2 de janeiro de 2017

43

Eu nem sei por onde começar.
A dor de Adam é como uma mão cheia de bolinhas de gude jogadas no meu rosto, uma mão cheia de palha enfiada pela minha garganta abaixo. Ele não tem pais, apenas um pai que batia nele, maltratava-o e abandonou-o para arruinar o restante do mundo e deixar de herança para ele um irmão que é seu exato oposto de todas as formas possíveis.
Warner, cujo primeiro nome não é mais um mistério. Adam, cujo sobrenome não é Kent de verdade.
Kent é seu nome do meio, Adam disse para mim. Ele não queria ter nada a ver com seu pai e nunca dissera às pessoas seu sobrenome verdadeiro. Ele tem isso, pelo menos, em comum com o irmão.
Isso e o fato de os dois terem algum tipo de imunidade ao meu toque.
Adam e Aaron Anderson.
Irmãos.
Estou sentada em meu quarto, sentada no escuro, esforçando-me para conciliar Adam com seu novo irmão que, na verdade, não passa de um menino, uma criança que odeia o pai e, como resultado, uma criança que tomou uma série de decisões desastradas na vida. Dois irmãos. Dois conjuntos de decisões muito diferentes.
Duas vidas muito diferentes.
Castle veio me ver pela manhã — agora que todos os feridos foram instalados na ala médica e a loucura acabou —, ele veio me ver e disse:
— Senhorita Ferrars, você foi muito corajosa ontem. Eu queria mostrar minha gratidão a você e agradecer pelo que fez, por mostrar seu apoio. Não sei se teríamos saído de lá sem a senhorita.
Eu sorri, lutei para engolir o elogio e presumi que ele tivesse acabado, mas ele disse:
— Na verdade, estou tão impressionado que gostaria de lhe oferecer sua primeira tarefa oficial no Ponto Ômega.
Minha primeira tarefa oficial.
— Está interessada? — perguntou.
Eu disse sim, sim, sim, é claro que eu estava interessada, estava definitivamente interessada, estava muito, muito interessada por, enfim, ter algo para fazer, algo a realizar, e ele sorriu e disse:
— Fico muito feliz em ouvir isso. Porque não consigo pensar em ninguém mais adequado para essa posição em especial do que a senhorita.
Eu sorri.
O sol e a lua e as estrelas me chamaram e disseram “feche o sorriso, por favor, está ficando difícil, para nós, ver”, e eu não ouvi, apenas fiquei sorrindo.
E, depois, pedi a Castle detalhes sobre minha tarefa oficial. Aquela perfeita para mim.
E ele contou.
— Eu gostaria que a senhorita ficasse encarregada de cuidar do nosso novo visitante e interrogá-lo.
E eu parei de sorrir.
Encarei Castle.
— É claro que eu vou supervisionar todo o processo — ele continuou — assim, sinta-se à vontade para me fazer perguntas e falar de suas preocupações. Mas precisaremos tirar vantagem da presença dele aqui, e isso significa tentar fazê-lo falar.
Castle ficou quieto por um instante.
— Ele... parece ter um estranho tipo de apego a você, senhorita Ferrars, e, desculpe-me, mas acho que seria conveniente explorarmos isso. Acho que não podemos nos dar ao luxo de ignorar qualquer vantagem possível que apareça. Qualquer coisa que ele possa nos contar sobre os planos do pai ou onde podem estar os reféns terá valor incalculável para nossas missões. E não temos muito tempo — ele disse. — Temo que a senhorita precise começar já.
E eu pedi ao mundo para se abrir, eu disse, mundo, por favor, abra, porque eu adoraria cair em um rio de magma e morrer, só um pouquinho, mas o mundo não podia me escutar porque Castle ainda estava falando e disse:
— Talvez você possa convencê-lo a ter bom senso? Dizer a ele que não queremos machucá-lo? Convencê-lo a nos ajudar a recuperar os reféns que faltam.
Eu disse “ó”, eu disse é claro, “ele está em algum tipo de cela? Atrás das grades ou algo assim?”.
No entanto, Castle riu, achando graça em minha repentina e inesperada hilaridade e disse “não seja tola, senhorita Ferrars, não temos nada assim aqui. Nunca pensei que teríamos de manter alguém preso no Ponto Ômega. Mas, sim, ele está em seu próprio quarto, e, sim, a porta está trancada”.
— Então, você quer que eu entre no quarto dele? — pergunto. — Com ele? Sozinha?
Calma! É claro que eu estava calma. Eu estava definitiva e completamente tudo que é o oposto de calma.
Porém, nesse momento, a testa de Castle ficou tensa, preocupada.
— Isso é um problema? — ele questionou. — Eu pensei que... como ele não pode tocá-la... Eu realmente pensei que a senhorita poderia não se sentir tão ameaçada por ele quanto os outros se sentem. Ele sabe das suas habilidades, não sabe? Acredito que será esperto o bastante para ficar longe da senhorita para o seu próprio bem.
E foi engraçado, porque lá estava: um balde de gelo, por toda a minha cabeça, pingando, vazando, entrando em meus ossos e, na verdade, não, não era nem um pouco engraçado, porque tive de dizer: “Sim. Certo. Sim, é claro. Eu quase esqueci. É claro que ele não seria capaz de tocar em mim”, você está certo, senhor Castle, chefe, em que diabos eu estava pensando.
Castle ficou aliviado, tão aliviado, como se tivesse mergulhado em uma piscina quente que ele tinha certeza de que estaria congelada.
E, agora, aqui estou, sentada na exata mesma posição de duas horas atrás, e estou começando a me perguntar
por quanto tempo mais
posso guardar este segredo.

15 comentários:

  1. Aposto que aquele velho (Anderson) tbm pode tocar nela...certeza 😠😠

    ResponderExcluir
  2. Não entendo porque ela não conta?
    Esses segredos sempre dão merd* no final.


    Carla

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não entendo, me irrita essa coisa de ficar escondendo informações tão valiosas sem necessidade.

      Excluir
  3. Vai lá Juju interrogar o.mozão e lá tem cama, não esqueça disso e.e heuheu

    ResponderExcluir
  4. O sol e a lua e as estrelas me chamaram e disseram “feche o sorriso, por favor, está ficando difícil, para nós, ver”, e eu não ouvi, apenas fiquei sorrindo. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nao entendi isso que a juju falou,como assim o sol queria ver?

      Excluir
    2. Sabe quando tem uma luz muito forte e a gente tem que fechar um pouco os olhos pra conseguir enxergar? Deixá-los entreabertos? Então, o sorriso da Ju era tão iluminado que ficou difícil até pras estrelas, pra lua, enxergarem

      Excluir
  5. vai dar merda ... certeza ... e ela ja ta xonada pelos dois irmaos ... ela soh nao sabe...ainda ...

    ResponderExcluir
  6. 1:WTF eles são irmãos... 2:Aaron♥♥Como fui me apaixonar pelo Warnner? 3:Parece que o jogo virou naum? e.e

    ResponderExcluir
  7. Eu acho tão incrível essas metáforas que a Tahereh faz, alias esse nome é arabe ou algo assim não? E Adam não seria o mesmo que Adão enquanto Aaron o mesmo que Arão ambos nomes hebraicos. Huumm... Interessante (E sim eu sei que isso não tem nada haver, mas como apaixonada por nomes achei curioso)

    ResponderExcluir
  8. MINHA NOSSSA! Espero que Warner fique do lado deles.
    E espero também que o Anderson tenha um poder parecido pra deixar a história mais interessante.
    #ANDERSON R.I.P
    #AGARRALOGOosDOISJUJU
    Estou com muita dó do Adam :(
    ~POLLY~

    ResponderExcluir
  9. Yesubai, a filha do vilão12 de abril de 2017 01:58

    Warner, cujo primeiro nome não é mais um mistério. Adam, cujo sobrenome não é Kent de verdade.
    Kent é seu nome do meio, Adam disse para mim. Ele não queria ter nada a ver com seu pai e nunca dissera às pessoas seu sobrenome verdadeiro. Ele tem isso, pelo menos, em comum com o irmão.
    Isso e o fato de os dois terem algum tipo de imunidade ao meu toque.
    Adam e Aaron Anderson.
    Irmãos.


    Altas revelações

    ResponderExcluir
  10. Yesubai, a filha do vilão12 de abril de 2017 02:02

    por quanto tempo mais
    posso guardar este segredo.
    segredos assim são os piores, vc não pode contar a ninguém pq não são seus segredos

    ResponderExcluir
  11. Eu realmente me esforcei pra não berrar "OBRIGADA CASTLE" e acordar geral em casa... kkkkkkkk #TeamWarner

    Sofi (ps: demorei mas encontrei coragem pra comentar... e que livro maravilhoso Ka)

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)