele simplesmente não parece se preocupar com nada — Gilan falou uma vez que Will estava lá fora.
Hal assentiu, as sobrancelhas se unindo em uma carranca.
— Então, cabe a nós fazê-lo preocupar-se.
A porta se abriu e Will voltou com a chaleira cheia. Colocou-a sobre a placa de aquecimento e, em seguida, ocupou-se das xícaras e do pote de café.
— Eu sei por que vocês estão aqui — ele falou.
Halt encolheu os ombros.
— Talvez você não saiba — respondeu.
— Vocês vão me dizer para sair dessa e me recompor. Bem, eu sinto muito se o lugar está uma bagunça. Me desculpe, eu estou uma bagunça.
Agora que ele mencionou o fato, Halt percebeu que suas roupas estavam amassadas e manchadas e seu cabelo e barba estavam longos e sem corte.
— Mas eu não me importo com tudo isso. Tudo que me importa é ver Jory Ruhl no final de uma corda.
— Eu posso entender isso — disse Gilan. — Mas o Corpo precisa de você.
— O corpo pode ficar sem mim até que eu esteja pronto — Will respondeu com petulância. — Eu tenho coisas mais importantes para fazer.

6 comentários:

  1. Coitado de Will ...
    Agora essa Maddie ...

    ResponderExcluir
  2. Iludida. Ser aprendiza do "Tio" Will, pensa que é festa. Quero só ver.

    ResponderExcluir
  3. Pensei a mesma coisa! Will vai botar curto nela, ele vai ser um Halt! kkkkkkkkkkkk
    Já estou imaginando isso!
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  4. Ja to vendo as realidades que a princesinha vai encarar... Querer torcer o Will, sério? Ainda mais agora que ele esta todo amargurado.

    ResponderExcluir
  5. Quero só ver a princesa fazendo o que o Will fazia nos primeiros dias de treinamento kkkkk enquanto o Halt ficava só observando​

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)