30 de janeiro de 2017

Capítulo 64

Aelin tinha um corpo que não era um corpo.
Ela sabia apenas por este vazio, neste crepúsculo nebuloso, que Manon tinha um corpo. Um corpo praticamente transparente, fantasmagórico, mas... não mais que uma forma.
Os dentes e as unhas de Manon brilharam na luz fraca enquanto ela observava uma névoa cinzenta.
— O que é este lugar?
O espelho as tinha transportado para... onde quer que aquele lugar fosse.
— Seu palpite é tão bom quanto o meu, bruxa.
Teria o tempo parado além da névoa? Teria Maeve continuado a atacar sabendo que ela não estava mais presente – ou atacaria de qualquer maneira? Aelin não tinha dúvida de que Rowan manteria as linhas o máximo possível. Não tinha dúvida de que ele e Aedion os liderariam. Mas...
Se o espelho de bruxa era o cadeado que ela procurava, esperava alguma reação imediata das duas chaves de Wyrd que ela enfiara na jaqueta.
Não... isto. Não absolutamente nada.
Aelin empunhou Goldryn. Na névoa, o rubi da espada cintilava – uma única cor, uma única luz. 
— Ficaremos próximas — Manon falou. — Só falamos quando necessário.
Aelin estava inclinada a concordar. Havia um chão sólido sob o sol, mas névoa escondia seus pés – escondia qualquer coisa além de que elas estavam sobre o chão além de uma raspagem fraca e som de esmigalhamento.
— Algum palpite para onde? — murmurou Aelin.
Mas elas não tiveram que decidir.
O redemoinho de neblina escureceu, e Manon e Aelin se aproximaram, uma de costas para a outra. A escuridão da noite se fechou ao redor delas – cegando-as.
Então... uma luz escura e sombria surgiu em frente. Não, não em frente. Aproximando-se. O ombro ósseo de Manon encostou no dela, pressionando mais forte. Uma parede impenetrável.
Mais uma luz ondulou e se expandiu, figuras aparecendo dentro dela. Se solidificando.
Aelin soube de três coisas quando a luz e a cor que as envolviam se tornaram tangíveis:
Elas não foram vistas, ou ouvidas, ou sentidas por aqueles que estavam diante delas.
E este era o passado. Há mil anos, para ser exata.
E aquela era Elena Galathynius, de joelhos em uma passagem preta e árida de uma montanha, sangue escorrendo de seu nariz, enquanto lagrimas deslizavam através da sujeira grudada em seu rosto e pingavam em sua armadura. Um túmulo de obsidiana de alguma forma posicionado diante dela.
Em todo o espaço, marcas de Wyrd brilharam como um fogo azul pálido. E no centro dela... o Olho de Elena, o amuleto mantido dentro da própria pedra, seu ouro pálido sem enfeites reluzindo.
Então, como uma respiração fantasma soprasse sobre ele, o Olho esmaeceu, junto com as marcas de Wyrd.
Elena conseguiu com uma mão trêmula torcer o Olho, girando-o três vezes na pedra preta. O Olho clicou e saiu na mão de Elena. Selando o sarcófago.
Trancando-o.
— Você tinha o cadeado esse tempo todo — Manon murmurou — mas então o espelho...
— Acho que — respirou Aelin — fomos deliberadamente enganados sobre o que devemos recuperar.
— Por quê? — Manon disse com igual calma.
— Suponho que estamos perto de descobrir.
Uma lembrança – era isso. Mas o que era tão vital para que eles fossem enviados para recuperar quando o maldito mundo estava caindo aos pedaços?
Aelin e Manon ficaram em silêncio enquanto a cena se desenrolava. Enquanto a verdade, finalmente a verdade, agora estava sendo mostrada.

9 comentários:

  1. Sarah,eu realmente estou cansada do seus mistérios
    Dá para revelar um plano inteiro sem que seja surpresa?

    ResponderExcluir
  2. Desse jeito meu coração não aguenta, tô infartando com tanto mistério e é ansiedade pra krl.
    #PartiuProximoCapitulo

    ResponderExcluir
  3. Nesse livro as pessoas só fazem três coisas: Trepar, lutar e desvendar mistérios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso é tão bom! Kk Em uma guerra de vdd é só isso que se faz msm então...

      Excluir
  4. Os capítulos estão tão bons mas tão bons que ninguém quer comentar, já passam direto pro próximo kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. nao aguento mais essa tensao de nao saber oq ta acontecendo

    ResponderExcluir
  6. Sara tá parecendo a Elena, enigma em cima de enigma.

    ResponderExcluir
  7. Nossa não tô acostumada com tantos enigmas.
    Ass: Milly*-*

    ResponderExcluir
  8. Vamos concordar: Sarah J Maas é a melhor autora de todos os tempos junto com Rick Riordan e Cassandra Clare 😍

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)