2 de janeiro de 2017

47

Vou atrás dele.
Estou seguindo Adam por um corredor vazio depois que ele sai da sala de jantar, embora saiba que não devia. Sei que não devia falar com ele assim, não devia incentivar o que sinto por ele, mas estou preocupada. Não consigo evitar. Ele está desaparecendo dentro de si mesmo, retraindo-se para um mundo que não consigo adentrar e nem posso culpá-lo por isso. Posso apenas imaginar o que ele deve estar passando agora. Essas revelações recentes seriam suficientes para deixar uma pessoa mais fraca completamente louca. E, embora nós tenhamos conseguido trabalhar juntos recentemente, sempre foi em situações de tanto estresse que quase não nos sobrou tempo para lidarmos com nossos problemas pessoais.
E preciso saber que ele está bem.
Não posso simplesmente parar de me importar com ele.
— Adam?
Ele para ao som da minha voz. Sua coluna fica rígida de surpresa. Ele se vira e vejo que sua expressão muda da esperança, para a confusão, para a preocupação em questão de segundos.
— O que foi? — pergunto. — Está tudo bem?
De repente, ele está em frente a mim, todo o 1,82 m dele, e estou me afogando em memórias e sentimentos que não me esforcei para esquecer. Estou tentando lembrar por que queria falar com ele. Até mesmo por que disse que não poderíamos ficar juntos. Por que eu me privaria da chance de, até mesmo, cinco segundos nos braços dele, e ele está dizendo meu nome, dizendo:
— Juliette... O que foi? Aconteceu alguma coisa?
Quero, desesperadamente, dizer sim, sim, aconteceram coisas horríveis, e estou cansada, estou muito cansada e tudo o que quero de verdade é cair em seus braços e esquecer o restante do mundo. Em vez disso, consigo levantar o olhar, consigo encontrar os olhos dele. Estão com um tom muito escuro e inquietante.
— Estou preocupada com você — respondo.
E os olhos dele ficam diferentes no mesmo instante, desconfortáveis, distantes. Ele consegue fazer uma imitação fraca de risada e diz:
— Você está preocupada comigo.
Solta um suspiro forte. Passa a mão pelo cabelo.
— Eu só queria ter certeza de que você está bem...
Ele está balançando a cabeça, sem acreditar.
— O que você está fazendo? — pergunta. — Está tirando sarro da minha cara?
— O quê?
Ele está batendo o punho bem fechado contra os lábios. Olhando para cima. Parece não ter certeza do que dizer e, quando fala, sua voz está tensa e ferida e confusa e ele diz:
— Você terminou o namoro. Você desistiu de nós... De todo o nosso futuro juntos. Basicamente, estendeu a mão e arrancou meu coração e, agora, está perguntando se estou bem? Como diabos eu poderia estar bem, Juliette? Que tipo de pergunta é essa?
Estou balançando no mesmo lugar.
— Eu não quis...
Engulo em seco, com dificuldade.
— Eu estava falando do seu... seu pai... Pensei que, talvez... Ó, meu Deus, sinto muito... Você está certo, sou tão idiota... Eu não devia ter vindo, não d-devia...
— Juliette — ele diz, desesperado, segurando-me pela cintura enquanto eu recuo.
Seus olhos estão fechados e contraídos.
— Por favor — ele pede —, diga-me o que devo fazer. Como devo me sentir? É uma merda atrás da outra e estou tentando ficar bem... Meu Deus, estou tentando tanto, mas é horrivelmente difícil e eu sinto falta — a voz dele falha —, sinto falta de você — ele completa, como se as palavras estivessem enfiando facas nele. — Sinto tanta falta de você que está me matando.
Meus dedos estão agarrando a camisa dele.
Meu coração está martelando no silêncio, derramando todos os meus segredos.
Vejo a dificuldade dele em olhar nos meus olhos, a dificuldade dele para dizer qualquer palavra quando ele sussurra:
— Você ainda me ama?
E estou retesando cada músculo do meu corpo apenas para me conter e não o tocar, beijá-lo, abraçá-lo.
— Adam... É claro que eu ainda o amo...
— Sabe? — ele diz, com a voz rouca de emoção. — Nunca tive nada como isto antes. Mal consigo me lembrar da minha mãe e, além dela, éramos apenas eu, James e meu pai imprestável. E James sempre me amou do jeito dele, mas você... Com você...
Ele hesita. Olha para baixo.
— Como vou conseguir voltar? — ele pergunta, com a voz muito baixa. — Como vou conseguir esquecer como é estar com você? Ser amado por você?
Não percebo que estou chorando até sentir o gosto de minhas lágrimas.
— Você diz que me ama — ele começa. — E sei que eu a amo.
Ele levanta o olhar, encontra meus olhos.
— Então, por que diabos não podemos ficar juntos?
E eu não sei como dizer nada além de:
— Sinto muito, sinto tanto, você não faz ideia do quanto eu sinto...
— Por que não podemos apenas tentar?
Ele está segurando meus ombros agora, suas palavras são desesperadas, angustiadas; nossos rostos estão perigosamente próximos.
— Estou disposto a aceitar o que puder ter, juro, apenas quero saber que a tenho na minha vida...
— Não podemos — digo a ele, esfregando meu rosto, tentando impedir as lágrimas de me humilharem. — Não será suficiente, Adam, e você sabe disso. Um dia, correremos um risco idiota ou aproveitaremos uma chance que não devíamos aproveitar. Um dia, acharemos que vai ficar tudo bem e não vai ficar. E não vai acabar bem.
— Mas olhe para nós agora — ele diz. — Podemos fazer dar certo... Posso ficar perto de você sem beijá-la... Preciso apenas passar mais alguns meses treinando...
— Seu treinamento não vai ajudar — eu o interrompo, sabendo que tenho de lhe dizer tudo agora. Sabendo que ele tem o direito de saber as mesmas coisas que eu. — Porque, quanto mais treino, mais aprendo exatamente o quão perigosa eu sou. E você não p-pode ficar perto de mim. Não é mais apenas a minha pele. Eu poderia machucá-lo só de segurar sua mão.
— O quê?
Ele pisca várias vezes.
— Do que você está falando?
Respiro fundo. Aperto a palma da mão contra a parede do túnel antes de enterrar meus dedos nela e empurrá-los para dentro da pedra. Dou um soco na parede e pego uma mão cheia de rocha dura, esmago-a, deixo-a cair como areia entre meus dedos até o chão.
Adam está me encarando. Abismado.
— Fui eu que atirei no seu pai — conto a ele. — Não sei por que Kenji estava me dando cobertura. Não sei por que ele não contou a verdade. Mas eu estava tão cega com uma... uma raiva avassaladora... Eu simplesmente queria matá-lo. E eu o estava torturando — sussurro. — Atirei nas pernas dele porque não estava com pressa. Porque eu queria aproveitar aquele último momento. Eu estava prestes a atirar a bala seguinte no coração dele. E estava muito perto. Estava muito perto e Kenji — eu descrevo —, Kenji teve de me puxar. Porque viu que eu tinha ficado louca. Estou descontrolada — minha voz é uma súplica rouca e enfraquecida. — Não sei o que há de errado comigo ou o que está acontecendo comigo e ainda nem sei do que sou capaz. Não sei o quanto a situação vai piorar. Todos os dias, aprendo algo novo sobre mim mesma e, todos os dias, isso me apavora. Fiz coisas terríveis a algumas pessoas — murmuro.
Engulo o choro que está se formando em minha garganta.
— E não estou bem — digo a ele. — Não estou bem, Adam. Não estou bem e não é seguro você ficar perto de mim.
Ele está me encarando, tão surpreso que esqueceu como falar.
— Agora você sabe que os rumores são verdadeiros — eu sussurro. — Sou louca. Sou um monstro.
— Não — ele suspira. — Não...
— Sim.
— Não — ele diz, agora desesperado. — Isso não é verdade... Você é mais forte do que isso... Sei que é... Eu a conheço — ele afirma. — Conheço seu coração há dez anos — afirma — e vi pelo que você teve de passar durante a vida e não estou desistindo de você, não por causa disso, não por causa de algo assim...
— Como pode dizer isso? Como pode ainda acreditar que, depois de tudo... Depois de tudo isso...
— Você — ele diz para mim, com as mãos me segurando com mais força agora — é uma das pessoas mais fortes e corajosas que já conheci. Você tem o melhor coração, as melhores intenções...
Ele para. Respira tenso, trêmulo.
— Você é a melhor pessoa que já conheci — ele me diz. — Você passou pelas piores experiências possíveis e sobreviveu com sua humanidade intacta. Como diabos — ele pergunta, a voz falhando agora — devo me separar de você? Como posso me afastar de você?
— Adam...
— Não — ele diz, balançando a cabeça. — Recuso-me a acreditar que seja o fim para nós. Não se você ainda me ama. Porque você vai superar isso — ele continua — e estarei esperando por você quando estiver pronta. Não haverá outra pessoa para mim. Você é a única que eu já quis na vida e isso nunca — completa —, isso nunca vai mudar.
— Que emocionante.
Adam e eu congelamos. Viramo-nos devagar para encarar a voz indesejada. Ele está bem ali.
Warner está parado bem à nossa frente, com as mãos amarradas atrás das costas, os olhos faiscando de raiva e dor e desgosto. Castle aparece atrás dele para levá-lo sei lá aonde e vê que Warner está plantado, parado, encarando-nos, e Adam é como um bloco de mármore, sem se mexer, sem fazer qualquer esforço para respirar ou falar ou desviar os olhos. Tenho quase certeza de que estou queimando com tanta força que já virei cinzas.
— Você fica adorável quando está de rosto corado — Warner diz para mim. — Mas eu realmente gostaria que não desperdiçasse seu afeto com alguém que tem de implorar pelo seu amor.
Ele levanta a cabeça para Adam.
— Que triste para você — diz. — Deve ser terrivelmente constrangedor.
— Seu cretino doente — Adam o xinga, com a voz parecendo aço.
— Pelo menos ainda tenho minha dignidade.
Castle balança a cabeça, exasperado. Empurra Warner para frente.
— Por favor, voltem ao trabalho, os dois — ele grita para nós enquanto passa com Warner. — Estão desperdiçando um tempo valioso parados aqui.
— Você pode ir para o inferno — Adam berra para Warner.
— Só porque eu vou para o inferno — Warner retruca — não significa que você um dia vai merecê-la.
E Adam não responde.
Ele apenas observa, com olhos focados, Warner e Castle desaparecerem em uma curva.

10 comentários:

  1. Ai que dor no coração 😩

    Mas sério precisa tanto mimimi Juliette?

    Carla

    ResponderExcluir
  2. "— Só porque eu vou para o
    inferno — Warner retruca — não
    significa que você um dia vai
    merecê-la." CONCORDO TOTALMENTE COM VC MOZÃO, ADAM PARA D DRAMA E ACEITA POHA, A JUJU Ñ VAI FICAR VC QUERIDO, aish eu amo as respostas do Warner, q língua afiada ele tem heuheu vem me mostrar oq mais vc sabe fazer com essa língua e.e ta, parei hehe
    #TeamJuliner

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK morri (e amei) esse comentário hahahah

      Excluir
    2. Concordo _kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  3. — Você pode ir para o inferno — Adam berra para Warner.
    — Só porque eu vou para o inferno — Warner retruca — não significa que você um dia vai merecê-la.
    E Adam não responde.
    Ele apenas observa, com olhos focados, Warner e Castle desaparecerem em uma curva.

    Palmas, Palmas

    * Lanna *

    ResponderExcluir
  4. Como e que uma pessoa observa de olhos fechados?😂

    ResponderExcluir
  5. Kkkkkkkk... Já tinhamos o kenji e agora as ironias e a lingua afiada do Warner... kkkkkk... Maravilha!

    ResponderExcluir
  6. Adoro o Warner!
    Caramba, dois irmãos brigando pelo amor da Juliette...Vai dar merd@.
    Eu quero que ela e Adam dê certo, mas o Warner também merece uma chance, né?
    #TeamAgarraOsDoisJUJU.
    #AndersonR.I.P SE FOD#% COMIGO ANDERSON!

    ~POLLY~

    ResponderExcluir
  7. Ai meu Zeus *-* Warner é tão maravilhoso *____*" E o Adam tão perfeito <3

    Mas, como só se pode ficar com um... Torço pelo Warner 😍😍😍

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)