26 de janeiro de 2017

Capítulo 50

Halt bateu a mão no ombro da sentinela esgotada.
— Obrigado, meu amigo  disse ele. — Agora vá e pegue um pouco de comida, depois descanse. Você serviu o seu imperador muito bem.
— Hai, Halto-san!  o jovem Kikori, viajante e sujo respondeu.
Ele havia passado um período de quatro enervantes dias vigiando o exército Arisaka para trazer o seu relatório para Ran-Koshi. Ele curvou-se para o grupo de comando, então, novamente, mais profundamente, ao imperador. Então ele se virou e saiu. Halt esperou até que ele tinha ido embora.
— Eu acho que devemos agir  disse ele. — Nós vamos ter que forçar as coisas para Arisaka antes que seus reforços cheguem aqui.
— Agora sabemos o que ele está esperando  disse Horace pensativo.
O vale que conduzia até Ran-Koshi tinha estado claro por vários dias, o final da neve já havia derretido. Todos os dias eles esperavam o ataque de Arisaka e todo dia ele falhava em fazê-lo.
Agora o motivo de seu atraso era óbvio. General Yamada, um aliado inesperado, marchava em sua ajuda com uma força de trezentos Senshis. Segundo o relatório que acabaram de receber, as tropas extras poderiam chegar dentro de uma questão de dias.
Shigeru sacudiu a cabeça tristemente.
— Eu esperava que Yamada ao menos se mantivesse neutro. Nunca pensei que ele iria acreditar nas mentiras que Arisaka vem espalhando sobre mim.
Através do inverno, a rede de espiões de Atsu tinha trazido relatos de uma extensa campanha de desinformação gerada por Arisaka e seus aliados para conquistar os clãs não aliados.
Segundo esses relatos, Shigeru havia abandonado o trono e fugido do país. Arisaka estava alegando ter prendido uma força rebelde que estava usando o nome de Shigeru e um impostor que se assemelhava ao imperador, na tentativa de ocupar o trono.
— Quanto maior a mentira, mais fácil é para vender  Halt disse simpaticamente. — As pessoas tendem a acreditar que uma história absurda deve ser verdadeira, justamente porque é tão improvável.
— Mas, certamente, uma vez que Yamada e seus homens verem Shigeru, eles saberão que a história é falsa?  Will perguntou.
Halt balançou a cabeça.
— Quantos dos homens de Yamada te conhecem de vista? — perguntou ao imperador.
Shigeru franziu os lábios.
— Muito poucos. Mesmo Yamada teria que me ver de perto para me reconhecer.
— E pelo tempo que teria a chance pra fazer isso, você estaria morto. Você pode ter certeza que Arisaka se certificaria disso  Halt respondeu. — Mas, se nós pudéssemos quebrar o vigor de Arisaka antes de Yamada chegar, você teria a chance de provar que é o imperador.
— Arisaka tem pelo menos quinhentos  Will ressaltou. — Eles nos superam em mais de 2 por 1.
— Eles nos superarão em 4 por 1, se esperarmos por Yamada chegar  Halt apontou. — E desse jeito, nós podemos escolher nosso próprio campo de batalha.
O arqueiro de barba grisalha virou-se para onde Jito, o ex-chefe da aldeia da margem, estava de pé a poucos passos dos outros.
Jito ainda estava um pouco espantado de estar tão próximo do imperador, mas ele ganhou o seu lugar nesse conselho. Halt o colocou como responsável pela logística e organização de defesas.
— Jito, os ouriços estão prontos?
Jito assentiu com a cabeça em confirmação.
— Sim, Halto-san. Temos cinquenta deles. Eu os levei para baixo da passagem de Mikeru e eles estão prontos para serem montados e colocados em posição.
Aqueles Kikoris que não foram treinados para lutar tinham se ocupado nos meses anteriores na construção de medidas de defesa e equipamentos. Os ouriços, uma obstrução portátil desenvolvida por Halt, podiam ser montados rapidamente no campo de batalha, era um exemplo de seus trabalhos.
— Então os implante nesta noite entre as rochas e os deixe cair ao nosso flanco esquerdo.
— Sim, Halto-san. Levará entre 4 e 5 horas para montá-los e colocá-los em posição.
— Precisamos deles em posição na primeira luz do dia. Defina seu próprio tempo, mas certifique-se de que estejam em posição quando precisarmos.
— Sim, Halto-san.
Jito curvou-se para o imperador e se virou para sair da barraca.
Horace avançou para estudar o mapa que Halt havia preparado.
— Você pretende envolver Arisaka no mesmo terreno onde lutamos a primeira batalha.
Halt balançou a cabeça em confirmação.
— Nosso flanco direito será garantido pelo blefe. As pedras eram boas o suficiente sobre o flanco esquerdo quando não estávamos em desvantagem numérica, mas nós vamos precisar de mais tempo. Os ouriços vão estender a proteção a esse raso precipício. Dessa forma, ambos os flancos estão seguros.
Selethen coçou o queixo pensativo ao olhar para o mapa.
— Relativamente seguro  ele corrigiu. — Eles ainda vão passar os ouriços, com tempo  ele disse e olhou para Halt.
— Verdade. Então eu colocarei os arremessadores-de-lança de Mikeru no flanco esquerdo. Eles podem ficar escondidos entre as rochas, em seguida, acertam os Senshis enquanto eles forçam seu caminho através das defesas. O goju reserva pode cuidar de qualquer um que passar por isso. E os homens de Moka podem dar uma mão, se eles precisarem.
Moka, chefe da guarda pessoal Senshi de Shigeru, franziu a testa quando os estrangeiros discutiam essas disposições.
— Halto-san  ele perguntou — por que não simplesmente avançar para o vale abaixo da paliçada? Nós poderíamos escolher um lugar onde as paredes do vale protegessem nossos flancos.
— Se fizermos isso  Halt explicou — não há nenhum incentivo para Arisaka atacar. Ele saberá que poderíamos simplesmente recuar do vale para a paliçada. Se sairmos aqui, na planície, ele verá que nós não temos nenhuma linha real para recuar.
— Além de passagem de Mikeru  Will apontou e Halt olhou para ele.
— Verdade. Mas Arisaka não sabe sobre isso. Ele vai ver isso como a chance de nos derrotar de uma vez por todas.
— Se acontecer o pior, nós nunca conseguiríamos fazer auxílio para passar com pressa. É muito estreita. Nossos homens ficariam presos na entrada  disse Horace.
— É um risco  disse Halt. — Mas acho que temos que lançar os dados e levar isso adiante.
O imperador ficou com uma expressão de preocupação no rosto. Ele olhou para Horace, em seguida, voltou para Halt.
— Halto-san, você está dizendo que, para fazer Arisaka nos atacar, teremos que nos colocar em perigo, em posição exposta?
Halt encontrou seu olhar calmamente.
— É isso mesmo, Vossa Excelência. Há sempre riscos em batalhas. É um negócio perigoso. O truque é ter as pessoas certas.
— Como você sabe quem são os certos?  Shigeru perguntou.
Halt olhou para seus dois companheiros mais jovens. Eles responderam em coro:
— Você espera e vê se venceu.
Shigeru assentiu.
— Acho que eu deveria saber disso.
Halt sorriu amargamente a Will e Horace. Eles sabiam, assim como ele, que estavam correndo um grande risco. Mas a única maneira de vencer batalhas, quando estavam seriamente em desvantagem numérica, era arriscando.
— Tenha os seus gojus prontos para sair duas horas antes do amanhecer — ordenou. — Vamos passar pelo portão da paliçada e marchar em direção ao vale principal. Vai ser mais seguro e mais rápido do que se deslocar para baixo pela passagem de Mikeru. E, além disso, precisamos mantê-la livre para Jito.
Depois que os outros deixaram a sala, Halt permaneceu com Shigeru. O imperador estava sentado, esperando em expectativa. Ele sabia que Halt queria falar com ele, e teve uma ideia sagaz a respeito do que seria.
— Vossa Alteza  Halt começou — há uma alternativa que nós não discutimos...
Ele fez uma pausa, procurando a maneira correta de abordar o assunto, mas Shigeru estava à frente dele.
— Halto-san, você vai sugerir que eu poderia fazer a minha fuga daqui sozinho, certo?
Halt foi pego de surpresa de como o imperador havia lido seus pensamentos tão
facilmente. Mas ele se recuperou rapidamente.
— Sim, senhor, vou sugerir. Isso não precisa ser uma coisa permanente. Mas eu tenho que admitir as chances aqui estão contra nós. Poderia ser melhor se você fizesse seu caminho para o litoral. Nosso navio está esperando em uma ilha apenas poucos dias. Eles poderiam levá-lo a bordo e...
— E tornar as mentiras de Arisaka verdadeiras  disse Shigeru.
Halt encolheu os ombros, desconfortável.
— Não exatamente. Você estaria livre para voltar quando as coisas estivessem mais instaladas aqui. Poderia até levantar alguns dos clãs do sul contra Arisaka.
— E os Kikori?  Shigeru perguntou. — O que aconteceria com eles se eu os abandonasse?
Halt fez um gesto de desprezo.
— Você está usando termos emotivos aqui. Você não está abandonando eles...
Shigeru bufou em escárnio.
— Eu estou deixando-os na véspera de uma batalha que estão lutando em meu nome  disse ele. — Uma batalha que você mesmo disse é um risco, sem garantia de sucesso. Isso não conta como abandoná-los?
— Mas eles entendem. Eles estão lutando por você.
Halt tinha que continuar tentando, embora pudesse ver que não iria convencer o imperador.
— Que é mais uma razão para eu ficar  disse Shigeru.
Então depois de uma pausa continuou.
— Diga-me, Halto-san, se eu fosse fugir, você e seus amigos viriam comigo?
Halt hesitou. Então ele respondeu, sabendo que Shigeru merecia ouvir a verdade.
— Não, vossa excelência, não iríamos. Nós treinamos esses homens pra lutar. Cabe a nós ficar aqui e levá-los quando eles lutam.
— Exatamente. Eu pedi a esses homens para lutar em meu nome. Cabe a mim acreditar neles quando eles o fazem. Então, como você, eu tenho que ficar e correr o risco.
Houve um silêncio entre eles por algum tempo. Então, com um elevar quase imperceptível de seus ombros, Halt capitulou.
— Bem, suponho que é melhor se certificar de que nós ganhemos.
Shigeru sorriu.
— Isso é precisamente o porquê de precisarmos ficar aqui.

Um comentário:

  1. Halt só gastou saliva, se Shigeru na primeira vez n deixou de ir, porque iria deixar agora... esta muito corrido tbm a historia, o autor poderia ter alongado mais com mais detalhes...parece até pressa pra terminar logo

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)