6 de janeiro de 2017

35

Kenji está me encarando, preocupado.
— Que diabos foi aquilo?
Winston e Ian também estão olhando para mim, sem fazer nenhum esforço para esconder sua confusão. Lily está desfazendo a mala. Castle está me observando com atenção. Brendan e Alia estão concentrados em uma conversa.
— O que você quer dizer? — pergunto.
Tento ser casual, mas acho que minhas orelhas ficaram cor-de-rosa.
Kenji leva uma mão para à nuca. Encolhe os ombros.
— Vocês dois brigaram ou algo assim?
— Não — eu respondo rápido demais.
— A-hã.
Kenji tomba a cabeça para mim.
— Como está o Adam? — questiono, esperando mudar de assunto.
Kenji solta um suspiro longo; esfrega os olhos logo antes de deixar a bolsa cair no chão. Ele se apoia na parede atrás.
— Não vou mentir para você, J — ele fala, baixando a voz. — Essa merda com o Kent realmente está me estressando. O drama de vocês está complicando as coisas. Ele não facilitou em nada para nós irmos embora.
— O quê? Mas ele disse que não queria mais lutar...
— É, bem.
Kenji faz que sim com a cabeça.
— Aparentemente, isso não quer dizer que ele quer perder todos os amigos ao mesmo tempo.
Eu faço que não com a cabeça.
— Ele não está sendo justo.
— Eu sei — Kenji diz.
Ele suspira de novo
— De qualquer forma, é bom vê-la, princesa, mas estou cansado feito o diabo. E com fome. E mal humorado. Você sabe.
Ele faz um movimento descuidado com a mão. Joga-se no chão. Tem alguma coisa que ele não está me dizendo.
— O que foi?
Eu me sento em frente a ele e baixo a voz.
Ele levanta os olhos, encontra os meus.
— Sinto falta do James, tudo bem? Sinto falta daquele menino.
Kenji parece muito cansado. Eu posso mesmo ver a exaustão em seus olhos
— Eu não queria deixá-lo para trás.
Meu coração se aperta depressa.
É claro.
James.
— Eu sinto muito. Queria que tivesse existido um jeito de podermos trazê-lo conosco.
Kenji dá um peteleco em um fiapo imaginário na camisa.
— Provavelmente é mais seguro para ele onde está — diz, mas é óbvio que Kenji não acredita em uma palavra. — Eu só queria que o Kent parasse de ser tão idiota.
Eu me retraio.
— Tudo isto poderia ser incrível se ele simplesmente resolvesse suas merdas — Kenji afirma. — Mas, não, ele tem que ser todo estranho e louco e dramático.
Ele dá um sopro.
— Ele é tão emocional — Kenji diz de repente. — Tudo é tão grande para ele. Ele simplesmente não consegue relaxar e seguir com a vida. Eu só... Não sei. Que seja. Eu só queria que o James estivesse aqui. Sinto a falta dele.
— Sinto muito — digo de novo.
Kenji faz uma expressão estranha. Balança a mão para o nada.
— Tudo bem. Vai ficar tudo bem.
Eu olho para cima e descubro que todos os outros se dispersaram.
Castle, Ian, Alia e Lily estão indo para o vestiário, enquanto Winston e Brendan ficam andando pelo local. Estão tocando na parede de pedra agora, tendo uma conversa que não consigo ouvir.
Eu me aproximo de Kenji. Apoio a cabeça nas mãos.
— Então — ele diz. — Eu não a vejo por 24 horas e você e Warner passam de vamos-nos-abraçar-de-um-jeito-superdramático para deixe-me-ignorá-la, hein?
Kenji está traçando formas nos tapetes embaixo de nós.
— Deve ter uma história interessante aí.
— Duvido.
— Você não vai mesmo me contar o que aconteceu?
Ele levanta o olhar, ofendido.
— Eu conto tudo para você.
— É claro que não conta.
— Não seja grosseira.
— O que está acontecendo de verdade, Kenji?
Eu estudo o rosto dele, sua tentativa fraca de humor.
— Você parece diferente hoje. Distante.
— Nada — ele balbucia. — Eu acabei de falar. Eu só não queria deixar o James.
— Mas isso não é tudo, é?
Ele não fala nada.
Eu olho para meu colo.
— Você pode me dizer qualquer coisa, você sabe. Você sempre esteve ao meu lado e eu sempre estarei aqui se você precisar conversar também.
Kenji revira os olhos.
— Por que você tem que me fazer me sentir todo culpado por não querer participar da sua horada-historinha-para-compartilhar-sentimentos?
— Eu n...
— Eu só... Eu estou com um humor de merda, tudo bem?
Ele olha para o lado.
— Eu me sinto estranho. Como se eu simplesmente quisesse ficar furioso hoje. Como se eu simplesmente quisesse dar um soco na cara das pessoas sem motivo.
Eu puxo os joelhos até o peito. Apoio o queixo neles. Faço que sim com a cabeça.
— Você teve um dia difícil.
Ele resmunga. Faz que sim com a cabeça e olha para a parede. Aperta um punho contra o tapete.
— Às vezes, eu só fico muito cansado, sabe?
Kenji olha para o punho, para as formas que está fazendo apertando os nós dos dedos no material macio e esponjoso.
— Como se eu realmente ficasse de saco cheio.
Sua voz de repente está muito baixa, é quase como se ele não estivesse sequer falando comigo.
Posso ver sua garganta se mexendo, as emoções presas no peito.
— Estou sempre perdendo pessoas — ele fala. — É como se todo dia eu perdesse pessoas. Todo maldito dia. Estou tão cansado disso... Só estou muito cansado disso...
— Kenji... — eu tento dizer.
— Senti sua falta, J.
Ele está observando os tapetes.
— Queria que estivesse lá na noite passada.
— Eu senti sua falta também.
— Não tenho mais ninguém para conversar.
— Pensei que você não gostasse de conversar sobre os seus sentimentos — eu o provoco, tentando aliviar o clima.
Ele não engole o truque.
— É que fica muito pesado às vezes.
Ele desvia o olhar.
— Pesado demais. Até para mim. E, em alguns dias, eu não quero rir — ele fala. — Eu não quero ser engraçado. Não quero dar a mínima para nada. Em alguns dias, eu só quero sentar a bunda e chorar. O dia todo.
Suas mãos param de se mexer contra os tapetes.
— Isso é loucura? — ele pergunta em voz baixa, ainda sem me olhar nos olhos.
Eu pisco com força contra a ardência nos meus olhos.
— Não — digo a ele. — Não, isso não é loucura nenhuma.
Ele olha para o chão.
— Passar o tempo com você me deixou estranho, J. Tudo o que eu faço é ficar sentado pensando nos meus sentimentos hoje em dia. Obrigado por isso.
Eu engatinho para a frente e o abraço bem no meio do corpo, e ele reage imediatamente, envolvendo-me e apertando-me. Meu rosto está tão pressionado contra o peito dele que posso ouvir seu coração batendo com muita força. Ele ainda está muito ferido, eu fico me esquecendo disso. Eu preciso não esquecer.
Eu me agarro a ele, desejando poder aliviar sua dor. Eu queria poder pegar os fardos dele e torná-los meus.
— É estranho, não é? — ele diz.
— O que é estranho?
— Se estivéssemos nus agora, eu estaria morto.
— Cale a boca — digo, rindo contra o peito dele.
Nós dois estamos usando mangas longas, calças longas. Desde que meu rosto e minhas mãos não toquem na pele dele, ele está perfeitamente seguro.
— Bem, é verdade.
— Em que universo alternativo eu um dia estaria nua com você?
— Só estou dizendo — ele fala. — Às vezes acontece. Nunca se sabe.
— Acho que você precisa de uma namorada.
— Não — ele diz. — Só preciso de um abraço. Da minha amiga.
Eu me inclino para trás para olhá-lo. Tento ler seus olhos.
— Você é meu melhor amigo, Kenji. Sabe disso, não?
— É, menina.
Ele sorri para mim.
— Sei. Não acredito que fiquei preso com você, magrela.
Eu me liberto dos braços dele. Aperto meus olhos na sua direção.
Ele ri.
— Então, como está o novo namorado?
Meu sorriso some.
— Ele não é meu namorado.
— Tem certeza disso? Porque estou bem certo de que o Romeu não teria nos deixado vir morar aqui se não estivesse um pouco louco de amor por você.
Olho para minhas mãos.
— Talvez, um dia, Warner e eu vamos aprender a ser amigos.
— Sério?
Kenji parece chocado.
— Achei que você fosse super a fim dele.
Encolho os ombros.
— Eu... sinto atração por ele.
— Mas?
— Mas o Warner ainda tem um caminho longo a percorrer, sabe?
— Bem, sim — Kenji diz.
Ele expira. Inclina-se para trás.
— É. É, eu sei.
Nenhum de nós diz nada por um tempo.
— Essa merda ainda é superestranha, no entanto — Kenji fala, de repente.
— O que você quer dizer? — Eu levanto o olhar. — Qual parte?
— Warner — Kenji diz. — Warner está absurdamente estranho comigo agora.
Kenji olha para mim. Olha mesmo para mim.
— Sabe... Em todo o meu tempo na base, eu nunca o vi ter, tipo, uma única conversa casual com um soldado antes. Nunca. Ele era frio como o gelo, J. Frio. Como o gelo — ele repete. — Nunca sorria. Nunca mostrava nenhuma emoção. E ele nunca, nunca falava a não ser que estivesse dando ordens. Ele era como uma máquina — Kenji conta. — E isto?
Ele aponta para o elevador.
— Esse cara que acabou de sair daqui? O cara que apareceu na casa ontem? Eu não sei quem diabos ele é. Nem consigo compreender a situação agora. Essa merda é irreal.
— Eu não sabia disso — falo para ele, surpresa. — Eu não fazia ideia de que ele era assim.
— Ele não era assim com você? — Kenji pergunta. — Quando você chegou aqui pela primeira vez?
— Não — eu respondo. — Ele sempre foi bem... animado comigo. Não do tipo animado bom — esclareço —, mas, digo... Não sei. Ele falava muito.
Fico em silêncio conforme as lembranças ressurgem.
— Ele sempre estava falando, na verdade. Era tipo tudo o que ele fazia. E sorria para mim o tempo todo.
Faço uma pausa.
— Pensei que ele estivesse fazendo de propósito. Para fazer piada de mim. Ou tentar me assustar.
Kenji inclina-se para trás apoiado nas mãos.
— É, não.
— Hã? — digo, meus olhos focados em um ponto distante.
Kenji suspira.
— Ele é... Tipo... Gentil com você, pelo menos?
Eu olho para baixo. Encaro meus pés.
— É — sussurro. — Ele é muito gentil comigo.
— Mas vocês não estão juntos nem nada?
Faço uma careta.
— Certo — Kenji diz depressa, levantando as duas mãos. — Tudo bem... Eu só estava curioso. Não tem julgamentos aqui, J.
Eu solto um rosnado.
— É, não tem.
Kenji relaxa um pouco.
— Sabe, o Adam acha mesmo que você e o Warner são, tipo, um casal agora.
Eu reviro os olhos.
— O Adam é um idiota.
— Tsc, tsc, princesa. Precisamos conversar sobre o seu vocabulário...
— O Adam precisa contar ao Warner que eles são irmãos.
Kenji levanta os olhos, alarmado.
— Fale mais baixo — ele sussurra. — Não pode sair por aí falando isso. Sabe como o Kent se sente a respeito do assunto.
— Eu acho injusto. O Warner tem o direito de saber.
— Por quê? — Kenji questiona. — Acha que ele e o Kent vão se tornar melhores amigos de repente?
Eu olho para ele então, meus olhos firmes, sérios.
— O James é irmão dele também, Kenji.
O corpo de Kenji fica duro, seu rosto, pálido. Seus olhos se arregalam apenas um pouco.
Eu tombo a cabeça. Levanto uma sobrancelha.
— Eu nem... uau — ele diz.
Ele aperta um punho contra a testa.
— Eu nem tinha pensado nisso.
— Não é justo com nenhum deles — digo. — E eu realmente acho que o Warner adoraria saber que tem irmãos neste mundo. Pelo menos, James e Adam têm um ao outro — afirmo. — Mas o Warner sempre esteve sozinho.
Kenji está fazendo que não com a cabeça. A descrença cravada em seu rosto.
— Isto só fica pior e pior — ele fala. — É como se você pensasse que não tem como ficar mais enrolado e, então, bam.
— Ele merece saber, Kenji — eu repito. — Você sabe que o Warner pelo menos merece saber. É direito dele. É o sangue dele também.
Kenji levanta o olhar. Suspira.
— Maldição.
— Se o Adam não contar a ele — digo —, eu conto.
— Você não contaria.
Eu o encaro. Com dureza.
— Isso é errado, J.
Kenji parece surpreso.
— Você não pode fazer isso.
— Por que você fica me chamando de J? — pergunto a ele. — Quando foi que isso aconteceu? Você já me deu, tipo, cinquenta apelidos diferentes.
Ele encolhe os ombros.
— Você devia se sentir elogiada.
— É mesmo? — digo. — Apelidos são elogios, hein?
Ele faz que sim.
— Então, que tal eu chamá-lo de Kenny?
Kenji cruza os braços. Olha para baixo me encarando.
— Isso não é nem um pouco engraçado.
Eu dou um sorriso.
— É sim, um pouco.
— Que tal eu chamar seu novo namorado de Rei-Metido?
— Ele não é meu namorado, Kenny.
Kenji me lança um olhar de alerta. Aponta para meu rosto.
— Não estou gostando, princesa.
— Ei, você não precisa tomar banho? — pergunto a ele.
— Então agora você está me dizendo que estou fedido.
Eu reviro os olhos.
Ele fica em pé. Cheira a camisa.
— Droga, eu meio que estou fedido mesmo, não?
— Vá — eu digo. — Vá e volte depressa. Estou sentindo que está será uma noite longa.

7 comentários:

  1. Aí eu tô com vontade d chorar pelo Kenji e bam!!! O Kenji me faz rir, será q um dia eu irei ler alguma parte sobre o Kenji e não rir? Mano os diálogos deles são realmente os melhores, amo esses dois demais *-*

    ResponderExcluir
  2. Melhor dupla! Melhores papos

    ResponderExcluir
  3. Eu amo o kenji ele é incrivelmente engraçado

    ResponderExcluir
  4. DUPLA DINÂMICA KKKKKKKKKK
    I LOVE YOU KENJIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII
    ~POLLY~

    ResponderExcluir
  5. Aaai mds, acho q o kenji nao queria deixar o Adam (o james tbm, mas mais o Adam).... '-' OMG tem hora que vem aquele alerta de gay
    ~Amanda~

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)