6 de janeiro de 2017

58

— Aaron? — murmuro.
As luzes estão apagadas. Nós estamos deitados na cama. Estou esticada ao longo do corpo dele, minha cabeça usando seu peito como travesseiro. Meus olhos estão no teto.
Ele está passando a mão em meu cabelo, seus dedos às vezes afundando entre as mechas.
— Seu cabelo é como água — ele sussurra. — É tão fluido. Como seda.
— Aaron.
Ele deixa um beijo leve no topo da minha cabeça. Esfrega as mãos pelos meus braços.
— Você está com frio? — ele pergunta.
— Você não pode evitar isso para sempre.
— Nós não temos que evitar isso, nem um pouco — ele diz. — Não há nada a evitar.
— Eu só quero saber se você está bem — digo. — Estou preocupada com você.
Ele ainda não disse uma única palavra para mim sobre a mãe. Ele não disse nem uma palavra durante o tempo todo em que ficamos no quarto dela, e não falou sobre isso desde então. Nem fez alusão ao assunto. Nenhuma vez.
Mesmo agora, ele não diz nada.
— Aaron?
— Sim, amor.
— Você não vai falar sobre isso?
Ele fica em silêncio de novo por tanto tempo que estou prestes a me virar para olhar para ele.
Mas, então.
— Ela não está mais sentindo dor — ele diz, suavemente. — Isso é um grande consolo para mim.
Eu não o forço a falar depois disso.
— Juliette — ele diz.
— Sim?
Posso ouvi-lo respirar.
— Obrigado — ele sussurra. — Por ser minha amiga.
Eu então me viro. Aperto-me mais junto dele, meu nariz roçando seu pescoço.
— Sempre estarei ao seu lado se precisar de mim — digo, a escuridão prendendo e baixando minha voz. — Por favor, lembre-se disso. Lembre-se disso sempre.
Mais segundos se afogam na escuridão. Eu me sinto caindo no sono.
— Isto está acontecendo de verdade? — eu o ouço sussurrar.
— O quê?
Eu pisco, tentando ficar acordada.
— Você parece tão real — ele diz. — Sua voz parece tão real. Eu quero tanto que isto seja real.
— É real — eu falo. — E as coisas vão melhorar. As coisas vão melhorar muito, muito. Eu prometo.
Ele toma um fôlego tenso.
— A parte mais assustadora — declara, com a voz muito baixa — é que, pela primeira vez na vida, eu realmente acredito nisso.
— Que bom — digo suavemente, virando meu rosto para o peito dele.
Fecho os olhos.
Os braços de Warner deslizam ao redor de mim, puxando-me para mais perto.
— Por que você está usando tantas roupas? — ele sussurra.
— Hum?
— Eu não gosto delas — ele fala.
Puxa a minha calça.
Encosto os lábios no pescoço dele, quase nada. É um beijo como uma pena.
— Então, tire-as.
Ele empurra as cobertas.
Eu só tenho um segundo para controlar um tremor antes de ele estar ajoelhado entre as minhas pernas. Ele encontra o elástico da cintura da minha calça e puxa, tirando-a, do meu quadril, descendo pelas minhas coxas. Muito devagar.
Meu coração está me fazendo todo tipo de pergunta.
Ele dobra minha calça com um punho e a joga do outro lado do quarto.
E, depois, seus braços deslizam atrás de minhas costas, puxando-me para cima e contra seu peito.
Suas mãos se mexem debaixo da minha blusa, subindo pela minha coluna.
Logo, minha blusa some.
Jogada na mesma direção da calça.
Eu tremo, apenas um pouco, e ele volta a me colocar devagar sobre os travesseiros, com cuidado para não me apertar sob seu peso. A temperatura de seu corpo é tão bem-vinda, tão quente. Minha cabeça tomba para trás. Meus olhos ainda estão fechados.
Meus lábios se separam sem motivo.
— Eu quero poder senti-la — ele sussurra, suas palavras em meu ouvido. — Quero a sua pele contra a minha.
As mãos delicadas dele descem pelo meu corpo.
— Meu Deus, você é tão macia — ele fala, a voz rouca de emoção.
Ele está beijando meu pescoço.
Minha cabeça está girando. Tudo fica quente e frio e algo está se agitando para ganhar vida dentro de mim e minhas mãos alcançam o peito dele, procurando algo para segurar e meus olhos estão tentando e não estão conseguindo ficar abertos e só estou consciente o bastante para sussurrar o nome dele.
— Sim, amor?
Eu tento dizer mais, mas minha boca não me escuta.
— Você está dormindo agora? — ele pergunta.
Sim, eu penso. Não sei. Sim.
Faço que sim com a cabeça.
— Isso é bom — ele fala em voz baixa.
Ele levanta minha cabeça, puxa o cabelo do meu pescoço para meu rosto cair com mais facilidade para o travesseiro. Muda de lugar para ficar a meu lado na cama.
— Você precisa dormir mais — diz.
Faço que sim com a cabeça de novo, rolando o corpo para o lado. Ele puxa os cobertores para cima em volta de meus braços.
Ele beija a curva do meu ombro. Minha escápula. Cinco beijos descendo minha coluna, um mais suave que o outro.
— Eu vou ficar aqui a noite toda — ele sussurra, suas palavras tão suaves, tão torturadas — para mantê-la aquecida. Vou beijá-la até eu não conseguir ficar de olhos abertos.
Minha cabeça fica presa em uma nuvem.
Você consegue ouvir meu coração?, eu quero perguntar a ele. Eu quero fazer uma lista de todas as suas coisas favoritas, e quero estar entre elas.
Mas estou adormecendo tão depressa que perdi a noção da realidade e não sei como mexer minha boca. O tempo caiu por toda a minha volta, envolveu-me neste momento.
E Warner ainda está falando. Com a voz muito baixa, muito suave. Ele acha que estou dormindo agora. Ele acha que não posso ouvi-lo.
— Você sabia — ele está sussurrando — que eu acordo todas as manhãs convencido de que você foi embora?
Acorde, eu fico dizendo a mim mesma. AcordePreste atenção.
— Que tudo isto — ele diz —, estes momentos, seriam confirmados como algum tipo de sonho extraordinário? Mas, então, eu a ouço falar comigo — ele conta. — Eu vejo a maneira como você olha para mim e posso sentir o quanto é real. Posso sentir a verdade nas suas emoções, na forma como você me toca — ele sussurra, sua mão roçando minha bochecha.
Meus olhos se abrem de repente. Eu pisco uma vez, duas.
Os lábios dele estão parados em um sorriso leve.
— Aaron — sussurro.
— Eu te amo — ele fala.
Meu coração já não cabe em meu peito.
— Tudo parece tão diferente para mim agora — ele diz. — A sensação é diferente. O sabor é diferente. Você me trouxe de volta à vida.
Ele fica em silêncio por um momento.
— Nunca tive este tipo de paz. Nunca tive esse tipo de conforto. E, às vezes, tenho medo — ele diz, baixando os olhos — de que meu amor a deixe apavorada.
Ele levanta o olhar, muito devagar, cílios dourados erguendo-se para revelar mais tristeza e beleza do que eu já vi no mesmo momento. Eu não sabia que uma pessoa podia comunicar tanto com apenas um olhar. Há uma dor extraordinária nele. Paixão extraordinária.
Ela me deixa sem fôlego.
Pego o rosto dele e o beijo, muito devagar.
Os olhos dele se fecham. Sua boca reage à minha. Suas mãos sobem para me puxar para mais perto e eu o interrompo.
— Não — sussurro. — Não se mexa.
Ele baixa as mãos.
— Deite — eu murmuro.
Ele deita.
Eu o beijo por toda a parte. Suas bochechas. Seu queixo. A ponta de seu nariz e o espaço entre suas sobrancelhas. Por toda sua testa e ao longo da linha do maxilar. Cada centímetro de seu rosto. Beijos curtos e suaves que dizem muito mais do que eu jamais poderia dizer. Quero que ele saiba como eu me sinto. Eu quero que ele saiba da forma como só ele pode, a maneira como ele pode sentir a profundidade da emoção por trás dos meus movimentos. Eu quero que ele saiba e nunca duvide.
E eu não quero ter pressa.
Minha boca desce para o pescoço dele e ele ofega, e eu respiro o aroma de sua pele, absorvo o sabor dele e desço minhas mãos pelo seu peito, beijando de um lado para o outro e descendo pela linha de seu torso. Ele fica tentando me tocar e eu tenho de dizer que pare.
— Por favor — ele pede —, eu quero senti-la...
Eu baixo os braços dele com delicadeza.
— Ainda não. Agora não.
Minhas mãos vão para a calça dele. Seus olhos abrem de repente.
— Feche os olhos — tenho de dizer a ele.
— Não.
Ele mal consegue falar.
— Feche os olhos.
Ele faz que não com a cabeça.
— Tudo bem.
Eu desabotoo sua calça. Abro o zíper.
— Juliette — ele sussurra. — O que...
Estou tirando a calça dele.
Ele se senta.
— Deite. Por favor.
Ele está me encarando, os olhos enlouquecidos.
Ele enfim cai para trás.
Eu puxo sua calça até tirá-la. Jogo-a no chão.
Eu contorno a costura no algodão macio, seguindo as linhas dos pedaços sobrepostos da cueca boxer dele conforme eles se juntam no meio. A respiração dele está tão acelerada que posso ouvi-la, posso ver seu peito se mexer. Seus olhos estão fechados e apertados. A cabeça, tombada para trás.
Os lábios, separados.
Toco nele de novo, com muita delicadeza.
Ele segura um gemido, vira o rosto para os travesseiros. Todo o seu corpo está tremendo, as mãos agarrando os lençóis. Eu desço as mãos pelas pernas dele, agarrando-as logo acima do joelho e afastando-as devagar para dar espaço para os beijos que eu deixo em uma trilha subindo pelo lado de dentro de suas coxas. Meu nariz passa depressa pela pele dele.
Ele parece estar sentindo dor. Muita dor.
Encontro o elástico da cintura da cueca. Puxo-a para baixo.
Devagar.
Devagar.
A tatuagem está logo abaixo do osso do quadril dele.

o i n f e r n o e s t á v a z i o
e t o d o s o s d e m ô n i o s e s t ã o a q u i

Eu cruzo as palavras beijando-as.
Beijando para afastar os demônios.
Beijando para afastar a dor.

11 comentários:

  1. Isto foi mto INTENÇO, que isso querida ta mto danadinha n?

    ResponderExcluir
  2. Ela ta tirando o atraso
    Deixa ela gente
    Bia

    ResponderExcluir
  3. De sonsa só tem a cara. kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Que capítulo foi esse 100or? *0* Juliette safadeeeeeeenha e.e mas como não enlouquecer com um homem desse? *-*

    ResponderExcluir
  5. Juju safadeeeeenha... Aí como eu amo esses dois

    ResponderExcluir
  6. Pessoaaaaallllll
    A escritora n pode fazer uma coisa dessa e esperar que a gente saiba lidar.
    Eu nao consigo formular nenhum pensamento coerente o bastante para esse capitulo.

    ResponderExcluir
  7. QQISSO 🙈
    Tem muitas coisas simples que ela não entende,mas pra isso a imaginação da um jeito de ensinar
    Né non ?😜😄😄😄

    ResponderExcluir
  8. Queee isso Brasil??? Cliquei em Incendeia-me e vim parar em 50 tons de cinza kkkkk
    #Tirandooatraso
    #Jujuésafadonaela
    #Arrasaaaviado
    ~Amanda

    ResponderExcluir
  9. cadê a opção morri ??????????

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)