26 de janeiro de 2017

Capítulo 19

O navio pirata estava longe, com uma estrutura de doze remos de cada lado. Ele tinha um mastro pequeno e uma vela quadrada. Quando se aproximou do navio escandinavo, os dois bancos de remos subiam e desciam em uníssono perfeito.
— Podemos superá-lo, Gundar? — Halt perguntou.
Como sempre, Gundar olhou para o céu, a vela e o outro navio, em seguida farejou o ar experimentalmente antes de responder.
 Do jeito que o vento está, sem problemas — respondeu.
Ele gritou uma ordem para os velejadores para ajustar a vela que a seguir viria uma curva mais difícil. Ao mesmo tempo, cutucou o leme ligeiramente de modo que a proa do navio balançou alguns graus a bombordo. Instantaneamente, Will sentiu um tremor percorrer o convés enquanto o navio inclinou-se então acelerou.
Halt estava coçando a barba pensativo, ainda assistindo os piratas que estavam atrás deles. Ele estimou que havia entre quarenta ou cinquenta homens na tripulação dele e podia ver o capitão que estava inclinado, estimulado a gritar incentivos aos remadores quando perceberam que estavam perdendo terreno para o navio estrangeiro com sua vela triangular.
— E se o vento mudar?  Halt perguntou.
Gundar encolheu os ombros e estudou a bandeira pirata.
 A proporção de remos é desigual, eles estão com doze e nós com oito — meditou Gundar em voz alta — em remos, provavelmente são mais rápidos que nós  concluiu.
Halt absorveu a informação e falou:
— Eles não são exatamente a única vela que avistamos do seu tipo.
Gundar assentiu.
— As velas daquele jeito dizem que estas águas são infestadas de piratas.
O arqueiro estudou os piratas de novo sob um esforço renovado de sua equipe de remo, fez uma distância do WolfWill. Mas agora depois daquele sinal de entusiasmo, estavam começando a ficar para trás novamente. Os remos do WolfWill estavam sendo enviados por um navio e a última parte da tripulação estava relaxando nos bancos fora da vista. Havia chances que os piratas pensassem que eram mercadores e estavam com apenas uma dúzia de homens.
 Você pode nos deixá-lo pegar sem que ele perceba?  ele perguntou.
Gundar respondeu imediatamente sem hesitar.
 Facilmente  falou sorrindo maldosamente — você que fazer uma surpresinha para eles?
 Alguma coisa desse tipo  Halt olhou para os homens no banco de remo. — Deixem suas armas prontas, mas fora de vista.
Ele foi respondido com uivos escandinavos. “Eles adoram uma luta”, pensou.
Enquanto isso, Gundar dava ordens e chamava remadores para a vela. Aquilo parecia impressionante, mas a realidade era que ela perdia velocidade manual. Mesmo assim os piratas continuavam a ganhar deles mais uma vez. Existia uma dúzia deles que se reuniram na proa gritando ameaças e apontando para uma pedreira.
— Eles não são bons — Will observou — quer que eu comece a atirar?
Ele tinha uma flecha no arco, contudo Halt balançou a cabeça negativamente.
 Ainda não — ele olhou para onde Evanlyn e Alyss estavam perto do trilho.
Evanlyn já tinha sua atiradeira pronta e estava lentamente a balançando pra frente e para trás. Ele viu que Alyss tinha algo em seu cinto.
 Vocês duas, venham para cá — falou, indicando um lugar a sua esquerda.
Elas observaram relutantemente. Teriam argumentado com ele antes, mas ambas sabiam que quando o navio partisse pra uma luta, as ordens de Halt seriam obedecidas sem hesitação.
 Você pode atirar assim que o navio estiver a um alcance bom para o estilingue — ele disse a Evanlyn  e você Alyss, pode usar o que tem no cinto se eles entrarem no navio.
 Isso é provável?
Deu um sorriso fraco olhando para os escandinavos. Ela sabia da qualidade de combate corpo a corpo dos escandinavos, principalmente daquela tripulação.
 Eu duvido  Halt disse, e se virando para Gundar e sua tripulação, explicou o plano.
 Nós vamos usar os arcos nas curvas e agarrá-los quando estivermos perto.
 E a tripulação deles? — Nils perguntou a partir dos bancos de remo.
 Se ficarem no caminho, destruímos tudo e entraremos a bordo.
— Você quer que a gente afunde ele? — Gundar perguntou e Halt balançou a cabeça.
— Não. Eu quero aquele navio seriamente danificado, mas capaz de voltar ao porto.
 Aquele som é parecido com o nosso  Gundar disse alegremente.
E um rugido soou na garganta da tripulação.
— Jens  ordenou um marinheiro  você leva oito homens até o barco. A âncora já está pronta para conseguirmos fazer o ataque, isso nós asseguramos.
 Eu também vou, skirl!  disse Nils Ropehander de sua posição sobre o remo da porta da frente Gundar assentiu.
— Primeiro de quatro linhas de ambos os lados seguem a bordo. Mas fiquem fora de vista agora!
 Só apareçam quando eu disser  Halt falou  queremos fazer uma grande surpresa a esses rapazes amáveis.
Novamente houve um grunhido de assentimento da tripulação. Eles eram feitos para esse tipo de encontro.
Muitos deles já estavam rindo com o pensamento de ver o medo nos corações dos piratas quando perceberam que o indefeso veleiro aparentemente desarmado era literalmente, um lobo em pele de cordeiro. Um lobo-marinho em pele de cordeiro, de fato.
 Evanlyn, deixe-me ver o que pode fazer  Halt disse silenciosamente.
A princesa não precisou que ele pedisse de novo. Ela já tinha uma pedra pronta na atiradeira. Olhando ao redor certificando-se que nada a impediria, ela deu dois giros e soltou o tiro.
Eles puderam acompanhar o tiro só por alguns segundos, pois o mesmo se perdeu na paisagem. Um segundo mais tarde, um dos piratas do navio inimigo começou a gritar e caiu derrubando sua roupa branca. Os companheiros dele pararam de falar em choque, silenciados por um momento, então redobraram suas ameaças e insultos, estimulando os remadores a irem mais rápido para pegar o insolente intruso.
Eles eram um grupo irregular, como Will havia mencionado, vestindo farrapos brancos, roupas coloridas e turbantes sujos. Geralmente eram magros e tinham a pele negra. Assim que chegaram mais perto, Will conseguiu ver suas armas, e elas eram uma mistura de espadas curvas, dardos e facas. Não parecia haver uniformidade entre eles e Will pensou que eles eram mais acostumados a combater tripulações indefesas a guerreiros treinados.
Halt assentiu, aprovando o tiro de Evanlyn
 Interessante, só dois giros  ele disse  em Arrida você girou muito mais antes de atirar.
 Eu venho praticando  ela respondeu  Rodar muito não vale a pena, avisa seu inimigo e te deixa exposto quando prepara do tiro. O ideal é ganhar o máximo de velocidade em um giro, mas ainda não consigo.
Ela mexeu na bolsa de couro pendurada no ombro e tirou outra forma especial de projéteis de chumbo
 Devo fazer outro?
Halt considerando os piratas que se aproximavam. observando com os olhos semicerrados contra a claridade do sol.
 Não, acho que já despertamos aquelas buzinas o suficiente. Quando começarmos a luta, você pode atirar neles o quanto quiser.
Ele se virou para Gundar.
 Quando você estiver pronto, skirl.
Gundar julgou os ângulos e a distância que se encontravam de sua vela.
— Eles estão vindo! — gritou e se inclinou no leme.
O navio balançou caprichosamente, a vela estava batendo ele rugiu:
— Abaixar vela!
E a vela bateu no convés. Rapidamente, dois marinheiros tiraram a vela do caminho.
A bordo do navio pirata, a tripulação silenciou, mas logo se virou para enfrentá-los.
— Mostrem-se, lobos do mar!  Halt gritou e dezesseis homens grandes e fortemente armados apareceram a partir dos bancos de remo para complementar os já na proa do navio.
Os piratas, esperando para atacar uma dúzia de marinheiros levemente armados, de repente, viram-se enfrentando pelo menos trinta gigantes tripulantes gritando, todos armados com achas de duas pontas.
No mesmo momento, o capitão do navio pirata começou a gritar ordens para cortar as cordas que estavam chegando agora perto das embarcações dos navios estrangeiros. Ele gesticulava desesperado para que os remadores se afastassem do perigo inesperado.
Will ouviu um som rápido zunindo quando Evanlyn rodopiou e atirou novamente. O capitão pirata de repente segurou sua testa, em seguida, caiu de costas no convés.
Houve batida quando os dois navios se aproximaram e os gritos, os escandinavos pulando sobre a própria amurada e chegando ao convés do vizinho. A maioria dos piratas reuniu-se na proa e deram uma olhada nos homens e em seus enormes machados e correram para a popa. Alguns deles tomaram a rota de escape mais curta e mergulharam no mar. Os poucos que decidiram lutar tiveram pouco tempo para lamentar a sua escolha.
A invasão, liderada agora por Nils, que forçou seu caminho passando por Jens, despedaçou os piratas, dispersando os seus corpos flácidos para os lados. Muitos tripulantes, liderados por Jens, caíram nos bancos desocupados de remos e quebraram os eixos que estavam em linha d’água. Jorrou água do mar através das fendas enormes que eles criaram.
Satisfeitos com seu trabalho, se ocuparam jogando os remos ao mar, enquanto seus companheiros seguravam o mastro do navio no lugar. Um homem subiu no mastro e abriu a vela, então deslizou rapidamente para baixo novamente. A vela estava cheia de vento e tensa no mastro.
Sem suporte, o mastro resistiu à pressão por alguns segundos, depois houve uma rachadura e cedeu ao vento, tendo um emaranhado de lona e cordéis com ele.
Gundar olhou para Halt. O arqueiro estava avaliando os danos que tinham causado. Quase metade dos piratas foram mortos ou incapacitados e o navio já estava fixando-se em arco. Era hora para deixar os piratas fazerem seus reparos e ter notícias deste navio muito indesejado estrangeiro de volta para seus lares no litoral.
— De volta a bordo! — falou a Gundar, que gritou aos seus homens. — De volta a bordo! Lobos do mar! Voltar para o navio!
Os homens começaram a escalar de volta ao navio, subindo a bordo do WolfWill, que ficou maior que o navio pirata. Os amigos dos escandinavos os ajudaram a subir a bordo. Nils foi o último a chegar. Inicialmente, ele estava lutando sozinho na retaguarda. Então os piratas pareceram perceber que não haveria mais futuro, o único futuro que lhes era esperado era vindo daquele machado de guerra. Em resposta, Nils balançou o machado os desafiando.
 Vamos seus vagabundos sujos, venham enfrentar um pirata de verdade!
Mas não tinha mais nenhum pirata a bombordo, e sem perceber, Nils estava avançando contra seus amigos.
 Somos nós Nils, seu grande idiota!  Gundar falou.
Nils parou e sorriu vergonhosamente:
— Desculpe, skirl!
Will tinha que sorrir, Nills parecia um garotinho que acabava de responder um chamado da mãe para jantar.
Nills fez um último gesto de insulto aos piratas, então se virou de volta aos remos.
 Cortem essas cordas de luta!  Gundar falou, e dois machados passaram por ele cortando as cordas.
Não mais amarrados, os dois navios começaram a lentamente ir para seu destino. Gundar olhou para baixo e a quarta e última fileira de remadores, alguns daqueles homens que não haviam saído para a batalha, sendo que alguns deles eram os piratas com quem acabaram de batalhar.
— Fora dos remos! Abram caminho! — ele mandou.
Os homens reagiram instantaneamente. Will percebeu que os escandinavos tinham feito esse tipo de coisa muitas vezes antes.
Então Halt percebeu que havia também não só escandinavos, mas também piratas nos remos.
 Bom, eu precisava de alguns vivos  Gundar disse sorrindo.

3 comentários:

  1. Karina, achei um erro de concordância numeral neste capítulo:
    " Alguns deles TOMOU ( TOMARAM- Já que seu sujeito é plural) uma rota de escape mais curta e MERGULHOU (MERGULHARAM - Já que seu sujeito é plural) para mar."

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)