6 de janeiro de 2017

33

— Eu tenho de sair em sete minutos.
Warner e eu estamos completamente vestidos, conversando um com o outro sem nenhuma intimidade; como se a noite anterior não tivesse acontecido. Delalieu nos trouxe o café da manhã e nós comemos em silêncio em aposentos separados. Nenhuma conversa sobre ele e eu ou o que poderia ter sido ou o que pode ser.
Não existe nós.
Há a ausência de Adam e há a luta contra O Restabelecimento. E isso é tudo.
Eu entendo agora.
— Eu a levaria comigo — ele está falando —, mas acho que será difícil disfarçá-la nesta viagem. Se quiser, pode esperar nas salas de treinamento... Vou levar o grupo direto para lá. Você pode cumprimentar todos assim que eles chegarem.
Ele enfim olha para mim.
— Tudo bem?
Eu faço que sim com a cabeça.
— Muito bom — ele diz. — Vou mostrar a você como chegar lá.
Ele me guia de volta para seu escritório e até um dos cantos mais distantes perto do sofá. Há uma saída ali que eu não vi na noite passada. Warner aperta um botão na parede. As portas deslizam e abrem.
É um elevador.
Entramos e ele aperta o botão para o subsolo. As portas fecham e começamos a sair do lugar.
Eu levanto o olhar para ele.
— Eu nunca soube que você tinha um elevador no seu quarto.
— Eu precisava de acesso privativo ao meu espaço de treinamento.
— Você fica dizendo isso — falo para ele. — Espaço de treinamento. O que é um espaço de treinamento?
O elevador para.
As portas deslizam e abrem.
Ele as segura abertas para mim.
— Isto.
Eu nunca vira tantas máquinas na vida.
Máquinas de corrida e máquinas para as pernas e máquinas que trabalham os braços, os ombros, o abdômen. Há até máquinas que se parecem com bicicletas. Não sei o nome de nenhuma delas. Sei que uma dessas coisas é um banco para supino. Também sei qual é a aparência dos halteres, e há prateleiras e prateleiras deles, de todos os diferentes tamanhos. Pesos, eu penso. Também há barras fixadas no teto em alguns lugares, mas não consigo imaginar para o que sejam. Há toneladas de coisas neste espaço, na verdade, que são totalmente estranhas para mim.
E cada parede é usada para algo diferente.
Uma parede parece feitas de pedras. Ou rochas. Há pequenos sulcos nela que são destacados pelo que parecem peças de plástico de cores diferentes. Outra parede está coberta de armas. Centenas de armas colocadas em pinos que as mantêm no lugar. Elas estão imaculadas. Brilhando como se tivessem acabado de ser polidas. Há uma porta na mesma parede; pergunto-me aonde ela dá. A terceira parede é coberta pelo mesmo material preto parecido com esponja que cobre o piso. Parece que pode ser macio e flexível. E a parede final é a que acabamos de atravessar. Ela abriga o elevador e outra porta, nada mais.
As dimensões são enormes. Este espaço é pelo menos duas ou três vezes maior que o quarto de Warner, seu closet e seu escritório juntos. Não parece possível tudo isto ser para só uma pessoa.
— É incrível — digo, virando-me para olhar para ele. — Você usa tudo isto?
Ele faz que sim com a cabeça.
— Eu costumo vir aqui pelo menos duas ou três vezes por dia — ele conta. — Saí do ritmo quando me machuquei, mas, em geral, sim.
Ele dá um passo para a frente, toca na parede preta esponjosa.
— Esta tem sido a minha vida desde que consigo lembrar. Treinamento — ele fala. — Eu treino desde sempre. E é aqui que vamos começar com você também.
— Eu?
Ele faz que sim.
— Mas eu não preciso treinar — digo a ele. — Não assim.
Ele tenta olhar nos meus olhos e não consegue.
— Tenho que ir — ele diz. — Se ficar entediada aqui, pegue o elevador para subir de novo. Este elevador só acessa dois andares, então você não tem como se perder.
Ele abotoa o paletó.
— Voltarei o mais rápido que puder.
— Certo.
Eu espero que ele saia, mas ele não sai.
— Você ainda vai estar aqui — ele fala enfim — quando eu voltar.
Não é exatamente uma pergunta.
Eu faço que sim com a cabeça de qualquer forma.
— Não parece possível — ele diz, muito baixinho — que você não vá tentar fugir.
Eu não falo nada.
Ele solta um fôlego pesado. Vira-se. E parte.

5 comentários:

  1. Óbvio q ela não vai mais fugir, tenho certeza d q ela não vai mais te largar Warner e.e

    ResponderExcluir
  2. Já que ela não quer eu quero

    ResponderExcluir
  3. Eu queria bater nela e depois esfregar a cara dos dois.
    QUE AGONIA!

    ResponderExcluir
  4. "É só você fazer assim (estalar os dedos) que eu volto." ♥♪♩ Hihihi ^.^

    ResponderExcluir
  5. Ah meu filho, se ela fugir agora eu entro no livro e arrasto ela de volta pelos cabelos

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)