6 de janeiro de 2017

31

Eu decido tomar um banho de banheira.
Nunca tomei um banho de banheira antes.
Dou uma procurada pelo banheiro enquanto a banheira se enche de água quente e descubro pilhas e pilhas de sabonetes perfumados. Todos os diferentes tipos. Todos os diferentes tamanhos. Cada barra de sabonete foi embrulhada em um pedaço grosso de pergaminho e amarrada com um barbante. Há pequenos rótulos presos a cada pacote para distinguir um aroma do outro.
Eu pego um dos embrulhos.
MADRESSILVA
Eu aperto o sabonete e não posso deixar de pensar como era diferente tomar banho no Ponto Ômega. Não tínhamos nada assim tão chique. Nossos sabonetes eram ásperos e tinham um cheiro estranho e eram até certo ponto ineficazes. Kenji costumava levá-los às nossas sessões de treinamento e quebrá-los em pedaços para jogar em mim quando eu não estava me concentrando.
A lembrança me deixa inexplicavelmente emotiva.
Meu coração se inflama conforme me lembro de que meus amigos estarão aqui amanhã. Isso vai mesmo acontecer, eu acho. Somos incontroláveis, todos nós juntos. Mal posso esperar.
Olho com mais atenção para o rótulo.
Notas de saída de jasmim e nuances de uva. Notas suaves de lilás, madressilva, rosa e canela. Notas de base de pó e flor de laranjeira completam a fragrância.
Parece incrível.
Eu roubo um dos sabonetes de Warner.

Estou recém-esfregada e usando roupas limpas.
Fico cheirando minha pele, agradavelmente surpresa com o quanto é bom ter cheiro de flor. Eu nunca tive cheiro de nada antes. Fico descendo os dedos pelos braços, admirada com quanta diferença uma boa barra de sabonete pode fazer. Nunca me senti tão limpa na vida. Eu não sabia que sabonete podia fazer espuma assim ou reagir tão bem com o meu corpo. O único sabonete que eu já usara antes sempre ficava seco na minha pele e me deixava desconfortável por algumas horas. Mas isto é estranho. Maravilhoso. Sinto-me macia e suave e muito refrescada.
Também não tenho absolutamente nada para fazer.
Sento-me na cama de Warner, puxo os pés para debaixo de mim. Encaro a porta do escritório dele.
Estou muito tentada a ver se a porta está destrancada.
Minha consciência, no entanto, ganha de mim.
Afundo nos travesseiros com um suspiro. Chuto as cobertas para cima e me aconchego embaixo delas.
Fecho os olhos.
Minha mente é inundada no mesmo instante por imagens do rosto bravo de Adam, seus punhos trêmulos, suas palavras cruéis. Tento afastar as lembranças e não consigo.
Meus olhos se abrem de repente.
Pergunto-me se um dia eu o verei e verei James de novo.
Talvez fosse isso que Adam queria. Ele pode voltar à sua vida com seu irmãozinho agora. Ele não terá de se preocupar em dividir as porções com outras oito pessoas e poderá sobreviver por muito mais tempo assim.
Mas e depois?, não posso deixar de pensar.
Ele ficará totalmente sozinho. Sem comida. Sem amigos. Sem fonte de renda.
Fico de coração partido ao imaginar isso. De imaginá-lo lutando para encontrar uma maneira de viver, de sustentar o irmão. Porque, embora Adam me odeie agora, eu acho que nunca vou poder ter um sentimento recíproco a esse.
Eu nem sei se entendo o que acabou de acontecer entre nós.
Parece impossível Adam e eu termos podido nos dividir e nos separar tão abruptamente. Eu me importo tanto com ele. Ele estava a meu lado quando mais ninguém estava; ele me deu esperança quando eu mais precisava dela; ele me amou quando ninguém mais me amava. Ele não é alguém que eu quero apagar da minha vida.
Eu o quero por perto. Eu quero meu amigo de volta.
Mas estou percebendo agora que Kenji estava certo.
Adam foi a primeira e única pessoa que mostrou compaixão por mim. A primeira e, na época, a única pessoa que era capaz de tocar em mim. Fui pega pela impossibilidade daquilo, muito convencida de que o destino tinha nos unido. A tatuagem dele era uma impressão perfeita dos meus sonhos.
Achei que se tratava de nós. Da minha fuga. Do nosso felizes-para-sempre.
E era.
E não era.
Quero rir da minha própria cegueira.
Ela nos ligou, eu percebo. Aquela tatuagem. Ela realmente me uniu a Adam, mas não porque estávamos destinados um para o outro. Não porque ele era meu voo para a liberdade. Mas porque nós temos uma ligação enorme entre nós. Um tipo de esperança que nenhum de nós pôde ver.
Warner.
Um pássaro branco com listras de ouro iguais a uma coroa sobre sua cabeça.
Um menino de pele clara e cabelos dourados, o líder do Setor 45.
Sempre foi. O tempo todo.
A ligação.
Warner, o irmão de Adam, meu captor e agora camarada. Ele inadvertidamente me uniu a Adam. E estar com Adam me deu um novo tipo de força. Eu ainda estava assustada e muito ferida e Adam cuidou de mim, deu-me um motivo para ficar em pé por conta própria quando eu era muito fraca para perceber que eu sempre fora motivo suficiente. Foi afeição e um desejo desesperado por ligação física. Duas coisas das quais eu fora muito privada e com as quais eu era tão completamente desacostumada. Eu não tinha nada com que comparar essas novas experiências.
É claro que eu pensei que fosse amor.
Porém, embora eu não saiba muito, sei que, se Adam me amasse de verdade, não teria me tratado como me tratou hoje. Ele não iria preferir que eu estivesse morta.
Sei disso porque eu tinha visto o contrário.
Porque eu estava morrendo.
E Warner poderia ter me deixado morrer. Ele estava bravo e ferido e tinha todos os motivos para ser amargo. Eu tinha acabado de arrancar o coração dele; eu tinha deixado que ele acreditasse que algo sairia do nosso relacionamento. Eu tinha deixado que ele confessasse a profundidade de seus sentimentos por mim; eu o deixei tocar em mim de maneiras que Adam não tocara. Eu não pedi que ele parasse.
Cada centímetro meu estava dizendo sim.
E, depois, eu retirei tudo. Porque eu estava assustada, e confusa, e em conflito. Por causa de Adam.
Warner me disse que me amava e, em troca, eu o insultei e menti para ele e gritei com ele e o afastei. E, quando ele teve a chance de ficar de fora e me ver morrer, ele não o fez.
Ele achou uma maneira de salvar minha vida.
Sem exigências. Sem expectativas. Acreditando completamente que eu estava apaixonada por outra pessoa e que salvar minha vida significava me deixar inteira de novo, só para me devolver para outro cara.
E, neste momento, não posso dizer que sei o que Adam faria se eu estivesse morrendo na frente dele. Não tenho certeza se ele teria salvado minha vida. E essa incerteza por si só me faz saber que alguma coisa não estava certa entre nós. Alguma coisa não era real.
Talvez nós dois tenhamos nos apaixonado com a ilusão de algo mais.

6 comentários:

  1. Sorte q deu tempo da juliette se livrar desse relacionamento abusivo q tinha cm o "adam sem escrupulos"

    ResponderExcluir
  2. Enfim entendi aquele sonho.

    ResponderExcluir
  3. Agora sim entendi aquele sonho, aish finalmente a Juju percebeu q não ama o Adam e aquele cretino também não a ama, Juju fica com o Warner, ele daria a vida por vc, ele te ama d verdade e vc também o ama *-*

    ResponderExcluir
  4. E vc tá esperando o que pra ficar com o habibi Juju?

    ResponderExcluir
  5. " Warner.
    Um pássaro branco com listras de ouro iguais a uma coroa sobre sua cabeça.
    Um menino de pele clara e cabelos dourados, o líder do Setor 45.
    Sempre foi. O tempo todo.
    A ligação."
    QUE EMOCIONANTE!
    #TeamWarnerForever ~polly~

    ResponderExcluir
  6. parece que o jogo virou não é ADAM KENT??? até que enfim juju pelo amor de deus já estava passando da hora.... até que enfim entendi aquele sonho, agora tudo faz sentidoooooo <3 <3<3 vai juju agarra esse macho senão eu pego pra mim

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)