6 de janeiro de 2017

34

Estou sentada em um dos bancos, brincando com halteres de 2 quilos, quando ouço a voz dele.
— Puta que pariu — ele está dizendo. — Este lugar é de verdade.
Eu dou um pulo, quase derrubando os pesos no meu pé. Kenji e Winston e Castle e Brendan e Alia e Lily estão entrando pela porta extra na parede das armas.
O rosto de Kenji se ilumina quando ele me vê.
Eu corro para a frente e ele me pega nos braços, abraça-me com força antes de se afastar.
— Bem, macacos me mordam — Kenji diz. — Ele não a matou. Esse é um ótimo sinal.
Eu o empurro um pouco. Contenho um sorriso.
Digo oi rapidamente para todos. Estou praticamente pulando de tão alegre por tê-los aqui. Mas eles todos estão olhando ao redor em choque. Como se estivessem mesmo achando que Warner os estava levando para uma armadilha.
— Há um vestiário por aqui — Warner está dizendo a eles.
Ele aponta para a porta ao lado do elevador.
— Há muitos chuveiros e cabines de banheiro e qualquer outra coisa de que vocês possam precisar para não ficarem com cheiro de animal. Toalhas, sabonetes, máquinas de lavar roupa. Tudo por aqui.
Estou tão concentrada em Warner que quase não reparo em Delalieu parado no canto.
Eu abafo um gritinho.
Ele está parado em silêncio, as mãos juntas atrás das costas, observando com atenção enquanto todos ouvem Warner falar. E, não pela primeira vez, pergunto-me quem ele é de verdade. Por que Warner parece confiar tanto nele.
— Suas refeições serão entregues para vocês três vezes ao dia — Warner está falando. — Se não comerem, ou se perderem uma refeição e ficarem com fome, fiquem à vontade para derramar suas lágrimas no chuveiro. E, então, aprendam a seguir horários. Não tragam suas reclamações para mim. Vocês já têm suas armas — ele continua —, mas, como podem ver, esta sala também está totalmente equipada e...
— Beleza — Ian diz.
Ele parece um pouco animado demais enquanto anda até um conjunto de rifles.
— Se você tocar em alguma das minhas armas, vou quebrar suas duas mãos — Warner avisa.
Ian congela no lugar.
— Esta parede está proibida para você. Para todos vocês — ele afirma, olhando pela sala. — Todo o resto está disponível para vocês usarem. Não estraguem nenhum equipamento meu. Deixem as coisas do jeito como as encontraram. E, se não tomarem banho regularmente, não cheguem a menos de três metros de mim.
Kenji resmunga.
— Tenho outros trabalhos para fazer — Warner diz. — Voltarei às 1900 horas, quando poderemos nos reunir e começar nossas discussões. Nesse ínterim, aproveitem a oportunidade para se situarem. Podem usar os tapetes extras no canto para dormir. Espero, pelo bem de vocês, que tenham trazido suas próprias cobertas.
A bolsa de Alia escorrega de suas mãos e cai com barulho no chão. Todos se viram na direção dela. Ela fica vermelho-escarlate.
— Vocês têm alguma pergunta? — Warner diz.
— É — Kenji fala. — Cadê o remédio?
Warner faz um aceno com a cabeça para Delalieu, que ainda está parado no canto.
— Dê ao meu tenente um relatório detalhado de todos os ferimentos e doenças. Ele providenciará os tratamentos necessários.
Kenji faz que sim com a cabeça, com sinceridade. Ele realmente parece grato.
— Obrigado — diz.
Warner encontra o olhar de Kenji por apenas um momento.
— De nada.
Kenji levanta as sobrancelhas.
Até eu estou surpresa.
Warner então olha para mim. Ele olha para mim apenas por um milésimo de segundo antes de desviar. E, depois, sem uma palavra, aperta o botão do elevador.
Entra.
Eu observo as portas se fecharem atrás dele.

4 comentários:

  1. Como a música da Taylor já dizia "...He's so bad but he does it so well..." *-*

    ResponderExcluir
  2. Eu acho tão fofo o carinho q o Kenji tem pela Juju, a amizade deles é linda *-*

    ResponderExcluir
  3. Nao entede poha nenhua traduz a musica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Ele é tão ruim mas, ele faz isso tão bem..."

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)