30 de janeiro de 2017

Capítulo 72

O corpo de Aelin doía.
Tudo doía. Seu sangue, sua respiração, seus ossos.
Não restava magia. Nada sobrou para salvá-la.
— Não — Lorcan disse suavemente.
Apenas girar a cabeça provocou agonia descendo por sua espinha. Mas Aelin olhou para Elide, para Lorcan forçado a segurá-la, seu rosto branco com puro terror enquanto olhava para Cairn, Maeve e Elide. Manon fazia o mesmo – avaliando as probabilidades, quão rápido ela teria que ser para limpar a área.
Bom. Bom – Manon levaria Elide. A bruxa esperava que Aelin fizesse um movimento, sem perceber que... ela não tinha mais nada. Não havia mais poder para um ataque final.
E aquele poder sombrio ainda estava enrolado em torno de seus ossos, tão forte que um movimento de agressão... um movimento, e os ossos dela quebrariam.
— Não a quê, Lorcan? — Maeve perguntou a Lorcan. — Elide Lochan sendo levada conosco caso Aelin decida lutar, ou à minha generosa oferta de deixar Elide se Sua Majestade vier de bom grado?
Um olhar para o guerreiro feérico de cabelos castanhos – Cairn – de pé ao lado de Maeve, e Aelin sabia o que ele era. Ela tinha matado bastante deles ao longo dos anos. Ela passara algum tempo com Rourke Farran. O que ele faria a Elide... Lorcan também sabia o que um homem como Cairn faria a uma jovem mulher. E se fora sancionado pela própria Maeve...
— Ela é inocente — Lorcan falou. — Pegue a rainha e nos deixe ir.
A própria Manon estalou para Maeve.
— Ela pertence às Dentes de Ferro. Se não tem nenhuma disputa comigo, então não tem com ela. Deixe Elide Lochan fora disso.
Maeve ignorou Manon e chamou Lorcan:
— Eu ordeno que você se retire. Ordeno que você olhe e não faça nada. Ordeno que não se mova ou fale até eu permitir. As ordens também se aplicam a você, Fenrys.
E Lorcan obedeceu. Fenrys também. Seus corpos simplesmente se enrijeceram – e então nada.
Elide girou para implorar a Lorcan:
— Você pode parar isto, você pode lutar contra...
Lorcan nem sequer olhou para ela.
Aelin sabia que Elide lutaria. Não entenderia que Maeve estava jogando este jogo fazia séculos, e esperou até este momento, até que a armadilha fosse perfeita, para agarrá-la.
Aelin encontrou Maeve sorrindo para ela. Tinha jogado, jogado e perdido.
Maeve assentiu como se quisesse dizer sim.
A pergunta não dita dançou nos olhos de Aelin enquanto Elide gritava para Lorcan, para Manon, para ajudarem. Mas a bruxa conhecia suas ordens. Sua tarefa.
Maeve leu a pergunta no rosto de Aelin e disse:
— Eu levarei as chaves em uma mão e Aelin Portadora do Fogo na outra.
Teria de quebrá-la primeiro. Matá-la ou quebrá-la...
Cairn sorriu.
As escoltas agora estavam arrastando algo praia acima, do barco que eles haviam remado de seu navio à espera. Já as velas escuras estavam se desenrolavam.
Elide enfrentou Maeve, que não se dignou a olhar para ela.
— Por favor, por favor...
Aelin simplesmente acenou com a cabeça para a rainha feérica. Sua aceitação e rendição.
Maeve inclinou a cabeça, triunfo em seus lábios vermelhos.
— Lorcan, solte-a.
As mãos do guerreiro afrouxaram-se ao lado.
E porque ela tinha vencido, Maeve até afrouxou o aperto de poder nos ossos de Aelin. Permitiu que Aelin se voltasse para Elide e dissesse:
— Vá com Manon. Ela cuidará de você.
Elide começou a chorar, afastando-se de Lorcan.
— Eu vou com você, eu vou com você...
A garota faria isso. A garota enfrentaria Cairn e Maeve... mas Terrasen precisaria desse tipo de coragem. Se fosse para sobreviver, se fosse para curar, Terrasen precisaria de Elide Lochan.
— Diga aos outros — Aelin sussurrou, tentando encontrar as palavras certas. — Diga aos outros que sinto muito. Diga a Lysandra para se lembrar de sua promessa, e que eu nunca deixarei de ser grata. Diga a Aedion... Diga que não é culpa dele, e que... — sua voz se quebrou. — Eu gostaria que ele tivesse sido capaz de fazer o juramento, mas Terrasen cuidará dele agora, e as linhas não devem quebrar.
Elide assentiu com a cabeça, as lágrimas escorregando pelo rosto manchado de sangue.
— E diga a Rowan...
A alma de Aelin se estilhaçou ao ver a caixa de ferro que os acompanhantes agora carregavam entre eles. Um antigo caixão de ferro. Grande o suficiente para uma pessoa. Feito para ela.
— E diga a Rowan — Aelin falou, lutando contra seu próprio soluço — que eu sinto muito por ter mentido. Mas que todo o tempo foi emprestado de qualquer maneira. Mesmo antes de hoje, eu sabia que tudo era apenas tempo emprestado, mas eu ainda gostaria que tivéssemos mais do que isso — ela lutou além de sua boca trêmula. — Diga que ele tem que lutar. Ele deve salvar Terrasen e lembrar-se dos votos que me fez. E diga a ele... diga que agradeço... por atravessar aquele caminho escuro comigo de volta à luz.
Abriram a tampa da caixa, puxando longas e pesadas correntes para dentro.
Um dos guardas entregou a Maeve uma máscara de ferro ornamentada. Examinou-a nas mãos.
A máscara, as correntes, o caixão... tinham sido trabalhados muito antes. Séculos atrás. Forjados para conter e quebrar o descendente de Mala.
Aelin olhou para Lorcan, cujos olhos escuros estavam fixos nos seus.
E a gratidão brilhava lá. Por poupar a moça a quem ele dera seu coração, ele soubesse ou não.
Elide implorou a Maeve uma última vez:
— Não faça isso.
Aelin sabia que não lhe faria nada de bom. Então ela disse para Elide:
— Estou feliz que nos conhecemos. Estou orgulhosa de conhecê-la. E acho que sua mãe também teria se orgulhado de você, Elide.
Maeve abaixou a máscara e disse a Aelin:
— Rumores dizem que você não se curvará diante de ninguém, Herdeira do Fogo — aquele sorriso serpenteante. — Bem, agora você se curvará a mim.
Ela apontou para a areia.
Aelin obedeceu.
Seus joelhos gritaram quando ela caiu no chão.
— Mais baixo.
Aelin deslizou seu corpo até que sua sobrancelha estava na areia. Ela não se deixou sentir, não deixou sua alma senti-la.
— Bom.
Elide soluçava, murmurando sem palavras.
— Tire sua camisa.
Aelin hesitou – percebendo onde isso estava indo.
Por que o cinto de Cairn carregava um chicote.
— Tire sua camisa.
Aelin puxou sua camisa e atirou-a sobre a cabeça, jogando-a na areia ao lado. Então tirou o pano flexível em torno de seus seios.
— Varik, Heiron — dois machos Feéricos avançaram.
Aelin não lutou quando cada um a agarrou por um braço e a levantou. Abrindo seus braços. O ar do mar beijou seus seios, seu umbigo.
— Dez chicotadas, Cairn. Deixe Sua Majestade ter um gosto do que esperar quando chegarmos ao nosso destino, se ela não cooperar.
— Seria um prazer, Senhora.
Aelin segurou o olhar vicioso de Cairn, o gelo disposto em suas veias quando ele liberou seu chicote. Quando ele moveu os olhos sobre seu corpo e sorriu. Uma tela para ele pintar com sangue e dor.
— Por que você não conta para nós, Aelin? — Maeve sugeriu, a máscara pendendo de seus dedos.
Aelin manteve a boca fechada.
— Conte, ou vamos começar de novo a cada golpe que você perca. Você decide por quanto tempo isso vai continuar. A menos que prefira que Elide Lochan receba esses golpes.
Não. Nunca.
Nunca mais ninguém além dela. Nunca.
Mas enquanto Cairn andava devagar, saboreando cada passo, enquanto deixava o chicote se arrastar pelo chão, seu corpo a traiu. Começou a tremer.
Conhecia a dor. Sabia como sentiria, o que pareceria.
Seus sonhos ainda estavam cheios disso.
Não havia dúvidas de por que Maeve tinha escolhido chicoteá-la, por que ela tinha feito isso com Rowan em Doranelle.
Cairn parou. Sentiu-o estudando a tatuagem nas costas. As palavras amorosas de Rowan, escritas lá na Língua Antiga.
Cairn bufou. Então ela sentiu que ele se deleitava em como destruiria aquela tatuagem.
— Comece — disse Maeve.
Cain sugou uma respiração.
E mesmo se preparando, mesmo apertando com força, não havia nada para se preparar para a rachadura, a picada, a dor. Ela não se deixou gritar, apenas sibilou através de seus dentes.
Um chicote empunhado por um superintendente em Endovier era uma coisa.
Um empunhado por um macho feérico de raça pura...
O sangue escorregou pelas costas de suas calças, sua pele rachada gritando.
Mas ela sabia como se controlar. Como ceder à dor. Como tomá-la.
— Que número era esse, Aelin
Ela não faria isso. Ela nunca contaria para aquela cadela desgraçada...
— Comece de novo, Cairn — ordenou Maeve.
Uma risada rouca. Então a rachadura e a dor e Aelin arqueou, os tendões em seu pescoço perto de estalarem enquanto ela ofegava através de dentes cerrados. Os machos segurando-a a agarraram firme o suficiente para causar contusões.
Maeve e Cairn esperaram.
Aelin se recusou a dizer a palavra. A iniciar a contagem. Morreria antes de fazer isso.
— Oh deuses, oh deuses — Elide soluçou.
— Comece de novo — Maeve simplesmente ordenou.
Então Cairn o fez.
Mais uma vez.
Mais uma vez.
Mais uma vez.
Eles começaram mais nove vezes antes de Aelin finalmente gritar. O golpe tinha sido direto em cima de outro, rasgando a pele até o osso.
Mais uma vez.
Mais uma vez.
Mais uma vez.
Mais uma vez.
Cairn estava ofegante. Aelin se recusou a falar.
— Comece de novo — repetiu Maeve.
— Majestade — murmurou um dos homens segurando-a. — Pode ser prudente adiar até mais tarde.
— Ainda há muita pele — respondeu Cairn.
Mas o homem disse:
— Outros estão se aproximando, ainda longe, mas se aproximando.
Rowan.
Aelin choramingou então. Tempo – ela precisava de tempo...
Maeve fez um pequeno ruído de desgosto.
— Continuaremos mais tarde. Prepare-a.
Aelin mal conseguia levantar a cabeça enquanto os machos a levavam. O movimento fez com que seu corpo rugisse em tal dor que a escuridão a inundou. Mas ela lutou contra, apertou os dentes e silenciosamente rugiu de volta para aquela agonia, aquela escuridão.
A alguns passos de distância, Elide deslizou para seus joelhos como se ela implorasse até que seu corpo desistisse, mas Manon a pegou.
— Vamos agora — disse Manon, puxando-a para longe.
— Não — Elide cuspiu, batendo.
Os olhos de Lorcan se arregalaram, mas com o comando de Maeve, ele não podia se mover, não podia fazer nada enquanto Manon batia o cabo da Ceifadora de Vento na lateral da cabeça de Elide.
A menina caiu como uma pedra. Era tudo o que Manon precisava para levá-la por cima de um ombro e dizer a Maeve:
— Boa sorte.
Seus olhos deslizaram para Aelin uma vez – apenas uma vez. Então ela desviou o olhar.
Maeve ignorou a bruxa enquanto Manon andava em direção ao coração dos pântanos. Lorcan esticou o corpo.
Esticava – como se estivesse lutando contra aquele juramento de sangue com tudo que possuía.
Aelin não se importou.
Os machos a arrastaram para Maeve.
Para a caixa de ferro. E as correntes. E a máscara de ferro.
Verticilos de fogo, pequenos sóis e brasas tinham sido moldados em sua superfície escura. Uma zombaria do poder que devia conter – o poder que Maeve precisara assegurar estar completamente drenado antes que a trancasse. A única maneira que poderia trancá-la.
Cada centímetro de seus pés arrastado através da areia era uma vida. Cada centímetro era um batimento cardíaco. O sangue encharcava suas calças. Ela provavelmente não seria capaz de curar suas feridas dentro de todo aquele ferro. Só depois que Maeve decidisse curá-las.
Mas Maeve não a deixaria morrer. Não com as chaves de Wyrd na balança. Ainda não.
Tempo – ela estava agradecida por Elena ter lhe dado aquele tempo roubado.
Agradecida por ela ter encontrado todos eles, ter visto uma pequena parte do mundo, ter ouvido canções tão lindas, dançado e rido e conhecido a verdadeira amizade. Agradecida por ter encontrado Rowan.
Ela ficou grata.
Então Aelin Galathynius secou suas lágrimas.
E não lutou quando Maeve prendeu aquela linda máscara de ferro em seu rosto.

25 comentários:

  1. meus deuses..não, por favor não...serio cara, to sentindo uma depressão pos livro vindo...aelin, cara...não aguento.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. O mesmo chorei muito enquanto lia
      Assinado:brenyellen

      Excluir
  3. que sofrimento omg!!!

    ResponderExcluir
  4. Esperar, esperar e esperar =-(

    -B.Bunny

    ResponderExcluir
  5. Rowan, chega logo pelo amor de Deus!!!

    ResponderExcluir
  6. Agora eu entendo porque o povo do face que acompanha trono de vidro disse que tava sem chão depois desse livro

    ResponderExcluir
  7. No próximo livro eu só preciso de uma coisa pra me sentir realizada...
    Aelin matar a Maeve e o esquadrão inteiro se ajoelhar perante a ela!
    Nem choro só fico tremendo visualizando essa cena ❤

    ResponderExcluir
  8. Tem olho nas minhas lágrimas :'( :'( :'( VADIA DESGRAÇADA, MORRA MAEVE, QUEIME NO FOGO DO INFERNO, PUTA DO CAPIROTO, ESPERA QUE VC TENHA UMA MORTE LENTA E DOLOROSA

    ResponderExcluir
  9. Ei acho que ela e a manon tem algum plano.

    ResponderExcluir
  10. Serio?acaba assim? Sem previsão para o proximo? 😱😱😱😱😱 Nãoooooooooo 😭😭😭😭😭😭

    ResponderExcluir
  11. Não DÁ PRA ACREDITAR QUE MERDAAAAA VELHOOOOOOOOOOO PQPPPP MEU DEUS TO CHORANDO MUITO NÃO ACREDITO

    ResponderExcluir
  12. caralho mano maeve sua desgraçada dos infernos nao vejo a hora da aelin te matar sua vaca
    morrendo aqui fala serio ter que esperar mais um ano pra continuaçao
    olha aqui tia sarah a aelin e a melhor personagem entao e bom vc arrumar outro jeito pra esse cadeado ser forjado
    #NAOACEITOAMORTEDELAAA

    ResponderExcluir
  13. caralho mano maeve sua desgraçada dos infernos nao vejo a hora da aelin te matar sua vaca
    morrendo aqui fala serio ter que esperar mais um ano pra continuaçao
    olha aqui tia sarah a aelin e a melhor personagem entao e bom vc arrumar outro jeito pra esse cadeado ser forjado
    #NAOACEITOAMORTEDELAAA

    ResponderExcluir
  14. Que ódio!!! 👿👿👿👿👿💔💔💔💔

    ResponderExcluir
  15. NÃOOO

    As chaves ao menos não estão col ela, não é?

    ResponderExcluir
  16. Li esse livro no início de fevereiro, e não estou triste pelo que aconteceu com ela,estou revolts😐😐!!! Mas toda vez a Aelin da a volta por cima e brilha que nem no livro Herdeira do Fogo e Rainha das Sombras, ela vai conseguir derrotar essa Rainha Piranha da Maeve, e a tia Sarah não dá ponto sem nó...😌😌

    ResponderExcluir
  17. A autora vai revelando no decorrer do livro o final, tipo aquela parte que o Lorcan pensa que talvez a Elide seja aquela que iria colocar a Aelin de joelhos.
    E outra, só eu fiquei pensando no Gabriel, que já tava livre do juramento a essa altura do campeonato e mesmo assim não fez nada?

    ResponderExcluir
  18. Parece até a rainha vermelha kkkk não basta sofrer horrores tem que se entregar pro inimigo em troca da vida de alguém kkkk

    ResponderExcluir
  19. Apesar dessa cena muito triste sei que ela vai matar o mais lentamente possível Maeve
    Oq aconteceu com gavriel? Achei q ele tinha se livrado do juramento de sangue
    Ass: Milly*-*

    ResponderExcluir
  20. NAO NAO NAO NAO NAO NAO NNAO NAAAAAAAAAAO 💔💔💔 ISO N PODE ESTAR ACONTECENDO.. NÃOO 😥 ESSA DESGRAÇADA VAI VER SÓ!!! 😡😡😥

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)